124126 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788577807864

Capítulo 13 - Administração do Projeto Organizacional

Stewart Clegg, Martin Kornberger, Tyrone Pitsis Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO TREZE

ADMINISTRAÇÃO DO PROJETO

ORGANIZACIONAL

Estrutura, Meio Ambiente, Adequação

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

No final deste capítulo, você será capaz de:

� Definir as organizações à luz da teoria da contingência estrutural

� Discutir tamanho, tecnologia e meio ambiente enquanto contingências essenciais associadas a estruturas organizacionais

ANTES DE COMEÇAR . . .

O projeto organizacional é tão importante quanto qualquer outro tipo de projeto ... o projeto organizacional mal-elaborado resulta em má administração. (Stewart Clegg)

INTRODUÇÃO

Um projeto ou design organizacional é o plano de estrutura e do modo de operação, racionalmente criados em uma empresa. A estrutura formal de uma organização é seu quadro de papéis e procedimentos. Já que

� Associar contingências organizacionais ao

projeto organizacional

� Adequar questões de estrutura organiza-

cional a questões de estratégia organizacional

Ver todos os capítulos
Medium 9788527735100

Capítulo 6 Testes Bioquímicos para Identificação de Bactérias

Alane Beatriz Vermelho, Antônio Pereira, Rosalie Coelho, Thaïs Souto-Padrón Grupo Gen ePub Criptografado

As colorações simples, diferenciais ou estruturais, mesmo se combinadas com diferentes tipos de cultivo e observação das características das colônias, não são, em muitas das vezes, suficientes para a identificação de bactérias isoladas. Desta forma, devemos lançar mão de outras técnicas ou metodologias que, combinadas com as outras características descritas anteriormente, possibilitem determinar com precisão qual a bactéria com que se está trabalhando e/ou pesquisando.

Os testes bioquímicos (também conhecidos como provas bioquímicas) são amplamente utilizados em associação com os resultados obtidos por meio da coloração e cultivos, servindo como prova definitiva na identificação das bactérias isoladas, visto que as propriedades metabólicas são únicas para cada espécie. Esta classificação das bactérias, em relação às suas características bioquímicas, se dá porque os microrganismos apresentam tipos diferentes de vias metabólicas para obtenção de energia (fermentação, respiração ou ambos), bem como podem possuir enzimas específicas utilizadas no processo de metabolização dos diferentes substratos contidos nos meios de cultivo. Mesmo bactérias com alto padrão de similaridade podem ser caracterizadas e isoladas por testes bioquímicos que avaliam a presença ou a ausência de enzimas envolvidas nos processos catabólicos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553603138

5. Tipo subjetivo: adequação típica

Cézar Roberto Bitencourt Editora Saraiva PDF Criptografado

somente pelos crimes para os quais tenham concorrido. Não é outra a interpretação de Rogério Sanches, para quem tipifica-se “a nova associação apenas quando tiver como finalidade a prática de crimes previstos no CP, não se cogita deste delito quan­ do visar a prática de crimes estampados em legislação extravagante, sob pena de analogia incriminadora”11. Com efeito, a prática de qualquer crime objeto da fina­ lidade da “associação” (organização paramilitar, milícia particular, grupo ou esqua­ drão) não necessita da participação de todos, podendo, inclusive, ser praticado por um só ou apenas alguns dos seus integrantes. Pelo crime de constituição de milícias privada (art. 288-A) respondem todos os seus integrantes; no entanto, pelos crimes que esta (organização paramilitar, milícia particular) praticar, responde somente quem deles tomar parte (concurso de pessoas): uma coisa é o crime de constituição de milícia privada, outra, completamente distinta, são os crimes que ela efetivamen­ te pratica; por aquela, com efeito, respondem todos os seus membros, por estes, somente os agentes que efetivamente deles tomaram parte.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520439661

Exercícios de nível avançado

Abigail Ellsworth Editora Manole PDF Criptografado

118 • Pilates – Anatomia Ilustrada

Avançado

The twist (Torção)

T

he twist é uma maneira abrangente de trabalhar o corpo todo, ao mesmo tempo em que desafia o controle e o equilíbrio. Este exercício confere uma atenção especial aos músculos do ombro e aos abdominais e também ajuda a definir a cintura.

