Redação Científica - Guia Prático para Trabalhos Científicos, 13ª edição

Visualizações: 85
Classificação: (0)

Redação Científica é um livro indicado para estudantes universitários e pesquisadores. Com este livro, você aprenderá técnicas para desenvolver fichamentos, resumos, resenhas e outros trabalhos acadêmicos. A redação de textos acadêmico-científicos não será mais motivo de dúvidas. _x000D_
Com o livro Redação Científica, você encontrará a orientação de que precisa para se destacar no universo acadêmico-científico e executar seus trabalhos com qualidade. Você perceberá que, após a leitura, seu processo de aprendizagem será amplamente beneficiado pelas técnicas fornecidas por este livro. _x000D_
_x000D_

 

14 capítulos

Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

1 - Estudo e aprendizagem

PDF Criptografado

1

Estudo e aprendizagem

Lembremos a recomendação de Bacon ao leitor: “Leia, não para contradizer ou refutar, nem para acreditar ou aceitar como verdade indiscutível, nem para ter assunto para conversa e discurso, mas para pesar e considerar” (ADLER; DOREN, 1990, p. 117).

1 ESTUDO

Que se entende por estudo?

A resposta vai desde uma elaboração sucinta de algumas linhas até a realização de um ou mais volumes extensos. Grosso modo, estudar é realizar experiências submetidas à análise crítica e à reflexão com o objetivo de apreender informações que sejam úteis à resolução de problemas.

Segundo Aurélio Buarque de Holanda, em seu Novo dicionário da língua portuguesa (1986), estudo é aplicação zelosa do espírito para aprender; aplicar a inteligência para apreen­der; dedicar-se à compreensão de fatos, fenômenos, seres, ações.

Além da análise e do exame sistemático, o estudo inclui: organização de trabalhos, busca de informações, anotações, leitura, elaboração de resumos, memorização.

 

2 - Pesquisa científica

PDF Criptografado

2

Pesquisa científica

Não é no espaço que devo buscar minha dignidade, mas na ordenação de meu pensamento. Não terei mais, possuindo terras; pelo espaço, o universo me abarca e traga como um ponto; pelo pensamento, eu os abarco (PASCAL, 1973, p. 128).

1 CIÊNCIA

Um primeiro conceito de ciência diz que ela se identifica com um conjunto de procedimentos que permite a distinção entre aparência e essência dos fenômenos perceptíveis pela inteligência humana. As peculiaridades de seu método diferenciam a ciência das muitas formas de conhecimento humano. E uma de suas particularidades é aceitar que nada é eternamente verdadeiro. O dogma não encontra lugar na ciência.

É, portanto, a ciência um campo de conhecimentos com técnicas especializadas de verificação, interpretação e inferência da realidade. A ciência compreende a teoria, a análise e a política. A teoria caracteriza-se como conjunto de princípios de uma ciência, ou conjunto de tentativas de explicação de um número limitado de fenômenos. Apenas a mente humana que possui teorias é capaz de distinguir, entre inúmeros fatos, aqueles que são relevantes.

 

3 - Procedimentos de pesquisa

PDF Criptografado

3

Procedimentos de pesquisa

Quando o pesquisador consegue rotular seu projeto de pesquisa de acordo com um sistema de classificação, torna-se capaz de conferir maior racionalidade às etapas requeridas para sua execução

(GIL, 2017, p. 24).

1

DIVERSIDADE DE CLASSIFICAÇÃO DAS PESQUISAS

Retomando algumas considerações que fizemos no Capítulo 2, uma das primeiras classificações de pesquisa diz respeito à área de conhecimento. O Conselho Nacional de Desenvolvimento Tecnológico (CNPq), agência de fomento à pesquisa científica é responsável por uma dessas classificações (informações disponíveis em: http://www.cnpq.br/documents/10157/186158/TabeladeAreasdoConhecimento.pdf).

