54931 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788547233396

Questões comentadas

ROCHA,Marcelo Hugo da Editora Saraiva PDF Criptografado

86

DIREITO EMPRESARIAL

1069071-78.2014.8.26.0100. 2ª Câmara Reservada de Direito Empresarial.

Relator: Desembargador Caio Marcelo Mendes de Oliveira. 11/05/2016).

5.5 Indicação geográfica

Constitui indicação geográfica o sinal designativo de procedência ou de origem.

Indicação de procedência é o nome geográfico de país, cidade, região ou localidade de seu território, que se tenha tornado conhecido como centro de extração, produção ou fabricação de determinado produto ou de prestação de determinado serviço.

Denominação de origem, por seu turno, é o nome geográfico de país, cidade, região ou localidade de seu território, que designe produto ou serviço cujas qualidades ou características se devam exclusiva ou essencialmente ao meio geográfico, incluídos fatores naturais e humanos. Como exemplo, pode-se apontar a procedência de determinados vinhos, o que os identifica e diferencia suas características de outros produtos de regiões diversas.

A indicação geográfica e sua representação gráfica ou figurativa são protegidas pelo ordenamento jurídico para garantir as peculiaridades do produto e sua identificação pelos consumidores. Nesses termos, estabelece o art. 182, da Lei n. 9.279/96, que o uso da indicação geográfica é restrito aos produtores e prestadores de serviço estabelecidos no local.

Ver todos os capítulos
Medium 9788584290345

Capítulo 14. Parágrafo

Roberta Adalgisa de Azevedo Grupo A PDF Criptografado

14

Parágrafo

Azevedo_Cap_14.indd 175

29/04/2015 16:51:41

14

>> DEFINIÇÃO e CONSTITUIÇÃO de um parágrafo.

>> A ORGANIZAÇÃO dos parágrafos.

>> As RELAÇÕES que compõem os parágrafos: algumas sugestões.

Azevedo_Cap_14.indd 176

29/04/2015 16:51:41

PARÁGRAFO

177

Apesar de um parágrafo ser definido pelo afastamento da margem da folha até o ponto-final, o mais importante não é essa estrutura, e sim a unidade de sentido que o parágrafo representa no todo.

Assim, antes de começar a elaboração de um texto, o ideal é organizar os parágrafos que nortearão sua constituição, a fim de garantir a coesão e a coerência no interior textual. Dessa forma, a investigação dos conhecimentos prévios sobre o assunto a ser discutido no texto é imprescindível, pois pela organização de parágrafos que contemplarão esses conhecimentos será possível um plano para elaborar o texto.

Em seguida, o ideal é fazer um apanhado geral de suas ideias, organizando-as em tópicos e identificando a ideia central do que se pretende trabalhar. Posteriormente, cada tópico elencado servirá como base para a elaboração de cada parágrafo que participará da composição do texto.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521629313

17 Eletrostática II

KESTEN, Philip R.; TAUCK, David L. Grupo Gen PDF Criptografado

17

Eletrostática II

Amostra

Injetor de fluido

Bocal

Convergência hidrodinâmica

Células manchadas

Fluorescência

Raio de luz disperso

Fonte de luz

Geração de gotículas

+

+

+

+

+ Gotículas defletidas

17-1  Potencial Elétrico

17-2  Superfícies Equipotenciais

17-3  Potencial Elétrico Devido a Certas Distribuições de Carga

17-4  Capacitância

17-5  Energia Armazenada em um Capacitor

17-6  Capacitores em Série e em Paralelo

17-7  Dielétricos

Os classificadores de células ativadas por fluorescência separam rapidamente células de diferentes tipos. Os anticorpos fixados a corantes fluorescentes somente se unem a tipos específicos de células. Quando as células suspensas em uma solução salina passam pela máquina, a solução forma pequenas gotas salinas, cada uma contendo uma única célula. As gotículas então passam através de um feixe de luz; aquelas que apresentam fluorescência possuem células ligadas a anticorpos. O classificador de células aplica uma carga elétrica às gotículas que contêm uma célula fluorescente. Quando o fluxo de gotículas flui entre duas placas carregadas com sinais opostos a alta-tensão, um forte campo elétrico criado pelas placas desvia as gotículas carregadas, que contêm as células de interesse, afastando-as da trajetória seguida pelas gotículas descarregadas que contêm as células não marcadas. As aplicações para as populações de células purificadas resultantes variam desde o diagnóstico e tratamento de doenças até a engenharia de novas proteínas para células de animais e células microbianas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597009101

I - Introdução ao Estudo do Direito Agrário

Benedito Ferreira Marques Grupo Gen PDF Criptografado

I

Introdução ao Estudo do Direito Agrário

1 Origens

Remontam aos primórdios da civilização as origens do Direito Agrário. E não poderia ser outra a constatação, pois que o primeiro impulso do homem foi retirar da terra os alimentos necessários à sua sobrevivência. Depois, quando os homens se organizaram em tribos, tornou-se imprescindível a criação de normas reguladoras das relações entre eles, tendo por objeto o “agro”. Nascia, ali, com tais normas, o ordenamento jurídico agrário.

