114210 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788536311210

11 - Identificação organizacional

Siqueira, Mirlene Maria Matias Grupo A PDF Criptografado

179

11

Medidas do comportamento organizacional

Identificação organizacional

Áurea de Fátima Oliveira

Identificação organizacional é um conceito que diz respeito à maneira como as crenças do indivíduo sobre uma organização passam a fazer parte da sua identidade. A fundamentação teórica desse conceito respalda-se nas Teorias da Identidade Social e da Autocategorização (Tajfel, 1978; Pratt, 1998).

A Teoria da Identidade Social afirma que as pessoas constroem a si mesmas a partir de um conjunto de características essenciais que é usado para a definição de seu autoconceito, especificando também que as pessoas se engajam em interpretações e práticas com o intuito de dar continuidade a esse autoconceito no tempo e no espaço. Segundo Tajfel (1978), o autoconceito compreende a identidade pessoal que abrange atributos idiossincráticos (disposições, habilidades) e a identidade social que se refere à classificação em grupos salientes, por exemplo, nacionalidade e afiliação política. O autor afirma que a identidade social é uma parte do autoconceito derivada do conhecimento do indivíduo sobre o grupo social, juntamente com a importância e o significado emocional atribuído à inclusão em um dado grupo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527733328

Capítulo 2 - Gestação

WIDTH, Mary; REINHARD, Tonia Grupo Gen PDF Criptografado

2

Gestação

Lynn Kuligowski, RD

A

gestação é um estágio de vida vulnerável no que se refere ao estado nutricional da mulher. Além disso, a ingestão dietética e o estado nutricional da mulher antes e durante a gravidez afetam profundamente o desenvolvimento fetal e, por sua vez, o desfecho gestacional.

Em 2006, o CDC americano (Centers for Disease Control and Prevention) publicou recomendações especiais para melhorar os cuidados e a saúde pré-concepcionais (Boxe 2.1).1-3 Outros estudos também demonstraram o impacto profundo do estado nutricional materno e da ingestão nutricional materna no risco de o bebê desenvolver várias doenças crônicas (p. ex., hipertensão arterial sistêmica e diabetes melito) na idade adulta, em grande parte devido ao peso ao nascer.4 Diversas complicações gestacionais também podem afetar negativamente o estado nutricional. Por essas razões, a avaliação nutricional é fundamental para ajudar a assegurar um desfecho gestacional ideal.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580551945

Apêndice A - Solda e processo de soldagem

Roger Tokheim Grupo A PDF Criptografado

apêndice A

Solda e processo de soldagem

De uma simples tarefa a uma fina arte

A soldagem é o processo de junção de dois metais através do uso de uma liga metálica utilizada na fusão em baixa temperatura. A soldagem é um dos processos de junção mais antigos conhecidos pelo homem, inicialmente desenvolvidos pelos egípcios para a fabricação de armas como lanças e espadas.

Desde então, a prática evoluiu até se tornar o processo atualmente conhecido e utilizado na fabricação de dispositivos eletrônicos. A soldagem não é mais a tarefa simples de antes; hoje, consiste em uma fina arte que requer cuidado, experiência e amplo conhecimento sobre os fundamentos envolvidos.

O conceito chave presente neste apêndice é a soldagem com alta confiabilidade. Grande parte de nossa tecnologia depende de incontáveis junções de solda individuais que existem nos equipamentos. A soldagem com alta confiabilidade foi desenvolvida em resposta às falhas iniciais que ocorrem nos equipamentos espaciais. Desde então, o conceito passou a ser muito aplicado, a exemplo de equipamentos médicos e militares. Atualmente, está presente nos diversos produtos eletrônicos utilizados no dia a dia.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547223472

8 - DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO

GONÇALVES, Carlo Roberto Editora Saraiva PDF Criptografado

8

DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO

JJ 8.1. CONCEITO

O presente capítulo denominava­‑se “locação de serviços” no Código Civil de

1916. Em consequência dos novos rumos, porém, tal modalidade contratual desdobrou­

‑se em duas figuras independentes: contrato de trabalho, sujeito às leis de ordem pública, e contrato de prestação de serviço, como consta do Código Civil de 2002.

