131785 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788521621591

Parte I - 3 - Grandezas Vetoriais

Tavares, Armando Dias, José Umberto Cinelli Lobo de Oliveira Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo

3

Grandezas Vetoriais

3.1

Associatividade da regra do paralelogramo, resultante de n forças atuando em um ponto∗

Vejamos agora o caso de várias forças aplicadas simultaneamente num ponto P . Note-se que a regra do paralelogramo, referindo-se a apenas duas forças F 1 e F 2 , não abrange o caso de n forças aplicadas em um ponto. Não sabemos qual a sequência da composição das n forças. Em que ordem as devemos compor? Somando F 1 e F 2 e depois F 3 e assim por diante, ou em outra ordem? Observe-se que a enumeração das forças é arbitrária. Desse modo, asseverar que se pode aplicar a regra do paralelogramo, sucessivamente em qualquer ordem, às n forças que atuam em um ponto é admitir um outro postulado ou princípio:

Postulado 4 A resultante de n forças atuantes em um ponto é obtida aplicando-se a regra do paralelogramo sucessivamente aos pares de forças em qualquer ordem.

Observações

1. O Postulado 3, ou a regra do paralelogramo, considera que a composição de forças é comutativa, isto é:

Ver todos os capítulos
Medium 9788530983727

CAPÍTULO XLV – COLAÇÕES

Arnaldo Rizzardo Grupo Gen ePub Criptografado

Vários artigos do Código Civil disciplinam o instituto da colação, termo este que significa trazer ao inventário os bens recebidos em vida, a título gratuito. Vem a propósito, ainda, a colocação de Washington de Barros Monteiro: “O que os sucessores receberam em vida de seus ascendentes, direta ou indiretamente, se devolve ao acervo, que assim se recompõe, para depois partilhar-se novamente entre os herdeiros”.1

Daí a presente definição, trazida por Aldyr Dias Vianna: “Colação é o ato pelo qual os herdeiros descendentes, concorrendo à sucessão do ascendente comum, são obrigados a conferir, sob pena de sonegados, as doações e os dotes que dele em vida receberam, a fim de serem igualadas as respectivas legítimas”.2 Adverte-se que, com o Código da Lei nº 10.406, não mais ingressam os dotes no direito, eis que abolido o instituto.

A palavra provém do latim collatio, com o significado de ajuntamento, encontro, agregação, originado o substantivo, conforme Pinto Ferreira, do supino latino collatum, termo derivado do verbo conferre, que se traduz por reunir, trazer juntamente, ajuntar, agregar. Daí equivaler a “conferir” e “trazer à colação”.3 Todos os bens dados em vida devem vir relacionados e descritos no inventário, a fim de serem computados na atribuição das quotas hereditárias.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553614028

2. Revogação

Renato Marcão Editora Saraiva PDF Criptografado

136  Curso de Processo Penal

isto é, a lei que será substituída pela lei que aguarda o fim da vacatio legis. Enquanto a lei nova não estiver em vigor, a lei antiga regula a matéria que a lei nova irá tratar”.2

Conforme o art. 1º, caput, da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro

(Decreto-Lei n. 4.657/42), “salvo disposição contrária, a lei começa a vigorar em todo o país quarenta e cinco dias depois de oficialmente publicada”, e acrescenta o

§ 1º do dispositivo invocado que “nos Estados, estrangeiros, a obrigatoriedade da lei brasileira, quando admitida, se inicia três meses depois de oficialmente publicada”.

2. Revogação

Não se destinando à vigência temporária, a lei estenderá sua vigência até que outra a modifique ou revogue (art. 2º, caput, do Decreto-Lei n. 4.657/42).

A lei perderá sua força impositiva, e, portanto, deixará de ser aplicada, quando ocorrer sua revogação, que pode ser expressa ou tácita.

