Psicologia Social

Autor(es): David G. Myers
Visualizações: 32
Classificação: (0)

Como o pensamento dirige nosso comportamento? O que leva as pessoas a se agredirem ou a se ajudarem? Por que há conflitos sociais e de que forma podemos revertê-los? A psicologia social possibilita algumas respostas a essas e outras perguntas referentes ao comportamento social dos seres humanos. Ao apresentar e analisar questões sobre o comportamento social dos seres humanos, este livro permite que o estudante compreenda a si mesmo e a seu universo particular, onde vive, ama, estuda e brinca.

16 capítulos

Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

Capítulo 1 - Introdução à Psicologia Social

PDF Criptografado

Introdução à

Psicologia Social

E

C A P Í T U LO

1

ra uma vez um homem cuja segunda esposa era uma mulher vaidosa e egoísta. As duas filhas dessa mulher eram igualmente vaidosas e egoístas. A própria filha do homem, contudo, era

humilde e altruísta. Essa filha meiga e bondosa, que todos conhecemos como Cinderela, aprendeu cedo que deveria ser obediente, aceitar maus-tratos e ofensas e evitar fazer qualquer coisa que fizesse sombra às meias-irmãs e à madrasta.

Entretanto, graças à fada madrinha, Cinderela conseguiu fugir desse contexto por uma noite e ir a um grandioso baile, no qual atraiu a atenção de um lindo príncipe. Quando posteriormente o príncipe apaixonado reencontrou Cinderela em seu lar aviltante, ele não a reconheceu.

Implausível? O conto de fadas exige que aceitemos o poder da situação. Na presença da opressiva

madrasta, Cinderela era humilde e pouco atraente. No baile, sentia-se mais bonita – e caminhava, conversava e sorria como se assim fosse. Em uma situação, ela se encolhia. Em outra, encantava.

 

Capítulo 2 - O Self em um Mundo Social

PDF Criptografado

C A P Í T U LO

O Self em um

1

Mundo Social

2

“Existem três coisas extremamente duras; aço, diamante e conhecer a si mesmo.”

—Benjamin Franklin

N

o centro de nossos mundos, mais crucial do que tudo o mais, estamos nós mesmos. Enquanto pilotamos nossas vidas diárias, nosso self constantemente engaja o mundo.

Considere este exemplo: certa manhã, você acorda com os cabelos espetados de uma maneira

esquisita. É tarde demais para pular para o banho e você não encontra um boné, de modo que você alisa os tufos de cabelos espetados e sai apressado para a aula. Você passa a manhã inteira intensamente autoconsciente de seu dia de cabelo muito feio. Para sua surpresa, seus colegas não dizem nada. Será que eles estão rindo por dentro de sua aparência ridícula ou estão preocupados demais consigo mesmos para notar seu cabelo espetado?

1

Nesta décima edição, este capítulo tem a coautoria de Jean Twenge, professor de psicologia na San Diego State University. As pesquisas do professor Twenge sobre rejeição social e sobre mudanças geracionais na personalidade e o self foram publicadas em muitos artigos e livros, incluindo Generation Me: Why Today’s Young Americans are More Confident, Assertive, Entitled – and More

 

Capítulo 3 - Crenças e Julgamentos Sociais

PDF Criptografado

Crenças e

Julgamentos Sociais

Q

C A P Í T U LO

3

uando eram senadores dos Estados Unidos, o republicano John McCain e o democrata Barack

Obama adotaram posições de aparente consciência. Em 2001, McCain votou contra o corte

nos impostos proposto pelo presidente Bush, dizendo “eu não posso em sã consciência apoiar um corte de impostos em que muitos dos benefícios vão para os mais afortunados”. Em 2008, quando

McCain estava em campanha pela indicação republicana e depois para presidente, ele apoiou e favoreceu o aumento dos cortes aos quais antes tinha se oposto.