Outras classificações incluem: finalidade (pesquisa básica e aplicada), propósito (exploratórias, descritivas e explicativas), métodos (segundo a natureza dos dados: elas podem ser quantitativas e qualitativas; segundo o ambiente em que os dados são coletados, podem ser de campo ou de laboratório; segundo o grau de controle, podem ser experimental e não experimental).

 

4 - Fontes de pesquisa

PDF Criptografado

4

Fontes de pesquisa

Aquilo que se sabe quando ninguém nos interroga, mas que não se sabe mais quando devemos explicar, é algo sobre o que se deve refletir. (E evidentemente algo sobre o que, por alguma razão, dificilmente se reflete) (WITTGENSTEIN, 1979, p. 49).

1 INTRODUÇÃO

Compõem o delineamento da pesquisa bibliográfica: escolha de um tema, que será objeto da pesquisa, levantamento bibliográfico, formulação do problema que se deseja resolver, elaboração de um plano de pesquisa, identificação das fontes de pesquisa (artigos científicos, livros, teses, dissertações), leitura do material selecionado, fichamento, rascunho e redação final. Neste capítulo, tratamos da identificação das fontes de pesquisa.

2

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO

Estabelecido o tema da pesquisa e o problema que se propõe resolver (com o decorrer da pesquisa eles podem ser refinados e aperfeiçoados), dá-se início à procura de bibliografia, de material que servirá de apoio teórico. Hoje, com a Internet, esse passo inicial pode ser feito com celeridade, sem sair de casa, consultando textos de inúmeros sites e bases de dados. Artigos científicos constituem uma das principais fontes de pesquisa, notadamente por apresentarem novidades e avanços na ciência. Com a difusão dos periódicos nas redes

 

5 - Prática de leitura

PDF Criptografado

5

Prática de leitura

Este é, a nosso ver, o pecado capital da escola pública mal-direcionada: assume o compromisso de ensinar toda a população a ler, mas cumpre o compromisso pela metade. Os alunos chegam a ler, mas apenas decodificando os textos, sem alcançar a compreensão verdadeira nem, muito menos, a capacidade de crítica. Iludem-se com o que leem, porque está impresso, aceitam tudo que veem escrito, não são autônomos diante do texto (MOLINA, 1992, p. 11).

1

A CONSTRUÇÃO DO SENTIDO PELA LEITURA

Fala de leitura é falar de texto, é falar de produção do sentido. Koch (2015, p. 13), para tratar desse tema, entende a necessidade de esclarecer o que se entende por sujeito e o que se entende por língua.

Três, pelo menos, seriam os conceitos de sujeito do discurso. Segundo uma primeira abordagem, ele é visto como “sujeito psicológico individual, dono de sua vontade e de suas ações”. Nesse caso, ele constrói um texto e deseja que seu conteúdo seja captado pelo interlocutor tal como foi idealizado. Ilusoriamente, entende-se que o conhecimento do código seria suficiente para se ter acesso ao texto. Para Koch, temo aqui “predomínio, senão exclusividade, da consciência individual no uso da linguagem – o sujeito da enunciação é responsável pelo sentido”. A língua seria apenas um instrumento de comunicação à disposição dos indivíduos, como se não houvesse história. Ideologicamente, temos o que a ideologia liberal difunde: “os sujeitos é que fazem a história”.

 

6 - Fichamento

PDF Criptografado

6

Fichamento

O homem aprende como ver o mundo pelos discursos que assimila e, na maior parte das vezes, reproduz esses discursos em sua fala

(FIORIN, 1988, p. 35).

1

REGRAS DO JOGO

Os manuais de metodologia apresentam muitas orientações ao estudioso que deseja escrever uma tese de doutorado, uma dissertação de mestrado, um artigo científico. Uma delas diz respeito aos procedimentos de fichamento das leituras realizadas com o objetivo de produzir um texto acadêmico-científico.

