Medium 9788530983147

Português Sistematizado

Autor(es): JAMILK, Pablo
Visualizações: 15
Classificação: (0)

Você está buscando um livro de português para concursos que seja objetivo, simples, sem enrolação, com exercícios e que resolva a sua vida de uma vez por todas. Eu sei disso! Foi exatamente por essa razão que eu resolvi que escreveria esta obra._x000D_
Depois de muito tempo ouvindo os alunos que – desesperados – esperavam um livro que poupasse o seu tempo de estudo, achei que já era hora de empregar toda a minha experiência no universo dos concursos e dos vestibulares para entregar uma obra que contivesse as melhores explicações sobre o conteúdo mais importante das provas: a Língua Portuguesa. É claro que, além da teoria explicada de forma muito clara, objetiva e didática, eu também trouxe exercícios para você praticar o que aprendeu._x000D_
Deve estar pensando: beleza! Agora eu só preciso de um livro de redação! CLARO QUE NÃO!!! Nesta obra, além de toda a gramática, ainda inseri técnicas discursivas, para você aprender como escrever uma boa redação, sem falar na parte de interpretação de textos e de redação de correspondências oficiais. Nada ficou de fora! Já não há mais desculpas para não tornar este livro seu material de estudo, não é? Pode levá-lo para casa agora mesmo! Vamos transformar os seus conhecimentos a partir de hoje!_x000D_
_x000D_

 

27 capítulos

Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

1 - Morfologia

PDF Criptografado

?1

Morfologia http://uqr.to/d6y7

A morfologia é a parte da língua que se preocupa com estrutura e com a classificação dos vocábulos. Afirmo para você, sem qualquer medo de errar, que essa é a parte mais importante do nosso estudo, pois é na Morfologia que toda a base da

Língua Portuguesa está fundamentada. Digo para meus alunos constantemente: se você tem algum problema em Língua Portuguesa, certamente ele está na Morfologia.

Inicialmente, vamos estudar a parte relacionada à classificação dos termos, pois isso servirá de base para todos os outros conceitos dentro de nosso programa de estudo.

Leia isso até sair sangue dos olhos, guerreiro!

1.1.

AS 10 CLASSES DE PALAVRAS

Segue uma pequena divisão de quais são as classes de palavras em nossa língua.

Convém fazer uma tabela com esses elementos e trazê-los na ponta da língua:

1. Artigo: termo que particulariza o sentido de um substantivo.

Exemplos: o, a, um, uma.

2. Adjetivo: termo que caracteriza, qualifica ou indica a origem de outro termo.

 

2 - Artigo

PDF Criptografado

?

2

Artigo

Artigo é a palavra que define ou indefine um substantivo, particularizando-o de alguma forma. Vamos entender que há uma estreita relação entre um artigo e um substantivo.

Classificação: os artigos podem ser:

• Definidos: definem um referente na sentença. São eles: o, a, os, as.

• Indefinidos: indefinem um referente na sentença. São eles: um, uma, uns, umas.

Entendamos, nesta divisão, as flexões de número e gênero: o/um – singular e masculino a/uma – singular e feminino os/uns – masculino e plural as/umas – feminino e plural

2.1.

EMPREGO DOS ARTIGOS

Podemos empregar os artigos da seguinte maneira: a) Definição de termo:

Pedro é um aluno muito bom de nosso curso. Precisamos de alguém, chamem o aluno.

Explicação

Mais exemplos:

Gosto muito de Língua Portuguesa. A matéria é interessante demais.

Nos últimos dias, ocorreu uma grande maratona de estudos em Língua Portuguesa. O evento foi um sucesso!

 

3 - Adjetivo

PDF Criptografado

3

?

Adjetivo

Pode-se definir “adjetivo” como o termo que indica característica, qualidade ou a origem de determinado elemento. Na verdade, essa é uma definição mais prática dos adjetivos, a fim de evitar confusão conceitual.

Em uma frase como:

Minha caneta é bonita, azul e alemã.

É possível identificar a indicação de cada palavra destacada.

Isso quer dizer que – para iniciar a nossa conversa – o adjetivo costuma vir relacionado a um substantivo com a finalidade de indicar algum tipo de propriedade que lhe pode ser inerente ou não.

Perceba que o adjetivo que exprime uma qualidade demonstra mais claramente a subjetividade do enunciador em um contexto simples de comunicação. Quero dizer que é mais fácil perceber a opinião ou o ponto de vista de quem seleciona um adjetivo de natureza subjetiva do que pela seleção de um adjetivo de natureza objetiva.

