Direito civil : volume 5 : famílias, 8ª edição

Autor(es): LÔBO, Paulo
Visualizações: 169
Classificação: (0)

A coleção Direito Civil, escrita pelo Professor Paulo Lôbo, tem como principal característica a abordagem objetiva dos temas do Código Civil, com conteúdo confiável, permitindo uma adequada formação ao estudante de Direito. A coleção está desdobrada nos seguintes volumes: Parte Geral; Obrigações; Contratos; Coisas; Famílias; Sucessões. O volume Famílias, estruturado em 22 capítulos, apresenta um estudo completo do Direito das Famílias, trazendo temas como as entidades familiares, o casamento, o divórcio, a união estável, guarda dos filhos, relações de parentesco, direito de filiação, reconhecimento de filho, adoção, autoridade parental, regime de bens, alimentos, bem de família, tutela, curatela e tomada de decisão apoiada.
Vale ressaltar que a obra está de acordo com a Lei n. 13.509, de 22 de novembro de 2017, que fez diversas alterações no regime de adoção.

 

374 capítulos

Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

1.1. Introdução

PDF Criptografado

Capítulo I

Família Brasileira: Origens,

Repersonalização e Constitucionalização

Sumário: 1.1. Introdução. 1.2. Função atual da família. Sua evolução e perspectivas. 1.3. Perfil demográfico da família contemporânea. 1.4. Repersonalização das relações de família. 1.5. Socioafetividade e Multiparentalidade. 1.6. Constitucionalização das famílias e de seus fundamentos jurídicos.

1.1. Introdução

A família sofreu profundas mudanças de função, natureza, composição e, consequentemente, de concepção, sobretudo após o advento do Estado social, ao longo do século XX.

No plano constitucional, o Estado, antes ausente, passou a se interessar de forma clara pelas relações de família, em suas variáveis manifestações sociais. Daí a progressiva tutela constitucional, ampliando o âmbito dos interesses protegidos, definindo modelos, nem sempre acompanhados pela rápida evolução social, a qual engendra novos valores e tendências que se concretizam a despeito da lei.

 

1.1. Introdução

PDF Criptografado

Capítulo I

Família Brasileira: Origens,

Repersonalização e Constitucionalização

Sumário: 1.1. Introdução. 1.2. Função atual da família. Sua evolução e perspectivas. 1.3. Perfil demográfico da família contemporânea. 1.4. Repersonalização das relações de família. 1.5. Socioafetividade e Multiparentalidade. 1.6. Constitucionalização das famílias e de seus fundamentos jurídicos.

1.1. Introdução

A família sofreu profundas mudanças de função, natureza, composição e, consequentemente, de concepção, sobretudo após o advento do Estado social, ao longo do século XX.

No plano constitucional, o Estado, antes ausente, passou a se interessar de forma clara pelas relações de família, em suas variáveis manifestações sociais. Daí a progressiva tutela constitucional, ampliando o âmbito dos interesses protegidos, definindo modelos, nem sempre acompanhados pela rápida evolução social, a qual engendra novos valores e tendências que se concretizam a despeito da lei.

 

1.2. Função Atual da Família. Sua Evolução e Perspectivas

PDF Criptografado

dos Direitos do Homem, votada pela ONU em 10 de dezembro de 1948, assegura às pessoas humanas o direito de fundar uma família, estabelecendo o art.

16.3: “A família é o núcleo natural e fundamental da sociedade e tem direito à proteção da sociedade e do Estado”. Desse dispositivo defluem conclusões evidentes: a) família não é só aquela constituída pelo casamento, tendo direito todas as demais entidades familiares socialmente constituídas; b) a família não é célula do Estado (domínio da política), mas da sociedade civil, não podendo o Estado tratá-la como parte sua. Pontes de Miranda (1971, v. 7, p. 174, 175, 179, 192 e 193), referindo-se à Constituição de 1946, diz que o legislador constituinte, com intuito ético-político, não pretendeu defender só a instituição jurídica, mas a família como instituição social, na multiplicidade de sua expressão.