Em 2007, Barack Obama declarou-se “há muito defensor” do financiamento público das eleições presidenciais e prometeu aceitar o financiamento público caso vencesse a indicação para presidente pelo partido democrata. Mas quando foi indicado para concorrer à presidência, apoiado por contribuições sem precedentes para a campanha, ele rejeitou o financiamento público de sua própria campanha.

 

Capítulo 4 - Comportamento e Atitudes

PDF Criptografado

Comportamento e Atitudes

C A P Í T U LO

4

“O ancestral de toda ação é um pensamento.”

—Ralph Waldo Emerson, Ensaios, Primeira Série, 1841

Q

ual é a relação entre o que somos (por dentro) e o que fazemos (por fora)? Filósofos, teólogos e educadores há muito especulam sobre as ligações entre atitude e ação, caráter e conduta, palavra

privada e ação pública. Subjacente à maior parte do ensino, do aconselhamento e da criação de filhos encontra-se uma suposição: nossas crenças e sentimentos privados determinam nosso comportamento público, e assim, se quisermos mudar nosso comportamento, primeiro devemos mudar nossos corações e mentes.

No início, os psicólogos sociais concordavam: conhecer as atitudes das pessoas é prever suas

ações. Como demonstrado por assassinos genocidas e por homens-bomba suicidas, atitudes radicais podem produzir comportamento extremado. Mas em 1964, Leon Festinger concluiu que as evidências indicavam que mudar as atitudes das pessoas dificilmente afeta seu comportamento.

 

Capítulo 5 - Genes, Cultura e Gênero

PDF Criptografado

C A P Í T U LO

Genes, Cultura e Gênero

5

“Por nascimento, iguais; por costume, diferentes.”

—Confúcio, Os Analectos

A

proximando-se da Terra após percorrerem anos-luz de distância, cientistas alienígenas designados a estudar o Homo sapiens sentem sua emoção aumentar. Seu plano: observar dois seres

humanos escolhidos ao acaso. Seu primeiro sujeito, Jan, é um advogado de defesa verbalmente combativo que cresceu em Nashville, mas se mudou para o oeste em busca de um “estilo de vida californiano”. Depois de um caso amoroso e um divórcio, Jan está desfrutando de seu segundo casamento. Amigos o descrevem como um pensador independente, autoconfiante, competitivo e um pouco dominador.

Seu segundo sujeito, Tomoko, vive com o marido e seus dois filhos em um vilarejo rural japonês, a pouca distância dos pais de ambos. Tomoko sente orgulho de ser uma boa filha, uma esposa fiel e uma mãe protetora. Amigos a descrevem como bondosa, gentil, respeitosa, sensível e apoiadora de toda a família.

 

Capítulo 6 - Conformidade e Obediência

PDF Criptografado

Conformidade e

Obediência

C A P Í T U LO

6

“Tudo que esmaga a individualidade é despotismo, qualquer que seja o nome que se lhe chame.”

—John Stuart Mill, Sobre a liberdade, 1859

“As pressões sociais que a comunidade exerce são um pilar de nossos valores morais.”

—Amitai Etzioni, O espírito de comunidade, 1993

V

ocê certamente já experimentou o fenômeno: quando um orador polêmico ou um concerto de música chega ao fim, os fãs apaixonados sentados na fila da frente se levantam rapidamente,

aplaudindo. As pessoas atrás deles seguem o exemplo e juntam-se à ovação de pé. Então, a onda de pessoas aplaudindo de pé atinge aqueles que, espontaneamente, apenas aplaudiriam educadamente, permanecendo sentados em seus confortáveis assentos. Ainda em sua poltrona, uma parte de você quer permanecer sentado (“esse orador absolutamente não representa a minha opinião”).

O que é conformidade?

Quais são os estudos clássicos de conformidade e obediência?

 

Capítulo 7 - Persuasão

PDF Criptografado

C A P Í T U LO

Persuasão

7

“Engolir e seguir, seja a velha doutrina ou a nova propaganda, é uma fraqueza que ainda domina a mente humana.”

