Mapeamento de Controles Internos Sox

Autor(es): PIZO, Frank
Visualizações: 276
Classificação: (0)

Inúmeras organizações privadas, públicas e do terceiro setor veem-se envolvidas em fraudes, escândalos contábeis, desvios de conduta etc. Além disso, falhas em processos, desperdícios e perdas também minam patrimônios em detrimento de stakeholders._x000D_
Este livro faz uma trajetória metodológica para que falhas sejam evitadas e também aponta estratégias corretivas para que eventuais intercorrências nos processos de gestão sejam eliminados definitivamente._x000D_
Mapeamento de controles internos SOX é um livro imprescindível para ter sucesso na implantação de controles internos, garantindo sua plena manutenção e mantendo uma estruturação adequada para a certificação SOX._x000D_
_x000D_

14 capítulos

Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

1 - Por que Controles Internos sobre Demonstrações Financeiras?

PDF Criptografado

1

POR QUE CONTROLES INTERNOS

SOBRE DEMONSTRAÇÕES

FINANCEIRAS?

Objetivos de Aprendizagem

O propósito do capítulo Por que Controles Internos sobre Demonstrações Financeiras? é enfatizar a importância da estrutura dos Controles

Internos na organização, a relação de Controles Internos e as Demonstrações Financeiras e a pressão regulatória internacional por meio da exigência da Lei Sarbanes-Oxley para a aplicação de Controles Internos nas empresas de capital aberto, penalidades aos seus administradores e caso de irregularidades, e proporcionar mecanismo de auditoria e garantia aos investidores.

Os relatórios financeiros de uma empresa são representações padronizadas que visam apresentar a sua evolução e saúde financeira, por meio das Demonstrações

Financeiras – Balanço Patrimonial, Resultado e Fluxo de Caixa – que são exigidas por todos os países de acordo com os princípios contábeis, sendo estes adequados às práticas contábeis locais (ex.: no Brasil – BR GAAP), às exigidas por suas matrizes no exterior (por exemplo: nos Estados Unidos – US GAAP, por convenção entre países – IFRS) ou à exigência de qualquer mercado de capitais em que a empresa estiver presente.

 

2 - Órgãos Reguladores e Metodologias

PDF Criptografado

2

ÓRGÃOS REGULADORES E

METODOLOGIAS

Objetivos de Aprendizagem

O propósito do capítulo Órgãos Reguladores e Metodologias é apresentar os órgãos reguladores e metodologias envolvidas em processo de

Certificação SOX, as suas origens e extensão sobre os modelos, interações e exemplificações de Controles Internos na construção da estrutura de Controles Internos das instituições.

O estabelecimento da transparência das Demonstrações Financeiras perante a

Lei SOX é definido, monitorado e controlado por um órgão regulador e por meio de recomendações de práticas de Controles Internos baseadas em metodologias internacionais.

Para uma empresa manter-se ou ingressar no mercado de capitais americano (SEC), é necessário que seja auditada por uma firma de auditoria registrada no PCAOB e que tenha uma estrutura para autoavaliação de Controles Internos, focado no objetivo de proteger a transparência (ex.: acuracidade e veracidade) das

Demonstrações Financeiras, sendo que para isso seja estabelecido e monitorado um ambiente de controle.

 

3 - Ambientes de Controles Internos

PDF Criptografado

3

AMBIENTES DE CONTROLES

INTERNOS

Objetivos de Aprendizagem

O propósito do capítulo Ambientes de Controles Internos é apresentar os ambientes de Controles Internos passivos, sua estruturação e avaliação, considerando o ambiente corporativo, o ambiente de negócios e o ambiente de TI para uma adequada estrutura de Controles Internos, a interação entre esses ambientes existentes e as particularidades da sua aplicação.

O Ambiente de Controle define como as atividades são estruturadas e executadas para o alcance dos objetivos da empresa. Um Ambiente de Controle adequado proporciona transparência nas operações da organização.