Constitui prestação de serviço toda espécie de serviço ou trabalho lícito, mate‑ rial ou imaterial, contratado mediante retribuição (CC, art. 594)1.

JJ 8.2. 

CARÁTER RESIDUAL

Hoje, porém, as regras do Código Civil têm caráter residual, aplicando­‑se somen‑ te às relações não regidas pela Consolidação das Leis do Trabalho e pelo Código do

Consumidor, sem distinguir a espécie de atividade prestada pelo locador ou prestador de serviços, que pode ser profissional liberal ou trabalhador braçal (CC, art. 593).

O capítulo concernente à prestação de serviço, no Código Civil, teve, destarte, sua importância diminuída, interessando mais ao prestador de menor porte, seja pessoa física ou jurídica, e ao trabalhador autônomo, como os profissionais libe‑ rais2. O aludido diploma cogita do contrato de prestação de serviço apenas enquanto civil no seu objeto e na disciplina, executado sem habitualidade, com autonomia técnica e sem subordinação.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597011623

17 - DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO (DVA)

IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos; FARIA, Ana Cristina de Grupo Gen PDF Criptografado

17

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR

ADICIONADO (DVA)

17.1 Introdução

A Contabilidade, no cumprimento de seu papel de fornecedora de informações para os diversos tipos de usuários, deve gerar, além de informações econômico-financeiras, informações sobre responsabilidade social. Daí, a Lei 11.638/07 tornou obrigatória mais uma demonstração: a Demonstração de Valor Adicionado (DVA).

Mais um relatório obrigatório a partir da Lei 11.638/07

A Lei 11.638/07 tornou obrigatória a Demonstração do Valor Adicionado (DVA) para as Sociedades Anônimas de Capital Aberto. Essa lei determina que a empresa deve evidenciar o valor da riqueza gerada e a sua distribuição entre os agentes que contribuíram para a geração dessa riqueza, tais como empregados, financiadores, acionistas, governo e outros, bem como a parcela da riqueza não distribuída.

A DVA é uma das vertentes do Balanço Social que está em maior evidência, e atende às necessidades relativas a informações sobre a riqueza gerada e a forma de distribuição, apesar de pouco difundida pelos usuários da Contabilidade. Acredita-se que, provavelmente, em futuro próximo, o Balanço Social, em todas as suas vertentes, também se torne

Ver todos os capítulos
Medium 9788522466436

9 O Balanço Social da Santa Casa de Santos

TINOCO, João Eduardo Prudêncio Grupo Gen PDF Criptografado

9

O Balanço Social da

Santa Casa de Santos

9.1 Serviços prestados

Os dados relativos aos serviços prestados pela entidade estão apresentados no Capítulo 4 do livro e não foram explicitados aqui, para evitar repetição do texto. Vale mencionar que este capítulo foi adaptado de Miashiro (2007) com os devidos comentários.

9.2 Recursos humanos

Os dados relacionados aos recursos humanos da Santa Casa de Misericórdia de Santos que foram objeto de divulgação pela entidade, relativos ao triênio

2004 a 2006, estão referenciados no Quadro 9.1 e evidenciados nos Balanços

Sociais da instituição.

Quadro 9.1 Itens de recursos humanos divulgados.

Recursos Humanos

2004

2005

2006

Estrutura funcional – efetivo de pessoal

X

X

X

Estrutura funcional distribuída por sexo

X

X

X

Estrutura funcional distribuída por faixa etária

X

X

X

Livro 1.indb 172

26/7/2010 15:34:35

Ver todos os capítulos
Medium 9788547222505

24.1. Introdução

GONÇALVES, Victor Eduardo Editora Saraiva PDF Criptografado

24

DA AÇÃO PENAL

24.1. Introdução

Ação penal é o procedimento judicial deflagrado pelo titular da ação quando há indícios de autoria e de materialidade, a fim de que o juiz declare procedente a pretensão punitiva estatal e condene o autor da infração penal. Durante o seu transcorrer serão assegurados ao acusado amplo direito de defesa, além de outras garantias, como a estrita observância do procedimento previsto em lei, de só ser julgado pelo juiz competente, de ter assegurado o contraditório e o duplo grau de jurisdição etc.

