128633 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788573074826

26 O que Mudou nas “Regras Técnicas” Legadas por Freud?

Zimerman, David E. Grupo A PDF Criptografado

C A P Í T U L O

26

O que Mudou nas

“Regras Técnicas” Legadas por Freud?

Por meio dos seus trabalhos sobre técnica psicanalítica, mais consistentemente estudados e publicados no período de 1912 a 1915, Freud deixou um importante e fundamental legado a todos os psicanalistas das gerações vindouras: as regras mínimas que devem reger a técnica de qualquer processo psicanalítico. Muito embora Freud as tenha formulado como “recomendações”, elas são habitualmente conhecidas como “regras”, talvez pelo tom pedagógico e algo superegóico com que ele as empregou nos seus textos.

Convém lembrar que, classicamente, são quatro essas regras: a regra fundamental (também conhecida como a regra da livre associação de idéias) a da abstinência; a da neutralidade; e a da atenção flutuante. Creio que é legítimo acrescentar uma quinta regra, a do amor à verdade, tal foi a ênfase que Freud emprestou à verdade e à honestidade como uma condição sine-qua-non para a prática da psicanálise.

Tais regras permanecem vigentes em sua essencialidade, porém elas vêm sofrendo muitas e significativas transformações, à medida que a própria ideologia da psicanálise também está passando por sucessivas e profundas modificações nesse seu primeiro século de existência, por intermédio de algumas rupturas epistemológicas. A propósito, pode-se dizer que, nesse período, a ciência psicanalítica tem transitado fundamentalmente por três fases bem marcantes, conquanto todas elas continuem válidas e entrelaçadas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788584291694

Capítulo 9. Projeto Âncora: a gênese de novas construções sociais de aprendizagem

Flavio Rodrigues Campos; Paulo Blikstein Grupo A PDF Criptografado

PROJETO ÂNCORA: a gênese de novas construções sociais de aprendizagem

José Pacheco

PROJETOS SUSTENTÁVEIS

Parece haver um consenso em âmbito internacional, quer entre políticos, quer entre estudiosos e pesquisadores, quanto à necessidade de busca de novas formas de escolarização e de organização escolar, de novos paradigmas de mudança e de novos modelos de formação de professores. E, no Brasil, como em outros países, não faltam exemplos de escolas que, isoladamente ou integradas em movimentos mais amplos, fazem a diferença, pela maneira inovadora como seus professores desenvolvem as aprendizagens dos alunos, estabelecem parcerias com a comunidade e adequam as suas obrigações de serviço público aos valores da justiça social, da igualdade de oportunidades e da construção da cidadania.

Em 1996, os ministros da educação dos países da Organização para a Cooperação e

Desenvolvimento Econômico (OCDE), reunidos em Paris, manifestaram sua preocupação com as mudanças rápidas e profundas em curso, em âmbito mundial, com a capacidade de acompanhamento dessas mudanças pelos sistemas educativos e com a necessidade de repensar os modos atuais de organização da escola. Convidaram, então, a OCDE a “[...] avaliar as implicações de diferentes visões da escola de amanhã, tendo em conta, em especial, as

Ver todos os capítulos
Medium 9788536324845

Capítulo 6 - Membros Inferiores

Sizínio K. Hebert; Luiz José M. e Alimena Grupo A PDF Criptografado

6 MEMBROS INFERIORES

CAPÍTULO 6.1

DISPLASIA DO

DESENVOLVIMENTO

DO QUADRIL

SIZÍNIO HEBERT

A articulação do quadril exige uma morfologia extremamente precisa, grande mobilidade e estabilidade perfeita. De modo paradoxal, é uma articulação desfavorecida desde sua concepção. Ao nascimento, sua morfologia é imperfeita, muito aquém da precisão mecânica que será necessária mais tarde. Desde o nascimento até a maturidade, em torno dos 16 anos de idade, o quadril em crescimento passa por longa evolução.

Displasia do desenvolvimento do quadril (DDQ) é um termo genérico que descreve uma ampla faixa de anormalidades anatômicas do quadril, congênitas ou desenvolvidas durante a infância. A DDQ manifesta-se de várias formas, dependendo do grau de deslocamento, da idade do paciente no momento do diagnóstico e do tratamento ou, ainda, do fato de o quadril ser instável, displásico, subluxado ou luxado (Fig. 6.1.1).

