Urgência e emergência para enfermagem

Visualizações: 106
Classificação: (0)

Destinado aos profissionais da equipe de enfermagem, incluindo auxiliares, técnicos, enfermeiros e estudantes da área.
Abrange noção básica de anatomia e fisiologia do corpo humano e as diferenças entre urgência e emergência nas diversas situações, como na gravidez, no parto, nos acidentes de trânsito, nas patologias clínicas, nas cirurgias e nas residências.
Descreve a cinemática que envolve o trauma, os equipamentos e as abordagens para um atendimento eficiente, os cuidados de enfermagem e o Atendimento Pré-Hospitalar (APH).
Destaca os acidentes residenciais, os riscos com o choque elétrico, o afogamento e outros acidentes que se tornam trágicos quando não se tem noção de como atuar.
Traz questões práticas e dissertativas para fixar o aprendizado.
A sexta edição foi atualizada e reforça conceitos básicos e introdutórios, com uma descrição das lesões causadas pelas queimaduras de 1º, 2º e 3º grau e definições de traumatismos melhoradas.

FORMATOS DISPONíVEIS

eBook

84 capítulos

Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

DEDICATÓRIA

PDF Criptografado

DEDICATÓRIA

Este livro é dedicado a Deus. Sem Ele, nada é possível.

Aos meus pais, por me ensinarem a valorizar a vida e as condições que temos para torná-la digna. Sem vocês, nada teria acontecido, nada teria valor e nada poderia ter sido realizado.

Sabei que o Senhor opera maravilhas em quem é fiel!

O Senhor me escuta, quando o invoco.

Sl 4, 4

AGRADECIMENTOS

Aos meus irmãos Nádia, José Orlando e Lourival, pelo apoio, carinho, companhia e, acima de tudo, pela união que temos.

3

BOOK_P3.indb 3

09/08/18 19:53

 

AGRADECIMENTOS

PDF Criptografado

DEDICATÓRIA

Este livro é dedicado a Deus. Sem Ele, nada é possível.

Aos meus pais, por me ensinarem a valorizar a vida e as condições que temos para torná-la digna. Sem vocês, nada teria acontecido, nada teria valor e nada poderia ter sido realizado.

Sabei que o Senhor opera maravilhas em quem é fiel!

O Senhor me escuta, quando o invoco.

Sl 4, 4

AGRADECIMENTOS

Aos meus irmãos Nádia, José Orlando e Lourival, pelo apoio, carinho, companhia e, acima de tudo, pela união que temos.

3

BOOK_P3.indb 3

09/08/18 19:53

 

SOBRE A AUTORA

PDF Criptografado

SOBRE A AUTORA

Nívea Cristina Moreira Santos é enfermeira formada pela Universidade de Taubaté,

São Paulo, em 1991, pós-graduada em Auditoria de Serviços de Saúde pela UNICSUL, pós-graduanda pela UNIFESP nos cursos de Gestão de Enfermagem e Gestão em Saúde.

Teve seus trabalhos desenvolvidos nas áreas de Clínica Médica, Clínica Cirúrgica, Centro

Cirúrgico, Pronto-Socorro e Hospital Dia, sendo responsável pelo trabalho de supervisão geral e implantação de normas e rotinas de serviços de enfermagem, Padronização e

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) e montagem de Centro Cirúrgico

Cardiológico. Docente em cursos técnicos/profissionalizantes da área de enfermagem, também atuou em cooperativa médica de plano de saúde e no serviço de auditoria de enfermagem, participando da implantação e normatização do serviço.

Desenvolveu trabalhos na área do atendimento domiciliar, sendo responsável pela coordenação do serviço de enfermagem, ampliação da área de atendimento e implantação de normas e rotinas ao serviço como um todo.

 

ADVERTÊNCIA AO LEITOR

PDF Criptografado

ADVERTÊNCIA AO LEITOR

Todos os cuidados de enfermagem, esteja o paciente hospitalizado ou não, devem ser realizados por pessoas capacitadas; caso contrário, o paciente ou vítima pode sofrer danos irreversíveis à sua saúde.

Para o paciente hospitalizado, os cuidados devem estar baseados nas rotinas e condutas da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) e em protocolos estabelecidos pelas instituições de atendimento, e ser realizados por enfermeiro responsável.

