54931 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597019124

9 - Títulos societários das companhias

MAMEDE, Gladston Grupo Gen PDF Criptografado

9

TÍTULOS SOCIETÁRIOS DAS COMPANHIAS

1 Ações

O estatuto social fixará, em moeda nacional, o valor do capital da sociedade anônima, bem como o número de ações em que se divide. Essa divisão implica, por óbvio, um resultado matemático: se o capital social é de R$ 500.000,00 e são 500.000 ações, cada ação terá o valor de R$ 1,00. No entanto, é uma faculdade dar, ou não, um valor nominal às ações, ou seja, dizer ou não qual é o valor de cada ação, registrando, em cláusula estatutária, o resultado da divisão do capital social pelo número de ações; se o fizer, o valor nominal será o mesmo para todas as ações da companhia. Por outro lado, mesmo optando por não dar valor nominal às ações, o estatuto poderá criar uma ou mais classes de ações preferenciais com valor nominal. Em qualquer hipótese, o número de ações e o valor nominal das ações somente poderão ser alterados nos casos de modificação do valor do capital social, de (1) desdobramento ou (2) grupamento ou (3) cancelamento de ações, figuras que se estudarão adiante, neste capítulo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547211660

SÚMULA N. 25 CUSTAS PROCESSUAIS. INVERSÃO DO ÔNUS DA SUCUMBÊNCIA

KLIPPEL, Bruno Editora Saraiva PDF Criptografado

Direito Sumular Esquematizado® — TST

55

ções e demais direitos trabalhistas (13º, férias, FGTS etc.) serem calculadas incluindo tal montante.

Porém, uma vez suprimida a realização do labor extra, receberá o empregado uma indenização, a ser calculada nos moldes da Súmula n. 291 do TST.

ATENÇÃO: O valor recebido pelo empregado pelas horas extraordinárias realizadas possui natureza salarial, devendo ser considerado para o pagamento de outras parcelas salariais.

SÚMULA N. 25

CUSTAS PROCESSUAIS. INVERSÃO DO ÔNUS DA SUCUMBÊNCIA —

Res. 197/2015, DEJT divulgado em 14, 15 e 18.05.2015

I — A parte vencedora na primeira instância, se vencida na segunda, está obrigada, independentemente de intimação, a pagar as custas fixadas na sentença originária, das quais ficara isenta a parte então vencida.

II — No caso de inversão do ônus da sucumbência em segundo grau, sem acréscimo ou atualização do valor das custas e se estas já foram devidamente recolhidas, descabe um novo pagamento pela parte vencida, ao recorrer. Deverá ao final, se sucumbente, reembolsar a quantia. (ex-OJ n. 186 da SBDI-I)

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020953

8 Coeficientes de Financiamento

Alexandre Neto Assaf Grupo Gen ePub Criptografado

O coeficiente de financiamento pode ser entendido como um fator financeiro constante que, ao multiplicar-se pelo valor presente de um financiamento, apura o valor das prestações.

Esses coeficientes são amplamente utilizados na prática, sendo importante o seu manuseio. As operações de financiamento pelo Crédito Direto ao Consumidor – CDC, e as operações de arrendamento mercantil, constituem-se em aplicações práticas importantes desses fatores.

O capítulo desenvolve os coeficientes de financiamento para séries uniformes, inseridas no modelo-padrão apresentado anteriormente, para séries não periódicas, as quais apresentam intervalos de tempo entre uma e outra prestação desiguais, e para fluxos de caixa com carência. A partir das formulações estudadas nessas situações, é possível desenvolver fatores para outras formas de amortização.

Nesse caso, o coeficiente é desenvolvido a partir do modelo-padrão dos fluxos de caixa adotado pela Matemática Financeira, e estudado no capítulo anterior.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547233396

3. Ato constitutivo de sociedades

ROCHA,Marcelo Hugo da Editora Saraiva PDF Criptografado

95

Sociedades

Prevaleceria, então, o vínculo familiar como origem, mas juridicamente passa a ser o contrato de sociedade, com os elementos característicos de manifestação volitiva, o fundamento dos limites dos direitos e das obrigações dos sócios-membros.