—Charlotte Perkins Gilman, O trabalho humano, 1904

“Lembre-se de que mudar vossa mente e seguir aquele que vos corrige é ser mesmo assim um agente livre.”

Marco Aurélio, Meditações, VIII. 16, 121-180

J

oseph Goebbels, ministro para a Iluminação Nacional e Propaganda da Alemanha de 1933 a

1945, compreendia o poder da persuasão. Tendo recebido o controle das publicações, dos pro-

gramas de rádio, dos filmes e das artes, ele se comprometeu a convencer os alemães a aceitarem a ideologia nazista em geral e o antissemitismo em especial. Seu colega Julius Streicher publicava um jornal antissemita semanal, o Der Stürmer, o único jornal lido do começo ao fim por Adolf Hitler.

Que caminhos levam à persuasão?

Quais são os elementos da persuasão?

Persuasão extrema: Como os cultos doutrinam?

 

Capítulo 8 - Influência do Grupo

PDF Criptografado

C A P Í T U LO

Influência do

Grupo

8

“Nunca duvide de que um pequeno grupo de cidadãos preocupados e comprometidos possa mudar o mundo.”

—Antropóloga Margaret Mead

T

awna está chegando ao fim de sua corrida diária. Sua mente a estimula a continuar; seu corpo implora para caminhar os seis blocos restantes. Ela faz um meio-termo e corre lentamente até

chegar em casa. As condições no dia seguinte são idênticas, exceto que dois amigos a acompanham.

Tawna percorre sua rota dois minutos mais rápido. Ela se pergunta: “Será que eu corri melhor só porque Gail e Sonja estavam junto? Será que eu sempre correria melhor se estivesse em grupo?”.

Em quase todas as ocasiões, estamos envolvidos em grupos. Nosso mundo não contém apenas

6,8 bilhões de indivíduos, mas 193 estados-nações, 4 milhões de comunidades locais, 20 milhões de organizações econômicas e centenas de milhões de outros grupos formais e informais – casais jantando, pessoas dividindo o mesmo teto, soldados armando uma estratégia. Como esses grupos influenciam os indivíduos?

 

Capítulo 9 - Preconceito

PDF Criptografado

C A P Í T U LO

Preconceito

9

DESGOSTAR DOS OUTROS

“Preconceito. Uma opinião errante, sem meios visíveis de sustentação.”

—Ambrose Bierce, O dicionário do diabo, 1911

O

preconceito aparece em muitas formas – para com o nosso próprio grupo e contra algum outro: os “liberais do nordeste” ou “caipiras brancos do sul” dos Estados Unidos, “terroristas” árabes

ou “infiéis” norte-americanos, contra pessoas que são baixas, gordas ou simples.

Examinemos alguns exemplos interessantes:

• Religião. Depois do atentado de 11 de setembro de 2001 e da Guerra do Iraque, 4 em cada

10 norte-americanos admitiam ter “alguns sentimentos de preconceito contra muçulmanos”, e cerca de metade dos não muçulmanos na Europa Ocidental percebia os muçulmanos negativamente e como “violentos” (Pew, 2008; Saad, 2006; Wike & Grim, 2007). Os muçulmanos

Quais são a natureza e o poder do preconceito?

Quais são as origens sociais do preconceito?

 

Capítulo 10 - Agressividade

PDF Criptografado

C A P Í T U LO

Agressividade

10

MACHUCAR OS OUTROS

Nosso comportamento em relação uns aos outros é o mais estranho, mais imprevisível e mais inexplicável de todos os fenômenos com os quais somos obrigados a conviver. Em toda a natureza, não há nada tão ameaçador para a humanidade quanto a própria humanidade.