“A lei posterior revoga a anterior quando expressamente o declare, quando seja com ela incompatível ou quando regule inteiramente a matéria de que tratava a lei anterior” (art. 2º, § 1º, do Decreto-Lei n. 4.657/42).3

Ver todos os capítulos
Medium 9788597015911

CAPÍTULO 10 – CPC 08 (R1) CUSTOS DE TRANSAÇÃO E PRÊMIOS NA EMISSÃO DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

ADRIANO, Sérgio Grupo Gen PDF Criptografado

CAPÍTULO 10

CPC 08 (R1)

CUSTOS DE TRANSAÇÃO

E PRÊMIOS NA EMISSÃO

DE TÍTULOS E VALORES

MOBILIÁRIOS

1. OBJETIVO

O objetivo do CPC 08 é estabelecer o tratamento contábil aplicável ao reconhecimento, mensuração e divulgação dos custos de transação incorridos e dos prêmios recebidos no processo de captação de recursos por intermédio da emissão de títulos patrimoniais e/ou de dívida.

2. ALCANCE

O CPC 08 regula a contabilização e evidenciação dos custos de transação incorridos na distribuição primária de ações ou bônus de subscrição, na aquisição e alienação de ações próprias, na captação de recursos por meio da contratação de empréstimos ou financiamentos ou pela emissão de títulos de dívida, bem como dos prêmios na emissão de debêntures e outros instrumentos de dívida ou de patrimônio líquido, frequentemente referidos como títulos e valores mobiliários.

3. TERMOS UTILIZADOS NO CPC 08

O CPC 08 utiliza em seu conteúdo os termos custos de transação, despesas financeiras, encargos financeiros, prêmio na emissão de debêntures, taxa interna de retorno, método de juros efetivos, título patrimonial e valor justo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553131242

GABARITO

Silvério das Neves, Paulo Viceconti Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo 4

Depreciação, amortização e exaustão acumuladas

135

9. A Cia. Alfenas possui uma máquina própria de sua atividade operacional, adquirida por

R$ 60.000,00, com vida útil estimada em 5 anos e depreciação baseada no método da soma dos dígitos dos anos e utilização de taxas crescentes. A mesma empresa possui também uma mina custeada em R$ 75.000,00, com capacidade estimada de 30.000 toneladas, exaurida com base no ritmo de exploração anual de 4.000 toneladas de minério. O usufruto dos dois itens citados teve início na mesma data. As contas jamais sofreram correção monetária. Analisando tais informações podemos concluir que, ao fim do terceiro ano, essa empresa terá no

Balanço Patrimonial, em relação aos bens referidos, o valor contábil de (em R$): a) 36.000,00; b) 40.000,00; c) 45.000,00; d) 75.000,00; e) 81.000,00.

10. Utilizando os dados da questão no 9, caso a máquina de propriedade da companhia tivesse um valor residual de R$ 6.000,00, a quota de depreciação, a ser lançada no quarto ano de sua vida útil, corresponderia a (em R$): a) 7.200,00; b) 10.800,00; c) 14.400,00; d) 18.000,00; e) 3.600,00.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527732642

24 - Aleitamento Materno

BARACHO, Elza Grupo Gen PDF Criptografado

24

Aleitamento Materno

Elza Baracho

Juliana Lerche Vieira Rocha Pires

Neyliane Sales Chaves Onofre

“Pois assim diz o Senhor: Estenderei para ela a paz como um rio e a riqueza das nações, como uma corrente avassaladora; vocês serão amamentados nos braços dela e acalentados em seus joelhos. Assim como uma mãe consola seu filho, também eu os consolarei”. (Isaías 66:12,13)

INTRODUÇÃO

A atuação do fisioterapeuta historicamente iniciou‑se na perspectiva da reabilitação; porém, sabe‑se que, na atualidade, ele pode agir também na atenção primária e secundária, com ações de promoção da saúde, prevenção de doenças e educação em saúde. Schmidt et al. (2003) afirmam que os profissionais da área da saúde, sejam médicos, enfermeiros, dentistas, fisio‑ terapeutas ou outros, devem desenvolver ações no modelo de atenção integral proposto pelo Sistema Único de Saúde (SUS), participando ativamente de sua construção. Desse modo, as diretrizes curriculares e o Código de Ética Profissional do Fi‑ sioterapeuta fornecem subsídio para o profissional atuar na promoção da saúde e participar de programas de assistência à comunidade. O Projeto de Lei no 4.261/2004 inclui os profis‑ sionais de fisioterapia no Programa de Saúde da Família (PSF), possibilitando a incorporação de um saber específico que pode ser compartilhado com os demais profissionais integrantes das equipes multiprofissionais. As ações de incentivo, promoção e apoio ao aleitamento materno devem ocorrer no conjunto das ações dos profissionais durante o pré‑natal, o pré‑parto, o nascimento e o puerpério, mas é necessário que toda a equipe abrace a tarefa de acolher a mãe e o bebê, esteja disponível para a escuta e os esclarecimentos de dúvidas e aflições, incentive a troca de experiências e avalie cada caso de maneira singular.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527730075