Direitos novos surgiram e estão a surgir, não só aqueles exercidos pela família, como conjunto, mas por seus membros, entre si ou em face do Estado, da sociedade e das demais pessoas, em todas as situações em que a Constituição e a legislação infraconstitucional tratam a família, direta ou indiretamente, como peculiar sujeito de direitos (ou deveres).

 

1.2. Função Atual da Família. Sua Evolução e Perspectivas

PDF Criptografado

dos Direitos do Homem, votada pela ONU em 10 de dezembro de 1948, assegura às pessoas humanas o direito de fundar uma família, estabelecendo o art.

16.3: “A família é o núcleo natural e fundamental da sociedade e tem direito à proteção da sociedade e do Estado”. Desse dispositivo defluem conclusões evidentes: a) família não é só aquela constituída pelo casamento, tendo direito todas as demais entidades familiares socialmente constituídas; b) a família não é célula do Estado (domínio da política), mas da sociedade civil, não podendo o Estado tratá-la como parte sua. Pontes de Miranda (1971, v. 7, p. 174, 175, 179, 192 e 193), referindo-se à Constituição de 1946, diz que o legislador constituinte, com intuito ético-político, não pretendeu defender só a instituição jurídica, mas a família como instituição social, na multiplicidade de sua expressão.

Direitos novos surgiram e estão a surgir, não só aqueles exercidos pela família, como conjunto, mas por seus membros, entre si ou em face do Estado, da sociedade e das demais pessoas, em todas as situações em que a Constituição e a legislação infraconstitucional tratam a família, direta ou indiretamente, como peculiar sujeito de direitos (ou deveres).

 

1.3. Perfil Demográfico da Família Contemporânea

PDF Criptografado

A realização pessoal da afetividade, no ambiente de convivência e solidariedade, é a função básica da família de nossa época. Suas antigas funções feneceram, desapareceram ou passaram a desempenhar papel secundário. Até mesmo a função procracional, com a secularização crescente do direito de família e a primazia atribuída ao afeto, deixou de ser sua finalidade precípua.

A família, na sociedade de massas contemporânea, sofreu as vicissitudes da urbanização acelerada ao longo do século XX, como ocorreu no Brasil. Por outro lado, a emancipação feminina, principalmente econômica e profissional, modificou substancialmente o papel que era destinado à mulher no âmbito doméstico e remodelou a família. São esses os dois principais fatores do desaparecimento da família patriarcal.

Reinventando-se socialmente, reencontrou sua unidade na affectio, antiga função desvirtuada por outras destinações nela vertidas, ao longo de sua história. A afetividade, assim, desponta como elemento nuclear e definidor da união familiar, aproximando a instituição jurídica da instituição social. A afetividade é o triunfo da intimidade como valor, inclusive jurídico, da modernidade. Como diz Anthony

 

1.3. Perfil Demográfico da Família Contemporânea

PDF Criptografado

A realização pessoal da afetividade, no ambiente de convivência e solidariedade, é a função básica da família de nossa época. Suas antigas funções feneceram, desapareceram ou passaram a desempenhar papel secundário. Até mesmo a função procracional, com a secularização crescente do direito de família e a primazia atribuída ao afeto, deixou de ser sua finalidade precípua.

A família, na sociedade de massas contemporânea, sofreu as vicissitudes da urbanização acelerada ao longo do século XX, como ocorreu no Brasil. Por outro lado, a emancipação feminina, principalmente econômica e profissional, modificou substancialmente o papel que era destinado à mulher no âmbito doméstico e remodelou a família. São esses os dois principais fatores do desaparecimento da família patriarcal.

Reinventando-se socialmente, reencontrou sua unidade na affectio, antiga função desvirtuada por outras destinações nela vertidas, ao longo de sua história. A afetividade, assim, desponta como elemento nuclear e definidor da união familiar, aproximando a instituição jurídica da instituição social. A afetividade é o triunfo da intimidade como valor, inclusive jurídico, da modernidade. Como diz Anthony

 

1.4. Repersonalização das Relações de Família

PDF Criptografado

na (superior a 80%), completamente diferente do predomínio rural, cuja família serviu de modelo para o Código Civil de 1916, quando a proporção era inversa.

