Economia Internacional

Visualizações: 301
Classificação: (0)

Livro-texto que oferece análise e tratamento consistentes das duas principais subdivisões da economia internacional: a teoria internacional do comércio e a política monetária internacional. Trabalha uma ampla variedade de fenômenos econômicos e assuntos emergentes, como mudanças na política comercial norte-americana, progresso na transição de economias de planejamento central para economia de mercado e aspectos especiais relacionados a nações em desenvolvimento.

FORMATOS DISPONíVEIS

29 capítulos

Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

Capítulo 1: O mundo da economia internacional

PDF Criptografado

CAPÍTULO

1

O MUNDO

DA ECONOMIA

INTERNACIONAL

INTRODUÇÃO

Bem-vindo ao estudo de Economia Internacional. Não há dúvida de que você sabe cada vez mais da importância das transações internacionais no universo econômico. Quando as pessoas dizem que “o mundo está se tornando menor a cada dia”, referem-se não apenas ao incremento nos transportes e comunicações, mas também ao crescimento do uso dos mercados internacionais para a compra de bens e serviços e de ativos financeiros. É claro que esse não é um fenômeno recente. Nos tempos antigos, o comércio era importante para os egípcios, os gregos, os romanos e os fenícios e, mais tarde, para a Espanha,

Portugal, Holanda e Inglaterra. Podemos afirmar que todas as grandes nações influentes do passado eram também grandes comerciantes mundiais. Entretanto, a importância do comércio e das finanças internacionais para a saúde econômica e para o padrão geral de vida dos países nunca foi tão clara como hoje.

 

Capítulo 2: Teorias iniciais do comércio

PDF Criptografado

CAPÍTULO

TEORIAS INICIAIS

DO COMÉRCIO

O mercantilismo e a transição para o mundo clássico de David Ricardo

2

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Aprender os conceitos básicos e as políticas associadas ao mercantilismo.

■ Entender o mecanismo de fluxo-preço-espécie de Hume e o desafio que isto

apresentou ao mercantilismo.

■ Entender os conceitos de riqueza e vantagem absoluta de Adam Smith como

fundamentos do comércio internacional.

17

Econ Internacional_cap02_V.indd 17

29.04.10 10:58:58

18

PARTE 1

A

TEORIA CLÁSSICA DO COMÉRCIO

INTRODUÇÃO

O oráculo no século 21

Quando os anciãos gregos enfrentavam um dilema, eles consultavam o Oráculo de Delfos. Se tivéssemos de perguntar ao Oráculo o segredo da riqueza, o que ele diria? Trabalhe duro? Instrua-se? Provavelmente não. Diligência e inteligência são estratégias para melhorar tudo na vida de alguém, mas muitas pessoas muito espertas e trabalhadoras permanecem pobres.

 

Capítulo 3: O mundo clássico de David Ricardo e a vantagem comparativa

PDF Criptografado

CAPÍTULO

3

O MUNDO CLÁSSICO DE

DAVID RICARDO E A

VANTAGEM COMPARATIVA

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Compreender a vantagem comparativa como a base para o comércio entre nações.

■ Identificar a diferença entre vantagem comparativa e vantagem absoluta.

■ Quantificar os ganhos do comércio em um modelo dois-países, duas-mercadorias.

■ Reconhecer a vantagem comparativa e os ganhos potenciais do comércio usando

as fronteiras de possibilidades de produção.

28

Econ Internacional_cap03_Q.indd 28

29.04.10 10:59:12

CAPÍTULO 3

O MUNDO CLÁSSICO DE DAVID RICARDO E A VANTAGEM COMPARATIVA

29

INTRODUÇÃO

Alguns mitos comuns

Ouvimos que trocas nos fazem mais pobres. Não é verdade. O comércio é o grande gerador de bem-estar econômico. Enriquece nações porque permite às empresas e aos trabalhadores se especializarem naquilo que fazem melhor. A competição os força a serem mais produtivos. No final, os consumidores têm como recompensa produtos e serviços mais baratos e melhores...

 

Capítulo 4: Etensões e testes do modelo clássico de comércio

PDF Criptografado

CAPÍTULO

4

EXTENSÕES E TESTES

DO MODELO CLÁSSICO

DE COMÉRCIO

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Compreender como as remunerações, a produtividade e as taxas de câmbio afetam

a vantagem comparativa e os padrões de troca internacionais.