O pré-atendimento hospitalar (APH) também é de extrema importância para a enfermagem, devendo ser igualmente baseado na SAE e em rotinas locais, e para a continuidade do atendimento de enfermagem no local onde a vítima ficará em observação.

5

BOOK_P3.indb 5

09/08/18 19:53

 

ÍNDICE DE QUADROS

PDF Criptografado

ÍNDICE DE QUADROS

Quadro 2.1 – Classificação dos músculos������������������������������������������������������������������������������������������ 50

Quadro 3.1 – ABCDE do trauma������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 63

Quadro 3.2 – Escala de trauma – avalia o estado geral da vítima após as etapas de atendimento������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 65

Quadro 6.1 – Escala de Glasgow – avaliação do nível de consciência����������������������������������142

Quadro 6.2 – Interpretação da escala de Glasgow�����������������������������������������������������������������������143

Quadro 7.1 – Características das picadas das serpentes associadas

à ação do veneno��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������160

Quadro 7.2 – Diferenças entre serpentes venenosas e não venenosas������������������������������161

 

SUMÁRIO

PDF Criptografado

SUMÁRIO

CAPÍTULO

1

- CONCEITUAÇÃO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA ���13

1.1 DIFERENÇA ENTRE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA��������������������������15 1.3 ÉTICA E HUMANIZAÇÃO ������������������������������������������������������������17

1.3.1 Ética���������������������������������������������������������������������������������������17

1.1.1 Urgência���������������������������������������������������������������������������������15

1.3.2 Humanização������������������������������������������������������������������������18

1.1.2 Emergência���������������������������������������������������������������������������15

1.2 OUTROS CONCEITOS������������������������������������������������������������������16 1.4 DIREÇÃO DEFENSIVA �����������������������������������������������������������������20

1.4.1 O motorista�������������������������������������������������������������������������� 20

1.2.1 Pronto-socorro����������������������������������������������������������������������16

 

APRESENTAÇÃO

PDF Criptografado

APRESENTAÇÃO

Urgência e emergência são temas bastante discutidos entre as equipes de enfermagem, e estão entre os assuntos de maior interesse dos profissionais iniciantes na área de enfermagem e estudantes dos cursos profissionalizantes.

Este livro foi desenvolvido para todo profissional de enfermagem, especialmente os auxiliares e técnicos. É voltado também aos enfermeiros e a todos aqueles que têm interesse pelos temas urgência e emergência, assim como aos estudantes do curso profissionalizante da área de enfermagem e aos que direta ou indiretamente atuam nessa modalidade.

A partir da quarta edição, o livro foi atualizado, revisado e ampliado, contribuindo para o desenvolvimento do profissional de enfermagem. Foi incluído um capítulo especial sobre atendimento pré-hospitalar, abordagens, materiais e equipamentos utilizados e toda a cinemática que envolve o trauma e o atendimento. Os conceitos básicos de ética e humanização foram inseridos para que o profissional se conscientize da dimensão que o atendimento pré-hospitalar toma diante de situações de emergência. As noções básicas de anatomia e fisiologia estão em um capítulo específico, para proporcionar o melhor atendimento à vítima. A importância da direção defensiva, os recursos utilizados durante o pré-atendimento de emergência e atualizações relacionadas aos assuntos já discutidos mostram a cumplicidade que envolve o atendimento inicial às vítimas, seja qual for seu comprometimento no instante do acidente.

 

1.1 DIFERENÇA ENTRE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

PDF Criptografado

1.1

DIFERENÇA ENTRE

URGÊNCIA E

EMERGÊNCIA

1.1.1 Urgência

Trata-se de uma ocorrência imprevista de danos à saúde em que não ocorre risco de morte, ou seja, o indivíduo necessita de atendimento médico mediato.(2)(3) Consideramos que há prioridade moderada de atendimento. São exemplos de casos de urgência: a) Dor torácica sem complicações respiratórias. b) Alguns tipos de queimadura. c) Fraturas sem sinais de choques ou outras lesões mais sérias. d) Vômito e diarreia, acompanhados ou não por estado febril com temperatura corporal inferior a 39 °C. e) Sangramentos e ferimentos leves e moderados.