Com essas características básicas, as Ordenações Francesas de Luiz XIV regularam inicialmente o tipo da sociedade em nome coletivo e, a partir de então, este se difundiu pelo ordenamento jurídico de inúmeros países.

Em paralelo ao desenvolvimento histórico das sociedades em nome coletivo, a origem da sociedade em comandita remonta à Idade Média e relaciona-se à proibição canônica à usura, consistente na vedação de empréstimo mediante o pagamento de juros.

Ainda que parte dos doutrinadores sustente que a sociedade em comandita teria surgido de alterações na sociedade coletiva, outra parcela sustenta que sua origem pode ser localizada no contrato de commenda. A comenda originalmente era empregada no comércio marítimo e consistia em um contrato em que uma pessoa entregava mercadorias ou dinheiro a um comerciante, que realizaria uma viagem marítima, mediante a partilha dos resultados da expedição. Na viagem marítima, o comerciante realizava negócios em seu nome, empregando o capital ou a mercadoria do capitalista e, no retorno, entregava parte dos lucros obtidos a este.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520425305

Coordenação do quadril/joelho/pé

CALAIS-GERMAIN, Blandine; LAMOTTE, Andrée Editora Manole PDF Criptografado

Coordenação do quadril/joelho/pé

Nas páginas seguintes, são propostos exercícios que têm um mesmo objetivo: sentir como o membro inferior pode ser orientado:

–  de cima para baixo, a partir do quadril,

–  de baixo para cima, a partir do pé.

Esses exercícios são particularmente sensíveis durante movimentos em apoio. Eles devem ser praticados no início isoladamente.

Posteriormente, nos exercícios de coordenação propostos a seguir, podemos orientar cada um deles a partir do pé, a partir do quadril, ou ainda reunir as duas orientações ao mesmo tempo.

273

Coordenação do quadril/joelho/pé

Orientação do membro inferior a partir do quadril

páginas de exercícios práticos – quadril/joelho/pé

Em pé, com os pés paralelos na distância do deslocamento dos quadris e o peso deslocado sobre o retropé, movimentar os quadris em rotação interna, como em uma queda – observar e sentir o que ocorre embaixo:

as patelas se voltam uma para a outra.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521619017

Capítulo II - TEORIA DO CONHECIMENTO DE ARISTÓTELES

MASIP, Vicente Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo II

TEORIA DO CONHECIMENTO DE

ARISTÓTELES

Segundo o filósofo grego Aristóteles (384-322), o ser humano nasce ignorante, dotado de uma grande capacidade mental, chamada inteligência, e de cinco sentidos (audição, olfato, paladar, tato e visão). Por meio desses sentidos, ele entra em contato com a realidade, capta as coisas, isto é, apreende-as. A seguir, abstrai-as com o entendimento paciente e gera as ideias com o entendimento agente.

Uma ideia é a imagem mental de uma substância. A imaginação é o conjunto desordenado de ideias.

Uma substância é uma entidade dotada de mesmidade, ipseidade ou identidade, única, original e independente.

As substâncias podem ser:

Corpóreas ou materiais: são captadas diretamente pelos sentidos e recebem o nome de substâncias primeiras; elas podem ser:

 corruptíveis (que se estragam: pedra, gato, homem), estudadas pela física.

 incorruptíveis (que não se estragam: luz, calor, umidade), estudadas pela matemática, isto é, pela aritmética (cálculo mediante números), pela álgebra (cálculo mediante símbolos) e pela geometria (cálculo de superfícies e volumes).

Ver todos os capítulos
Medium 9788563308214

Capítulo 9. Escoamento compressível

Frank M. White Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 9

Escoamento compressível

Motivação. Todos os capítulos anteriores referiram-se a escoamentos a “baixas velocidades” ou “incompressíveis”, em que a velocidade do fluido era bem menor que a velocidade do som. De fato, não chegamos a desenvolver sequer uma expressão para a velocidade do som de um fluido. Isso será feito neste capítulo.