Essa distinção serve para auxiliar o leitor na interpretação dos textos. O escritor que deixa seus juízos de valor mais transparentes emprega em larga escala adjetivos subjetivos (aqueles que exprimem qualidades). É claro que, a depender da intenção comunicativa, os demais adjetivos também podem entrar “no baile” da demonstração de opiniões, mas isso só pode ser analisado ao se considerar toda a situação em que ocorre a comunicação. Dito isso, vamos estudar a classificação dos adjetivos.

 

4 - Advérbio

PDF Criptografado

4

?

Advérbio http://uqr.to/d6y8

Vamos conversar um pouco sobre os advérbios. Apesar de não ser a maior classe dentro da Morfologia, é uma das mais incidentes nas provas de concursos públicos.

Partiremos da definição para compreender suas peculiaridades.

Define-se advérbio como a palavra invariável1 que imprime uma circunstância geralmente sobre um verbo, sobre um adjetivo ou sobre outro advérbio.

Exemplos:

O aluno dedicado estuda muito. (Aqui, a palavra destacada imprime a ideia de intensidade sobre o verbo.)

Língua Portuguesa é muito interessante. (Aqui, a palavra destacada imprime a ideia de intensidade sobre o adjetivo.)

Minha prima canta muito bem. (Aqui, a primeira palavra destacada imprime sentido de intensidade sobre a segunda, a qual imprime sentido de modo sobre o verbo.)

4.1.

CATEGORIAS ADVERBIAIS

1

Para facilitar a identificação, pense em um advérbio como uma palavra sem feminino e sem plural.

 

5 - Conjunção

PDF Criptografado

5

?

Conjunção http://uqr.to/d6y9

Atençããããããããããããããão!

Este capítulo é UM DOS MAIS IMPORTANTES deste livro inteiro! Pelo amor de tudo o que você considera mais sagrado: estude este capítulo ATÉ SAIR SANGUE

DOS SEUS OLHOS!

1

Os dicionários apontam a etimologia como súndetos (Priberam) e sýndesmos (Maria Helena de Moura Neves, 2010).

Cap. 5 • CONJUNÇÃO

Aqui está um assunto que tem cadeira cativa nas provas de língua portuguesa. Há perguntas de toda natureza a respeito das conjunções. Eu recomendo fortemente que você DECORE as palavras que compuserem as listas que seguirão neste capítulo, pois isso fará você acertar muitas questões! Vamos à definição e à classificação!

Definição: conjunção é um termo de natureza conectiva que tem por função ligar elementos de mesma natureza em uma sentença. Nessa ligação, pode haver uma relação de sentido construída durante a conexão. O termo “conjunção” vem do grego syndethos1, que significa “união”. Isso quer dizer que o síndeto serve para criar conjuntos de palavras. É justamente esse tipo de análise que os elaboradores costumam exigir nas provas.

 

6 - Interjeição

PDF Criptografado

6

?

Interjeição

Por definição, interjeição é a palavra1 ou a expressão que traduz um estado emotivo momentâneo. Também pode ser definida como o elemento invariável que exprime com energia os afetos do ânimo. Veja alguns exemplos:

6.1.

CLASSIFICAÇÃO

Interjeições claras: classicamente identificadas como uma interjeição.

1

Sentido alegria, surpresa ou admiração

oba!

empolgação ou entusiasmo

eia!

animação ou empolgação

ufa! arre!

alívio

alô! olá! ó! oi! eh! psiu!

chamamento, apelo

opa!

desculpa

chi!

desagrado ou surpresa negativa

ai! ui!

dor, surpresa ou animação

ai! ah! oh!

arrependimento

hum! ué! epa! ah!

dúvida ou ironia

tchau!

despedida

arre! irra! hum!

impaciência

uh! buh!

reprovação

psiu!

silêncio

oba! upa! ah!

satisfação

hip! hip! hurra!

entusiasmo ou festejo

 

7 - Numeral

PDF Criptografado

?

7

Numeral

É a palavra que exprime uma noção de quantidade, posição, multiplicação ou divisão. É possível compreender que um número é diferente de um numeral: enquanto o número é uma realidade cognoscente quantificadora, o numeral é a representação dessa realidade por meio de um nome ou de um símbolo.

A classificação dos numerais em língua portuguesa é a seguinte: a) b) c) d)

Cardinais (exprimem uma quantidade): dois, três, vinte.