Apurou-se que: a) a média nacional de membros por família caiu para menos de quatro pessoas, confirmando o declínio das famílias numerosas; b) em contrapartida, as entidades monoparentais compostas, principalmente, por mulheres e seus filhos têm atingido um quinto dos domicílios; c) o decréscimo da taxa de fecundidade por mãe foi notável, atingindo-se menos de 2,1 filhos por mãe, cuja média é necessária para um país manter seus níveis de reposição e garantir a substituição das gerações. Para efeito de comparação, em 1960 eram 6,28 filhos por mulher, em média; d) os mais velhos estão vivendo mais, demandando atenção crescente das famílias, especialmente os idosos; e) a população é mais feminina, em razão da maior taxa de mortalidade entre os homens e maior longevidade das mulheres; f ) o perfil das famílias formadas por casais com filhos revela que em 83,8% delas todos os filhos são comuns de cada casal, enquanto que em 16,2% há outras configurações, principalmente de famílias recompostas, após a separação de um ou de ambos os genitores (filhos de um, ou de cada um, ou filhos de cada um com filhos comuns etc.); g) 12% dos domicílios eram habitados apenas por uma pessoa, 1% dos domicílios eram habitados por duas ou mais pessoas sem relação de parentesco.

 

1.4. Repersonalização das Relações de Família

PDF Criptografado

na (superior a 80%), completamente diferente do predomínio rural, cuja família serviu de modelo para o Código Civil de 1916, quando a proporção era inversa.

Apurou-se que: a) a média nacional de membros por família caiu para menos de quatro pessoas, confirmando o declínio das famílias numerosas; b) em contrapartida, as entidades monoparentais compostas, principalmente, por mulheres e seus filhos têm atingido um quinto dos domicílios; c) o decréscimo da taxa de fecundidade por mãe foi notável, atingindo-se menos de 2,1 filhos por mãe, cuja média é necessária para um país manter seus níveis de reposição e garantir a substituição das gerações. Para efeito de comparação, em 1960 eram 6,28 filhos por mulher, em média; d) os mais velhos estão vivendo mais, demandando atenção crescente das famílias, especialmente os idosos; e) a população é mais feminina, em razão da maior taxa de mortalidade entre os homens e maior longevidade das mulheres; f ) o perfil das famílias formadas por casais com filhos revela que em 83,8% delas todos os filhos são comuns de cada casal, enquanto que em 16,2% há outras configurações, principalmente de famílias recompostas, após a separação de um ou de ambos os genitores (filhos de um, ou de cada um, ou filhos de cada um com filhos comuns etc.); g) 12% dos domicílios eram habitados apenas por uma pessoa, 1% dos domicílios eram habitados por duas ou mais pessoas sem relação de parentesco.

 

1.5. Socioafetividade e Multiparentalidade

PDF Criptografado

1.5. Socioafetividade e Multiparentalidade

A família é socioafetiva, em princípio, por ser grupo social considerado base da sociedade e unido na convivência afetiva. A afetividade, como categoria jurídica, resulta da transeficácia de parte dos fatos psicossociais que a converte em fato jurídico, gerador de efeitos jurídicos. Todavia, no sentido estrito, a socioafetividade tem sido empregada no Brasil para significar as relações de parentesco não biológico, de parentalidade e filiação, notadamente quando em colisão com os vínculos de origem biológica.

A socioafetividade como categoria do direito de família tem sistematização recente no Brasil. Em grande medida resultou das investigações das transformações ocorridas no âmbito das relações de família, máxime das relações parentais, desde os anos 1970.

Entre os juristas, houve a instigação especial do impacto provocado pelo advento da Constituição de 1988, que revolucionou o tratamento fundamental dado aos integrantes das entidades familiares, superando o histórico quantum despótico que as caracterizava, afastando-se os últimos resíduos dos poderes domésticos, principalmente o poder marital e o pátrio poder. Os estudos jurídicos produzidos, desde então, passaram a salientar o papel determinante da socioafetividade na configuração do contemporâneo direito de família. Nossa primeira contribuição se deu com o capítulo intitulado Repersonalização das Relações

 

1.5. Socioafetividade e Multiparentalidade

PDF Criptografado

1.5. Socioafetividade e Multiparentalidade

A família é socioafetiva, em princípio, por ser grupo social considerado base da sociedade e unido na convivência afetiva. A afetividade, como categoria jurídica, resulta da transeficácia de parte dos fatos psicossociais que a converte em fato jurídico, gerador de efeitos jurídicos. Todavia, no sentido estrito, a socioafetividade tem sido empregada no Brasil para significar as relações de parentesco não biológico, de parentalidade e filiação, notadamente quando em colisão com os vínculos de origem biológica.