1.1.2 Emergência

Ocorre quando há constatação médica de danos à saúde que implicam risco de morte, exigindo-se tratamento médico imediato.(2) (3) Consideramos que há alta prioridade de atendimento. São exemplos de casos de emergência: a) Parada cardiorrespiratória (PCR). b) Dor torácica acompanhada de desconforto respiratório. c) Politraumatismo em geral. d) Hemorragias de alta intensidade. e) Queimaduras extensas. f) Perda do nível de consciência. g) Intoxicações em geral. h) Ferimento por arma de fogo (FAF). i) Ferimento por arma branca (FAB). j) Estados de choque. k) Estado febril com temperatura corporal superior a 40 °C. l) Gestações em curso com complicações.

 

1.2 OUTROS CONCEITOS

PDF Criptografado

1.2

OUTROS

CONCEITOS

Existem outros conceitos que permeiam o atendimento para as urgências e emergências.

1.2.1 Pronto-socorro

Pronto-socorro é o local “físico” destinado ao atendimento de urgências e emergências constatadas.(3) Geralmente, está localizado em um hospital ou próximo a ele. É para o pronto-socorro que as vítimas são encaminhadas após o primeiro atendimento, independentemente de seu estado.

1.2.2 Sala de urgência

Local destinado e equipado dentro do pronto-socorro para atendimento de urgências e emergências, independentemente de sua procedência.(3)

As salas de urgência e emergência devem estar localizadas em pontos estratégicos do pronto-socorro e ser de fácil acesso para a entrada de ambulâncias e carros de resgate, além de ter pessoal qualificado e disponível para qualquer circunstância.

1.2.3 Recursos

Humanos: são as equipes médica e de enfermagem que atuam durante o atendimento às urgências e emergências.(3)

 

1.3 ÉTICA E HUMANIZAÇÃO

PDF Criptografado

Ocorrências que demandam esse tipo de atendimento incluem: a) Estados de dor crônica. b) Cefaleias e enxaquecas. c) Distensões e luxações. d) Fraturas de pequeno porte.

Lembre-se de que urgência é a ocorrência imprevista de danos à saúde que não envolvem risco de morte, e o paciente necessita de atendimento médico mediato; por sua vez, emergência

é a constatação médica de danos à saúde que implicam risco de morte para a vítima, e o seu tratamento médico, portanto, deve ser imediato.

f) Infecções em geral.

É de extrema importância que os profissionais dessa área estejam bem treinados e saibam determinar o estado do paciente.

Além de contar com profissionais bem preparados, é importante que o pronto-socorro esteja localizado em uma estrutura hospitalar, o que facilita a resolução do quadro do paciente.

1.3

Irina_Stankevich/Thinkstock.com

e) Queimaduras de primeiro grau.

ÉTICA E

HUMANIZAÇÃO

Apresentamos neste item uma noção lógica de ética e humanização dentro do atendimento pré-hospitalar, abordando também a sequência de ações que deve ser obedecida junto às vítimas atendidas.

 

1.4 DIREÇÃO DEFENSIVA

PDF Criptografado

1.4

DIREÇÃO

DEFENSIVA

Neste item, apresentamos algumas noções básicas e simplificadas do conceito de direção defensiva. Sabemos que o motorista da ambulância é parte importante da equipe de atendimento, pois é ele quem conduz as vítimas. Por isso, é fundamental que esse profissional possua não só o conhecimento técnico para guiar a ambulância de maneira eficiente, mas também uma boa noção de urgência e emergência. Muitas equipes de atendimento selecionam para atuar como motorista um auxiliar ou técnico de enfermagem, o que agiliza o atendimento. Caso o motorista não seja um profissional da área da saúde, deve ser treinado com algumas noções básicas de atendimento antes de ser inserido na equipe.

1.4.1 O motorista

Além de ser capaz de conduzir seguramente a ambulância, esse profissional deve estar familiarizado com os termos técnicos que envolvem a

área da saúde e com as características das pessoas que se tornam vítimas.

Sabemos que todo motorista é responsável pela qualidade de vida de quem é conduzido, assim como de toda a equipe que participa do atendimento. Essa responsabilidade exige do profissional um respeito em dobro à sua vida e à de seus semelhantes.

