127769 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788547220952

Capítulo 5 - Técnicas projetivas

VIRGILITO, Salvatore Benito Editora Saraiva PDF Criptografado

5

Técnicas projetivas

Introdução

Esta técnica procura fazer com que o respondente se projete ante os estímulos oferecidos e revele seus sentimentos e opiniões sem os controles emocionais, eliminando os processos de defesas estruturados na formação da personalidade e, dessa forma, demonstrando os sentimentos mais primitivos existentes em cada ser humano.

Neste capítulo pretendemos mostrar como funciona esse processo e quais serão as melhores aplicações para esta forma de coleta de informações.

5.1 Definição

Técnicas projetivas são uma forma não estruturada e indireta de entrevista em que os pesquisados são incentivados a projetar motivações, crenças, emoções e sensações. Com origem na psicologia, de forma geral tais técnicas devem ser utilizadas com entrevistas pessoais não direcionadas, realizadas mediante testes em que o sujeito investigado é colocado em situações nas quais seus mecanismos de defesa sejam superados e sentimentos e atitudes reais surjam. Autores mencionam vários testes possíveis de serem usados no marketing, e comentaremos sobre eles e sua utilidade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547228392

7.3 Exemplo prático

RIBEIRO, Osni Moura Editora Saraiva PDF Criptografado

2.8 ( ) Os saldos das contas representativas dos materiais aplicados na produção, da mão de obra e dos gastos gerais de fabricação incorridos no período serão transferidos a débito da conta Custo de Produção do Período, creditando-se as respectivas contas de custos.

2.9 ( ) Para se conhecer o custo de produção do período, após efetuados os registros contábeis pertinentes no final do mês, bastará examinar o saldo devedor constante na respectiva conta no livro Razão.

7.3 Exemplo prático

1. Informações gerais

1.1 Empresa industrial: Ráfia Indústria e Comércio Ltda.

1.2 Ramo de atividade: confecções.

1.3 A empresa está instalada em um imóvel alugado, composto por três andares mais o térreo, e suas áreas administrativa, comercial e de produção estão assim distribuídas: a) área administrativa: ocupa todo o terceiro andar do imóvel, onde está instalada também a diretoria; b) área comercial: ocupa 50% do segundo andar do imóvel; c) área de produção: ocupa 50% do segundo andar; 100% do primeiro andar e

Ver todos os capítulos
Medium 9788553603138

5. Tipo subjetivo: adequação típica

Cézar Roberto Bitencourt Editora Saraiva PDF Criptografado

cessão de substância destinada à falsificação de produtos alimentícios, terapêuticos ou medicinais. Em outros termos, estão incriminadas condutas que são voltadas para a posterior falsificação de produtos, comportamento que é tipificado tanto no art.

272, como no art. 273 do CP, já examinados. Com efeito, como identificar, então, os casos em que a venda, exposição para a venda, depósito para a venda ou cessão de substância comercializada licitamente (por exemplo, a farinha de trigo) passa a ser constitutiva do crime do art. 277? No nosso entendimento, a delimitação da relevân­ cia típica do comportamento, frente aos casos de atipicidade, somente poderá ser resolvida por meio da constatação da finalidade específica do agente.

Assim, a finalidade falsificadora deve ser examinada casuisticamente, isto é, deve-se ter especial cuidado ao examinar substância que tem destinação múltipla, pois, nesse caso, deve ficar bem demonstrada a finalidade concreta da razão de agir do autor. Tratando-se de substância de comercialização permitida, podemos afirmar, inclusive, que é praticamente impossível enquadrá-la como típica na modalidade

Ver todos os capítulos
Medium 9788547229948

103. A divisão e demarcação em seguimento à partilha “causa mortis”

Humberto Theodoro Júnior Editora Saraiva PDF Criptografado

estrita, como dispõe o art. 723 e seu parágrafo150 do novo Código de

Processo Civil.

Se, por qualquer razão, não estiver o juiz seguro da preservação efetiva dos interesses do incapaz, ordenará diligências antes de homologar o trabalho divisório, para o devido esclarecimento. Se, mesmo assim, não conseguir um juízo firme diante da sumariedade dos elementos obtidos, caber-lhe-á, então, denegar a homologação, mandando que as partes se dirijam para as vias comuns da divisão ou demarcação, onde, pela maior amplitude dos trabalhos técnicos, os interesses dos incapazes encontrarão melhores condições de tutela.

