54931 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788547210762

16. São Paulo Deliberações do Conselho Superior da DefensoriaPública do Estado de São Paulo

GOMES, Marcos Vinícius Lopes Editora Saraiva PDF Criptografado

Entrementes, José Augusto Garcia de Souza propõe uma nova classificação. O referido doutrinador aduz que as atribuições tradicionais são tendencialmente individualistas. Além disso, atualmente, as atribuições dos defensores públicos ganharam uma complexidade bem maior, principalmente diante da defesa dos hipossuficientes organizacionais392.

Portanto, para o referido autor, em apertada síntese, teríamos, de um lado, as atribuições “tradicionais” – atribuições ligadas à carência econômica e com viés tendencialmente individualista; e, de outro, atribuições “não tradicionais” ou

“tendencialmente solidaristas”. Assim, conclui o autor que se os termos estiverem exclusivamente ligados aos fatores econômicos, estaremos diante de atribuições tradicionais; “se se entender, como entendemos, que outras carências podem ser atendidas – a exemplo da ‘pobreza organizacional’ –, é a concepção solidarista que sairá ganhando”393.

16.

Deliberações do Conselho Superior do Estado de São Paulo

Ver todos os capítulos
Medium 9788520424971

10. Avaliação Ambiental Estratégica no Turismo

PHILIPPI JR., Arlindo; RUSCHMANN, Doris van de Meene Editora Manole PDF Criptografado

Avaliação Ambiental

Estratégica no Turismo

10

Emílio Lèbre La Rovere

Engenheiro Elétrico e Economista, UFRJ

Diego do Nascimento Bastos

Economista, UFRJ

Heliana Vilela de Oliveira Silva

Engenheira Civil, UFMT

Izabella Mônica Vieira Teixeira

Bióloga, Secretaria de Estado do Meio Ambiente-RJ

INTRODUÇÃO

Vários instrumentos e procedimentos de Avaliação Ambiental (AA) têm sido desenvolvidos na perspectiva de atender, de forma efetiva, aos requisitos da gestão do meio ambiente.1 O processo de evolução da AA permite identificar uma concepção inicial, que busca complementar os projetos de desenvolvimento, concebidos sem a percepção dos potenciais danos ambientais, associados à sua implantação. Retrata, também, a formulação de um instrumento voltado a apoiar a tomada de decisão ambiental e que considera suas implicações sociais, econômicas e ambientais.

A Avaliação de Impacto Ambiental (AIA) surgiu em 1969, quando da publicação pelos Estados Unidos de sua Política Nacional de Meio

Ver todos os capítulos
Medium 9788527725743

20 Educação Alimentar e Nutricional e Sustentabilidade

Mônica Santiago Galisa, Alessandra Paula de Oliveira Nunes, Luciana da Silva Garcia, Sandra Maria Chemin Seabra da Silva Grupo Gen PDF Criptografado

20

Educação Alimentar e Nutricional e

Sustentabilidade

Tessa Cristine Alves Rosa

CC

Nutrição e sustentabilidade

De conceito amplo, o termo “sustentabi­ lidade” pode ser entendido, principalmente, como a base definida no presente para se traçar o desenho do futuro. É o desenvol­ vimento justo, que não compromete nos­ sos descendentes e preza pela continuidade dos aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade, em vários níveis de organização, desde uma casa até o pla­ neta inteiro.

Para um empreendimento humano ser sustentável, deve atender a quatro requisitos básicos:

••

••

••

••

Ser ecologicamente correto

Ser economicamente viá­vel

Ser socialmente justo

Ser culturalmente aceito.