Foco muscular

• Latíssimo do dorso

• Reto do abdome

• Oblíquo interno

• Oblíquo externo

• Adutor magno

• Adutor longo

• Deltoide

• Transverso do abdome

1 Inicie sobre o seu lado direito, com as pernas estendidas e firmemente pressionadas uma contra a outra.

Posicione a mão direita logo abaixo do ombro e pressione o corpo para cima em uma prancha lateral com equilíbrio sobre o braço direito na lateral.

2 Inspire, levando o umbigo para dentro em direção à coluna, pressionando os quadris e, em seguida, elevando o braço esquerdo conforme mostrado.

Guia do exercício

Alvo

• Ombro

Ver todos os capítulos
Medium 9788527731546

32 - Transtornos das Relações Conjugais

Roberta Payá Grupo Gen PDF Criptografado

32

Transtornos das

Relações Conjugais

Nairo de Souza Vargas

Breve histórico sobre o desenvolvimento da psicoterapia de casais

De maneira bastante ampla, é possível dizer que a terapia de casais tem seus primórdios em tempos muito remotos. Praticamente em todos os antigos livros sagrados e de sabedoria, das mais diferentes culturas, podem-se encontrar referências ao tema do aconselhamento e recomendações para se ter um bom casamento. Eles trazem, junto com canções e textos clássicos da literatura, recomendações com as marcas da época. O casamento, como órgão vivo, muda conforme a cultura e a época e pode evoluir, transformando-se, ou ficar paralisado, desgastando-se e podendo até morrer.

Em nossa cultura, o casamento tem passado por muitas transformações, principalmente para a mulher, que antes era considerada a grande sustentadora do vínculo conjugal e quase única responsável pela vida afetiva e social do casal.

Era a “senhora do lar”. Com autonomia cada vez maior, a mulher hoje compartilha, de modo um pouco mais simétrico, as obrigações e os deveres do casamento com o homem.1 É cada vez mais frequente a profissionalização da mulher e seu ganho vem sendo crescentemente representativo para a manutenção da família. O papel do homem no casamento também vem se transformando, talvez menos que o da mulher, mas hoje ele é muito mais presente na vida afetiva da família, nos seus cuidados e no convívio.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553602667

10. Sanções legais

Fernando Capez Editora Saraiva PDF Criptografado

é punível o autor da ordem. Assim, o subordinado que cumpre ordem que não seja manifestamente ilegal, isto é, aparentemente legal, emanada de seu superior hierárquico, tem a sua culpabilidade excluída, ficando isento de pena. É a hipótese do juiz que manda o policial militar algemar um advogado que, no calor do embate judiciário, irrogou uma ofensa contra a parte adversa. Na hipótese, o advogado detém imunidade judiciária, não podendo ser preso em flagrante pela prática desse ato.

O subordinado (policial), então, estará cumprindo uma ordem ilegal, mas, diante de seus parcos conhecimentos jurídicos, aparentemente legal.

Caso a ordem seja manifestamente ilegal, o subordinado deverá responder pelo crime de abuso de autoridade, pois não tinha como desconhecer sua ilegalidade.

9. Estrito cumprimento do dever legal

Trata-se de causa de exclusão da ilicitude que consiste na realização de um fato típico, por força do desempenho de uma obrigação imposta por lei. Por exemplo: o policial que priva o fugitivo de sua liberdade, ao prendê-lo em cumprimento de ordem judicial. Exige-se que o agente se contenha dentro dos rígidos limites de seu dever, fora dos quais desaparece a excludente. Por exemplo: execução do condenado pelo carrasco, o qual deve abster-se de provocações de última hora ou de atos de sadismo ou tortura; prisão legal efetuada pelos agentes policiais, que deve ser realizada sem caráter infamante, salvo quando inevitável etc. Assim, somente os atos rigorosamente necessários e que decorram de exigência legal amparam-se na causa de justificação em estudo. Os excessos cometidos pelos agentes poderão constituir crime de abuso de autoridade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520432822