Um dos primeiros passos, depois de estabelecido o objeto da pesquisa e o problema que se propõe resolver, é fazer um levantamento de referências de livros e artigos científicos que possam ser utilizados como embasamento da pesquisa. Trata-se de uma listagem de obras, que podem ser registradas em fichas individuais ou em um arquivo eletrônico, como se fossem as referências bibliográficas que são postas ao final de um trabalho acadêmico-científico. Vai-se a uma biblioteca (em alguns casos, até mesmo de casa se pode fazer esse levantamento) e registram-se o nome do autor, o título da obra, a edição, o local e o nome da editora, o ano da publicação. Quando se trata de um capítulo de um livro, anotam-se: título do capítulo e as demais informações bibliográficas (autor, título da obra, edição, local, editora, ano e número das páginas inicial e final do texto a ser lido). Artigos científicos impressos ou eletrônicos também devem constar desse levantamento. Nesse caso, consultam-se os arquivos da biblioteca e as mais variadas bases de dados que possam ser localizadas. Também

 

7 - Redação de resumos

PDF Criptografado

7

Redação de resumos

O texto bem organizado é refratário à ausência de regras, bem como ao infinito das possibilidades ou à liberdade total em relação a limites (GUIMARÃES, 1993, p. 21).

1

CONCEITO DE TEXTO E DISCURSO

Uma pesquisa sobre texto nos revela que seu conceito depende da vertente teórica em que se dá o estudo. Em sua organização, podemos verificar a existência de dois componentes: um microestrutural (“conjunto articulado de frases, resultante da conexão dos mecanismos léxico-gramaticais que integram a superfície textual”) e outro macroestrutural (que se identifica com o significado global do texto (GUIMARÃES, p. 11). A autora citada, com base em

Van Dijk, afirma que o texto é “antes um processo que se perfaz ‘numa totalidade integrada por uma unidade temática, um formato e cuja significação se alcança mediante a relação entre seus constituintes e seu contexto de produção’” (p. 12).

Além do que já expusemos no início do Capítulo 4, que trata da leitura, para outros esclarecimentos sobre o conceito de texto valemo-nos do que afirma Koch (2014, p. 11-12):

 

8 - Redação de resenhas

PDF Criptografado

8

Redação de resenhas

O resenhista produz um texto que necessita, minimamente, estar de acordo com as orientações dadas [pelo editor de um periódico], descrever o objeto, situá-lo no contexto teórico da área do conhecimento e avaliar seu valor e a contribuição que traz para a disciplina, com uma crítica fundamentada (CARVALHO In:

MEURER, BONINI; MOTTA-ROTH, 2010, p. 141).

1

QUE É RESENHA?

Vimos no Capítulo 6 que a NBR 6028:2003, da Associação Brasileira de Normas Técnicas

(ABNT) denomina as resenhas de resumo crítico e que ele “é redigido por especialistas com análise crítica de um documento”. Esta é uma característica fundamental das resenhas: apresentar uma avaliação crítica de uma obra. Para Andrade (1995, p. 60), resenha é um tipo de trabalho que “exige conhecimento do assunto, para estabelecer comparação com outras obras da mesma área e maturidade intelectual para fazer avaliação e emitir juízo de valor”.

Pouco adiante, define resenha como “tipo de resumo crítico, contudo mais abrangente: permite comentários e opiniões, inclui julgamentos de valor, comparações com outras obras da mesma área e avaliação da relevância da obra com relação às outras do mesmo gênero”

 

9 - Gêneros acadêmico-científicos

PDF Criptografado

9

Gêneros acadêmico-científicos

Todos nós percebemos, sem muita dificuldade, que nem todos os gêneros possuem valor igual na academia; o que muitos provavelmente não percebem é que os gêneros de prestígio variam de disciplina para disciplina. E não só isso, mas também a forma como esses gêneros são produzidos e como são publicados difere de área para área disciplinar (BEZERRA, 2018, p. 60).