Atualmente, o tema sustentabilidade está em todos os núcleos da sociedade. Identificar soluções e adotar medidas que minimizem o impacto ambiental das atividades do dia a dia é responsabilidade de todas as ­áreas de atuação, principalmente a da nutrição.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582714096

Capítulo 24 - Cesariana

Sérgio H. Martins-Costa, José Geraldo Lopes Ramos, José Antônio Magalhães, Eduardo Pandolfi Passos, Fernando Freitas Grupo A PDF Criptografado

24

Cesariana

Sérgio H. Martins-Costa

José Geraldo Lopes Ramos

Cristiano Caetano Salazar

Cristina Luce Glitz

A cesariana, definida como o nascimento do feto mediante incisão na parede abdominal e uterina, é uma das cirurgias abdominais mais comumente realizadas em mulheres no mundo todo.

Não há dúvida sobre o valor da cesariana para salvar vidas e prevenir sequelas neonatais outrora comuns, principalmente advindas dos partos distócicos. No entanto, o aumento da incidência da cesariana, além do limite de

seus benefícios, incrementa a morbidez e o custo financeiro para o sistema, podendo transformar a solução em problema.

Epidemiologia

As estimativas globais (FIG. 24.1) indicam grande variação no índice de cesarianas (IC), partindo de 1,4% na África e chegando a

≥ 30%

25-29,9%

20-25,9%

15-19,9%

10-14,9%

5-9,9%

< 5%

FIGURA 24.1 Distribuição das taxas de cesariana no mundo.

Fonte: Betrán e colaboradores.1

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431016

Capítulo 9. Potência

ACKLAND, Timothy R.; ELLIOTT, Bruce C.; BLOOMFIELD; John Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo 9 Potência

Robert U. Newton, Ph.D.; e William J. Kraemer, Ph.D.

Este capítulo tem início com a definição de potência muscular máxima e, em seguida, discute por que esse as‑ pecto da função neuromuscular é tão importante para o desempenho humano. São explorados os mecanismos neu‑ rais e intramusculares subjacentes que contribuem para a alta capacidade de potência, com especial atenção aos efeitos do treinamento. Em seguida, são estudados a produção de potência máxima e os modelos de programas de treinamen‑ to, inclusive técnicas avançadas de força e condicionamento para o desenvolvimento de mais potência.

Definição de produção de potência máxima

Potência pode ser definida como o produto da força aplicada pela velocidade de movimento (Knuttgen e Krae‑ mer, 1987). Considerando que trabalho é igual ao produto da força pela distância percorrida, e velocidade é a distância percorrida dividida pelo tempo consumido, potência tam‑ bém pode ser definida como trabalho realizado por unidade de tempo (Garhammer, 1993). A produção de potência de um atleta pode variar desde 50 W, produzidos durante o ciclismo leve ou o jogging, até cerca de 7.000 W, produzidos durante a segunda fase do arremesso do halterofilismo

Ver todos os capítulos
Medium 9788527735384

20 Fratura de Fêmur

Lucas Porteiro Prospero, Débora Yumi Hayashida, Clineu de Mello Almada Filho Grupo Gen ePub Criptografado

Jane Érika Frazão Okazaki  •  Julyane Souto Lopes da Silva  •  Fânia Cristina dos Santos

Associa-se a fratura de quadril com mortalidade, dependência e redução da qualidade de vida, e sua prevalência aumenta com a idade. Em 2003, cerca de 310.000 indivíduos foram hospitalizados por esse motivo nos EUA, o que chega a representar 30% das hospitalizações. Estima-se que esse número aumente para 6 milhões em 2050.

O custo estimado para o tratamento é de aproximadamente 10,3 a 15,2 bilhões de dólares por ano nos EUA. As taxas de mortalidade intra-hospitalar variam de 1 a 10% e as de mortalidade, de 12 a 37% em 1 ano. Aproximadamente metade dos pacientes torna-se incapaz de recuperar sua capacidade de viver de forma independente 1 ano após a fratura.