A socioafetividade como categoria do direito de família tem sistematização recente no Brasil. Em grande medida resultou das investigações das transformações ocorridas no âmbito das relações de família, máxime das relações parentais, desde os anos 1970.

Entre os juristas, houve a instigação especial do impacto provocado pelo advento da Constituição de 1988, que revolucionou o tratamento fundamental dado aos integrantes das entidades familiares, superando o histórico quantum despótico que as caracterizava, afastando-se os últimos resíduos dos poderes domésticos, principalmente o poder marital e o pátrio poder. Os estudos jurídicos produzidos, desde então, passaram a salientar o papel determinante da socioafetividade na configuração do contemporâneo direito de família. Nossa primeira contribuição se deu com o capítulo intitulado Repersonalização das Relações

 

1.6. Constitucionalização das Famílias e de Seus Fundamentos Jurídicos

PDF Criptografado

Em 22-9-2016, o STF fixou tese de repercussão geral (Tema 622, RE

898.060) com o seguinte enunciado: “A paternidade socioafetiva, declarada ou não em registro público, não impede o reconhecimento do vínculo de filiação concomitante baseado na origem biológica, com efeitos jurídicos próprios”. Resulta dessa decisão, de aplicação geral pelos tribunais: a) o reconhecimento jurídico da parentalidade socioafetiva (abrangente tanto da paternidade quanto da maternidade); b) a impossibilidade de impugnação da paternidade ou maternidade socioafetivas que tenha por fundamento a origem biológica de reconhecimento superveniente; c) a possibilidade de conhecimento da origem biológica, tanto para fins de direito da personalidade quanto para os efeitos de parentesco biológico concorrente com o parentesco socioafetivo; d) a possiblidade de multiparentalidade, máxime na situação paradigma que serviu de base para a fixação da tese (RE 898.060): a mãe, o pai socioafetivo e o pai biológico; e) aplicabilidade exclusiva à parentalidade socioafetiva em sentido estrito, ou seja, posse de estado de filiação.

 

1.6. Constitucionalização das Famílias e de Seus Fundamentos Jurídicos

PDF Criptografado

Em 22-9-2016, o STF fixou tese de repercussão geral (Tema 622, RE

898.060) com o seguinte enunciado: “A paternidade socioafetiva, declarada ou não em registro público, não impede o reconhecimento do vínculo de filiação concomitante baseado na origem biológica, com efeitos jurídicos próprios”. Resulta dessa decisão, de aplicação geral pelos tribunais: a) o reconhecimento jurídico da parentalidade socioafetiva (abrangente tanto da paternidade quanto da maternidade); b) a impossibilidade de impugnação da paternidade ou maternidade socioafetivas que tenha por fundamento a origem biológica de reconhecimento superveniente; c) a possibilidade de conhecimento da origem biológica, tanto para fins de direito da personalidade quanto para os efeitos de parentesco biológico concorrente com o parentesco socioafetivo; d) a possiblidade de multiparentalidade, máxime na situação paradigma que serviu de base para a fixação da tese (RE 898.060): a mãe, o pai socioafetivo e o pai biológico; e) aplicabilidade exclusiva à parentalidade socioafetiva em sentido estrito, ou seja, posse de estado de filiação.

 

2.1. Conteúdo e Abrangência

PDF Criptografado

Capítulo II

Direito de Família

Sumário: 2.1. Conteúdo e abrangência. 2.2. Direitos da criança, do idoso e da pessoa com deficiência. 2.3. Evolução do direito de família brasileiro. 2.4. Direito público ou privado? 2.5. Tipos de famílias segundo os fins legais. 2.6. Interação com o direito das sucessões. 2.7. Interferências dos outros ramos do direito civil. 2.8. Tutela da privacidade e a mediação familiar. 2.9. Direito de família intertemporal.