—Lewis Thomas (1981)

E

mbora a previsão irônica de Woody Allen de que, “em 1990, o sequestro será o modo dominante de interação social” não tenha se cumprido, os anos desde então não foram muito serenos. O

horror do 11 de setembro de 2001 pode ter sido a mais dramática violência recente, mas, em termos de vidas humanas, não foi a mais catastrófica. Mais ou menos na mesma época, estima-se que a carnificina humana da guerra tribal no Congo estava tirando 3 milhões vidas, com algumas das vítimas sendo agredidas até a morte com facões e muitas outras morrendo de fome e doenças depois

O que é agressividade?

Quais são algumas das teorias da agressividade?

 

Capítulo 11 - Atração e Intimidade

PDF Criptografado

C A P Í T U LO

Atração e Intimidade

11

GOSTAR E AMAR OS OUTROS

Eu consigo com uma pequena ajuda dos meus amigos.

—John Lennon e Paul McCartney, Sgt. Pepper Lonely Hearts Club Band, 1967

N

ossa dependência uns dos outros, que dura a vida toda, coloca as relações no centro de nossa existência. No início da sua existência, muito provavelmente houve uma atração – a atração

entre um determinado homem e uma determinada mulher. Aristóteles chamou os seres humanos de “animais sociais”. Na verdade, temos o que os psicólogos sociais de hoje chamam de uma necessidade de pertencimento – de se conectar com os outros em relacionamentos próximos e duradouros.

Os psicólogos sociais Roy Baumeister e Mark Leary (1995) ilustram o poder dos vínculos sociais:

• Para os nossos antepassados, os vínculos mútuos permitiram a sobrevivência do grupo. Ao caçar ou construir abrigos, 10 mãos eram melhores do que duas.

O que leva à amizade e à atração?

 

Capítulo 12 - Ajuda

PDF Criptografado

C A P Í T U LO

Ajuda

12

“O amor cura as pessoas – tanto as que dão quanto as que recebem.”

—Psiquiatra Karl Meninger, 1893-1990

E

m uma colina de Jerusalém, centenas de árvores formam o Jardim dos Justos entre as Nações.

Abaixo de cada uma delas, há uma placa com o nome de um cristão europeu que deu refúgio a

um ou mais judeus durante o Holocausto nazista. Esses “gentios justos” sabiam que, se os refugiados fossem descobertos, a política nazista ditava que acolhedor e refugiados tivessem destino comum.

Muitos tiveram (Hellman, 1980; Wiesel, 1985). Inúmeros outros permanecem anônimos. Para cada judeu que sobreviveu à guerra em território nazista, dezenas de pessoas frequentemente atuaram de forma heroica. O maestro Konrad Latte, um dos 2 mil judeus que passaram a guerra em Berlim, foi salvo pelo heroísmo de 50 alemães que serviram como seus protetores (Schneider, 2000).

Por que ajudamos?

Quando ajudamos?

Quem ajudamos?

 

Capítulo 13 - Conflitos e Pacificação

PDF Criptografado

C A P Í T U LO

Conflitos e

Pacificação

13

“Se queres a paz, trabalha pela justiça.”

—Papa Paulo VI

H

á um discurso que tem sido feito em muitas línguas pelos líderes de muitos países. É assim:

“As intenções do nosso país são totalmente pacíficas. No entanto, também estamos cientes de

que outras nações, com suas novas armas, nos ameaçam. Portanto, devemos nos defender contra ataques. Ao fazer isso, protegeremos nosso modo de vida e preservaremos a paz” (Richardson, 1960).

Quase todas as nações dizem só estar preocupadas com a paz, mas, desconfiando de outras, armam-se em autodefesa. O resultado é um mundo que tem gasto 2 bilhões de dólares por dia em armas e exércitos, enquanto centenas de milhões de pessoas morrem de desnutrição e doenças não tratadas.