Entre os idosos, destacam-se a osteoporose e as quedas. Aproximadamente 90% dos episódios ocorrem a partir de uma queda da própria altura. O risco de fratura de quadril ao longo da vida é de 17,5% para as mulheres e 6% para os homens. Sexo feminino, baixo nível socioeconômico, polifarmácia e baixo índice de massa corporal (IMC) também estão associados a risco de fratura.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582714164

Capítulo 10. Terapia cognitivo - comportamental em grupo para mulheres vítimas de violência e seus parceiros agressores

Carmem Beatriz Neufeld, Bernard P. Rangé Artmed PDF Criptografado

10

TERAPIA

COGNITIVO-COMPORTAMENTAL

EM GRUPO PARA

MULHERES VÍTIMAS

DE VIOLÊNCIA E

SEUS PARCEIROS

AGRESSORES

Sabrina Mazo D’Affonseca

Lúcia Cavalcanti de Albuquerque Williams

Neste capítulo, abordaremos um exemplo expressivo de vítimas de violência interpessoal: a mulher que sofre violência de seu parceiro íntimo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a violência entre parceiros íntimos (VPI) como comportamentos emitidos pelo parceiro íntimo, ou ex-parceiro, que causam danos físicos, sexuais ou psicológicos, incluindo agressão física, coerção sexual, abuso psicológico e comportamentos controladores (World Health Organization [WHO], 2014). A violência entre parceiros íntimos pode ocorrer entre casais homoafetivos ou heterossexuais e não requer a existência de intimidade sexual entre eles.

Embora a VPI seja frequente, apenas uma pequena porcentagem das vítimas busca ajuda especializada. Em uma pesquisa realizada pela OMS (WHO, 2005) com mulheres vítimas de VPI em diferentes países, constatou-se que de 20 a 60% delas nunca relataram a violência sofrida e

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021561

Capítulo 5: AS JUSTIFICAÇÕES DO ESTADO EM PERSPECTIVA HISTÓRICA

João Roberto Gorini Gamba Grupo Gen ePub Criptografado

De início, vale já deixar devidamente ressalvado que a exposição acerca do histórico das justificações do Estado se inicia na Grécia antiga, não pelo fato de ali ter se iniciado a convivência humana em sociedade, mas pelo fato de o pensamento sobre o fenômeno político decorrer da filosofia grega, notadamente em Platão e Aristóteles. Assim, a filosofia política começa com a reflexão sobre a convivência como uma questão não relacionada diretamente com o destino e o desejo dos deuses, mas com ações de humanos que vivem em conjunto. Desta forma, este capítulo, cujo propósito é verificar a posição histórica acerca do problema do fundamento da existência e do poder das sociedades políticas, deve iniciar na Grécia antiga, local e momento em que se verifica a primeira consciência e reflexão acerca do fenômeno político; ou seja, se colocam a origem e organização da pólis como objeto de estudo. Naquilo que nos afeta, será Aristóteles, portanto, o primeiro a questionar sobre o fundamento da associação política.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527723893

Capítulo 27 - Transtornos do Humor – Depressão

Mary C. Townsend Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo

27

Transtornos do Humor –

Depressão

᭿

Tópicos do capítulo

Objetivos

Exercícios

Perspectiva histórica

Epidemiologia

Tipos de transtornos depressivos

Fatores predisponentes

Conceitos fundamentais

Depressão

Humor

᭿

Termos-chave

Terapia cognitiva

Transtorno distímico

Melancolia

᭿

Implicações do desenvolvimento

Aplicação do processo de enfermagem

Modalidades de tratamento para a depressão

Resumo e pontos fundamentais

Questões de revisão

Depressão pós-parto

Transtorno disfórico pré-menstrual

Retardo psicomotor

Tiramina

Objetivos

Ao término da leitura deste capítulo, o leitor será capaz de:

1. Relatar a perspectiva histórica da depressão.

2. Discutir as estatísticas epidemiológicas relacionadas com a depressão.

3. Descrever os diversos tipos de transtornos depressivos.

4. Identificar fatores predisponentes ao desenvolvimento da depressão.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530979119

Capítulo XXXIX – A prescrição de prestações periódicas vencidas em obrigações de cumprimento parcelado e sucessivo