Quando um fluido se move a velocidades comparáveis à sua velocidade do som, as variações de massa específica tornam-se significativas e o escoamento é dito compressível. Tais escoamentos são difíceis de ocorrer em líquidos, pois seriam necessárias pressões da ordem de 1.000 atm para gerar velocidades sônicas. Em gases, porém, uma razão de pressões de apenas 2:1 é susceptível de causar um escoamento sônico. Logo, o escoamento compressível de gases é bem comum, e esse assunto normalmente é chamado de dinâmica dos gases.

Provavelmente, os dois efeitos mais importantes e mais característicos da compressibilidade sobre o escoamento são (1) o bloqueio (do inglês choking), sob o qual a vazão do escoamento em um duto é limitada de modo marcante pela condição sônica e (2) as ondas de choque, que se caracterizam por variações praticamente descontínuas de propriedades em um escoamento supersônico. O propósito do presente capítulo é explicar esses fenômenos impressionantes e familiarizar o leitor com os cálculos de engenharia de escoamento compressível.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536320663

Capítulo 25 Sistema Imune Adaptativo

Bruce Alberts Grupo A PDF Criptografado

O Sistema Imune Adaptativo

O sistema imune adaptativo protege-nos contra a morte causada por infecções. Um recém-nascido com um sistema imune adaptativo com defeito severo morrerá em seguida, a não ser que sejam tomadas medidas drásticas para isolá-lo e evitar o contato com agentes infecciosos, como bactérias, vírus, fungos e parasitas. Todos os organismos multicelulares precisam se defender contra infecções por esses invasores potencialmente perigosos, coletivamente denominados patógenos. Os invertebrados utilizam estratégias de defesa relativamente simples, que consistem principalmente em barreiras de proteção, moléculas tóxicas e células fagocíticas que ingerem e destroem desde micro-organismos invasores (micróbios) a grandes parasitas (como os vermes). Os vertebrados também dependem da resposta imune inata como sua primeira linha de defesa (discutida no Capítulo 24), mas, além disso, podem montar defesas muito mais sofisticadas, denominadas respostas imunes adaptativas. Nos vertebrados, a resposta inata recruta a resposta adaptativa, e ambas atuam em conjunto para eliminar os patógenos (Figura 25-1).

Ver todos os capítulos
Medium 9788521617464

Capítulo 6 - Perspectivas sobre a Regulação Financeira no Brasil diante de Programas de Reforma em Economias Avançadas

Monica Baumgarten de Bolle, Dionisio Dias Carneiro Grupo Gen PDF Criptografado

6

                                   

Perspectivas sobre a Regulação

Financeira no Brasil diante de

Programas de Reforma em

Economias Avançadas

Eduardo Motta Loyo

Rodrigo Azevedo

6.1

Introdução

Os programas de reforma regulatória iniciados em economias centrais estão ainda num estágio preliminar, e não se tem clareza sequer sobre os efeitos das reformas sobre o funcionamento dessas economias e de seus próprios mercados financeiros.

Mesmo assim, não é cedo demais para dar início a uma tentativa de compreender os possíveis impactos das reformas sobre o Brasil e sobre as demais economias emergentes. Canais mais imediatos de transmissão envolvem o próprio desempenho macroeconômico das economias centrais e a disponibilidade de financiamento para as economias emergentes. Um canal menos direto, mas também importante, é a influência que o novo arcabouço regulatório das economias centrais pode exercer sobre os padrões de regulação financeira do restante do mundo, inclusive das economias emergentes – e, em

51

Ver todos os capítulos
Medium 9788530979836

Introdução

CAMPOS, Eduardo Luiz Cavalcanti Grupo Gen PDF Criptografado

INTRODUÇÃO

A técnica legislativa das cláusulas gerais, que se opõe à técnica casuística, ao lado da enunciação de conceitos jurídicos indeterminados, tem sido muito comum desde a segunda metade do século passado em diversos sistemas jurídicos, inclusive no direito brasileiro. A lei nº 13.105/2015 – novo Código de Processo Civil – não ficou alheia a essa realidade, enunciando em seu texto diversos conceitos jurídicos indeterminados, além de várias cláusulas gerais.