A.S. No 5 – An Audit of Internal Control Over Financial Reporting That is Integrated with an Audit of Financial Statements

25. Control Environment. Because of its importance to effective internal control over financial reporting, the auditor must evaluate the control environment at the company.1 (Auditing Standard 5 – parágrafo 25)

 

4 - Definindo Processos para Mapeamento

PDF Criptografado

4

DEFININDO PROCESSOS PARA

MAPEAMENTO

Objetivos de Aprendizagem

O propósito do capítulo Definindo Processos para Mapeamento é apresentar entendimento sobre materialidade de processo, premissas para seleção de processos de mapeamento, essenciais para identificação e priorização dos processos, uma sugestão de critérios e entendimentos práticos para determinar os processos relevantes para

Controles Internos.

O mapeamento de Controles Internos para garantir as Demonstrações Financeiras gera custo para organização e por isso precisa de objetivos muito bem definidos para maximizar os recursos e esforços utilizados, bem como para não ser confundido com uma auditoria de processos operacionais ou auditoria investigativa, para isso é necessário que os processos sejam selecionados de forma criteriosa e previamente definidos.

PIZO_Mapeamento de controles internos.indb 53

23/02/2018 15:24:52

Fonte: criado pelo autor

Critérios qualitativos

 

5 - Principais Universos de Riscos

PDF Criptografado

5

PRINCIPAIS UNIVERSOS DE RISCOS

Objetivos de Aprendizagem

O propósito do capítulo Principais Universos de Riscos é apresentar os principais tipos de riscos existentes, o discernimento sobre o risco

SOX e as práticas para isolar o risco considerado SOX de forma técnica e apropriada na estrutura de Controles Internos, proporcionando um foco sobre o tipo de risco que será abordado sem conflito com demais abordagens de risco.

A identificação de riscos para o mapeamento de Controles Internos surge com a necessidade de identificar as possíveis fragilidades nos processos. Para tanto é preciso conhecer os universos de riscos e separar os riscos que serão passíveis de impedir ou afetar os objetivos da organização, em relação aos Controles Internos para as Demonstrações Financeiras. É necessário desenvolver e conhecer o documento principal para o mapeamento de Controles Internos: a Matriz de Riscos e Controles, sendo a identificação de riscos a primeira etapa para implementação de estrutura de Controles Internos formal, para isso deve-se primeiramente compreender o que são os riscos e a necessidade de identificá-los.

 

6 - Como Escrever Riscos de Reporte Financeiro?

PDF Criptografado

6

COMO ESCREVER RISCOS DE

REPORTE FINANCEIRO?

Objetivos de Aprendizagem

O propósito do capítulo Como escrever Riscos de Reporte Financeiro?

é apresentar um formato de escrita de risco para contemplar o risco

SOX, a formatação de entendimento objetivo e amigável entre o Controle Interno e a área de negócios requerida para avaliação de aderência e efetividade, possibilitar que a escrita precisa do risco permita o mapeamento do tipo de risco proposto para o monitoramento desejado pela organização.

A identificação dos riscos de reporte financeiro é realizada através da aplicação das assertivas, sempre que possível trabalhando da forma explícita para melhor reconhecimento, principalmente, das áreas não contábeis em relação aos riscos relacionados às Demonstrações Financeiras.

Em um mapeamento de Controles Internos a escrita do risco é a etapa de formalização dos riscos e o momento de reconhecimento do risco pela área mapeada, sendo que a forma descrita do risco está suscetível à interpretação e ao julgamento do responsável pelo controle interno, mesmo que devidamente aplicada e contempladas corretamente as assertivas. O descritivo do risco baseado na interpretação e julgamento do controle interno pode gerar descritivos de riscos que expressam objetivos incorretos, direcionados às soluções e não aos perigos, e até mesmo na execução de atividades e não às suas finalidades.

 

7 - Avaliação de Riscos

PDF Criptografado

7

AVALIAÇÃO DE RISCOS

Objetivos de Aprendizagem

O propósito do capítulo Avaliação de Riscos é apresentar a importância e a necessidade de avaliar o risco, mensurar o seu impacto para organização, a priorização do risco e relevância baseada em critérios e sugestões de critério para avaliação de riscos, diferenciar os riscos por nível e criticidade de forma técnica.

A avaliação de riscos para o mapeamento de Controles Internos surgiu após a identificação e o reconhecimento dos riscos de reporte financeiro atrelados às assertivas, sendo a avaliação de riscos a segunda etapa para implementação de estrutura de Controles Internos formal, para isso é necessário mensurar a dimensão dos riscos.