O Prof. OCTAVIO MELLO ALVARENGA,1 considerado um dos primeiros agraristas nacionais, anota que: as regras de conduta que regem o homem em sua relação com a terra evoluíram do Decálogo de Moisés para as codificações e leis subsequentes, até atingir um grau de tipicidade que justifica o direito agrário como ramo autônomo da ciência jurídica.

Também o jovem Prof. ALCIR GURSEN DE MIRANDA,2 da Universidade Roraima, depois de assinalar que as primeiras normas reguladoras dos povos antigos foram normas diferenciadas e que a relação do homem com a terra excedia os limites do jurídico, chegou à conclusão de que “o Código de Hammurabi, do povo

Ver todos os capítulos
Medium 9788521629405

Parte II - 8 Controle de Sistemas Robóticos

Francisco Javier Triveño Vargas, Pedro Paglione Grupo Gen PDF Criptografado

Vargas — Prova 3 — 13/5/2015 — Maluhy&Co. — página 107

8

Controle de Sistemas Robóticos

A robustez da técnica de controle perante as incertezas, perturbações e ruído é importante para garantir boas características de resposta e deve ser preocupação no projeto de controladores.

Com este objetivo e para tentar diminuir o erro, são empregados controladores de ganhos elevados. No entanto, essa técnica não apresenta resultados satisfatórios no caso dos robôs, em que facilmente pode causar ressonância (Umeno et al., ). Buscando reduzir estes ganhos elevados, diferentes projetos de controladores foram propostos na literatura e implementados na prática.

Dessas considerações e do ponto de vista da teoria de controle, a estrutura de dois graus de liberdade (TDOF)¹ permite, na síntese de seu projeto, a integração de vários requisitos de robustez (Wolovich, ). Os trabalhos desenvolvidos em Vargas et al. () e Vargas et al.

() são exemplos de aplicações desta técnica no controle de robôs e aeronaves.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597014372

Capítulo 9 – Ética & liberdade: o que nos separa dos robôs?

GABRIEL, Martha Grupo Gen PDF Criptografado

CAPÍTULO

9

ÉTICA & LIBERDADE: O QUE

NOS SEPARA DOS ROBÔS?

Vimos anteriormente que as tecnologias e mídias digitais ampliaram a voz dos indivíduos e que, por um lado, isso é excelente, pois dá vazão à liberdade de expressão, mas, por outro, pode ser terrível, porque, infelizmente, muitas vezes, a liberdade é confundida com libertinagem!

A liberdade está intimamente associada à responsabilidade, e não se pode ser verdadeiramente livre sem assumir a responsabilidade decorrente dessa liberdade. E de todas as liberdades que podemos ter, acredito que a de expressão é a que mais revela uma pessoa – seu pensamento, seu caráter, suas atitudes, sua educação, seu coração. William M. Bulger tem uma frase que gosto muito, que diz: “Não há nada que melhor defina uma pessoa do que aquilo que ela faz quando tem toda a liberdade de escolha”.

Pois bem, agora as tecnologias digitais interativas deram às pessoas a liberdade para escolher o que falar, como falar e onde falar, à vontade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788560031481

Capítulo 2 - Defina sua Filosofia Corporativa e Comece a Vivenciá-la

Jeffrey K. Liker, David Meier Grupo A PDF Criptografado

Defina sua Filosofia

Corporativa e Comece a

Vivenciá-la

Capítulo

2

Qual é a filosofia de sua empresa?

Faça essa simples pergunta no trabalho e observe os olhares ficarem vidrados. É como perguntar por que os seres humanos existem na Terra. Isso é coisa para filósofos. Vamos fazer o trabalho que temos para hoje. As empresas regularmente têm reuniões em que planos são feitos para o ano seguinte, e algumas empresas que pensam no futuro chegam a desenvolver planos para cinco anos. Mas então ouvimos falar dos misteriosos planos de 500 anos de empresas japonesas. Não é necessário saber o que sua empresa estará fazendo dentro de 500 anos. A questão é se sua visão inclui estar em funcionamento por tanto tempo.