De acordo com o art. 100, caput, do Código Penal, o Estado, detentor do direito e do poder de punir (jus puniendi), pode conferir a iniciativa do desencadeamento da ação penal a um órgão público (Ministério Público) ou à própria vítima, dependendo da modalidade de crime praticado. Portanto, para cada delito previsto em lei, existe a prévia definição da espécie de ação penal – de iniciativa pública ou privada –, de modo que as próprias infrações penais são divididas nessas duas categorias – crimes de ação pública ou de ação privada.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527713382

Capítulo 31 - Distúrbios Hidroeletrolíticos e ácido-básicos

FILGUEIRA, Norma Arteiro; COSTA Jr., José Iran; LEITÃO, Clezio Cordeiro de Sá et al. Grupo Gen PDF Criptografado

CAPÍTULO

31

Distúrbios Hidroeletrolíticos e

Ácido-básicos

Michele Godoy, Daniel Christiano de Albuquerque Gomes e Lenício Carneiro de Andrade Filho

DESORDENS DO SÓDIO PLASMÁTICO

O sódio é o cátion mais abundante do meio extracelular e o principal responsável pela osmolalidade plasmática, a qual, em condições fisiológicas, é mantida entre 285 e 295 mOsm/ kg. A osmolalidade plasmática efetiva, também denominada tonicidade, é representada pela contribuição à osmolalidade de solutos que não atravessam livremente a membrana celular, como o sódio e a glicose, e que, portanto, induzem o movimento da água entre os compartimentos intra- e extracelular. A osmolalidade plasmática efetiva pode ser calculada pela seguinte fórmula:

Osmolalidade plasmática efetiva* ϭ

ϭ (2 ϫ Na) ϩ (Glicose/18)

A natremia e, conseqüentemente, a osmolalidade do plasma são controladas pela homeostase da água, que é mediada por dois importantes mecanismos fisiológicos: a sede e a excreção renal de água. Uma alteração no balanço da água corporal, portanto, manifesta-se como uma anormalidade da concentração plasmática do sódio · hiper- ou hiponatremia.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547206352

O Supremo Tribunal Federal e a proteção das legítimas expectativas dos jurisdicionados em face dos atos de venire contra factum proprium do Poder Judiciário – Os câmbios de jurisprudência

Gilmar Ferreira Mendes Editora Saraiva PDF Criptografado

O Supremo Tribunal Federal e a proteção das legítimas expectativas dos jurisdicionados em face dos atos de venire contra factum proprium do Poder

Judiciário – Os câmbios de jurisprudência

Rafael Santos de Barros e Silva*

1

1. INTRODUÇÃO

O objetivo do presente artigo é identificar o ato judicial que implica câmbio de jurisprudência como uma espécie de venire contra factum proprium do Poder Judiciário e analisar de que forma o Supremo Tribunal

Federal tem enfrentado a questão da proteção dos jurisdicionados contra os efeitos nocivos das decisões judiciais que violam legítimas expectativas fundadas em decisões pretéritas.

As decisões judiciais criam direito e com isso geram legítimas expectativas nos jurisdicionados as quais devem ser protegidas. Tendo em vista que o ordenamento brasileiro não possui instrumento processual de proteção às expectativas dos jurisdicionados geradas pelas orientações pretorianas quando ocorre um câmbio interpretativo, deve-se investigar

Ver todos os capítulos
Medium 9788541201759

Capítulo VII – Eliminação da Cera – Técnica Convencional

SALVADOR, Milton Carlos Gonçalves et al. Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo

VII

Eliminação da Cera –

Técnica Convencional

1. Após a presa final do gesso coloca-se a mufla metálica em um recipiente com água em ebulição durante 5 minutos, tempo suficiente para que a cera se torne plástica (Fig. VII.1).