1

GÊNEROS DO DOMÍNIO ACADÊMICO-CIENTÍFICO

Utilizamos a expressão gêneros acadêmico-científicos no sentido de gêneros discursivos de produção de conhecimento científico que circulam no meio acadêmico sobretudo. Tais produções são orientadas por convenções do gênero, que, na maioria das vezes, conhecem pequenas variações, ou seja, não são inflexíveis. Todavia, é sempre oportuno ressaltar que

“a forma do texto é um critério insuficiente para a definição de gênero” (BEZERRA, 2017, p. 43). Na mesma página, citando Carolyn Miller, afirma:

Quando dominamos um gênero textual não dominamos uma forma linguística e sim uma forma de realizar linguisticamente objetivos específicos em situações sociais particulares.

 

10 - Citação direta e indireta

PDF Criptografado

10

Citação direta e indireta

À pergunta por que ler vamos associar, a partir de agora, um novo elemento: trata-se do como ler. Se ler é uma forma de viver, se leitura do mundo e leitura da palavra estão umbilicalmente ligadas, uma complementando a outra, o como fazê-lo é uma forma de dar sentido à vida, ou melhor, de procurar os sentidos, ao invés de aceitá-los prontos (AMARAL et al., 1994, p. 303).

1 DIALOGISMO

O conceito de dialogismo de Bakhtin serve-nos para a abertura deste capítulo em que trataremos de citações diretas e indiretas. Nossos enunciados não são originais: eles respondem a um já dito e provocam respostas, quer em termos de adesão, quer de recusa; em termos de aplausos ou de críticas, de concordâncias ou discordâncias. Bakhtin entendia que todo dizer orientava-se por um já dito, bem como para uma resposta, enfim que todo dizer é internamente dialogizado. Para Faraco (2017, p. 66), com base nesse conceito de dialogismo, todo enunciado é “entendido não mais como unidade da língua, mas como unidade da interação social; não como um complexo de relações entre palavras, mas como um complexo entre pessoas socialmente organizadas”. E, pouco adiante, afirma que diálogo deve ser entendido como vasto espaço de luta entre as vozes sociais (uma espécie de guerra dos discursos), no qual atuam forças centrípetas (aquelas que buscam

 

11 - Elaboração de referências bibliográficas

PDF Criptografado

11

Elaboração de referências bibliográficas

Dos diversos instrumentos utilizados pelo homem, o mais espetacular é, sem dúvida, o livro. Os demais são extensões de seu corpo.

O microscópio, o telescópio, são extensões de sua visão; o telefone

é a extensão de sua voz; em seguida, temos o arado e a espada, extensões de seu braço. O livro, porém, é outra coisa: o livro é uma extensão da memória e da imaginação (BORGES, 1982, p. 15).

1 CONCEITO

No Brasil, as referências bibliográficas são normatizadas pela NBR 6023:2018 da Associação

Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). A norma cuida das condições pelas quais devem ser referenciadas as publicações mencionadas em livros, artigos científicos, dissertações de mestrado, teses de doutorado, resenhas e outros. Destina-se a pesquisadores, autores, editores, bibliotecários que se interessam pela elaboração de referências a serem incluídas em textos.

Entende-se por referência (bibliográfica) o conjunto padronizado de elementos descritivos que permitem a identificação de documentos impressos em variados tipos de material.

 

12 - Estrutura e apresentação de trabalhos acadêmico-científicos

PDF Criptografado

12

Estrutura e apresentação de trabalhos acadêmico-científicos

É fácil fazer com que um assunto complicado pareça complicado;

é preciso inteligência e esforço, porém, para expor ideias e informações da maneira mais simples possível (BARRAS, 1979, p. 20).

Nem sempre a ciência oferece uma ferramenta claramente superior para entender o mundo que nos cerca. (CASTRO, 2014, p. 17).