14. Sistema Respiratório

Paulo Ricardo. R. Larosa Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo 14

Sistema

Respiratório

Paulo Ricardo R. Larosa

Introdução

A respiração é um processo passivo do organismo, por meio do qual o ar contendo O2 é levado pelas vias respiratórias de condução até os pulmões, que são os órgãos respiratórios, para então se ligar às hemácias no sangue. No sentido inverso, o CO2 é eliminado dos pulmões. Para esse processo quase não existe gasto de energia, o que faz com que a parte condutora seja alveolar e tubular, permitindo a livre passagem do ar.

Os órgãos que compõem o sistema respiratório são: nariz, cavidade nasal, faringe, laringe, traqueia, brônquios (todos considerados vias condutoras) e pulmões (órgãos respiratórios) (Figura 14.1).

Nariz

As vias condutoras se iniciam com o nariz, órgão mediano de aspecto piramidal que se projeta anteriormente na face e é sustentado por um esqueleto ósseo e cartilaginoso.

Cavidade nasal

A cavidade nasal é formada por duas câmaras assimétricas, separadas medianamente por um septo ósseo e cartilaginoso (Figura 14.2). Tem seu início a partir das narinas e seu final em uma região de passagem do ar, os cóa­nos. Além de conduzir o ar, também tem função olfatória.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580554052

Capítulo 64 - Autismo e outros transtornos do desenvolvimento neural que afetam a cognição

Eric R. Kandel, James Schwartz, Thomas M. Jessell, Steven A. Siegelbaum, A.J. Hudspeth Grupo A PDF Criptografado

64

Autismo e outros transtornos do desenvolvimento neural que afetam a cognição

O autismo apresenta padrões de comportamento característicos

Há um forte componente genético no autismo

O autismo apresenta anormalidades neurológicas características

Há distintas anormalidades cognitivas no autismo

A comunicação social está prejudicada: a hipótese da cegueira mental

Outros fatores sociais envolvidos no autismo

Pessoas com autismo apresentam menor flexibilidade comportamental

Algumas pessoas com autismo apresentam habilidades especiais

Alguns distúrbios do desenvolvimento apresentam uma base genética conhecida

Síndrome do X frágil

Síndrome de Rett

Síndrome de Down

Síndromes de Prader-Willi e de Angelman e outros distúrbios

desenvolvimento” e “deficiência de aprendizado”. De um modo geral, mesmo que todas as funções mentais pareçam estar comprometidas, algumas tendem a ser mais afetadas do que outras. Essa vulnerabilidade distinta fornece pistas interessantes sobre as diferentes origens e o curso temporal de funções mentais específicas no desenvolvimento normal.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527726184

Capítulo 126 - Emergências Ambientais – Ações para a Redução dos Impactos à Fauna

CUBAS Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo 126

Emergências Ambientais

– Ações para a Redução dos Impactos à Fauna

Valeria Ruoppolo

Ian Robinson

CC

Introdução

O estudo dos desastres ganhou destaque nos últimos 20 a

30 anos. A classificação dos diferentes tipos de desastres, de acordo com o Centro para a Pesquisa na Epidemiologia de

Desastres (CRED, Centre for Research on the Epidemiology of

Disasters), consta na Tabela 126.11,2.