2. Retira-se da água quente e com uma espátula Le Cron separa-se as duas partes, mufla e contramufla (Fig. VII.2), cuidadosamente para não fraturar o modelo.

Fig. VII.1

Salvador_07_P2.indd 73

Fig. VII.2

02/10/2013 16:44:15

Manual de Laboratório – Prótese Total

3. Remove-se a chapa de prova e a cera amolecida com uma espátula e, em seguida, lava-se com banho de água quente, retirando o resto da cera que ficou aderida na mufla e contramufla (Figs. VII.3 a VII.8).

4. Recorta-se ligeiramente as arestas delgadas de gesso da mufla e da contramufla, a fim de evitar que, na inclusão da resina, elas se fraturem e fiquem incrustadas na base da prótese.

Fig. VII.3

Fig. VII.4

Ver todos os capítulos
Medium 9788547227647

1. Considerações preliminares

BITENCOURT, Cezar Roberto Editora Saraiva PDF Criptografado

RECEPTAÇÃO DE SEMOVENTE

DOMESTICÁVEL DE PRODUÇÃO

XXVIII

Sumário: 1. Considerações preliminares. 2. Bem jurídico tutelado e objeto ma­ terial. 3. Sujeitos ativo e passivo. 4. Tipo objetivo: adequação típica. 4.1. Receptação de receptação: possibilidade limitada. 5. Tipo subjetivo: adequação típica. 5.1 Elemen­ to subjetivo especial do injusto: produção ou comercialização de semovente domesti­ cável. 6. Consumação e tentativa. 7. Classificação doutrinária. 8. Pena e ação penal.

Receptação de animal

Art. 180-A.  Adquirir, receber, transportar, conduzir, ocultar, ter em depósito ou vender, com a finalidade de produção ou de comercialização, semovente domesticável de produção, ainda que abatido ou dividido em partes, que deve saber ser produto de crime:

Pena — reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa.

1. Considerações preliminares

A Lei n. 13.330, de 4 de agosto de 2016, alterou o Código Penal, para agravar os crimes de furto e de receptação, acrescentando-lhe, em primeiro lugar, o § 6º no art. 155, e o art. 180-A, para definir uma modalidade especial de receptação de

Ver todos os capítulos
Medium 9788502635579

Título II - DAS DIVERSAS ESPÉCIES DE EXECUÇÃO

STRECK, Lenio Editora Saraiva PDF Criptografado

Guilherme Peres de Oliveira 

1045

  Arts. 795 e 796

Murilo Teixeira Avelino 

  Art. 797

Art. 795. Os bens particulares dos sócios não respondem pelas dívidas da sociedade, senão nos casos previstos em lei.

§ 1.º O sócio réu, quando responsável pelo pagamento da dívida da sociedade, tem o direito de exigir que primeiro sejam excutidos os bens da sociedade.

§ 2.º Incumbe ao sócio que alegar o benefício do § 1.º nomear quantos bens da sociedade situados na mesma comarca, livres e desembargados, bastem para pagar o débito.

§ 3.º O sócio que pagar a dívida poderá executar a sociedade nos autos do mesmo processo.

§ 4.º Para a desconsideração da personalidade jurídica é obrigatória a observância do incidente previsto neste Código.

1. Referência legislativa.  Art. 5.º, LIV, CF/88.

2. Comentários.  Nos casos em que a responsabilidade do sócio não é limitada e, portanto, seus bens podem ser excutidos para satisfação de execução contra a sociedade, aplicam-se regras muito semelhantes àquelas referentes à execução do fiador, conforme descritas no tópico anterior. Em síntese: o sócio pode se valer do benefício de ordem, exigindo que, em primeiro lugar, sejam executados bens da sociedade, desde que aponte bens suficientes, livres e desembargados situados na comarca da execução, de propriedade da sociedade. O § 4.º, por sua vez, se refere aos casos em que a responsabilidade dos sócios é limitada pela lei material, hipótese na qual, para que se lhe atinjam os bens, é necessário, antes, desconsiderar a personalidade jurídica por meio do respectivo incidente cognitivo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530982522

Parte III – Dicas Práticas!