2. Elementos táticos

Alexandre Gomes de Almeida, Clodoaldo José Dechechi Manole PDF Criptografado

elemen t o s tát ico s

O objetivo maior das equipes que disputam uma partida de handebol é

terminar o jogo em vantagem no placar, convertendo mais gols que a adversária e, portanto, também devem evitar que os jogadores adversários convertam gols. As tentativas de converter o gol significam atacar, e as tentativas de evitá-lo, defender. De acordo com Stein e Federhoff (1995), ataque

é toda atitude assumida por uma equipe que está com a posse da bola, sendo seus jogadores denominados atacantes. Já defesa é toda atitude assumida por uma equipe sem a posse da bola, sendo seus jogadores denominados defensores. A alternância entre ataque e defesa, as relações estabelecidas entre as equipes que se confrontam e a ação individual dos jogadores são as variáveis que definem o comportamento tático do jogo de handebol.

Conceito de tática

Segundo Greco (2000), tática é uma capacidade senso-cognitiva que se baseia em processos psicofisiológicos, ou seja, captação e transmissão das informações providas pelo meio, interpretação destas, elaboração de respostas tendo como base conhecimentos pré-adquiridos e execução da resposta mais adequada encontrada. A tática também indica aos jogadores as formas de organização, preparação e finalização das ações de ataque e defesa (Antón, 1998).

Ver todos os capítulos
Medium 9788573071696

Capítulo 4 - Conclusões sobre o Desenvolvimento da Produção com Estoque Zero

Shigeo Shingo Grupo A PDF Criptografado

4

Conclusões sobre o

Desenvolvimento da

Produção com Estoque Zero

A principal característica do Sistema Toyota de Produção consiste em sua ênfase na produção sem estoque, ou com estoque zero. Para entender o sistema, é necessário compreender antes o significado de “estoque”.

Antigamente, estoques, ou inventários, eram considerados um “mal necessário”, com ênfase no “necessário” sendo o “mal” encarado como inevitável e talvez até útil. Há dois tipos de estoque: aquele que ocorre naturalmente como resultado de determinadas práticas de produção e o estoque

“necessário”. Ambos são discutidos abaixo:

ESTOQUE NATURAL

Razões para a geração de estoque:

• Previsões incorretas da demanda do mercado

• Superproduzir somente para evitar riscos

• Produção em lotes

• Diferenças no turno de trabalho: por exemplo, executar o recozimento em três turnos e elaborar o acabamento em um turno

98

S HIGEO S HINGO

ESTOQUE “NECESSÁRIO”

Ver todos os capítulos
Medium 9788565852623

Capítulo 10 - Inervações Sensorial e Motora da Cabeça e do Pescoço

Claudia Krebs, Joanne Weinberg, Elizabeth Akesson Grupo A PDF Criptografado

Inervações Sensorial e Motora da Cabeça e do Pescoço

10

I. VISÃO GERAL

Af e es rent e pe cia som l

áti co

Af er en ge te ra so l má tic o

Af er e es nte pe cia vis ce l ra l

Af er e ge nte ra vis l ce ra l

Su lco l

Ef im e ita nte ge rent ev ra l isc er al

Ef er e es nte pe cia visc l er al

Ef er ge ent es ra l om

áti co

As áreas da cabeça e a maioria das áreas do pescoço são inervadas pelos nervos cranianos V, VII, IX, X, XI e XII (Fig. 10.1). Estes são os nervos trigêmeo, facial, glossofaríngeo, vago, acessório e hipoglosso, respectivamente. A

LINHA MÉDIA

III

V

Mesencéfalo

Oculomotor

Núcleo mesencefálico do nervo trigêmeo

III

V

Ponte

Núcleo sensorial principal do nervo trigêmeo

VIII

Vestibulococlear

Troclear

VII

V

Salivatório superior

Núcleo motor do nervo trigêmeo

IX

Salivatório inferior

VII

Ver todos os capítulos
Medium 9788547227630

20. Inexigibilidade de outra conduta: coação irresistível e obediência hierárquica

BITENCOURT, Cezar Roberto Editora Saraiva PDF Criptografado

genérica da relação de parentesco (art. 61, II, e, 1ª figura). Agora, se o agente, pretendendo matar o próprio pai, atira e vem a matar um forasteiro, sobre o fato incide a agravante genérica antes referida.