RIZZARDO, Arnaldo; RIZZARDO FILHO, Arnaldo; RIZZARDO, Carine Ardissone Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo XXXIX

A PRESCRIÇÃO DE PRESTAÇÕES

PERIÓDICAS VENCIDAS EM

OBRIGAÇÕES DE CUMPRIMENTO

PARCELADO E SUCESSIVO

Nas obrigações com prestações de trato sucessivo, o pagamento se desdobra em parcelas periódicas, durante um prazo previamente estabelecido. O  obrigado assume o compromisso de pagar uma dívida fixada em prestações que se estendem no curso de um determinado período. No entanto, o devedor descumpre o pagamento por um período que deflagra a prescrição. O  credor omite-se em encetar qualquer iniciativa na exigência do crédito. Evidentemente, se consumado o prazo prescricional, as parcelas impagas ou obrigações não satisfeitas não podem ser exigidas, nem acarretar o efeito da resolução, se o montante da obrigação se firmou, exempli gratia, em uma promessa de compra e venda. Todavia, não fica o titular do crédito tolhido de buscar as prestações não prescritas, bem como outros efeitos próprios do inadimplemento. É que persiste o contrato, e, assim, a dívida compromissada.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527723763

30 Amenorreia

BEREK, Jonathan S. (ed.) Grupo Gen PDF Criptografado

30

Amenorreia

Valerie L. Baker

Wendy J. Schillings

Howard D. McClamrock

Durante o século passado, houve uma antecipação progressiva da menarca. A amenorreia primária é definida como ausência de menstruação aos 13 anos de idade, quando não há caracteres sexuais secundários visíveis, ou aos

15 anos de idade, quando há caracteres sexuais secundários normais.

A ausência ou a irregularidade menstrual pode indicar um distúrbio clínico com consequências para a saúde geral. Em razão de essas implicações variarem de acordo com a causa da amenorreia, esta, sempre que possível, deve ser identificada.

A insuficiência gonadal primária concomitante à amenorreia primária está associada à alta incidência de cariótipo anormal.

São relativamente poucas as causas anatômicas de amenorreia, podendo a maioria delas ser diagnosticada por anamnese e exame físico.

Os elementos mais importantes no diagnóstico da amenorreia incluem exame físico para avaliação de caracteres sexuais secundários e anormalidades anatômicas, dosagem de gonadotrofina coriônica humana (hCG) para descartar gravidez, dosagem de prolactina e do hormônio estimulador da tireoide

Ver todos os capítulos
Medium 9788530973889

Capítulo IX – Homologação de Sentença Estrangeira

DEL'OLMO, Florisbal de Souza; JAEGER Jr., Augusto Grupo Gen PDF Criptografado

IX

HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA

“É conveniente que a sentença ditada por um Tribunal possua uma eficácia internacional” (Jean Paul Niboyet).

9.1 Considerações iniciais

Como visto em capítulo anterior, a aplicação do direito estrangeiro pode apresentar-se de duas maneiras: emprego pelo juiz do foro, na composição da lide, de lei de outro país (aplicação direta) e homologação de decisão proferida pela justiça estrangeira (aplicação indireta).

Acentue-se, de início, que as decisões judiciais têm seus efeitos e validade restritos ao ordenamento jurídico que as prolatou. De um modo geral, a execução de sentença em outro país ocorrerá pela aceitação da legislação desse Estado por meio de lei, convenção ou reciprocidade, sendo normalmente necessário passar por procedimento específico, no qual se analisará a existência de determinados requisitos.