■ Entender as implicações da extensão do modelo básico de vantagem comparativa

a mais de dois países e/ou mercadorias.

■ Alertar o leitor de que os padrões comerciais do mundo real são consistentes com

as vantagens comparativas subjacentes.

42

Econ Internacional_cap04_X.indd 42

29.04.10 10:59:25

CAPÍTULO 4

EXTENSÕES E TESTES DO MODELO CLÁSSICO DE COMÉRCIO

43

INTRODUÇÃO

Complexidades comerciais no mundo real

Os produtores têxteis da Carolina do Norte reclamam da “subvalorização” do yuan chinês e do impacto “injusto” que ela tem sobre a sua indústria. Ao mesmo tempo, os analistas ponderam se a desvalorização atual do dólar levará a uma redução do atual déficit comercial dos Estados Unidos, e os produtores norte-americanos continuam preocupados com o impacto da mão de obra barata no exterior sobre a sua competitividade e habilidade de se manter nos negócios. Somando-se a isso, a recente reviravolta nos custos de transporte está aumentando as preocupações sobre uma possível diminuição do crescimento no comércio mundial. Em razão das mudanças estruturais que estão acontecendo no aumento da integração mundial e na demanda por certo tipos de trabalho, a competitividade internacional de certas indústrias-chave regionais tomou o palco central na arena política atual, e o efeito da redução de barreiras comerciais é usualmente citada como a causa desses problemas industriais.

 

Capítulo 5: Introduçãoi à teoria neoclássica do comércio

PDF Criptografado

CAPÍTULO

INTRODUÇÃO À

TEORIA NEOCLÁSSICA

DO COMÉRCIO

Ferramentas a serem empregadas

5

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Rever os princípios microeconômicos do comportamento do consumidor

e do produtor.

■ Entender o conceito e as limitações de uma curva de indiferença

da comunidade.

■ Reconhecer a base referencial da fronteira de possibilidades de produção

com custos de oportunidade crescentes.

65

Econ Internacional_cap05_S.indd 65

29.04.10 10:59:36

66

PARTE 2

TEORIA NEOCLÁSSICA DO COMÉRCIO

INTRODUÇÃO

Desde a época de Ricardo, as principais mudanças na teoria do comércio centraram-se num desenvolvimento mais completo da análise do lado da demanda e no desenvolvimento do lado da produção da economia de forma não relacionada à teoria do valor-trabalho. Para estabelecer o estágio em que se encontra essa análise, este capítulo apresenta os conceitos microeconômicos básicos e as relações empregadas na análise dos padrões de comércio e dos ganhos provenientes do comércio. Embora essas ferramentas sejam familiares aos leitores que estudaram microeconomia intermediária, este capítulo deve preparar o leitor para o modo em que elas são empregadas na teoria do comércio. Em primeiro lugar, apresentamos a análise teórica da tomada de decisão pelos consumidores em sua busca para maximizar sua satisfação com alocação adequada de seus gastos com bens e serviços finais. A seguir, descrevemos um tipo de processo similar que ocorre quando os produtores alocam gastos entre os fatores de produção para maximizar a eficiência.

 

Capítulo 6: Ganhos provenientes do comércio na teoria neoclássica

PDF Criptografado

CAPÍTULO

GANHOS PROVENIENTES

DO COMÉRCIO NA TEORIA

NEOCLÁSSICA

6

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Entender o equilíbrio econômico em um país que não faz nenhum comércio.

■ Entender o impacto no aumento do bem-estar de um país a partir da sua abertura

para o comércio internacional.

■ Compreender que tanto diferenças de oferta quanto de demanda entre países são

suficientes na geração de uma base para o comércio.

■ Avaliar as implicações de suposições-chave sobre o modelo neoclássico de comércio.