20. Inexigibilidade de outra conduta: coação irresistível e obediência hierárquica

Comprovadas a autoria e a materialidade do homicídio, sendo devidamente reconhecidas a adequação típica e a antijuridicidade, passa-se ao exame da culpabilidade. Seguindo o magistério de Welzel, uma vez configuradas a imputa­bilidade e a possibilidade de conhecimento do injusto, fica caracterizada materialmente a culpabilidade, o que não quer dizer, no entanto, que o ordenamento jurídico-penal tenha de fazer a reprovação de culpabilidade, em qualquer fato delituoso, e não apenas em relação ao homicídio. Em determinadas circunstâncias, poderá renunciar a dita reprovação e, por conseguinte, exculpar e absolver o agente. Efetivamente, o conhecimento do injusto, por si só, não é fundamento suficiente para reprovar a resolução de vontade. Isto somente poderá ocorrer quando o autor, numa situação concreta, podia adotar sua decisão de acordo com esse conhecimento.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547221843

6.6 O excedente do consumidor e do produtor

MORETTIN,Pedro A. ; HAZZAN, Samuel; BUSSAB, Wilton O. Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo 6

191

Integrais

∆t → 0 o limite da soma da expressão entre colchetes é a área

Quando nn → ∞ e ∆t

360

f (t ) dt

∫ f(t)dt.

sob o gráfico de f (t) entre t = 0 e t = 360, ou seja, é igual a

Assim:

RT = 500

0

360

f (t ) dt

∫ f(t)dt

0

Como

360

0

segue-se que:

f(t)dt

= f (t ) dt

360

f (t ) dt + 10t + 300)dt

∫ (–0,01t

2

0

t 333

33

360

360

360

–0,01 tt + 5t2222 + 300t 

==

=

0,01

01 + 55tt ++300

300tt

−−0,



==

600

. 480

600.480

600.480

 =

 000

RT = 500(600 . 480) = 300.240.000

6.6 O excedente do consumidor e do produtor

Consideremos uma curva de demanda e suponhamos que b e f (b) sejam a quantidade e o preço de equilíbrio, respectivamente (Figura 6.10). Calculemos quanto os consumidores deixariam de gastar pelo fato do preço de equilíbrio ser f (b).

Ver todos os capítulos
Medium 9788582715840

17 - Transtornos da personalidade e transtornos dissociativos (ou conversivos)

Mario Rodrigues Louzã, Táki Athanássios Cordás Grupo A ePub Criptografado

Letícia Oliveira Alminhana, Alexander Moreira-Almeida

Nas maravilhosas experiências levadas a cabo por Binet, Janet, Breuer, Freud, Mason, Prince e outros, da consciência subliminal dos pacientes com histeria, revelam-se nos sistemas inteiros de vida subterrânea, em forma de lembranças de um tipo doloroso, que levam uma existência parasítica, enterrados fora dos campos primários da consciência e que nela fazem irrupções, com alucinações, dores, convulsões, paralisias de sentimento e movimento e toda a procissão de sintomas de doença histérica do corpo e da mente.