1

ESTRUTURA DE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO, TESE DE

DOUTORADO, TCC1

Denomina-se dissertativo todo texto que apresenta um juízo valorativo sobre um fato, ou acontecimento, ou uma opinião sobre um objeto ou ação, ou uma visão subjetiva sobre um assunto. Hoje, em substituição ao termo dissertação, fala-se mais comumente em textos argumentativos, expositivos, explicativos. Para Siqueira (1995, p. 11), se não houver a participação

1 Em algumas instituições, determinados trabalhos acadêmicos são chamados de monografia, para diferenciá-los de dissertações de mestrado e teses de doutorado. Chamam então os TCCs de trabalho monográfico ou de monografia. Como já dissemos, monografia diz respeito, propriamente, a tratamento de um único tema, não a tipo de trabalho. Todavia, o nome monografia está consagrado. Dizem os professores: “Ao final deste curso, será necessário entregar uma monografia.” A estrutura de qualquer trabalho acadêmico é sempre a mesma.

 

13 - Redação: progressão textual e articuladores textuais

PDF Criptografado

13

Redação: progressão textual e articuladores textuais

O conhecimento da gramática é apenas um dos meios para chegarmos a uma comunicação correta, mas não é um fim em si mesmo. Ao escrever, não devemos ficar obcecados em demonstrar erudição e cultura gramatical. Se quisermos escrever bem, isto é, de modo eficaz, devemos dirigir a nossa preocupação para as três funções básicas [da comunicação], produzir resposta, tornar comum e persuadir (BLIKSTEIN, 1985, p. 23).

1

USO DA VARIEDADE LINGUÍSTICA DE PRESTÍGIO

Nenhuma língua é homogênea. Todas são constituídas por um conjunto de variedades linguísticas. Cada uma dessas variedades é utilizada em determinados meios e segundo determinadas funções. Uma não é melhor que a outra e tanto é impróprio valer-se de uma variedade prestigiada em momento que se exige o uso da menos prestigiada, quanto utilizar uma variedade estigmatizada em um meio que pede, pelo menos, o uso da chamada

“norma culta” da linguagem. A expressão norma culta é usada aqui no sentido técnico que os sociolinguistas dão a essa palavra. Para Faraco e Zilles (2017, p. 19), por exemplo, norma culta “designa tecnicamente o conjunto das características linguísticas do grupo de falantes

 

14 - Projeto de pesquisa

PDF Criptografado

14

Projeto de pesquisa

Um principiante pode supor que elaborar projetos é perder tempo e que o melhor é começar imediatamente o trabalho de pesquisa.

No entanto, a experiência vai lhe ensinar que o início de uma pesquisa, sem projeto, é lançar-se à improvisação, tornando o trabalho confuso, dando insegurança ao mesmo, reduplicando esforços inutilmente e que, agir desta maneira, é motivo de muita pesquisa começada e não terminada, num lastimoso esbanjamento de tempo e recursos (RUDIO, 2014, p. 55).

1 PLANEJAMENTO

Na vida cotidiana, é comum o planejamento para nossas mais simples ações. Planejamos uma volta pela cidade para fazer compras, planejamos uma reforma de um apartamento ou uma casa, planejamos a aquisição de um imóvel ou de um carro. Mesmo as pessoas que dizem que não gostam de fazer planejamento não abdicam totalmente de fazê-lo. No mundo acadêmico, da construção de conhecimento, da pesquisa, da elaboração de uma tese de doutorado, uma dissertação de mestrado, um TCC, podemos verificar que só alcançaremos bom êxito no resultado final se na sua origem o trabalho contou com um planejamento bem elaborado.

 

Detalhes do Produto

Livro Impresso
eBook
Capítulos

Formato
PDF
Criptografado
Sim
SKU
BPP0000270117
ISBN
9788597020311
Tamanho do arquivo
7,1 MB
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
Formato
PDF
Criptografado
Sim
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
SKU
Em metadados
ISBN
Em metadados
Tamanho do arquivo
Em metadados