87

Econ Internacional_cap06_S.indd 87

29.04.10 10:59:49

88

PARTE 2

TEORIA NEOCLÁSSICA DO COMÉRCIO

INTRODUÇÃO

Os efeitos de restrições sobre o comércio dos

Estados Unidos

Em 1999, o economista Howard J. Wall, do Federal Reserve Bank de St. Louis, investigou a extensão em que barreiras ao comércio restringiram o comércio dos Estados Unidos e o tamanho dos custos ao bem-estar gerados por essas obstruções ao livre-comércio.1 Ele concentrou sua atenção no comércio dos Estados Unidos com países que não México e Canadá a partir do momento em que barreiras ao comércio com aqueles países foram removidas, com o início do Tratado Norte-Americano de Livre-Comércio (NAFTA), em 1994. Wall ressaltou que, em 1996, os Estados Unidos importaram $723,2 bilhões em produtos de países não pertencentes ao NAFTA, mas tiveram de importar $111,6 bilhões a mais porque criaram restrições às importações. Portanto, as importações americanas foram 15,4% maiores ($111,6 bilhões � $723,2 bilhões � 15,4%) por causa das restrições. Ele também calculou que as exportações americanas para os países não pertencentes ao NAFTA, que atingiram $498,8 bilhões em 1996, foram de $130,4 bilhões, ou mais de 26% maiores ($130,4 bilhões � $498,8 bilhões

 

Capitulo 7: Curvas de oferta e os termos de troca

PDF Criptografado

CAPÍTULO

CURVAS DE OFERTA

E OS TERMOS DE TROCA

7

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Entender a curva de oferta de um país e como ela é obtida.

■ Aprender como os termos de troca internacional de equilíbrio são atingidos.

■ Identificar e determinar como mudanças nas condições tanto de oferta quanto

de demanda influenciam os termos de troca internacional de um país e o volume de comércio.

■ Avaliar a utilidade dos diferentes conceitos dos termos de troca.

103

Econ Internacional_cap07_R.indd 103

29.04.10 11:00:04

104

PARTE 2

TEORIA NEOCLÁSSICA DO COMÉRCIO

INTRODUÇÃO

Choques de termos de troca

As mudanças nos termos de troca de um país – o preço das exportações dividido pelo preço de suas importações – podem ser relativamente grandes e gerar efeitos econômicos importantes. Por exemplo, os economistas Paul Cashion e Catherine Pattillo1 do Fundo Monetário Internacional (FMI) calcularam que a queda no preço do café, em 1986-1987, a principal exportação da Etiópia, causou uma queda de

 

Capítulo 8: As bases para o comércio

PDF Criptografado

CAPÍTULO

AS BASES PARA O COMÉRCIO

Dotações de fatores e o modelo de Heckscher-Ohlin

8

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Entender como as dotações relativas de fatores afetam os preços relativos de fatores.

■ Reconhecer como diferentes preços relativos de fatores geram uma base para o comércio.

■ Aprender como o comércio afeta os preços relativos de fatores e a distribuição de renda.

■ Compreender como fenômenos do mundo real podem modificar as conclusões de

Heckscher-Ohlin.

125

Econ Internacional_cap08_N.indd 125

29.04.10 11:00:17

PARTE 2

126

TEORIA NEOCLÁSSICA DO COMÉRCIO

INTRODUÇÃO

Padrões de trabalho afetam a vantagem comparativa?

O papel dos padrões de trabalho no estímulo ao comércio internacional esteve na vanguarda da pauta da política comercial nos últimos anos. Atraiu o interesse de organizações humanitárias, governos e organizações internacionais à medida que, com o aumento da globalização, a produção de bens de trabalho intensivo continuou a ir para os países em desenvolvimento. Em um artigo recente, Matthias

 

Capítulo 9: Testes empíricos da abordagem de dotações de fatores

PDF Criptografado

CAPÍTULO

TESTES EMPÍRICOS DA

ABORDAGEM DE DOTAÇÕES

DE FATORES

9

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Aprender por que os padrões de comércio dos Estados Unidos não se adaptam

às previsões do modelo de Heckscher-Ohlin.

■ Compreender as possíveis explicações para os paradoxos comerciais dos

Estados Unidos.

■ Inteirar-se das questões originadas de testes do modelo de Heckscher-Ohlin

para diversos países.

■ Entender o papel do comércio na geração de desigualdade crescente da

distribuição de renda nos países desenvolvidos.

151

Econ Internacional_cap09_M.indd 151

29.04.10 11:00:28

152

PARTE 2

TEORIA NEOCLÁSSICA DO COMÉRCIO

INTRODUÇÃO

Teorias, suposições e o papel do trabalho empírico

É comum ouvir críticas às teorias de comércio por não serem “relevantes no mundo real” ou por assumirem “suposições irreais”. Isso levou pesquisadores como Leamer e Levinson (1995) a afirmar que o trabalho empírico no comércio teve muito pouca influência nas teorias de comércio e a incentivar seus colegas a “estimar, não testar”. Eles propõem que os pesquisadores tentem aprender com os dados do mundo real em vez de apenas aceitar ou rejeitar uma hipótese abstrata.