O art. 8º do CPC, em especial, é um bom exemplo de dispositivo normativo que contém mais de uma cláusula geral. Dentre elas, destaca-se a imposição para o juiz observar a eficiência na aplicação do ordenamento jurídico. A imposição legal está enunciada em forma de cláusula geral, havendo indeterminação tanto no antecedente, quanto no consequente normativo1.

A indeterminação no antecedente normativo se dá pela utilização do termo eficiência. O termo é polissêmico e não é autóctone do direito. Na administração de empresas, a eficiência é uma qualidade do processo produtivo e, mais que isso, um princípio na administração dos recursos. Nas ciências econômicas, eficiência é uma medida de desempenho, podendo-se falar em eficiência técnica e alocativa. Na própria ciência jurídica, eficiência é um conceito que pode ser analisado sob diversas perspectivas. Para a chamada

Ver todos os capítulos
Medium 9788522496242

Unidade I - 2 Resumo da Evolução Histórica

IUDÍCIBUS, Sérgio de Grupo Gen PDF Criptografado

2

Resumo da Evolução Histórica da Contabilidade

2.1 Objetivos e limites do capítulo

O objetivo deste capítulo é apresentar uma breve visão da evolução histórica da Contabilidade, de forma estrutural, isto é, preocupando-se mais com tendências e formas evolutivas do que com autores e datas. As citações foram realizadas para melhor ilustrar certas formas evolutivas da Contabilidade. A não enumeração de datas ou de certos autores na história da disciplina não significa que não sejam importantes. Nossa síntese histórica será feita com base em avaliação crítica, à luz, principalmente, da abordagem europeia-continental à contabilidade, ao enfoque anglo-saxônico e à realidade brasileira.

2.2 Origem da contabilidade

Não é descabido afirmar que a noção intuitiva de conta e, portanto, de Contabilidade seja, talvez, bastante antiga. Alguns historiadores fazem remontar os primeiros sinais objetivos da existência de contas a aproximadamente 2.000 anos a.C. Entretanto, antes disto, o homem primitivo, ao inventariar o número de instrumentos de caça e pesca disponíveis, ao contar seus rebanhos, ao enumerar suas

Ver todos os capítulos
Medium 9788584930852

O novo método da gestão democráticade processos de insolvência

Maffioletti (coord.), Emanuelle Urbano; Cerezetti (coord.), Sheila C. Neder Grupo Almedina PDF Criptografado

O novo método da gestão democrática de processos de insolvência daniel carnio costa

A administração pública não se limita às atividades do Poder Executivo, nem às funções executivas dos Poderes Legislativo e Judiciário. Gestão de processos, não obstante tenha nítido caráter jurisdicional, também revela uma faceta da administração pública, na qual o magistrado atua como gestor da coisa pública.

O magistrado, na condução do processo judicial, determina o destino do julgamento do direito material das partes. Mas, para além disso, também determina a forma pela qual os recursos ou ativos envolvidos na condução do processo são aplicados e a relação custo/benefício do processo e do seu resultado final. A gestão do processo interfere diretamente no seu custo financeiro, já que a definição clara e objetiva dos pontos controvertidos determinará a necessidade ou não de instrução probatória, com realização de provas periciais de alto custo, oitiva dispendiosa de testemunhas, tudo em prejuízo do rápido julgamento do processo. E a permanência do processo em andamento, por si só, já representa um custo importante para as partes. A justeza e a justiça da decisão também são dados importantes para a mais rápida definição do litígio, na medida em que decisões bem lançadas têm maior probabilidade de serem mais rapidamente mantidas pelos Tribunais, favorecendo a rápida realização prática do conteúdo da decisão. A atuação do magistrado como mediador, se