Emergência ambiental é uma ameaça súbita à saúde pública e à integridade do meio ambiente, com risco de perdas huma‑ nas e graves danos ambientais, além de grandes perdas econô‑ micas. Isso demanda medidas imediatas para minimizar suas consequências adversas. As emergências podem ser resultan‑ tes de eventos naturais ou induzidos pelo homem, e podem ser classificadas como:

■■ Desastres naturais: inundações, secas, ciclones e furacões, terremotos, deslizamentos de terra, avalanches, incêndios florestais, tsunamis e erupções vulcânicas (Figura 126.1)

Ver todos os capítulos
Medium 9788547222307

6.1. Separar as contas

Antonio Carlos Aguiar, César Reinaldo Basile, Offa Editora Saraiva PDF Criptografado

6.

Orçamento, receitas e despesas

6.1. Separar as contas

Estipulamos até aqui metas, identificamos oportunidades, destacamos a importância de empreender, mas hoje, tanto num escritório de pequeno, médio ou grande porte e também nos departamentos jurídicos, todos trabalham com orçamentos. Não dá para sair gastando sem que haja previsão para isso. Não há como contratar um correspondente ou planejar uma viagem se, antes, não tivermos devidamente orçado essa despesa.

E na verdade não há como ser diferente. Afinal de contas, também não fazemos isso na nossa casa? A cada mês, você ou seus pais calculam o que a família vai receber e planejam o que poderá ser gasto. Você sabe que, para a maioria das famílias, não é possível fazer todos os passeios ou comprar tudo o que se quer em um só mês. Por isso é preciso priorizar: escolher o que se quer a cada momento e mesmo decidir se é mais importante comprar alguma coisa agora ou guardar dinheiro para aproveitar uma oportunidade melhor mais adiante.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553618576

3 ORGANIZAÇÃO DO JÚRI

Alexandre Cebrian Araujo Reis, Victor Eduardo Rios Gonçalves Editora Saraiva PDF Criptografado

Sinopses Jurídicas

Código Penal como crime contra o patrimônio (Súmula 603 do STF).

O crime de induzimento, instigação ou auxílio a automutilação, embora tipificado no capítulo que trata dos crimes dolosos contra a vida, não se caracteriza como tal por afetar o bem jurídico incolumidade física, razão pela qual não se incluiu na competência do Tribunal do Júri.

O Júri não julga pessoas que gozam de foro por prerroga­tiva de função previsto na Constituição Federal, ainda que pratiquem crime doloso contra a vida. Assim, se um promotor de justiça praticar um homicídio no desempenho da função, será julgado pelo Tribunal de

Justiça do Estado e não pelo Júri. Saliente-se, porém, que, de acordo com a Súmula Vinculante 45 do STF, a competência constitucional do Júri prevalece sobre o foro por prerrogativa de função estabelecido exclusivamente em Constituição Estadual.

2 CARACTERÍSTICAS DO TRIBUNAL DO JÚRI a) órgão colegiado: a decisão da causa é entregue a número plural de pessoas; b) heterogeneidade: o Tribunal é composto por 1 juiz togado (juiz-presidente) e 25 juízes leigos (jurados), nos termos do art. 433 do Código de Processo Penal; c) horizontalidade: o juiz-presidente e os jurados encontram-se no mesmo grau de jurisdição; d) decisão tomada por maioria de votos; e) temporariedade (caráter não permanente): o Tribunal do Júri é constituído em certas épocas do ano para julgamento das causas que já se encontram preparadas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530982522

Parte I – Resumo Executivo

RAMAL, Andrea Grupo Gen PDF Criptografado

74

REDAÇÃO EXCELENTE | Para Enem e Vestibulares

Resumo Executivo

Nesta parte você viu que:

Na redação do Enem e de grande parte dos vestibulares, você deve escrever um texto dissertativo-argumentativo, ou seja: apresentar ideias e defender um ponto de vista sobre um assunto.

A redação deve ter lógica, com começo, meio e fim.

Antes de começar a escrever, é preciso definir qual será a proposta de intervenção social e que trilha de argumentos você utilizará para levar o leitor a ela.

Não se começa a escrever o texto antes de ter certeza sobre a compreensão do tema proposto.

Os textos motivadores ajudam a refletir sobre os diversos lados da questão e podem inspirar a abordagem – além de esclarecer qual é o enfoque proposto.