 

Capítulo 10: Teorias de comércio pós-Heckscher-Ohlin de comércio intraindustrial

PDF Criptografado

CAPÍTULO

10

TEORIAS DE COMÉRCIO

PÓS-HECKSCHER-OHLIN DE COMÉRCIO

INTRAINDUSTRIAL

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Compreender as explicações das bases do comércio de manufaturados além do

modelo Heckscher-Ohlin.

■ Avaliar os papéis da disseminação de tecnologia, dos padrões de demanda e do

tempo afetando o comércio.

■ Entender de que maneira a presença da concorrência imperfeita pode afetar

o comércio.

■ Compreender o fenômeno do comércio intraindustrial.

173

Econ Internacional_cap10_P.indd 173

30.04.10 10:41:55

174

PARTE 3

TEORIAS ADICIONAIS E EXTENSÕES

INTRODUÇÃO

Um mito do comércio

Roy J. Ruffin da Universidade de Houston e do Federal Reserve de Dallas indica que, contrariamente à opinião popular, os principais produtos importados pelos Estados Unidos do México não são vestuário, frutas e vegetais. Estes representam somente 10% das importações. Maquinaria elétrica e equipamentos (e as peças relacionadas) vêm em primeiro lugar, representando 27% das importações norte-americanas provenientes do México. Os veículos vêm em segundo, e os reatores nucleares, as caldeiras e os artigos relacionados estão em terceiro. É interessante notar que os três principais produtos exportados pelos Estados Unidos para o México estão nessas mesmas três categorias. Não somente as exportações do México para os Estados Unidos são exatamente as mesmas de suas importações, mas as do México estão mais concentradas naqueles grandes itens.1

 

Capítulo 11: Crescimento econômico e comércio internacional

PDF Criptografado

CAPÍTULO

11

CRESCIMENTO

ECONÔMICO E

COMÉRCIO

INTERNACIONAL

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Entender como as diferentes formas de crescimento podem afetar o comércio.

■ Compreender como a origem do crescimento afeta a natureza da produção

e do comércio.

■ Examinar como o crescimento e o comércio afetam o bem-estar nos

países pequenos.

■ Entender como o crescimento pode ter efeitos mais diversos sobre o bem-estar

em um país grande do que em um país pequeno.

202

Econ Internacional_cap11_P.indd 202

30.04.10 10:43:43

CAPÍTULO 11

CRESCIMENTO ECONÔMICO E COMÉRCIO INTERNACIONAL

203

INTRODUÇÃO

China – Um polo de crescimento regional

Há um frequente equívoco de que o crescimento da China ocorre às custas de seus muitos parceiros comerciais. Isso vem incitando retaliações de políticas comerciais por parte de muitos dos parceiros comerciais, entre os quais os Estados Unidos. Uma visão geral útil do papel chinês no crescimento e desenvolvimento regional é proporcionada por Phillip Day.1 Ele corretamente indica que mesmo que as exportações de outros países asiáticos para os Estados Unidos tenham caído, enquanto as da China cresceram, as exportações totais de todos aqueles outros países estão crescendo de um modo complementar por meio do aumento do comércio entre eles. A razão é que a China já é o maior importador dos produtos da Coreia do Sul e de Taiwan, assim como um importante importador do Japão (se as exportações de Hong Kong forem consideradas). Interessante que, à medida que a China cresce, ela se coloca em um ponto intermediário da cadeia de oferta, na qual importa componentes de alta tecnologia do Leste

 

Capítulo 12: Movimentos internacionais de fator

PDF Criptografado

CAPÍTULO

12

MOVIMENTOS

INTERNACIONAIS

DE FATOR

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Aprender sobre os diferentes tipos de investimento estrangeiro e os efeitos dos

movimentos de capitais sobre o bem-estar.

■ Compreender os determinantes do investimento estrangeiro direto e os custos

e benefícios associados.

■ Entender os motivos para a migração de trabalho e seus efeitos nos

países participantes.

■ Avaliar o tamanho e a importância das remessas internacionais.