No juízo divisório, pelas vias da jurisdição voluntária (NCPC, arts. 719151 e s.), deve o juiz exigir, como requisitos indispensáveis para a respectiva homologação, entre outros elementos probatórios: a) a planta do imóvel, contendo os quinhões ou linha demarcanda; b) o memorial descritivo; c) a caderneta de campo.

Ditos documentos são necessários para documentação e segurança dos trabalhos técnicos, bem como para real eficácia prática da sentença.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530985547

9 Os reflexos no diferimento da tributação de receitas e lucros auferidos por pessoas jurídicas que celebram contrato com empresa estatal posteriormente privatizada

Rodrigo Brunelli Machado, Guilherme Kluck Gomes, Michel Haber Neto Grupo Gen ePub Criptografado

LUIZ FELIPE GONÇALVES DE CARVALHO
ANTONIO LUIS HENRIQUE DA SILVA JUNIOR
YURI ALVES MAGALHÃES

Na década de oitenta do século passado, iniciou-se o movimento brasileiro de redução da participação estatal na economia por meio das empresas estatais (EE). No período do regime militar, a União Federal até chegou a alienar algumas EE com base no Decreto nº 86.215, de 25.07.1981, que fixava as normas para a transferência, transformação e desativação de empresas sob o controle do Governo Federal, mas a retomada do governo civil é que trouxe maior fôlego à modernização da economia brasileira; de fato, o Brasil, influenciado por ideais internacionais, como os propugnados por Margaret Thatcher1, de maior eficiência estatal, e por uma grande pressão interna de se produzirem reservas, com objetivo de estabilizar a economia, moeda e inflação, reduziu gradualmente o seu portfólio de EE.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553172122

7 PERÍODOS DESTINADOS À REFEIÇÃO OU AO DESCANSO

Andre Studart Leitão, Augusto Grieco S. Meirinho Editora Saraiva PDF Criptografado

Saliente-se que pequenas variações devem ser admitidas, sobretudo em virtude de fatos alheios à vontade do segurado, como grandes engarrafamentos, greve de transportes coletivos, temporais e alagamentos etc.

Por sua vez, haverá quebra do nexo topográfico se o segurado fizer um desvio voluntário substancial, por caminhos que não percorre habitualmente.

Seria o caso de um segurado que, após o trabalho, vai visitar um amigo em sentido oposto ao de sua residência. Nesse contexto, é importante salientar que a jurisprudência admite pequenos desvios. É o caso, por exemplo, do indivíduo que, no retorno para a sua casa, desvia de sua rota habitual apenas para realizar a compra de um medicamento.

7 PERÍODOS DESTINADOS À REFEIÇÃO OU AO DESCANSO

De acordo com o art. 21, § 1º, da Lei n. 8.213/91, nos períodos destinados a refeição ou descanso, ou por ocasião da satisfação de outras necessidades fisiológicas, no local do trabalho ou durante este, o empregado é considerado no exercício do trabalho. Dessa forma, ocorrendo alguma das hipóteses descritas no art. 21 da Lei n. 8.213/91 durante esses períodos, será caso de acidente do trabalho.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553610662

11. TÍTULOS DE CRÉDITO

Vários autores Editora Saraiva PDF Criptografado

EXAME DA OAB UNIFICADO – 1ª FASE pessoa jurídica transformada, mas apenas seu tipo societário, portanto, não se fala em sucessão de direitos e obrigações, pois ocorre sua continuidade.

Quando a sociedade passa, independentemente de dissolução ou liquidação, de um tipo societário para o outro, é exigido o consentimento unânime dos sócios ou acionistas, salvo outra disposição estatutária.

10.2.2  Incorporação (art. 227)

É a absorção de uma sociedade por outra com aumento patrimonial e do capital social da incorporadora com extinção da incorporada. Para ser realizada depende da realização de 2 AGEs na incorporadora, sendo uma de aprovação da proposta, e a outra para efetivação da operação; e 1 AGE na incorporada para aprova­ção da proposta (o processo deverá observar as regras dos arts. 223 a 234 da LSA).