A displasia implica progressiva deformidade do quadril, no qual o fêmur proximal, o acetábulo e a cápsula são defeituosos. A luxação do quadril divide-se em duas grandes categorias: a teratológica, que ocorre no útero, antes do nascimento, incluindo grandes deformidades do acetábulo, da cápsula e do fêmur proximal, associada a outras malformações, como mielomeningocele, artrogripose múltipla congênita, agenesia lombossacral e anomalias cromossômicas; e a típica, que ocorre em crianças normais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553603503

 11.6. FORMA LIVRE

urano PDF Criptografado

11

Abuso de Autoridade — Lei n. 4.898/65

421

subjetivo tem acentuada importância prática para evitar que o servidor, temeroso de eventual persecução penal, deixe de dar o devido cumprimento ao seu dever, diante de uma situação fática em que as circunstâncias levam a crer que isso é exigido.

Exemplifica-se com a atuação do policial que empreende busca pessoal em indivíduo que caminha de um lado a outro, nervosamente, em frente a uma agência bancária, vestindo um pesado casaco em um dia que não é de frio intenso. Na hipótese, há causa provável a justificar a atuação policial, não devendo o policial ser punido por atentar contra o direito de ir e vir do cidadão, ou pela prática de ato lesivo de sua honra, movido que foi por um legítimo interesse público.

Os exemplos poderiam multiplicar-se, uma vez que os delitos de abuso de autoridade situam-se justamente na zona de colisão entre o respeito aos direitos individuais e o interesse público na preservação de bens coletivos, como a segurança pública.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547221973

8. Ações em trâmite

TOMAZZETTE, Marlon Editora Saraiva PDF Criptografado

Verificação de créditos

207

será uma ação que envolve a relação de trabalho e, por isso, atrai a competência da jus­ tiça especializada do trabalho.

Apesar da submissão ao procedimento de verificação de créditos, é certo que o credor trabalhista não está impedido de promover a competente reclamação trabalhista para reconhecer o valor do seu crédito. Neste caso, se o crédito trabalhista e o seu valor já foram reconhecidos pela justiça especializada do trabalho, ele será incluído diretamen­ te no quadro geral de credores. No curso dessas reclamações, o juiz do trabalho pode determinar, de of ício ou a requerimento, a reserva de valores que entender devidos.

8

Ações em trâmite

De modo similar aos créditos trabalhistas, os créditos cuja existência e valor sejam reconhecidos judicialmente não precisarão se submeter ao procedimento da verificação de créditos, pois a eventual submissão poderia violar a coisa julgada. A própria Lei n. 11.101/2005 expressamente afirma que as ações que demandem quantia ilíquida prosseguirão normal­ mente após a decretação da falência com o administrador judicial (Lei n. 11.101/2005 – art.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547217976

9.16 Renda relativa à locação

CREPALDI, Silvio Editora Saraiva PDF Criptografado

9.16 Renda relativa à locação

Se os sócios possuírem muitas propriedades e receitas representativas com aluguéis de imóveis, pode haver uma solução para reduzir a carga tributária sobre os aluguéis cobrados pelos sócios. Nesse caso, a solução é fazer a transferência da propriedade explorada pelo sócio. Assim, o imóvel pode ser passado para a pessoa jurídica por integralização de capital.

A vantagem tributária é a seguinte: se o imóvel continuar sendo da pessoa física, o valor declarado como receita de aluguel fica sujeito à tributação de até 27,5% na declaração de IRPF. Se o imóvel for transferido para a empresa via integralização de capital, a carga tributária sobre o aluguel será reduzida para 12,73%, incluindo PIS, Cofins, IR e CSLL.

A conta considera a maior base de cálculo de IRPJ no lucro presumido: a de 32%.