224

Econ Internacional_cap12_M.indd 224

29.04.10 11:01:03

CAPÍTULO 12

MOVIMENTOS INTERNACIONAIS DE FATOR

225

INTRODUÇÃO

Neste capítulo, nos afastamos do comércio internacional de bens e serviços para examinar os movimentos internacionais dos fatores de produção – capital e trabalho. A literatura teórica há muito considera que os fatores de produção são móveis dentro dos países, mas tradicionalmente também considera que os fatores de produção não se movem entre os países. Essa segunda suposição é claramente falsa no mundo atual, pois constantemente somos informados de movimentos de investimento e trabalho de um país para outro. Basta notar, por exemplo, que a alegada ameaça da dominação da economia canadense por empresas norte-americanas que operam dentro do Canadá foi questão presente nas eleições parlamentares canadenses, ou que continuam as controvérsias sobre o efeito dos fluxos de capitais dos Estados Unidos para o México sobre os trabalhadores norte-americanos após a implementação, em 1994, do Tratado Norte-Americano de Livre-Comércio (NAFTA). Além disso, a constante preocupação nos

 

Capítulo 13: Os instrumentos da política comercial

PDF Criptografado

CAPÍTULO

13

OS INSTRUMENTOS DA

POLÍTICA COMERCIAL

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Aprender sobre os diferentes instrumentos de taxa utilizados para influenciar

as importações.

■ Familiarizar-se com as políticas usadas para afetar as exportações.

■ Compreender os problemas encontrados ao se mensurar a presença

do protecionismo.

■ Entender as diferentes políticas não tarifadas usadas para restringir trocas.

257

Econ Internacional_cap13_L.indd 257

29.04.10 11:01:33

258

PARTE 4

POLÍTICA DE COMÉRCIO

INTRODUÇÃO

De que maneira posso interferir no comércio?

Trechos de vários artigos recentes...

Em abril de 2001, o Japão restringiu importações de diversos bens de agricultura da China; dois meses depois, a China devolveu o “favor” impondo tarifas de 100% sobre automóveis, aparelhos de celular e aparelhos de ar-condicionado japoneses. O Japão então considerou limitar a importação de toalhas chinesas.1

 

Capítulo 14: O Impacto das políticas comerciais

PDF Criptografado

CAPÍTULO

14

O IMPACTO DAS

POLÍTICAS COMERCIAIS

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Compreender de que forma tarifas, cotas e subsídios afetam os mercados

domésticos.

■ Identificar os vencedores, os perdedores e os efeitos líquidos da proteção de

bem-estar nos países.

■ Explicar de que maneira os efeitos da proteção diferem entre países grandes

e pequenos.

■ Apreender de que modo a proteção em um mercado pode afetar outros mercados

na economia.

278

Econ Internacional_cap14_M.indd 278

29.04.10 11:02:41

CAPÍTULO 14

O IMPACTO DAS POLÍTICAS COMERCIAIS

279

INTRODUÇÃO

Ganhadores e perdedores com tarifas sobre o aço1

Em março de 2002, o presidente George W. Bush, seguindo uma recomendação da Comissão de

Comércio Internacional dos Estados Unidos, uma agência federal independente que investiga assuntos comerciais, impôs uma gama de tarifas sobre importações de aço nos Estados Unidos. Tarifas ad valorem foram impostas por três anos, algumas delas obedecendo a uma escala regressiva durante anos, e a tarifa máxima era de 30%. A intenção das tarifas era fornecer à indústria do aço norte-americana um

 

Capítulo 15: Justificativas para políticas comerciais intervencionistas

PDF Criptografado

CAPÍTULO

15

JUSTIFICATIVAS PARA

POLÍTICAS COMERCIAIS

INTERVENCIONISTAS

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Entender por que os instrumentos de política comercial frequentemente compõem

uma política social mais ampla, e por que outros instrumentos de política poderiam ser menos dispendiosos.

■ Avaliar a eficácia da política comercial diante das imperfeições do mercado.

■ Reconhecer as justificativas econômicas inválidas para proteção.

■ Entender o papel da política comercial na promoção de setores estratégicos

e vantagem comparativa dinâmica.

316

Econ Internacional_cap15_K.indd 316

29.04.10 11:02:56

CAPÍTULO 15

JUSTIFICATIVAS PARA POLÍTICAS COMERCIAIS INTERVENCIONISTAS

317

INTRODUÇÃO

Quase diariamente são publicados artigos em jornais em que uma pessoa ou um determinado grupo justifica a imposição de proteção às importações de bens e serviços. Muitas dessas justificativas são fruto de uma longa história, de maneira surpreendente, continuam a influenciar elaboradores de políticas públicas e o público em geral. As declarações a seguir apresentam exemplos do tipo de justificativas que ainda é encontrado:

 

Capítulo 16: Economia política comercial dos Estados Unidos

PDF Criptografado

CAPÍTULO

16

ECONOMIA POLÍTICA E

POLÍTICA COMERCIAL

DOS ESTADOS UNIDOS

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Compreender vários conceitos básicos de economia política.