10.2.3  Fusão (art. 228)

É a operação pela qual se unem duas ou mais sociedades para formar uma sociedade nova, que lhes sucederá em todos os direitos e obrigações; portanto haverá a extinção das fusionadas. Tem de ser realizada uma

Ver todos os capítulos
Medium 9788582715512

Capítulo 25. No Caminho de Swann, de Marcel Proust

Táki Athanássios Cordás, Daniel Martins de Barros, Michele de Oliveira Gonzalez Grupo A PDF Criptografado

25

NO CAMINHO DE SWANN

DE

MARCEL PROUST

Jose Carlos Appolinario

Marcel Proust é considerado um dos grandes escritores românticos do começo do século XX. Nasceu em Auteil, em 1871, e faleceu em Paris em 1922. Sua obra mais conhecida, Em busca do tempo perdido, é uma produção literária monumental, constituída por sete novelas escritas ao longo de anos e com cerca de 4.000 páginas, sendo, por sua natureza inovadora, considerada uma das precursoras do chamado romance moderno.

No livro, Proust aborda temas como o amor, a arte (com ênfase na literatura, na música e na arquitetura), a passagem do tempo e a homossexualidade. Ao longo dos volumes, o narrador/protagonista Marcel narra seu caminho para se tornar escritor. O texto inovador é constituído por frases longas e extensos parágrafos. Os temas variam de um momento para o outro, fazendo com que o leitor tenha de estar bastante atento ao desenrolar da narrativa. Esse ritmo aproxima muito a linguagem do romance do pensamento cotidiano que é, em realidade, composto por ideias que se sucedem, em um fluxo muitas vezes não linear.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553611096

MEDIDA PROVISÓRIA

Leone Pereira, Tulio Martinez Minto, Marcos Scalercio Editora Saraiva PDF Criptografado

246

SÚMULAS E OJs DO TST – organizadas por temas

OJ-SDI1T-32 COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA. BANCO DO BRASIL. SUCUMBÊNCIA. INVERSÃO (DJ 10-11-2004)  Imposta condenação originária em diferenças de complementação de aposentadoria, por ocasião do julgamento de recurso de revista, imperativo o exame no acórdão, sob pena de negativa de prestação jurisdicional, de postulação aduzida em contestação e/ou em contrarrazões visando à limitação da condenação à média trienal e ao teto, matéria insuscetível de prequestionamento.

MÉDICO

SUM-143 SALÁRIO PROFISSIONAL (mantida) – Res. n. 121/2003, DJ 19, 20 e 21-11-2003  O salário profissional dos médicos e dentistas guarda proporcionalidade com as horas efetivamente trabalhadas, respeitado o mínimo de 50 (cinquenta) horas

(ex-Prejulgado 15).

SUM-370 MÉDICO E ENGENHEIRO. JORNADA DE TRABALHO. LEIS NS. 3.999/61 E 4.950-A/66

(conversão das Orientações Jurisprudenciais ns. 39 e 53 da SBDI-1) – Res. n. 129/2005,

Ver todos os capítulos
Medium 9788553603138

2. Sujeitos do crime

Cézar Roberto Bitencourt Editora Saraiva PDF Criptografado

Fraude de lei sobre estrangeiros

XCII

Sumário: 1. Bem jurídico tutelado. 2. Sujeitos do crime. 3. Tipo objetivo: adequa­

ção típica. 4. Tipo subjetivo: adequação típica. 5. Consumação e tentativa. 6. Classi­ficação doutrinária. 7. Questões especiais. 8. Pena e ação penal.

Fraude de lei sobre estrangeiro

Art. 309. Usar o estrangeiro, para entrar ou permanecer no território nacional, nome que não é o seu:

Pena – detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa.

Parágrafo único. Atribuir a estrangeiro falsa qualidade para promover-lhe a entrada em território nacional:

Pena – reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.

• Parágrafo único acrescentado pela Lei n. 9.426, de 24 de dezembro de 1996.