Os elementos desse conflito (incompatibilidade percebida de ações ou objetivos) são semelhan-

tes em muitos níveis: o conflito entre as nações em uma corrida armamentista, entre facções religiosas disputando questões de doutrina, entre executivos e trabalhadores disputando salários e entre cônjuges briguentos. As pessoas em conflito percebem que o ganho de um lado é a perda do outro:

 

Capítulo 14 - Psicologia Social na Clínica

PDF Criptografado

C A P Í T U LO

Psicologia Social na Clínica

14

“A vida não consiste, principalmente, ou até mesmo em grande parte, de fatos e acontecimentos. Consiste sobretudo da tempestade de pensamentos que está sempre soprando em nossas mentes.”

—Mark Twain, 1835–1910

S

e você é um estudante universitário típico, pode se sentir levemente deprimido de vez em quando. Talvez você já tenha se sentido insatisfeito com a vida, desencorajado em relação ao

futuro, triste, sem apetite e energia, incapaz de se concentrar, talvez mesmo se perguntando se vale a pena viver. Talvez notas decepcionantes tenham parecido por em risco suas metas de carreira.

Talvez o rompimento de um relacionamento o tenha deixado desesperado. Nesses momentos, você pode se deixar cair em uma ruminação autocentrada que apenas piora seus sentimentos. Em um levantamento de 90 mil estudantes norte-americanos, 44% relatou que durante o último ano de escola tinha se sentido em determinado momento “tão deprimido que era difícil funcionar” (ACHA,

 

Capítulo 15 - Psicologia Social no Tribunal

PDF Criptografado

C A P Í T U LO

Psicologia Social no Tribunal

15

“Um tribunal é um campo de batalha onde advogados competem pelas mentes dos jurados.”

—James Randi, 1999

F

oi o caso criminal com maior divulgação na história da humanidade: o herói do futebol, ator e comentarista O. J. Simpson fora acusado de assassinar brutalmente sua ex-mulher e seu compa-

nheiro. As evidências eram convincentes, argumentou a acusação. O comportamento de Simpson se ajustava a um antigo padrão de abuso da esposa e ameaças de violência. Os testes sanguíneos confirmaram que seu sangue estava na cena do crime e o sangue de sua vítima estava em sua luva, em seu carro e mesmo em uma meia encontrada em seu quarto. Sua viagem na noite do crime e a forma como ele fugiu quando a prisão era iminente constituiam, segundo os promotores, indicadores adicionais de sua culpa.

Quão confiável é o testemunho ocular?

Quais outros fatores influenciam a decisão dos jurados?

O que influencia o jurado individualmente?

 

Capítulo 16 - Psicologia Social e o Futuro Sustentável

PDF Criptografado

C A P Í T U LO

Psicologia Social e o

Futuro Sustentável

16

“Podemos guiar as nações e as pessoas na direção da sustentabilidade? Esse movimento seria uma modificação da sociedade em escala comparável a apenas duas outras mudanças: a Revolução Agrícola e a Revolução Industrial dos últimos dois séculos. Aquelas revoluções foram graduais, espontâneas e largamente inconscientes. Esta terá de ser uma operação totalmente consciente... Se nós realmente a realizarmos, o empreendimento será absolutamente único na vida da humanidade na Terra.”

—William D. Ruckelshaus, Ex-diretor da Agência de Proteção Ambiental “Toward a

Sustainable World”, 1989

A

despeito da recente recessão econômica norte-americana, a vida para a maioria das pessoas nos países ocidentais é boa. Hoje, o norte-americano médio desfruta de luxos desconhecidos

até da realeza em séculos passados: chuveiros quentes, vasos sanitários, ar condicionado central, fornos de micro-ondas, aviões a jato, frutas frescas no inverno, televisão digital de tela grande, e-mail

 

Detalhes do Produto

Livro Impresso
eBook
Capítulos

Formato
PDF
Criptografado
Sim
SKU
MFPP000002201
ISBN
9788580553390
Tamanho do arquivo
57 MB
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
Formato
PDF
Criptografado
Sim
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
SKU
Em metadados
ISBN
Em metadados
Tamanho do arquivo
Em metadados