■ Entender desenvolvimentos cruciais na história das negociações

comerciais multilaterais.

■ Familiarizar-se com aspectos recentes da política comercial.

■ Aumentar o conhecimento dos desenvolvimentos atuais da política comercial

norte-americana.

354

Econ Internacional_cap16_I.indd 354

29.04.10 11:03:07

CAPÍTULO 16

ECONOMIA POLÍTICA E POLÍTICA COMERCIAL DOS ESTADOS UNIDOS

355

INTRODUÇÃO

Comentários contrastantes sobre política comercial

Em janeiro de 2004, o representante comercial dos Estados Unidos Robert Zoellick propôs que todos os subsídios de exportação de produtos agrícolas fossem eliminados e que todas as tarifas sobre alimentos e outras importações fossem cortadas drasticamente. Estas e outras propostas foram feitas em uma carta aos 148 países-membros da Organização Mundial do Comércio. A intenção da carta e das medidas propostas era dar vida nova às negociações comerciais multilaterais a fim de reduzir as barreiras comerciais em todo o mundo.…1

 

Capítulo 17: Integração econômica

PDF Criptografado

CAPÍTULO

17

INTEGRAÇÃO

ECONÔMICA

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Entender as diferenças entre os quatro níveis básicos da integração econômica.

■ Identificar os efeitos estáticos e dinâmicos da integração econômica.

■ Perceber o impacto no mundo real da integração econômica sobre países da União

Europeia e do Tratado Norte-Americano de Livre-Comércio.

■ Aumentar o conhecimento dos esforços de integração econômica atuais no mundo.

385

Econ Internacional_cap17_I.indd 385

29.04.10 11:03:19

386

PARTE 4

POLÍTICA DE COMÉRCIO

INTRODUÇÃO

União Europeia: dois novos membros, mais crescimento econômico?

Terça-feira, 2 de janeiro de 2007 (The Guardian) Os fogos de artifício pareciam estourar com mais intensidade na Romênia e na Bulgária do que em qualquer outro lugar à meia-noite de domingo, quando os vizinhos do mar Morto celebravam 2007 e sua histórica entrada na União Europeia. A entrada desses dois antigos países comunistas forma um clube de 27 estados que compreendem 490 milhões de pessoas. É um feito extraordinário a ser pensado agora e novamente em março, o 50º aniversário da assinatura do Tratado de Roma, que criou a Comunidade Europeia original formada por seis membros.

 

Capítuo 18: O comércio internacional e os países em desenvolvimento

PDF Criptografado

CAPÍTULO

18

O COMÉRCIO

INTERNACIONAL

E OS PAÍSES EM

DESENVOLVIMENTO

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Familiarizar-se com as variadas características dos países em desenvolvimento.

■ Aprender como uma maior abertura ao comércio pode contribuir potencialmente

para um crescimento econômico mais rápido.

■ Compreender os problemas da instabilidade das exportações e da deterioração dos

termos de troca enfrentados pelos países em desenvolvimento.

■ Compreender a natureza e as soluções potenciais para os problemas de dívida

externa dos países em desenvolvimento.

419

Econ Internacional_cap18_J.indd 419

29.04.10 11:03:30

420

PARTE 4

POLÍTICA DE COMÉRCIO

INTRODUÇÃO

Banco Mundial, 5 de Abril de 2007 Após dez anos da crise financeira do Leste Asiático de 1997, a região está mais rica, tem um menor número de pessoas pobres e desempenha um papel global mais amplo do que antes. A renda das pessoas está muito superior àquela antes da crise e, em alguns países como China, Vietnã, Camboa e Laos, cresce em níveis excepcionais. Mais de 100 milhões de pessoas em todo o Leste Asiático deixaram a classificação de extrema pobreza desde 2000, e a pobreza continua diminuindo.

 

Carregar mais


Detalhes do Produto

Livro Impresso
Book
Capítulos

Formato
PDF
Criptografado
Sim
SKU
MFPP000001612
ISBN
9788563308641
Tamanho do arquivo
7,6 MB
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
Formato
PDF
Criptografado
Sim
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
SKU
Em metadados
ISBN
Em metadados
Tamanho do arquivo
Em metadados