1. Bem jurídico tutelado

Bem jurídico protegido é a fé pública e, em particular, a política imigratória.

2. Sujeitos do crime

Sujeito ativo é o estrangeiro (caput), isto é, qualquer pessoa que não tenha na­ cionalidade brasileira. O brasileiro não pode praticar esse crime, que é próprio. Os portugueses, a despeito do tratamento privilegiado que recebem da Constituição

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021981

14 Programa de Auditoria para as Contas de Resultado

Silvio Aparecido Crepaldi, Guilherme Simões Crepaldi Grupo Gen ePub Criptografado

O exame desta área demanda dedicação e paciência por parte do auditor. Normalmente, o volume de lançamentos é muito grande, assim como o de comprovantes, e a possibilidade de erros, intencionais ou não, é infinita. Logo, ao iniciar seu exame, será desejável que o auditor não esteja demasiadamente premido pela necessidade de concluir outras tarefas.

Assim, a época mais indicada para efetuar esse trabalho é o da visita anterior ao encerramento do exercício. Nessa oportunidade, um ou dois meses antes do fechamento do exercício, a maior parte das despesas terão sido realizadas, podendo ser analisadas com mais tranquilidade.

Depois de levantado o balanço, antes do fechamento dos trabalhos de auditoria, faz-se exame complementar dos meses não abrangidos, para testar a normalidade dos lançamentos.

Uma forma bastante recomendável de exame é a comparabilidade dos valores ao longo dos meses, seja do próprio exercício, seja do exercício anterior. O auditor deverá munir--se dos balancetes dos dois períodos citados, transcrever os totais, mês a mês, conta por conta, num papel de trabalho e analisar as variações. Havendo flutuações mais profundas, investigar as causas para assegurar-se de sua correção. Para essa análise, é conveniente estabelecer parâmetro de comparação. Um dos mais adequados é o comportamento das vendas; aceita-se que as despesas possam crescer em razão do crescimento das vendas (ou da produção). Haverá, entretanto, despesas fixas ou pouco influenciáveis, e esse fato deve ser levado em conta, quando as vendas (ou a produção) declinarem.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530979867

PARTE II - Capítulo VIII – Os Impostos da União, os Princípios e Vedações que lhes são Próprios

COÊLHO, Sacha Calmon Navarro Grupo Gen PDF Criptografado

CAPÍTULO VIII

OS IMPOSTOS DA UNIÃO, OS PRINCÍPIOS

E VEDAÇÕES QUE LHES SÃO PRÓPRIOS

8.1. Os impostos de importação e exportação. 8.2. O imposto sobre grandes fortunas. 8.3. O

Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI. 8.4. O imposto sobre operações financeiras ou sobre operações de crédito, câmbio, seguro, ou relativas a títulos e valores mobiliários. 8.5. O imposto sobre a propriedade territorial rural. 8.6. O imposto sobre a renda e proventos de qualquer natureza. 8.7. O imposto de renda periódico e os princípios da anterioridade e da irretroatividade – A lei de regência dos fatos geradores. 8.8. O imposto de renda anual é periódico – A lei aplicável é a vigente antes de iniciar-se o período em que se realizam os fatos jurígenos. 8.9.  A progressividade no imposto de renda. 8.10. A imunidade dos aposentados e pensionistas com idade superior a 65 anos. 8.11. A periodização dos impostos e o princípio da anualidade – Aplicabilidade ao imposto de renda. 8.12. A competência privativa e residual da

Ver todos os capítulos
Medium 9788565837774

Apêndice 4 - Propriedades dos minerais mais comuns da crosta da Terra

John Grotzinger, Tom Jordan Grupo A PDF Criptografado

MINERAIS DE

COR ESCURA

ABUNDANTES EM

MUITOS TIPOS DE

ROCHAS ÍGNEAS E

METAMÓRFICAS

MINERAIS DE COR

CLARA MUITO

ABUNDANTES NA

CROSTA TERRESTRE

EM TODOS OS

PRINCIPAIS TIPOS

DE ROCHAS

Massas foliadas ou agregados de pequenas escamas

CLORITA

(Mg,Fe)5(Al,Fe)2Si3O10(OH)8

Silicatos em cadeias únicas

(INOSSILICATOS)