É importante destacar que essa forma de cálculo só vale para empresas que tenham a exploração de imóveis no seu objeto social. Caso contrário, o IRPJ e a CSLL serão cobrados de outra forma. Se sua empresa tem exploração de imóveis como um objeto social, a tributação ficará como mostra a solução abaixo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547212551

5.1 Introdução

DAMAS, Roberto Dumas Editora Saraiva PDF Criptografado

CAPÍTULO

5

A crise asiática

5.1 Introdução

Nunca uma crise cambial evoluiu para uma crise econômica de forma tão abrupta e inesperada pelo mercado financeiro como a crise asiática. Nem mesmo as agências de rating conseguiram antecipar a severidade dessa crise, que derrubou as moedas de vários países asiáticos uma a uma entre meados de 1997 e 1998. Inicialmente, podia-se culpar os eventuais desequilíbrios macroeconômicos de algumas economias, como os elevados déficits em conta-corrente apresentados principalmente pela Tailândia e pela Malásia, os precursores do ataque asiático. Em 1996, esses países apresentaram déficits em conta-corrente da ordem de 8% e 4,9%, respectivamente, em relação ao PIB, seguidos pela Coreia do Sul e Indonésia com déficits de 4,7% e 3,4%, na devida ordem. Grande parte dessa deterioração deveu-se aos sistemas cambiais adotados por esses países, que variavam do hard pegged ao soft pegged em relação ao dólar americano. Com a apreciação do iene japonês em relação ao dólar americano até meados de 1993, as principais economias asiáticas conseguiram melhorar consideravelmente sua competitividade no mercado externo aumentando o nível de suas exportações.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527715935

Cap. 11 Concentração Plasmática das Drogas

Silva, Penildon Grupo Gen PDF Criptografado

11

Concentração Plasmática das Drogas

Penildon Silva

Do ponto de vista farmacocinético, depois que uma droga é absorvida, estuda-se a sua concentração no sangue. O passo imediato de interesse clínico consiste em averiguar se a concentração plasmática da droga se encontra em nível terapêutico, subterapêutico ou excessivamente elevado e tóxico. O esquema posológico adequado manterá a concentração plasmática da droga em níveis terapêuticos desejados e constantes. Essa constância, na realidade, representa uma série de pequenas variações mantidas em estreita faixa de oscilações, isto é, em torno de uma concentração ou platô médio que permite razoável correlação com os efeitos terapêuticos. A concentração constante das drogas é chamada de média porque varia continuamente em decorrência da meia-vida, da distribuição e da eliminação da droga. A constância da concentração plasmática máxima média é contingencial e reflete um estado estável de equilíbrio dinâmico (steady state) entre a dose da droga que é administrada e a taxa da droga que é distribuída (do sangue para todos os tecidos) e eliminada (metabolismo e excreção da droga).

Ver todos os capítulos
Medium 9788582713570

Antidepressivo combinado noradrenérgicoe dopaminérgico (bupropiona)

Alan F. Schatzberg PDF Criptografado

104

Manual de psicofarmacologia clínica

Antidepressivo combinado noradrenérgico e dopaminérgico (bupropiona)

A bupropiona (Wellbutrin) é um antidepressivo unicíclico (Fig. 3-4); sua liberação, prevista para 1986, ficou pendente devido à avaliação do risco de induzir convulsões. A medicação não foi liberada até meados de 1989, quando ficou claro que o aumento desse risco estava relacionado à dosagem e tendia a ocorrer em populações específicas. Em 1998, a bupropiona foi disponibilizada na fórmula de liberação sustentada (Wellbutrin SR), que possibilita a administração duas vezes ao dia e demonstra reduzir o risco de convulsões associado aos ISRSs.

Em 2003, foi disponibilizada na fórmula de liberação prolongada (Wellbutrin

XL) para administração uma vez ao dia. Hoje, todas as fórmulas estão disponíveis na forma genérica.

Efeitos farmacológicos

A bupropiona não é um bloqueador da recaptação da serotonina e não inibe a monoaminoxidase. Seu modo bioquímico de ação não está completamente compreendido. Havia a hipótese de que ela agisse via bloqueio da recaptação da dopamina; entretanto, seus efeitos de potencialização da dopamina em animais parecem ocorrer em doses e níveis séricos altos, muito acima daqueles normalmente usados em humanos. As propriedades de bloqueio da recaptação da dopamina da bupropiona são, em ordem de grandeza, menores do que aquelas da sertralina. A ativação do nucleus accumbens, uma consequência comum do aumento da transmissão dopaminérgica, é mais fácil de demonstrar em estudos com animais da bupropiona do que em estudos de imagem funcional com humanos. Entretanto, os efeitos dopaminérgicos podem ser importantes, porque os níveis plasmáticos do ácido homovanílico, o metabólito primário da dopamina, diminuem nos pacientes responsivos