Nesse sentido, nenhum Estado está obrigado a reconhecer a validade e a eficácia de decisão de juiz ou tribunal estrangeiro.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530985226

Capítulo II Noções Preliminares ao Estudo do Direito Internacional Privado

Valerio de Oliveira Mazzuoli Grupo Gen ePub Criptografado

O DIPr é a disciplina jurídica – baseada num método e numa técnica de aplicação do direito – que visa solucionar os conflitos de leis estrangeiras no espaço, ou seja, os fatos em conexão espacial com leis estrangeiras divergentes, autônomas e independentes, buscando seja aplicado o melhor direito ao caso concreto. Trata-se do conjunto de princípios e regras de direito público destinados a reger os fatos que orbitam ao redor de leis estrangeiras contrárias, bem assim os efeitos jurídicos que uma norma interna pode ter para além do domínio do Estado em que foi editada, quer as relações jurídicas subjacentes sejam de direito privado ou público.1 Como se vê, o DIPr é a expressão exterior do direito interno estatal (civil, comercial, administrativo, tributário, trabalhista etc.).

A solução do DIPr para os conflitos de leis no espaço com conexão internacional – como precisamente explica Agustinho Fernandes Dias da Silva – “está em considerar as leis conflitantes no mesmo plano de validade e pesar as conexões existentes entre elas e o caso concreto, a fim de determinar qual a lei que deve prevalecer, excluindo a outra, para regular a relação jurídica em apreço”. Trata-se, segundo ele, de “uma solução democrática, que respeita a autonomia legislativa dos grupos humanos, organizados em base estatal, religiosa, provincial, municipal etc.”.2

Ver todos os capítulos
Medium 9788527732390

19 - Distopias Genitais

LASMAR, Ricardo Bassil Grupo Gen PDF Criptografado

19

Distopias Genitais

Walter Antonio Prata Pace | Octacílio Figueirêdo Netto |

Tatiana Teixeira Ferreira

j j j j j j j j

Introdução, 233

Definição, 234

Etiologia, 235

Fatores de risco, 235

Propedêutica, 235

Prevenção, 237

Tratamento, 237

Considerações finais, 242

Lasmar - cap-19.indd 233

INTRODUÇÃO

Distopias genitais e prolapso de órgãos pélvicos (POP) são termos que se referem ao descenso dos órgãos pélvicos ou das paredes vaginais do seu lugar anatômico, alterando suas relações com os órgãos adjacentes.1 O POP vem se tornando comum com o envelhecimento da população e tem grandes repercussões nas atividades diárias, na função sexual e na qualidade de vida das mulheres nessa faixa. O POP pode prejudicar a imagem corporal e a sexualidade das mulheres, estando frequentemente associado a incontinência urinária de esforço (IUE) ou a prolapso retal.2 Foi relatado que, nos EUA, 11% das mulheres a partir dos 80 anos de idade necessitam de tratamento cirúrgico para POP.3 O tratamento de POP requer recursos significativos na área de saúde, e o impacto nos serviços de saúde tende a aumentar, com base nas estimativas de aumento crescente na população de mulheres idosas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788573079579

Capítulo 1. Ler e Escrever na Escola: O Real, o Possível e o Necessário

Delia Lerner Grupo A PDF Criptografado

Ler e escrever na escola

17

1

Ler e Escrever na Escola:

O Real, o Possível e o Necessário1

Ler e escrever... Palavras familiares para todos os educadores, palavras que marcaram e continuam marcando uma função essencial – talvez a única função – da escolaridade obrigatória. Redefinir o sentido dessa função – e explicar, portanto, o significado que se pode atribuir hoje a esses termos tão arraigados na instituição escolar – é uma tarefa incontestável.

Ensinar a ler e escrever é um desafio que transcende amplamente a alfabetização em sentido estrito. O desafio que a escola enfrenta hoje é o de incorporar todos os alunos à cultura do escrito, é o de conseguir que todos seus exalunos cheguem a ser membros plenos da comunidade de leitores e escritores.2

Participar na cultura escrita supõe apropriar-se de uma tradição de leitura e escrita, supõe assumir uma herança cultural que envolve o exercício de diversas operações com os textos e a colocação em ação de conhecimentos sobre as relações entre os textos; entre eles e seus autores; entre os próprios autores; entre os autores, os textos e seu contexto...

Ver todos os capítulos

Carregar mais