Ordinais (exprimem uma posição): segundo, terceiro, vigésimo.

Multiplicativos (exprimem uma multiplicação): dobro, triplo, décuplo.

Fracionários (exprimem uma divisão): meio, terço, onze avos.

Tabela de numerais (atenção para a grafia)1

1

Cardinais

Ordinais

Multiplicativos

Fracionários Coletivos

1

um

primeiro

2

dois

segundo

duplo ou dobro

meio ou metade

duo, dueto, dupla

3

três

terceiro

triplo ou tríplice1

 

8 - Preposição

PDF Criptografado

8

?

Preposição http://uqr.to/d6ya

Daqui para frente, a coisa começa a ficar monstruosa. Por quê? Porque tudo começa a se relacionar e você tem a obrigação (mesmo) de trazer na memória tudo que estudou até aqui e tudo que será passado neste capítulo.

Preposição é um termo de natureza conectiva, que opera uma relação de sentido no segmento em que aparece. Distintamente das conjunções, as preposições são empregadas por uma exigência da sentença (quer gramaticalmente, quer semanticamente).

A preposição costuma ser utilizada em função de uma exigência sintática, a qual recebe o nome de Regência. A depender da natureza da regência, a preposição pode indicar uma relação apenas de correção gramatical ou uma relação de manutenção de sentido.

Dizendo isso de maneira técnica, significa que a preposição é a palavra invariável que relaciona outras palavras (que podem pertencer a classes diferentes) em uma sentença. Nessa relação, é comum identificar o termo regente ou subordinante

 

9 - Pronome

PDF Criptografado

9

?

Pronome http://uqr.to/d6yd

Temos aqui mais um capítulo extremamente importante. Quase todas as provas exigem que o candidato saiba lidar de maneira competente com os pronomes. Afinal, grande parte dos estudos a respeito dos processos coesivos1 resvala nos pronomes.

Pronomes são termos que servem para substituir ou retomar elementos dentro de uma sequência textual. Antes de qualquer explicação, quero que você tenha consciência de que os pronomes são muito cobrados em questões que envolvem a análise daquilo que chamaremos de referenciação.

Mas o que é essa tal de referenciação?

Trata-se de um procedimento em que é possível identificar um referente textual e os demais elementos que a ele fazem menção. Esse é um dos mecanismos mais fortes que estabelecem a coesão textual. Exemplos:

Explicação

Manuel comprou uma casa, mas não gostou muito dela.

O pronome que está contraído com a preposição retoma o referente casa dentro da sentença. Essa identificação é facilitada, pois o pronome concordou com o gênero do seu referente.

 

10 - Substantivo

PDF Criptografado

10

?

Substantivo

Define-se substantivo como a palavra variável que nomeia seres, conceitos, sentimentos ou ações presentes na língua. Apesar de ser uma classe cujas questões diretamente relacionadas não são tão frequentes, é necessário conhecer o conteúdo para poder estudar sintaxe corretamente. Além disso, posso dizer que as questões mais incidentes estão relacionadas à identificação do substantivo (Morfologia básica, portanto) e à sua classificação no interior da frase.

E como podemos fazer a classificação dos substantivos? Dê uma olhada:

10.1. QUANTO À EXISTÊNCIA a. Concreto (substantivo que possui existência própria no mundo real ou fantasioso): pessoa, casa, fada, Deus, carro. b. Abstrato (substantivo que designa um sentimento ou um conceito): vingança, amor, caridade.

Cap. 10 • SUBSTANTIVO

Explicação

Muita gente se confunde na classificação dos substantivos em relação à existência.

Pense comigo: o substantivo boitatá é concreto, por incrível que pareça. Você pode argumentar: professor, não existe esse tal de boitatá, é um mito. Eeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeppaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa! É aí que pretendemos chegar!

 

11 - Verbo

PDF Criptografado

11

?

Verbo http://uqr.to/d6ye

Precisamos ter muito cuidado neste capítulo para não nos perdermos em um mar de teoria. Lembre-se do que eu sempre digo na composição deste livro: estamos aqui para você acertar as questões, então você deve se concentrar na teoria necessária para compreender o que as questões poderão exigir. Eu vou fazer o máximo para suavizar todo o palavrório que a teoria gramatical exige.

Por definição, verbo é a palavra que exprime a ideia de uma ação, de um estado, de uma mudança de estado ou de um fenômeno natural e que pode ser conjugada.