RAMAL, Andrea Grupo Gen PDF Criptografado

Parte III – Os segredos da redação nota mil

229

Dicas Práticas!

Faça primeiro o rascunho da redação, depois responda às questões da prova e, no final, releia seu texto fazendo esse mesmo exercício de acrescentar ou suprimir frases. Ler a redação com um certo distanciamento do momento em que escreveu permite fazer essa leitura crítica mais apurada, acrescentando pontos ou cortando excessos.

Seja preciso nas palavras. Quando não tiver certeza do significado de um termo, ou não lembrar da sua grafia correta, use outro equivalente.

Evite pleonasmos viciosos. Os escritores se valem do pleonasmo (repetições) como um recurso para reforçar uma ideia. Mas a repetição que acontece quando não se domina a linguagem é malvista. Por exemplo: subir para cima, protagonista principal, ver com seus próprios olhos, surpresa inesperada, outra alternativa, retomar de novo, pessoa humana e similares.

Mantenha o foco no tema proposto, sem se desviar. Lembre que esse é um dos problemas mais comuns identificados pelos avaliadores, e um dos que mais tiram pontos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577260287

Caso Oito: A Companhia Video Eletronics

John W. Newstrom Grupo A PDF Criptografado

430

Parte Oito

Estudo de Casos

Caso Oito

A Companhia

Video Eletronics

Frank Simpson, presidente e acionista majoritário da Companhia Video Eletronics, agora, em seu décimo ano, enfrentava o dilema de equipar sua fábrica para suprir o acréscimo nas demandas de produção, trazidas pela expansão da indústria eletrônica, e para responder ao aumento da competição de outros produtores de sua linha de produtos. A planta havia triplicado seu número de funcionários no ano anterior, porém a produção por trabalhador decresceu 20% e os custos subiram até atingir o ponto de equilíbrio. Para o trimestre anterior, o lucro sobre as vendas foi menor que 1% e o lucro sobre o capital investido estava abaixo de 3%. Essas taxas de lucro representavam um quarto daquilo que Simpson considerava normal.

A companhia empregava essencialmente mão-de-obra não-qualificada, treinada pela companhia. Os funcionários não eram representados por um sindicato, e todos eles recebiam por hora trabalhada em vez de salários motivadores.

Ver todos os capítulos
Medium 9788541200585

Capítulo 6 – Shiatsu dos Pés Descalços

MARTINS, Ednéa Iara Souza; LEONELLI, Luiz Bernardo Grupo Gen PDF Criptografado

Shiatsu dos

Pés Descalços

6

Introdução

O Shiatsu dos Pés Descalços é uma técnica desenvolvida por Yamamoto, que se utiliza, predominantemente, dos pés, como recurso de trabalho sobre as regiões dorsais do tronco e dos membros, áreas onde utilizamos algumas aplicações, por nós adaptadas, não previstas no método original. A referida modalidade inclui a utilização das mãos e o auxílio de outras partes, como os joelhos, em determinadas manobras.

O método é realizado com o terapeuta nas posições em pé e outras sobre o solo, notabilizando-se pelo uso dos pés sobre o corpo do paciente.

Todavia, o uso simultâneo de ambos os pés constitui uma entre as diversas formas de intervenção da manobra definida como “pisada”20.

A pisada total, denominação da manobra realizada com os dois pés, requer conhecimentos e experiência sobre as patologias da coluna, pre­ cauções e condições especiais para sua realização. A técnica costu­ma ser executada preventivamente nos adultos sadios, embora registrada no

Ver todos os capítulos

Carregar mais