A etapa de avaliação de riscos é o momento de priorização dos riscos que foram identificados, assim como os processos foram priorizados pela materialidade, os riscos também possuem uma seleção de priorização, seja para o equilíbrio dos custos envolvidos para estabelecer Controles Internos ou para uma estratégia de priorização da parte do processo mapeado que merece destaque nas ações de implementação de controles ou extensão do universo de testes de controle.

 

8 - Principais Universos de Controles

PDF Criptografado

8

PRINCIPAIS UNIVERSOS DE

CONTROLES

Objetivos de Aprendizagem

O propósito do capítulo Principais Universos de Controles é apresentar a importância e a necessidade de controles, a definição de controles, formatos mínimos para entendimento de controles passiveis de formalização, elaborar descritivo de controle e discernir entre atividades e controles para avaliação e aplicação em uma estrutura de Controles

Internos.

A identificação de controles para o mapeamento de Controles Internos surgiu após a identificação e o reconhecimento dos riscos de reporte financeiro atrelados às assertivas. Para tanto, conhecer o universo de controles é necessário para separar os controles que serão passíveis de atender aos objetivos da organização para assegurar a exatidão das Demonstrações Financeiras, os quais serão formalizados no documento principal para o mapeamento de Controles Internos, a Matriz de Riscos e

Controles.

PIZO_Mapeamento de controles internos.indb 113

 

9 - Como Escrever Controles de Reporte Financeiro?

PDF Criptografado

9

COMO ESCREVER CONTROLES

DE REPORTE FINANCEIRO?

Objetivos de Aprendizagem

O propósito do capítulo Como escrever Controles de Reporte Financeiro?­

é apresentar um formato de escrita de controle para suportar o risco de reporte financeiro (SOX), a formatação para um entendimento objetivo de controles formais e de fácil compreensão pelas áreas de negócios e pela estrutura de Controle Internos.

A identificação dos controles de reporte financeiro é realizada para atender ou mitigar os riscos atrelados às assertivas, cabendo ao controle interno vincular apropriadamente o controle ou controles que mitigam o risco ou riscos. Um controle poderá atender a diversas assertivas, mas também haverá situações em que há a necessidade de vincular diversos controles para mitigar uma ou mais assertivas. Essa vinculação entre controle e risco (assertiva) será contemplada na Matriz de Riscos e Controles.

Em um mapeamento de Controles Internos a escrita do controle é a etapa de formalização dos controles e o momento de avaliar quais são os controles existentes na área mapeada, pois o risco já foi reconhecido pela área e se faz necessário eleger quais controles realmente estão operando e se estão efetivos para o processo.

 

10 - Validação dos Controles

PDF Criptografado

10

VALIDAÇÃO DOS CONTROLES

Objetivos de Aprendizagem

O propósito do capítulo Validação dos Controles é apresentar as exigências regulatórias para determinar as avaliações de controles pela estrutura de Controles Internos, técnicas para validar o seu desenho e a sua efetividade, a forma de documentar a inexistência ou fragilidade, em níveis, do controle.

Os controles identificados para atender ao risco de reporte financeiro são de‑ vidamente segregados pela aplicação do Ciclo de Identificação de Controles (Exis‑ tir – Desenho, Testável – Efetivo, Responsável – Proprietário, Mitigar – Assertivas)1.

A comprovação e a formalização de que os controles são apropriados para inclusão na Matriz de Riscos e Controles são asseguradas pela opinião do controle interno, que confirma a aderência do controle pela realização de um Walkthrough, ou qual‑ quer outro instrumento formal de trabalho do controle interno que confirme a sua opinião expressa sobre a validação de desenho e a validação de efetividade dos controles.

 

11 - Mapeamento de Processo

PDF Criptografado

11

MAPEAMENTO DE PROCESSO

Objetivos de Aprendizagem

O propósito do capítulo Mapeamento de Processo é apresentar os elementos necessários para conduzir um mapeamento formal de Controles Internos, a interação e aplicação dos elementos do mapeamento, sugestões de formatos e modelos práticos para cada elemento para aplicação em uma estrutura de Controles Internos.