A característica mais importante que deve ser notada é o fato de o verbo poder ser conjugado, isso será central em análises relativas aos verbos.

Essa matéria é extremamente importante, pois o coração de toda a análise sintática reside no reconhecimento e na classificação dos verbos. Isso quer dizer que iremos estudá-los compassadamente neste capítulo, para que as lições fiquem cada vez mais simples.

 

12 - Vozes verbais

PDF Criptografado

12

?

Vozes verbais

O conteúdo de vozes verbais é muitíssimo cobrado em provas de língua portuguesa, independentemente do tipo de avaliação que se propõe. A despeito disso, não se trata de um conteúdo muito complexo. A maior parte dos falantes consegue realizar transposição sem grandes problemas, quase intuitivamente. Eu vou explicar os procedimentos aqui para você entender como analisar o conceito de voz e a transposição de vozes.

A noção de voz do verbo está relacionada à atitude que o verbo exprime (pensando no papel de quem pratica ou de quem recebe a ação do verbo) quando empregado em uma sentença. É possível definir quatro vozes para os verbos na Língua

Portuguesa, segundo a tradição gramatical. São elas:

• Voz ativa: que se caracteriza por possuir um sujeito agente, ou seja, que pratica uma ação.

O garoto escreveu um poema. (O garoto pratica a ação.)

• Voz passiva: que se caracteriza por possuir um sujeito de natureza paciente, ou seja, que é alvo da ação do verbo.

 

13 - Sintaxe do período simples

PDF Criptografado

13

?

Sintaxe do período simples http://uqr.to/d6yf

Como vai, guerreiro(a)? Tudo bem? Está bem vivo até aqui? Vamos começar agora uma jornada pelo mundo das funções sintáticas. Essa parte da Língua Portuguesa é fundamental para compreender conteúdos como concordância, colocação pronominal e pontuação.

A única dificuldade que você terá será a de parar de ler o livro, porque Sintaxe é o melhor de todos os conteúdos de Língua Portuguesa! Quem domina Sintaxe domina o mundo! É preciso que você estabeleça metas para trabalhar com esse conteúdo: aprendendo uma função de cada vez! Sem neuras, você conseguirá resolver quaisquer questões a respeito desse assunto. Vamos ao trabalho!

Sugestão: eu sugiro que você trabalhe primeiramente com a sintaxe do período simples, buscando entender os assuntos mais básicos, como sujeito, objeto direto e objeto indireto. Somente depois disso, pense em caminhar para conteúdos que exijam mais de você, como orações subordinadas e orações reduzidas.

 

14 - Sintaxe do período composto

PDF Criptografado

14

?

Sintaxe do período composto http://uqr.to/d6yg

Agora, nosso trabalho vai mergulhar na parte mais interessante da gramática normativa: a sintaxe do período composto. Teremos a missão de ampliar o período simples, identificando que haverá mais de uma oração no processo.

Isso cai em provas? Sim, cai! E não é pouco! Cai bastante, mas nem sempre com o mesmo tipo de nomenclatura. A cada tipo diferente de questão, eu sinalizarei os termos que você poderá encontrar.

Definição: chama-se “período composto” o período que apresenta mais de uma oração. Para que seja possível isso ocorrer, deve haver um processo de composição do período. Usualmente, dois processos concorrem para a formação de um período.

Vejamos quais são:

Processos de composição: a) Coordenação: é o processo em que não há dependência sintática entre as orações. Ou seja, estruturalmente elas são autônomas. b) Subordinação: é o processo em que há uma dependência sintática entre as orações. Isso quer dizer que uma oração (subordinada) desempenhará alguma função em relação a outra (principal).

 

15 - Concordância verbal e nominal

PDF Criptografado

15

?

Concordância verbal e nominal http://uqr.to/d6yk

A concordância é, na verdade, uma parte da Sintaxe, por isso chamamos de sintaxe de concordância. É claro que – para entender o que você vai ler aqui – é necessário ter passado pela matéria de sintaxe e compreendido bem o que você leu.

Concordância é um dos conteúdos mais importantes no universo dos concursos públicos, portanto sua missão é ter tudo isso na ponta da língua. Quase toda prova apresenta, ao menos, uma questão sobre concordância!

Há muitas regras para estudarmos aqui! Agora, a missão é tentar fazer um esforço para isso entrar na sua cabeça! Nem que seja na marra!