2.1. Conteúdo e Abrangência

O direito de família é um conjunto de regras que disciplinam os direitos pessoais e patrimoniais das relações de família.

Tradicionalmente, a doutrina jurídica brasileira, condicionada pela ordem adotada no Código Civil de 1916, distribuía o conteúdo do direito de família em três grandes partes: a) o direito matrimonial; b) o direito parental; c) o direito assistencial.

O direito matrimonial abrangia as relações pessoais e patrimoniais entre marido e mulher, incluindo o casamento, os direitos e deveres comuns e de cada qual, a dissolução da sociedade conjugal e do casamento, os regimes de bens entre os cônjuges. A predominância ou exclusividade ao casamento, que introduzia o estudo da matéria, decorria do fato de o direito brasileiro apenas admitir como legítima a família assim constituída, remetendo as demais entidades ao âmbito do direito das obrigações, porque eram equiparadas a sociedades de fato. O Anteprojeto e o

 

2.1. Conteúdo e Abrangência

PDF Criptografado

Capítulo II

Direito de Família

Sumário: 2.1. Conteúdo e abrangência. 2.2. Direitos da criança, do idoso e da pessoa com deficiência. 2.3. Evolução do direito de família brasileiro. 2.4. Direito público ou privado? 2.5. Tipos de famílias segundo os fins legais. 2.6. Interação com o direito das sucessões. 2.7. Interferências dos outros ramos do direito civil. 2.8. Tutela da privacidade e a mediação familiar. 2.9. Direito de família intertemporal.

2.1. Conteúdo e Abrangência

O direito de família é um conjunto de regras que disciplinam os direitos pessoais e patrimoniais das relações de família.

Tradicionalmente, a doutrina jurídica brasileira, condicionada pela ordem adotada no Código Civil de 1916, distribuía o conteúdo do direito de família em três grandes partes: a) o direito matrimonial; b) o direito parental; c) o direito assistencial.

O direito matrimonial abrangia as relações pessoais e patrimoniais entre marido e mulher, incluindo o casamento, os direitos e deveres comuns e de cada qual, a dissolução da sociedade conjugal e do casamento, os regimes de bens entre os cônjuges. A predominância ou exclusividade ao casamento, que introduzia o estudo da matéria, decorria do fato de o direito brasileiro apenas admitir como legítima a família assim constituída, remetendo as demais entidades ao âmbito do direito das obrigações, porque eram equiparadas a sociedades de fato. O Anteprojeto e o

 

2.2. Direitos da Criança, do Idoso e da Pessoa com Deficiência

PDF Criptografado

microssistemas jurídicos próprios, pois agregam normas de várias origens, além do direito material.

A família gera, em relação a cada um de seus membros, o chamado estado de família, que é concebido como um atributo da pessoa humana, que engendra direitos subjetivos exercitáveis. Quem não está investido no estado de família tem ação para obtê-lo (ação de estado), a exemplo do reconhecimento forçado do estado de filiação (ou investigação da paternidade ou maternidade).

Sem prejuízo de sua autonomia disciplinar, e sem perder o foco na natureza jurídica das relações familiares, o direito de família não mais pode ser compreendido de modo isolado sem o contributo de outras áreas do conhecimento que têm a família como objeto de estudo. Assim há necessidade de considerar os estudos desenvolvidos na sociologia da família, na psicologia da família, na psicanálise em geral, na economia da família, na demografia das famílias, na antropologia, na história e na ética social, na pedagogia da família, na ciência genética, na bioética. Até porque, segundo os que pretendem uma ciência da família, a unidade de vida familiar somente pode ser compreendida de forma limitada pelas disciplinas isoladas (Wingen, 2005, p. 21).

 

2.2. Direitos da Criança, do Idoso e da Pessoa com Deficiência

PDF Criptografado

microssistemas jurídicos próprios, pois agregam normas de várias origens, além do direito material.

A família gera, em relação a cada um de seus membros, o chamado estado de família, que é concebido como um atributo da pessoa humana, que engendra direitos subjetivos exercitáveis. Quem não está investido no estado de família tem ação para obtê-lo (ação de estado), a exemplo do reconhecimento forçado do estado de filiação (ou investigação da paternidade ou maternidade).