A visão da Toyota certamente inclui estar funcionando a longo prazo. Tendo iniciado como empresa familiar, a Toyota evoluiu para um organismo vivo que deseja primeiro e acima de tudo sobreviver a fim de continuar a contribuir. Contribuir para quem? Contribuir para a sociedade, para a comunidade e todos os seus funcionários e parceiros.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521624011

Tópico II 13 - Probabilidade e Análise Estatística

Michael R. Lindeburg Grupo Gen PDF Criptografado

13

  1. Teoria dos Conjuntos

  2. Combinação de Elementos

 3. Permutações

  4. Teoria da Probabilidade

  5. Probabilidade Conjunta

  6. Probabilidade Complementar

  7. Probabilidade Condicional

  8. Funções de Densidade Probabilística

  9. Distribuição Binomial

10. Distribuição Hipergeométrica

11. Distribuição Hipergeométrica Múltipla

12. Distribuição de Poisson

13. Funções de Distribuição Contínuas

14. Distribuição Exponencial

15. Distribuição Normal

16. Aplicação: Confiabilidade

17. Análise dos Dados Experimentais

18. Medidas de Tendência Central

19. Medidas de Dispersão

20. Teorema do Limite Central

21. Nível de Confiança

22. Aplicação: Nível de Confiança

23. Aplicação: Teste Básico de Hipóteses

24. Aplicação: Controle Estatístico de Processo

25. Medidas de Adequacidade Experimental

26. Regressão Linear

Ver todos os capítulos
Medium 9788553611584

3.4. A ESTRUTURA NORMATIVA DOS PRINCÍPIOS – DWORKIN EALEXY

NEGRÃO, Ricardo Editora Saraiva PDF Criptografado

desempenham importante função social e, à evidência, estimulam a atividade econômica.

O princípio da preservação da empresa, entretanto, poderia ser encontrado em outras construções a partir de enunciados positivados ou não e resultar de outras construções normativas? Propomos, antes de responder a essa indagação, aprofundar o exame e identificar as principais características distinguidoras dos princípios, bem como os critérios que podem ser usados para distinguir princípios e normas.

3.4. A ESTRUTURA NORMATIVA DOS PRINCÍPIOS – DWORKIN E

ALEXY

Ronald Dworkin (1977, p. 43, tradução nossa) afirma que regras e princípios distinguem-se porque estes apresentam dimensão de peso e importância a ser considerada em sua aplicação15:

Princípios possuem uma dimensão que as regras não possuem

– a dimensão de peso ou de importância. Quando princípios se cruzam (a política de proteção aos consumidores de veículos e os princípios de liberdade de contratar, por exemplo), o intérprete deve levar em conta o peso de cada um desses princípios.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527728621

29 - Desenvolvimento e Herança

TORTORA, Gerard J.; DERRICKSON, Bryan Grupo Gen PDF Criptografado

29

Desenvolvimento e Herança

Desenvolvimento, herança e homeostasia

Tanto o material genético herdado dos pais (hereditariedade) quanto o desenvolvimento normal no útero (ambiente) são importantes na determinação da homeostasia de um embrião e feto em desenvolvimento e o subsequente nascimento de uma criança saudável.

A biologia do desenvolvimento é o estudo da se­quência de eventos que vão da fertilização de um oó­cito secundário por um espermatozoide à formação de um organismo adulto. A gestação é a se­quência de eventos que começa com a

fecundação; prossegue durante a implantação, desenvolvimento embrionário e desenvolvimento fetal; e, de modo

­ideal, termina com o nascimento de uma criança depois de aproximadamente 38 semanas, ou 40 semanas, depois da

última menstruação.

A obstetrícia trata do manejo da gestação, do trabalho de parto e do parto e do perío­do neonatal, os primeiros

28 dias após o nascimento. O desenvolvimento pré‑natal vai do momento da fecundação até o nascimento e é divi‑ dido em três perío­dos de 3 meses regulamentares cada, chamados trimestres.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547228880

Decreto n. 8.368, de 2 de dezembro de 2014

ROCHA, Marcelo Hugo da Editora Saraiva PDF Criptografado

Legislação Complementar

Art. 6º Os Tribunais Regionais do Trabalho deverão manter e dar publicidade a suas súmulas e teses jurídicas prevalecentes mediante banco de dados, organizando-as por questão jurídica decidida e divulgando-as, preferencialmente, na rede mundial de computadores.

Arts. 7º a 22. Revogados pela Res. 201/2015 do TST.

Art. 23. A dispensa de depósito recursal a que se refere o § 8º do artigo 899 da CLT não será aplicável aos casos em que o agravo de instrumento se refira a uma parcela de condenação, pelo menos, que não seja objeto de arguição de contrariedade a súmula ou a orientação jurisprudencial do Tribunal Superior do Trabalho.

Parágrafo único. Quando a arguição a que se refere o caput deste artigo revelar-se manifestamente infundada, temerária ou artificiosa, o agravo de instrumento será considerado deserto.

Publique-se.