Ao estabelecer um mapeamento de Controles Internos sobre as Demonstrações Financeiras, há necessidade da compreensão do controle interno e sua relação com a organização, os indivíduos e os procedimentos requeridos. Os capítulos anteriores visaram a um entendimento prévio desse relacionamento, a importância, seu embasamento técnico, a abrangência e a forma de aplicação especificamente para uma abordagem de monitoramento de Controles Internos para as Demonstrações

Financeiras.

Para a aplicação prática de um mapeamento de Controles Internos é necessário que as etapas e os objetivos anteriores sejam organizados e ordenados para a sua correta aplicação.

 

12 - Ciclo de Validação e Monitoramento

PDF Criptografado

12

CICLO DE VALIDAÇÃO E

MONITORAMENTO

Objetivos de Aprendizagem

O propósito do capítulo Ciclo de Validação e Monitoramento é apresentar e esclarecer a periodicidade mínima de avaliação dos processos, as necessidades de revisão e o contínuo teste da efetividade dos controles a fim de obter uma segurança razoável na avaliação do ambiente controlado e monitorado na estrutura de Controles Internos.

O mapeamento de Controles Internos apropriado deve acompanhar uma rotina periódica de avaliação dos processos mapeados, podendo assegurar que possíveis mudanças no processo sejam consideradas em uma avaliação do desenho estabelecido para garantir a manutenção do mapeamento do processo em Controles Internos.

O calendário de manutenção pode ser estabelecido em conjunto com o período do ano fiscal da publicação das Demonstrações Financeiras (ex.: Brasil – janeiro a dezembro), desde que atenda um prazo suficiente para o teste de desenho e o teste de efetividade dentro do período fiscal, assim qualquer desvio identificado nas fases de desenho ou efetividade são passíveis de remediações ou reconhecimento das potenciais perdas de forma apropriada antes do encerramento do período fiscal.

 

13 - Resultados de Controles Internos

PDF Criptografado

13

RESULTADOS DE CONTROLES

INTERNOS

Objetivos de Aprendizagem

O propósito do capítulo Resultados de Controles Internos é apresentar a necessidade da objetividade da apresentação de resultados das atividades de Controles Internos para os gestores dos processos e submeter à alta administração a simplicidade e a transparência das informações e os respectivos impactos para a organização.

O mapeamento de Controles Internos deve acompanhar uma rotina periódica de apresentação dos resultados das avaliações nos processos, a fim de ratificar os objetivos e as necessidades da identificação de riscos e estabelecimento de controles, expor e conscientizar a média e a alta gestão sobre a condução das atividades de gestão de riscos, a condução dos negócios, as fragilidades, as oportunidades ou perdas a que a organização está sujeita.

Os resultados devem ser compatíveis ao nível de detalhe a que os indivíduos têm responsabilidade ou poder de decisão sobre os processos, estratégias ou prestação de contas sobre a administração da organização.

 

14 - Modelos Práticos

PDF Criptografado

14

MODELOS PRÁTICOS

Objetivos de Aprendizagem

O propósito do capítulo Modelos Práticos é apresentar as situações prontas de um modelo de estrutura de Controles Internos, simulando um ambiente real desde a concepção da materialidade utilizada para identificar um processo até os elementos de estrutura de Controles

Internos formalizados em um ambiente simulado, de forma a agregar uma sugestão de modelo para aplicação baseada na adoção das instruções, orientações e sugestões providas pelos demais capítulos e de capturar e consolidar os temas discutidos no decorrer da obra ao obter um resultado prático sobre dois processos mapeados em uma estrutura de Controles Internos.

Os modelos práticos são uma referência pronta e um ponto de partida para um mapeamento de processo, sendo uma interpretação da abordagem de conteúdo proposto. O modelo foi selecionado para destacar as demandas das Demonstrações

Financeiras no processo de Fechamento Contábil e Gerenciamento de Dados.

 

Detalhes do Produto

Livro Impresso
eBook
Capítulos

Formato
PDF
Criptografado
Sim
SKU
BPPD000264251
ISBN
9788597016338
Tamanho do arquivo
6,7 MB
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
Formato
PDF
Criptografado
Sim
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
SKU
Em metadados
ISBN
Em metadados
Tamanho do arquivo
Em metadados