 

1.5 INSPEÇÃO DO VEÍCULO

PDF Criptografado

d) Os pés devem ficar apoiados sobre o assoalho do carro, e não nos pedais. e) Jamais dirigir fumando, bebendo ou falando ao celular. f) Evitar dirigir sob efeito de algum medicamento. g) Evitar dirigir sob tensão, após discussões ou em meio a outros incômodos pessoais. h) Evitar dirigir com sono ou vestindo roupas impróprias e incômodas. i) O motorista deve manter sempre à mão um cartão de identificação caso sofra de algum problema de saúde. j) Se o motorista fizer uso de lentes corretivas para dirigir, deve utilizá-las sempre e jamais dirigir sem elas. k) No trajeto para socorrer vítimas, o rádio de comunicação deve ser mantido ligado.

1.5

INSPEÇÃO

DO VEÍCULO

A ambulância deve passar por vistoria sempre, idealmente a cada passagem de plantão. É de inteira responsabilidade do motorista manter a ambulância em condições favoráveis de trabalho, realizar manutenção preventiva e verificar o funcionamento dos itens obrigatórios. Deve existir uma ficha para controle interno, e as anotações devem ser feitas diariamente. O combustível deve estar sempre em nível satisfatório de uso. Destacamos aspectos que devem ser levados em consideração: a) Níveis do óleo de motor, do sistema de freios, da direção hidráulica e do câmbio. b) Condições do filtro de ar e óleo. c) Quilometragem. d) Nível de água do radiador e do reservatório do para-brisa. e) Funcionamento de todas as luzes. f) Condição dos pneus, cintos de segurança, freio de mão, retrovisores.

 

VAMOS EXERCITAR?

PDF Criptografado

Jochen Sand/Thinkstock.com

Figura 1.3 • Profissionais preparados aguardando chamados.

Vamos exercitar?

Responda às seguintes perguntas e teste seus conhecimentos:

1) �Defina o que é urgência e o que é emergência. Exemplifique duas situações para cada caso.

2) Como você conceituaria ética?

3) O que você entendeu por humanização?

4) Cite três características do socorrista.

5) �Na sua opinião, qual a importância do motorista dentro da equipe de socorristas?

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA PARA A ENFERMAGEM

BOOK_P3.indb 25

25

09/08/18 19:54

 

2.1 CONCEITO

PDF Criptografado

2.1

CONCEITO

Sistema Nervoso

Sistema Circulatório

Sistema Digestivo

Sistema Respiratório

Sistema Muscular

colematt/Thinkstock.com

Denominamos anatomia a ciência que estuda a estrutura e a forma de um corpo, ou seja, dos seres vivos. Por sua vez, fisiologia é a ciência que estuda o funcionamento de um corpo, de seus órgãos e suas funções. (1)

Sistema Esquelético

Figura 2.1 • Sistemas do Corpo Humano.

A anatomia se divide em: a) Descritiva ou sistêmica: estuda os sistemas do corpo humano separadamente. b) Topográfica ou regional: faz um estudo do corpo por regiões. c) Comparada ou comparativa: estuda comparativamente a anatomia do ser humano com a do ser animal. d) De superfície: trata das estruturas que estão abaixo da pele por meio da palpação ou de visualização do órgão a ser avaliado. e) Radiológica: é o estudo feito pela imagem do corpo humano mediante radiação. f) Patológica: relaciona-se às mudanças estruturais de um determinado órgão causadas por doenças específicas.

 

2.2 DIVISÃO DO CORPO HUMANO

PDF Criptografado

g) Microscópica: é o estudo da estrutura do órgão com o auxílio do microscópio. h) De desenvolvimento: é o estudo do crescimento e do desenvolvimento do corpo humano, desde a fecundação até a fase de maturidade e, consequentemente, a morte. i) Do movimento: é a cinesiologia propriamente dita, ou seja, o estudo do movimento do ser humano como um todo e de seus segmentos corporais.

2.2

DIVISÃO DO

CORPO HUMANO

O corpo humano está dividido em quatro partes distintas, sendo elas: a) Cabeça: é a primeira parte da divisão do corpo humano, que, por sua vez, subdivide-se em crânio e face. b) Pescoço: é a segunda parte da divisão do corpo humano, inteiramente ligada ao tronco. O pescoço é a parte do corpo humano que une a cabeça ao tronco. c) Tronco: é a terceira parte da divisão do corpo humano. Compreende o tórax, o abdome e a pelve. O tórax possui uma cavidade, denominada cavidade torácica, que separa o abdome do tórax pelo músculo diafragmático. Já a cavidade pélvica é denominada prolongamento inferior do abdome. Toda a parte posterior do tronco é denominada dorso. d) Membros: são a última divisão do corpo humano, e subdividem-se em membros superiores (MMSS) e membros inferiores (MMII).