Ministro Antonio José de Barros Levenhagen

Presidente do Tribunal Superior do Trabalho

Decreto n. 8.368, de 2 de dezembro de 2014

Ver todos os capítulos
Medium 9788541203708

19 Overdentures sobre Implantes

Vicente De Paula Prisco da Cunha, Leonardo Machini Grupo Gen PDF Criptografado

19

Overdentures sobre

Implantes

Leonardo Marchini

Vicente de Paula Prisco da Cunha

■■

Descrição dos procedimentos, 144

■■

Agradecimentos, 149

■■

Bibliografia, 149

Prisco 19.indd 143

9/12/2013 20:52:02

Prótese Total Contemporânea na Reabilitação Bucal

O que é overdenture sobre implantes e para que serve?

As overdentures sobre implantes são próteses totais mucossuportadas (PTMS) que utilizam implantes osseointegrados como auxiliares para sua retenção. Em geral, são feitas para o arco inferior, mas podem também ser confeccionadas para o rebordo maxilar. A prótese total inferior convencional pode, por diversos motivos (­área basal diminuta, reabsorção alveolar extensa, ­musculatura paraprotética exercendo in­fluên­cia por vestibular e por lingual, entre outros), apresentar retenção pouco satisfatória, comprometendo o conforto do paciente e, consequentemente, o uso da prótese. Nesses casos, a colocação de dois implantes na região anterior da mandíbula, entre os dois forames mentonianos, associada a um dispositivo de encaixe à prótese total, tem demonstrado ser de grande valia para aprimorar a retenção da prótese total inferior.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527728126

Capítulo 38 - Ultrassonografia nas Varizes dos Membros Inferiores

MAFFEI, Francisco Humberto de Abreu et al. Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo 38

Ultrassonografia nas Varizes dos Membros

Inferiores

Carlos Alberto Engelhorn e Ana Luiza Valiente Engelhorn

Introdução

O sistema venoso é responsável pelo retorno do sangue ao coração e ao pulmão, completando assim o circuito fisioló‑ gico da circulação sistêmica. Durante o processo de evolução dos seres humanos muitos mecanismos fisiológicos foram desenvolvidos para assegurar o direcionamento do retorno venoso contra a ação da gravidade; um deles é a existência de válvulas dentro das veias, que favorece a subida do san‑ gue no sentido proximal, impedindo o retorno indesejado do fluxo. Quando por alguma razão esse processo é alterado, acontece o refluxo venoso, responsável pelo surgimento da doença varicosa.

O refluxo venoso pode ocorrer tanto nas veias superficiais como nas veias profundas dos membros inferiores. O desen‑ volvimento local de veias varicosas tributárias das veias safe‑ nas sugere que existam segmentos venosos suscetíveis para o início do refluxo, decorrente de alterações na parede dos vasos, alterações hemodinâmicas ou ambas.1

Ver todos os capítulos
Medium 9788597013375

6 - Atuação da administração pública: as políticas públicas

DIAS, Reinaldo Grupo Gen PDF Criptografado

6

ATUAÇÃO DA

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

AS POLÍTICAS PÚBLICAS

As políticas públicas têm buscado acompanhar o avanço tecnológico, como mostra a decisão adotada pelo Ministério da Saúde em fevereiro de 2017. Foi publicada uma nova Política de Segurança da Informação e Comunicações, cujo objetivo é promover maior segurança no processamento, no armazenamento e na comunicação de dados nos sistemas informatizados do Sistema Único de Saúde (SUS). O texto estabelece uma série de diretrizes a serem seguidas para a proteção de dados e informações, com destaque para responsabilidades e deveres dos agentes públicos.

A importância da segurança no manuseio de dados foi destacada, sendo necessária uma capacitação, obrigatória a todos os usuários, sobre segurança da informação.

Será disponibilizado um curso que capacita e amplia a consciência dos riscos a que todos estão expostos.

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Descrever a ação da administração pública na sociedade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522484157

1. Pragmática e comunicação nas organizações: para além da teoria da polidez (Elena Godoi, Aristeu Mazuroski Jr. e Maurício Neves Benfatti)

FRANÇA, Ana Shirley (Org.) Grupo Gen PDF Criptografado

1

Pragmática e comunicação nas organizações: para além da teoria da polidez

Elena Godoi1

Aristeu Mazuroski Jr.2

Maurício Neves Benfatti3

  Elena Godoi é doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas e professora associada na Universidade Federal do Paraná. É líder do Grupo de Pesquisa “Linguagem e Cultura”. Seus principais interesses de pesquisa se concentram nos estudos da Pragmática intercultural e cognitiva.

1

  Aristeu Mazuroski Junior é psicólogo, especialista em Psicologia do Trabalho e doutorando em Estudos Linguísticos no Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Paraná. Sua pesquisa se concentra no estudo do comportamento linguístico e Psicologia cognitiva.

2

  Maurício F. Neves Benfatti é doutorando em Estudos Linguísticos no Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Paraná. Seus interesses de pesquisa se concentram nos estudos relacionados à Pragmática cognitiva.

Ver todos os capítulos

Carregar mais