William James1

Ao longo deste capítulo, serão abordados os transtornos da personalidade (TPs) que apresentam sintomas de dissociação ou de comorbidade com os transtornos dissociativos. Os transtornos da personalidade emocionalmente instável ou borderline (TPB), esquizotípica (TPE) e antissocial (TPAS) apresentam a dissociação entre suas principais características. Assim sendo, primeiro serão apresentados um breve histórico e uma síntese dos critérios diagnósticos do transtorno dissociativo (TD). Em seguida, as relações entre os TPs e os TDs, e, por fim, os perfis de personalidade encontrados nos TDs. Não serão discutidos dados neurofisiológicos, pois esses estudos ainda devem ser considerados como preliminares, sem que seja possível chegar a conclusões com segurança.2 Como conclusão, serão apresentadas as principais evidências sobre o tema e as direções para pesquisas futuras e para a prática clínica.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527724227

86 - Pneumograma: Dois ou Quatro Canais

Vicky R. Bowden, Cindy Smith Greenberg Grupo Gen PDF Criptografado

CapÍTULO

86

Pneumograma: Dois ou Quatro Canais

Diretrizes clínicas

• É necessário um pedido médico antes de rea­li­zar o pneumograma de dois ou quatro canais

• Uma enfermeira, fisioterapeuta ou técnico de eletrodiagnóstico com treinamento apropriado e competência demonstrada pode fazer o pneumograma ou polissonografia

• Um técnico de eletrodiagnóstico adequadamente treinado completa a análise computadorizada dos resultados do teste.

Equipamento

Para um pneumograma de dois canais:

• Gravador de pneumograma computadorizado com cabo de interface

• Monitor de apneia com cabo para o paciente, fios e eletrodos de derivações

• Tabela de pneumograma

• Impressora com software para fazer o download dos dados ao término do pneumograma

• Disco formatado vazio, se necessário, de acordo com as instruções do fabricante.

1 23

Para um pneumograma de quatro canais:

• Monitor de apneia com cabo para o paciente, cabo de força, fios e eletrodos de derivações

Ver todos os capítulos
Medium 9788553604647

CAPÍTULO 6 - DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS

Clever Vasconcelos Editora Saraiva PDF Criptografado

capítulo

6

DOS DIREITOS E GARANTIAS

FUNDAMENTAIS

6.1 histórico

A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, em seu Título II, trata dos Direitos e Garantias Fundamentais, tema de grande relevância quando se estuda a

Constituição.

É certo que a sistematização dos direitos fundamentais coincidiu com o constitucionalismo moderno, à época das revoluções norte-americana e francesa. Mas cumpre dizer que, bem antes disso, os direitos fundamentais já iniciavam a sua jornada com a declaração da Magna Carta de 1215, que, conforme visto no Capítulo 1, item 1.2, que trata do “Constitucionalismo”, limitou o poder dos Reis na Inglaterra, obrigando-os a se curvarem ao império da lei, possibilitando o surgimento do constitucionalismo.

Posteriormente, ainda na Inglaterra, fora confeccionada a Declaração Inglesa de

Direitos de 1689, conhecida como Bill of Rights, uma proposta de Lei de grande valor histórico que representa um avanço sem precedentes para os cidadãos. Entre outras coisas, seu texto previa o direito de petição dos súditos para o rei, eleições livres ao parlamento, liberdade de expressão, e debates ou procedimento no Parlamento.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597010466

5 - Princípios Orçamentários e sua Validade

James Giacomoni Grupo Gen PDF Criptografado

5

Princípios Orçamentários e sua Validade

A. Introdução

Desde seus primórdios, a instituição orçamentária foi cercada de uma série de regras com a finalidade de aumentar-lhe a consistência no cumprimento de sua principal finalidade: auxiliar o controle parlamentar sobre os Executivos. Essas regras (princípios) receberam grande ênfase na fase em que os orçamentos possuíam forte conotação jurídica e, alguns deles, chegaram até os dias de hoje incorporados à legislação.

Os princípios orçamentários, ao longo do tempo, não têm merecido aprovação unânime. Jesse Burkhead, coerente com a tradição anglo-saxônica de minimizar as questões formais do orçamento ao contrário dos tratadistas de origem latina, interpreta assim a atualidade dos princípios:

Estes princípios podem ser úteis como meio de se estudar alguns aspectos do processo orçamentário. Se considerados, todavia, como mandamentos, são completamente irreais. Os governos com excelentes sistemas orçamentários violam essas regras com bastante frequência.1

Ver todos os capítulos

Carregar mais