Ver todos os capítulos
Medium 9788521633099

1 - Introdução

MATTOS, Viviane Leite Dias de; AZAMBUJA, Ana Maria Volkmer de; KONRATH, Andréa Cristina Grupo Gen PDF Criptografado

1

INTRODUÇÃO

1.1 Breve histórico da estatística

Não se sabe ao certo a origem da palavra estatística. Ela pode ter vindo da expressão latina statisticum collegium, que significa “Conselho de Estado”; da palavra italiana statista, que significa “homem de Estado” ou “político”; ou da palavra latina status, que significa “Estado”. Acredita-se que tenha sido introduzida, inicialmente, pelo alemão Gottfried Achenwall (1719-1772), um importante continuador dos estudos de Hermann Conrig (1606-1681) (ESTATÍSTICA UFRN, 2012). Gottfried, que era filósofo, historiador, economista, jurista e estatístico, determinou os objetivos da estatística e suas relações com as demais ciências. Essa primeira definição para a estatística versava, até aquele período, sobre a coleta, análise e organização de dados para serem fornecidos ao Estado, os quais quase exclusivamente demográficos e econômicos. Somente em 1797 a palavra estatística apareceu como vocabulário na

Enciclopédia Britânica (ESTATÍSTICA UFRN, 2012).

Ver todos os capítulos
Medium 9788527717441

Parte 2 – Exames Complementares | G

Brunner, Lillian Sholtis Grupo Gen PDF Criptografado

G

 Gamaglutamil

Transferase (GGT)

Valores de Referência

Mulheres: 5 a 25 unidades/ (SI, 0,08 a 0,42 kat/).

Homens: 6 a 38 unidades/ (SI, 0,10 a 0,63 kat/).

Achados Anormais

Níveis Elevados

• Doença hepática aguda.

• Pancreatite aguda.

• Doença renal.

• Metástase prostática.

• Consumo de álcool.

• Icterícia obstrutiva.

• Infiltrações metastáticas hepáticas.

• Infarto agudo do miocárdio (5 a 10 dias depois da ocorrência do infarto).

Implicações de Enfermagem

• Notificar os resultados anormais ao médico.

Observar se existem manifestações clínicas de lesão hepática, como inquietação, icterícia, asterixe, tremores e angiomas aracneiformes (aranhas vasculares).

• Preparar para instruir o paciente acerca do diagnóstico, incluindo instruções sobre medidas dietéticas apropriadas, entre as quais uma dieta bem balanceada, consistindo em porções adequadas de proteínas e carboidratos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580555257

Capítulo 9. Cuidado Pré-natal

F. Gary Cunningham, Kenneth J. Leveno, Steven L. Bloom, Catherine Y. Spong, Jodi S. Dashe, Barbara L. Hoffman, Brian M. Casey, Jeanne S. Sheffield Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO 9

Cuidado Pré-natal

CUIDADO PRÉ-NATAL NOS ESTADOS UNIDOS . . . . . . . . . . . 167

DIAGNÓSTICO DE GRAVIDEZ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168

AVALIAÇÃO PRÉ-NATAL INICIAL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170

CONSULTAS SUBSEQUENTES DO PRÉ-NATAL . . . . . . . . . . . . 175

ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177

PREOCUPAÇÕES COMUNS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182

Conforme descrito pela American Academy of Pediatrics e pelo

American College of Obstetricians and Gynecologists (2012),

“Um programa anteparto abrangente envolve a abordagem coordenada de cuidados médicos, avaliação permanente de risco e apoio psicológico com início idealmente antes da concepção, estendendo-se até o período de pós-parto e interconcepção”. A melhora da saúde e do bem-estar da mulher antes da gestação deve ser parte integrante do cuidado pré-natal.

Ver todos os capítulos

Carregar mais