Sem prejuízo de sua autonomia disciplinar, e sem perder o foco na natureza jurídica das relações familiares, o direito de família não mais pode ser compreendido de modo isolado sem o contributo de outras áreas do conhecimento que têm a família como objeto de estudo. Assim há necessidade de considerar os estudos desenvolvidos na sociologia da família, na psicologia da família, na psicanálise em geral, na economia da família, na demografia das famílias, na antropologia, na história e na ética social, na pedagogia da família, na ciência genética, na bioética. Até porque, segundo os que pretendem uma ciência da família, a unidade de vida familiar somente pode ser compreendida de forma limitada pelas disciplinas isoladas (Wingen, 2005, p. 21).

 

2.3. Evolução do Direito de Família Brasileiro

PDF Criptografado

Do Estatuto da Pessoa com Deficiência emergem, no interesse do direito de família, a capacidade civil plena (ou capacidade legal, segundo a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, com vigência iniciada no direito interno brasileiro em 25-8-2009) para casar ou constituir união estável, decidir sobre o número de filhos, exercer direitos de guarda, tutela, curatela, adoção, instituir tomada de decisão apoiada (novidade desse Estatuto), sendo que a curatela que lhe for designada é específica e limitada aos atos relacionados a direitos patrimoniais e negociais, com tempo determinado.

O idoso é cidadão vulnerável, merecedor tanto da proteção do Estado como da família e da sociedade. A legislação tem de oferecer os meios necessários para que essa proteção se efetive. A redação do art. 19 do Estatuto do Idoso, dada pela

Lei n. 12.461/2011, responsabiliza diretamente as instituições de saúde pela notificação de atos e fatos de violência praticados contra os idosos. Passaram a ser obrigadas à notificação da violência tanto as instituições de saúde públicas quanto as privadas. Essa Lei também introduziu definição da violência contra o idoso como qualquer ação ou omissão praticada em local público ou privado que lhe cause morte, dano ou sofrimento físico ou psicológico. Fica mais clara a peculiaridade da violência, inclusive no espaço privado, podendo o ofensor ser qualquer pessoa, familiar ou não. As autoridades que recebem a notificação são a polícia, o Ministério Público ou os Conselhos nacional, estadual ou municipal do idoso.

 

2.3. Evolução do Direito de Família Brasileiro

PDF Criptografado

Do Estatuto da Pessoa com Deficiência emergem, no interesse do direito de família, a capacidade civil plena (ou capacidade legal, segundo a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, com vigência iniciada no direito interno brasileiro em 25-8-2009) para casar ou constituir união estável, decidir sobre o número de filhos, exercer direitos de guarda, tutela, curatela, adoção, instituir tomada de decisão apoiada (novidade desse Estatuto), sendo que a curatela que lhe for designada é específica e limitada aos atos relacionados a direitos patrimoniais e negociais, com tempo determinado.

O idoso é cidadão vulnerável, merecedor tanto da proteção do Estado como da família e da sociedade. A legislação tem de oferecer os meios necessários para que essa proteção se efetive. A redação do art. 19 do Estatuto do Idoso, dada pela

Lei n. 12.461/2011, responsabiliza diretamente as instituições de saúde pela notificação de atos e fatos de violência praticados contra os idosos. Passaram a ser obrigadas à notificação da violência tanto as instituições de saúde públicas quanto as privadas. Essa Lei também introduziu definição da violência contra o idoso como qualquer ação ou omissão praticada em local público ou privado que lhe cause morte, dano ou sofrimento físico ou psicológico. Fica mais clara a peculiaridade da violência, inclusive no espaço privado, podendo o ofensor ser qualquer pessoa, familiar ou não. As autoridades que recebem a notificação são a polícia, o Ministério Público ou os Conselhos nacional, estadual ou municipal do idoso.

 

Carregar mais


Detalhes do Produto

Livro Impresso
eBook
Capítulos

Formato
PDF
Criptografado
Sim
SKU
BPP0000268929
ISBN
9788547229108
Tamanho do arquivo
6,9 MB
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
Formato
PDF
Criptografado
Sim
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
SKU
Em metadados
ISBN
Em metadados
Tamanho do arquivo
Em metadados