Mas não devem ser copiados na redação.

O texto deve ser iniciado de maneira eficiente para motivar o leitor, deixando clara a relevância do tema.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527731294

Parte 6 - 29 - Nocicepção e Dor

Lumb, Jones Grupo Gen PDF Criptografado

29

Nocicepção e Dor

Carolyn M. McKune, Joanna C. Murrell, Andrea M. Nolan, Kate L. White e Bonnie D. Wright

Introdução, 576

Dor e nocicepção, 577

Classificação da dor, 577

Fisiologia da dor, 578

Fisiopatologia da dor | Dor clínica, 578

Sensibilização, 579

Alterações periféricas, 579

Alterações centrais, 579

Dor crônica, 580

Modelos de nocicepção e testes analgésicos, 580

Limitações dos modelos animais atuais, 581

Modelos de dor passíveis de extrapolação, 581

Ensaios nociceptivos e de dor, 582

Testes fásicos de dor, 582

Medidas dos resultados, 582

Considerações éticas, 588

Medição dos limiares nociceptivos de retirada em animais de estimação, 588

Modelos de dor | Testes tônicos, 589

Tendências recentes na avaliação da dor em roedores, 595

Avaliação da dor clínica na medicina veterinária, 596

Quantificação da dor, 597

Medições objetivas da dor aguda, 597

Ver todos os capítulos
Medium 9788520450680

SEÇÃO X – INFECTOLOGIA

Andréa Remigio de Oliveira, Leandro Utino Taniguchi, Marcelo Park, Pedro Vitale Mendes, Augusto Scalabrini Neto, Irineu Tadeu Velasco Editora Manole PDF Criptografado

SEÇÃO X  INFECTOLOGIA

Principais mecanismos de resistência antimicrobiana

63

Guilherme Kubo

Andréa Remigio

INTRODUÇÃO n  Um micro-organismo é considerado multirresistente quando possui resistência a dois ou mais antimicrobianos de classes distintas, para os quais as bactérias são originalmente sensíveis. n  A resistência fisiológica ocorre porque algumas espécies bacterianas são consideradas naturamente resistentes a uma ou mais classes de agentes antimicrobianos, normalmente por possuírem um alvo molecular para ação do fármaco ou serem impermeáveis a ele. n  A resistência adquirida ocorre por meio de mutação ou da aquisição de novo material genético, transportado por elementos móveis como plasmídeos e transposons. Pode resultar do uso continuado de antimicrobianos.

book manual 2016.indb 369

13/09/16 07:50

370 

Manual da Residência de Medicina Intensiva

β-lactamase de espectro estendido (ESBL)

Definição

A definição mais usada é a de que ESBL são β-lactamases capazes de conferir resistência a penicilina, cefalosporinas de 1ª, 2ª e 3ª geração e aztreonam.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527729758

16 - Alimentação e Nutrição de Garanhões

André G. Cintra Grupo Gen PDF Criptografado

16

Alimentação e

Nutrição de Garanhões

André G. Cintra

Manejo

Muitos consideram o garanhão reprodutor o animal mais importante do plantel. Em termos genéticos, sua importância se equipara à das éguas, afinal, ele responde por 50% das características genéticas do potro, e as éguas, pelos outros 50%.

Portanto, para se ter uma boa descendência,

é importante cruzar machos e fêmeas de boa qualidade.

Na verdade, a fêmea representa um pouco mais de 50% da genética do cavalo, pois contribui com mais 0,4% referente ao DNA citoplasmático que entra na composição de seus descendentes. Além disso, as fêmeas, por carregarem o potro dentro de si e, após o parto, serem responsáveis por sua criação e sua alimentação, têm maior responsabilidade na qualidade do plantel. Entretanto, para dispor de um bom plantel, basta um garanhão de

ótima qualidade, que pode padrear até 40 fêmeas em monta natural e uma infinidade em monta artificial; portanto, como deixa maior número de descendentes por ano, há certa justificativa para se preocupar mais com sua qualidade e saúde.

Ver todos os capítulos

Carregar mais