 

2.3 PADRÕES, POSIÇÕES E PLANOS

PDF Criptografado

2.3

PADRÕES,

POSIÇÕES

E PLANOS

São estruturas que definem o padrão do corpo humano. São eles: a) Padrão anatômico: é a descrição morfológica cuja incidência se verifica na maioria dos casos, obedecendo, portanto, a um padrão aceito como normal. b) Variação anatômica: é toda variação morfológica interna ou externa que não obedece ao padrão denominado normal, sem que isso, no entanto, cause prejuízo fenomenal. c) Anomalia: é o desvio do padrão anatômico que prejudica a função do membro ou causa prejuízo fenomenal.

UrchenkoJulia/Thinkstock.com

d) Posição anatômica: ocorre quando o corpo assume a posição ereta, com cabeça, olhos e extremidades dos pododáctilos dirigidos para a frente. Os membros superiores (MMSS) permanecem estendidos ao lado do corpo, com as palmas das mãos voltadas para a frente. Os membros inferiores (MMII) permanecem unidos, na posição horizontal ou em decúbito dorsal.

Figura 2.3 • Posição anatômica do corpo humano – palmas das mãos voltadas para frente, MMSS estendidos ao longo do corpo e MMII unidos.

 

2.4 SISTEMA ÓSSEO OU SISTEMA ESQUELÉTICO

PDF Criptografado

pushinka11/Thinkstock.com

Região parietal

Região occipital

Região escapular

Região posterior do pescoço

Região infrascapular

Região posterior do braço

Região lombar

Região posterior do antebraço

Região sacral

B

Palma da mão

Região posterior da coxa

Região posterior do joelho

Região posterior da perna

Região calcânea

Dorso do pé

Região plantar

Figura 2.6 • Principais regiões do corpo humano – vista anterior (a) e vista e posterior (b).

2.4

SISTEMA ÓSSEO

OU SISTEMA

ESQUELÉTICO

O sistema ósseo (ou sistema esquelético, ou esqueleto) é um conjunto de ossos, cartilagens e articulações que interagem entre si, formando o arcabouço do corpo humano.

Os ossos são órgãos passíveis de movimentos e a base de sustentação do corpo humano, pois formam uma estrutura sólida.

2.4.1 Divisão do esqueleto

O esqueleto humano é formado por um total de 206 ossos, divididos em duas grandes porções: o esqueleto axial e o esqueleto apendicular.

 

2.5 COMPOSIÇÃO DOS OSSOS

PDF Criptografado

2.5

COMPOSIÇÃO

DOS OSSOS

Os ossos são formados por duas partes, a parte orgânica e a parte mineral. A parte orgânica é constituída por colágeno, no qual estão os aminoácidos, e por substância fundamental, na qual estão as fibras colágenos que dão resistência e elasticidade aos ossos. A porção mineral é responsável pela rigidez dos ossos, formada por fosfato de cálcio, carbonato de cálcio e pequenas porções de fluoreto de cálcio e de magnésio.

2.5.1 Partes do osso a) Periósteo: membrana que reveste a superfície do osso, com exceção da cartilagem articular. Possui grande concentração de vascularização e é de extrema importância para a regeneração óssea. b) Osso compacto: parte abaixo do periósteo. Possui textura densa e apresenta poros, apesar de ser compacto. c) Osso esponjoso: fica localizado logo abaixo do osso compacto. Possui aspecto esponjoso e é altamente poroso. Nele se localiza a medula óssea. d) Medula óssea: preenche o interior do osso, sendo responsável pela produção de células sanguíneas. e) Epífise: trata-se da extremidade dos ossos longos. f) Diáfise: é o corpo dos ossos longos, em que fica localizada a cavidade medular.

 

Carregar mais


Detalhes do Produto

Livro Impresso
Book
Capítulos

Formato
PDF
Criptografado
Sim
SKU
BPP0000271290
ISBN
9788536530048
Tamanho do arquivo
60 MB
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
Formato
PDF
Criptografado
Sim
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
SKU
Em metadados
ISBN
Em metadados
Tamanho do arquivo
Em metadados