Ver todos os capítulos
Medium 9788580556148

Capítulo 54 - Quimioterapia das infecções por protozoários: amebíase, giardíase, tricomoníase, tripanossomíase, leishmaniose e outras infecções por protozoários

Laurence L. Brunton, Randa Hilal-Dandan, Björn C. Knollmann Grupo A PDF Criptografado

Capítulo

54

Quimioterapia da amebíase, giardíase, tricomoníase, tripanossomíase, leishmaniose e outras infecções por protozoários

Dawn M. Wetzel e Margaret A. Phillips

Infecções causadas por protozoários em humanos

��Anfotericina B

��Amebíase

��Eflornitina

��Giardíase

��Tricomoníase

��Toxoplasmose

��Criptosporidiose

��Tripanossomíase

��Leishmaniose

��Outras infecções por protozoários

Fármacos antiprotozários

��Estibogliconato de sódio

��8-hidroxiquinolinas

��Melarsoprol

��Metronidazol e tinidazol

��Miltefosina

��Nifurtimox e benznidazol

��Nitazoxanida

��Paromomicina

��Pentamidina

��Suramina

Os seres humanos alojam uma ampla variedade de protozoários parasitas que podem ser transmitidos por insetos vetores, adquiridos diretamente de outros mamíferos reservatórios ou transmitidos de uma pessoa para outra. O sistema imune tem papel crucial na proteção contra as consequências patológicas de diversas infecções causadas por protozoários. Por essa razão, as infecções oportunistas causadas por protozoários assumem importância em lactentes, indivíduos com câncer, receptores de transplantes, naqueles que recebem medicamentos imunossupressores ou extenso tratamento antibiótico, bem como em pessoas com infecção avançada pelo HIV. Como não há disponibilidade de vacinas eficazes, a quimioterapia tem sido o único meio prático de tratar os indivíduos infectados e de reduzir a transmissão. Ainda não há agentes satisfatórios para tratar importantes infecções por protozoários, como a tripanossomíase africana (doença do sono) e a doença de Chagas crônica. Muitos fármacos antiprotozoários eficazes são tóxicos em doses terapêuticas; esse problema é exacerbado pela crescente resistência dos parasitas. Para uma relação de fármacos e doses utilizados para tratar essas doenças, consultar

Ver todos os capítulos
Medium 9788576140047

Capítulo 12 - Procedimentos Diversos

MOTTA, Ana Leticia Carnevalli Editora Saraiva PDF Criptografado

12

Procedimentos Diversos

12.1 Técnica de Preparo de Equipamentos e

Materiais para Cardioversão Química

::

Material

 Antiarrítmico prescrito

 Solução para diluição da droga (conforme prescrição médica)

 01 unidade de equipo para infusão

 01 kit de material para punção venosa (ver punção venosa)

 01 monitor cardíaco

 03 ou 05 unidades de eletrodos

.:

Procedimento

 Orientar o paciente quanto ao procedimento.

 Monitorar o paciente.

 Verificar os sinais vitais.

 Puncionar uma veia periférica calibrosa.

 Instalar o medicamento antiarrítmico.

 Observar o paciente durante a infusão do medicamento.

130

Normas, Rotinas e Técnicas de Enfermagem

9788576140047_NORMAS_ROTINAS_E_TECNICAS_DE_ENFERMAGEM_MIOLO.pdf 130

07/05/2018 14:04:18

 Observar as alterações no traçado eletrocardiográfico durante a infusão da droga.

 Observar sinais de tontura, sudorese, hipotensão.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553603138

5. Consumação e tentativa

PDF Criptografado

ou ofender-lhe o pudor. Na conduta do inciso III o menor reside (fixa residência, mora) ou trabalha (presta serviço, mediante pagamento) em casa onde é realizado o meretrício. O último inciso diz respeito ao menor que mendigue (viva como pe­ dinte) ou sirva a mendigo para excitar (estimular, despertar) a comiseração (com­ paixão) pública.

3.1 Habitualidade

O comparecimento uma ou outra vez ao local proibido é insuficiente para ca­ racterizar o verbo frequentar, que tem o sentido de reiteração, repetição, ou seja, habitualidade. Somente o comparecimento reiterado terá idoneidade para tipificar a conduta proibida nos incisos I e II do dispositivo em exame.