15.1. CONCEITUAÇÃO

“Concordar”, de uma maneira geral, significa modificar as palavras de modo que elas se relacionem harmoniosamente em uma sentença. Essa harmonia está relacionada à flexão dos termos. Sempre existirá, nos casos de concordância, uma palavra que servirá de “orientação” para realizar a adequação da flexão. Quer dizer que – em um sentido mais abrangente – concordar significa harmonizar.

 

16 - Colocação pronominal

PDF Criptografado

16

?

Colocação pronominal

Eu quis trazer uma compilação simples das regras relativas à colocação dos pronomes oblíquos átonos neste material. Além disso, acrescentei algumas questões para você poder praticar.

Apesar de ser um conteúdo relativamente fácil (uma vez que depende mais de um breve conhecimento de morfologia e pouca coisa de sintaxe), o assunto relativo

à chamada “colocação pronominal” costuma ser negligenciado por grande parte dos estudantes. Erro crasso, que pode custar caro na hora de prestar um concurso ou resolver qualquer prova!

É provável que você não encontre muitas dificuldades depois de ler o conteúdo aqui reunido e depois de fazer todos os exercícios selecionados.

16.1. COLOCAÇÃO DOS PRONOMES ÁTONOS

16.1.1.

Conceitos e explicações iniciais

Pronomes oblíquos átonos me te o, a, lhe, se nos vos os, as, lhes, se

Cap. 16 • COLOCAÇÃO PRONOMINAL

A colocação pronominal, que também pode ser conhecida como sintaxe de colocação, toponímia ou tmese, é a parte do conteúdo de sintaxe que estuda a posição dos pronomes oblíquos átonos nas sentenças. Notadamente, a análise que se faz a respeito desses pronomes está atrelada à posição do pronome em relação a um verbo; entretanto, pode haver casos da relação entre pronome e pronome ou da relação entre advérbio e pronome.

 

17 - Regência verbal e nominal

PDF Criptografado

17

?

Regência verbal e nominal http://uqr.to/d6yl

Sequenciando o nosso trabalho, vamos estudar um pouco de Regência. Essa matéria é simples e intuitiva. Para que você consiga entendê-la, deverá fazer um pequeno esforço no sentido de reconhecer as relações entre as palavras em uma sentença.

Basicamente, a Regência costuma servir como a base para compreender os casos de crase. Além disso, há diversas questões que estão baseadas no emprego (ou não) das preposições em relações dentro das frases.

É evidente que existem regras, as quais devem ser respeitadas, nesse caso, elas aparecerão discriminadas em nosso capítulo. Iniciemos com algumas definições e, posteriormente, passemos aos casos.

17.1. DEFINIÇÃO

Regência é a parte da sintaxe que se preocupa com a relação entre as palavras e seus possíveis complementos. Pode-se dividi-la em duas partes fundamentais:

• Regência verbal: relação entre o verbo e seus possíveis complementos.

• Regência nominal: relação entre substantivo, adjetivo ou advérbio e seus possíveis complementos. Veja alguns exemplos:

 

18 - Crase

PDF Criptografado

18

?

Crase http://uqr.to/d6ym

18.1. TEORIA

Crase é o nome do fenômeno linguístico em que se pronuncia o som de duas vogais em apenas uma emissão sonora. Na verdade, trata-se de uma união, como o próprio nome grego “krásis” indica. O acento grave indicativo de crase (`) deve ser empregado em contrações da preposição a com: a) O artigo definido feminino:

O homem foi à reunião descrita na ata.

Explicação

Veja a regência do verbo ir (que justifica a primeira ocorrência do a), para introduzir o adjunto adverbial de lugar, emprega-se a preposição a, ou seja, (ir a algum lugar). A segunda ocorrência do a é justificada pelo fato de haver um substantivo feminino (reunião) que está determinado1 na frase.

b) Os pronomes aquele, aquela ou aquilo:

Referimo-nos àquele assunto mencionado.

Explicação

Além de observar a regência do verbo (referir-se a alguma coisa), deve-se entender que, com o pronome demonstrativo apontado na regra, deve ser empregado o acento grave.

 

Carregar mais


Detalhes do Produto

Livro Impresso
eBook
Capítulos

Formato
PDF
Criptografado
Não
SKU
BPP0000270013
ISBN
9788530983888
Tamanho do arquivo
24 MB
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
Formato
PDF
Criptografado
Não
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
SKU
Em metadados
ISBN
Em metadados
Tamanho do arquivo
Em metadados