Tetraedros isolados

(NESOSSILICATOS)

PIROXÊNIO

OLIVINA

GRANADA

Silicatos em cadeias duplas

(INOSSILICATOS)

ANFIBÓLIO

Silicato de Ca, Mg, Fe e Al

(Mg,Fe)2SiO4

Cristais isométricos bem formados ou arredondados; alta gravidade específica 3,5-4,3

Massas granulares e pequenos grãos disseminados

Fratura concoide e irregular

Fratura conchoidal

Vermelho e marrom, cores pálidas são menos comuns

Verde-oliva a verde-acinzentado e marrom

Verde muito escuro a preto

Verde a marrom ou acinzentado ou branco-esverdeado

Ver todos os capítulos
Medium 9788527726764

8 | Ação em Saúde Vocal Docente | Análise de uma Experiência em Goiânia

Leslie Piccolotto Ferreira, Susana Pimentel Pinto Giannini, Marta Assumpção de Andrada E Silva Grupo Gen PDF Criptografado

8

Ação em Saúde Vocal Docente |

Análise de uma Experiência em Goiânia

Regina Zanella Penteado e Tânia Maestrelli Ribas

Apresentação

A voz do professor tem sido foco constante das pesquisas fonoaudiológicas por causa do elevado risco de a categoria desenvolver distúrbios de voz relacionados ao trabalho

(Ferreira e Martz, 2010).

Entretanto, um estudo de revisão bibliográfica sobre a voz do professor na Fonoaudiologia brasileira (Dragone e Behlau, 2006), que analisou 307 publicações, mostrou que apenas 2,3% delas são referentes à intervenção fonoaudiológica. Faltam, portanto, estudos voltados aos processos de intervenção fonoaudiológica.

Um estudo teórico (Penteado et al., 2005a) cujo objetivo era discutir as concepções subjacentes às ações educativas e preventivas em saúde vocal, com base nos pressupostos da promoção da saúde, concluiu que a práxis fonoaudiológica neste campo, em geral, permanece calcada nos fundamentos higienistas, de modo que os processos educativos não são condizentes com a proposta de promoção da saúde. O estudo aponta como possibilidades para a promoção da saúde as ações amplas, integrais e intersetoriais, orientadas pelas seguintes concepções: de sujeito social; de processo saúde-doença-cuidado relacionado com a subjetividade, historicidade, saberes, cultura e condições de vida das comunidades; e de educação como um processo democrático, participativo, dialógico, problematizador e transformador.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536512136

8. Aspectos Técnicos de Armazenamento e Conservação das Matérias-Primas

Cristianne Hecht Mendes de Carvalho, Denise de Abreu Garófalo Editora Saraiva PDF Criptografado

Aspectos

Técnicos de

Armazenamento e

Conservação das

Matérias-Primas

8

Para começar

Para o armazenamento correto e a conservação segura das matérias-primas é necessário existir um local organizado e seguro, com planejamento detalhado da montagem e do seu funcionamento. É essencial que esse local apresente acesso restrito e limpeza adequada.

As matérias-primas e os medicamentos, quando sofrem alterações, podem tornar-se ineficazes ou nocivos à saúde, o que muitas vezes é de difícil percepção visual. Quando isso ocorre, pode ser prejudicial ao tratamento e à saúde do paciente.

Veremos neste capítulo os cuidados necessários para a manutenção das características e da qua­ lidade das matérias-primas adquiridas pelo estabelecimento para serem utilizadas na produção dos medicamentos e cosméticos.

8.1 Armazenamento e conservação

Todos os materiais devem ser armazenados e manuseados sob condições apropriadas e de forma ordenada, de modo a preservar a identidade e a integridade química, física e microbiológica, garantindo sua qualidade e segurança. As empresas sob a jurisdição da farmacopeia oficial devem observar o que consta na monografia de cada insumo ou produto, ou em seu rótulo. As condições de armazenagem, transporte e distribuição devem incluir informação sobre temperatura, umidade, proteção do congelamento ou calor excessivo, e, se for necessário, proteção da luz e uso de equipamento de proteção individual (EPI).

81

Ver todos os capítulos

Carregar mais