Perverter tem o sentido de corromper, de depravar; ofender o pudor quer dizer atingir o pudor, envergonhar. É necessário que o menor frequente espetáculos que apresentem cenas ou atos depravados, despudorados, capazes de prejudicar sua for­ mação moral.

Comiseração pública é a piedade, a pena, a compaixão que a situação mendi­ cante de alguém pode despertar na sociedade. Mendigo é o pedinte andarilho, que busca nas ruas as migalhas doadas que possam garantir-lhe a sobrevivência.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520434628

Esplenomegalia

TILLEY, Larry Patrick; SMITH JUNIOR, Francis W. K. Editora Manole PDF Criptografado

493

Espécies Canina e Felina

Esplenomegalia

CONSIDERAÇÕES

GERAIS

DEFINIÇÃO

Aumento de volume do baço; caracterizado como difuso ou nodular.

FISIOPATOLOGIA

• Funções do baço — remoção de eritrócitos senis e anormais; filtração e fagocitose de partículas antigênicas como microrganismos, material celular degradado, macromoléculas; produção de linfócitos e plasmócitos; produção de anticorpos; reservatório de eritrócitos e de plaquetas; metabolismo e armazenamento do ferro; hematopoiese, conforme a necessidade.

• Muitos distúrbios afetam a função do baço.

Difusa

Quatro Mecanismos Patológicos Gerais

• Inflamação (esplenite) — associada a agentes infecciosos; classificada de acordo com o tipo celular (p. ex., supurativa, necrosante, eosinofílica, linfoplasmocitária e granulomatosapiogranulomatosa).

• Hiperplasia linforreticular — hiperplasia de fagócitos mononucleares e elementos linfoides (em resposta aos antígenos); destruição eritrocitária acelerada.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553603312

2. TEORIA DA NORMA PENAL

LENZA, Pedro Editora Saraiva PDF Criptografado

Direito Penal

481

De acordo com o art. 66 da Lei de Drogas:

2. Assim, a tese fixada passa a ser a seguinte: incide o princípio da insignificância aos crimes tributários federais e de descaminho quando o débito tributário verificado não ultrapassar o limite de R$ 20.000,00 (vinte mil reais), a teor do disposto no art. 20 da Lei n.

10.522/2002, com as atualizações efetivadas pelas Portarias n. 75 e 130, ambas do Ministério da Fazenda.

■■ Crimes funcionais contra a Administração Pública (ex.: peculato): conforme a Súmula 599 do STJ, não incide. No entanto, os Tribunais Superiores já reconheceram: STF, HC 112.388, j. 21-8-2012;

STJ, RHC 85272, j. 14-8-2018.

STJ – Súmula 599

O princípio da insignificância é inaplicável aos crimes contra a Administração Pública.

■■ Transmissão clandestina de sinal de internet via radiofrequência: não incide, conforme a Súmula 606 do STJ.

STJ – Súmula 606

Não se aplica o princípio da insignificância a casos de transmissão clandestina de sinal de internet via radiofrequência, que caracteriza o fato típico previsto no art.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547211660

SÚMULA N. 386 POLICIAL MILITAR. RECONHECIMENTO DEVÍNCULO EMPREGATÍCIO COM EMPRESA PRIVADA

KLIPPEL, Bruno Editora Saraiva PDF Criptografado

392 Direito Sumular Esquematizado® — TST

Bruno Klippel

2. Não há certificação da intempestividade, e o recorrente comprovou posteriormente à interposição o feriado local e, por consequência, a prorrogação do prazo: nesse caso, pode haver prova superveniente acerca do feriado, tal como a juntada de uma Portaria do TRT, Ato da Presidência etc., mesmo em outro recurso, como o agravo de instrumento, agravo regimental ou embargos de declaração. Nesse caso, o mérito do recurso deve ser julgado, pois de acordo com os princípios de celeridade e economia processuais. Não há razão lógica para inadmitir o feito, já que há prova, mesmo que a destempo, da prorrogação do prazo.

ATENÇÃO: O feriado local deve ser demonstrado pela parte para que o seu recurso seja considerado tempestivo e, por consequência, admitido. Na hipótese de feriado forense, não há necessidade de comprovação, pois a autoridade judiciária deve certificá-lo nos autos.

SÚMULA N. 386

POLICIAL MILITAR. RECONHECIMENTO DE

Ver todos os capítulos

Carregar mais