Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788582710296

Capítulo 9 - Transtornos da alimentação

Francisco B. Assumpção Jr.; Alessandra Freitas Russo; Carolina Rabello Padovani; Cristina Maria Pozzi; Evelyn Kuczynski; Marília Penna Bernal; Melanie Mendoza; Milena de Oliveira Rossetti Grupo A PDF Criptografado

9

TRANSTORNOS DA

ALIMENTAÇÃO

O QUE É?

Os transtornos da alimentação são síndromes comportamentais descritas como transtornos (e não como doenças), por ainda não se conhecer bem sua etiopatogenia.1 O modelo etiológico mais aceito atualmente para explicar sua gênese e manutenção é o modelo multifatorial, que se baseia na hipótese de que vários fatores biológicos, psicológicos e sociais estejam envolvidos.2

A influência da “cultura do corpo” e da pressão para a magreza que as mulheres sofrem nas sociedades ocidentais (especialmente as adolescentes) parece estar associada com o desencadeamento de comportamentos anoréticos. Assim, aquelas profissões que exigem leveza para melhor desempenho (como ginastas e bailarinas) ou mesmo para “comercialização” da imagem (modelos, atrizes) constituem grupos de risco para o desenvolvimento de tal síndrome.3 O papel da cultura, valorizan-

do o corpo delgado da mulher, está ligado ao aumento da ocorrência desses transtornos. Apesar de não haver dúvidas quanto à importância dos fatores culturais, especialmente o culto à magreza, é importante ter em mente que a anorexia foi descrita pela primeira vez em uma época em que o este-

Ver todos os capítulos
Medium 9788547233099

SOBRE JÚRIS SIMULADOS

BONFIM, Edilson Mougenot Editora Saraiva PDF Criptografado

prática e realista sobre o foro criminal, com uma ética estudável na teoria e posta em exercício justamente quando o espírito mais a aceita, quando o intelecto mais a entende, na época sem vícios de alma, em que o ideal viceja e o futuro se desenha, no berço da academia.

Quem embalará os sonhos semeados pelo meio estudantil? Quem acalentará a proposta de reforma dos estudantes? Sobre qual solo semeia-se a idealística semente? Quem colherá os frutos deste plantio laborativo? Todas as áreas do direito precisam ganhar o sopro da inovação citada, não somente a passividade dos estágios oficiais, em que o esta­giário só aplaude, e não “joga” comme il faut, não participa; o estudante-aprendiz será o melhor profissional nos amanhãs de trabalho, porque não deixou para aprender a ética na prática, depois, exerci­tando quando esta ainda era teoria. Os vícios não florescerão, e todas as chicanas serão castigadas. Aguarda-se o primeiro Júri, não simu­lado para o riso fácil dos que se encantam com a simulação pela simulação (dissimulação?), mas o primeiro Júri da “empossada” primeira “promotora de justiça do fórum universitário”. Os estudantes saberão dar-lhe a dignidade do novo “cargo”, emprestar-lhe a importância da renovação e do ideal, contribuindo para o crescimento da ideia, pelo Brasil. Não haverá furor acusatório, nem frouxidão; haverá a busca do justo, pelo direito e, mais alto ainda, pela Justiça.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547223304

8.2. Convenção da União de Paris e organismos internacionais

NEGRÃO, Ricardo Editora Saraiva PDF Criptografado

Um quadro pode melhor resumir a multiplicidade dos direitos decorrentes da proteção à propriedade imaterial, equivocadamente denominada propriedade industrial:

Níveis de atuação

Direitos decorrentes da proteção

Concessão de patentes de invenção e de modelo de utilidade.

• De invenção.

• De modelo de utilidade.

Concessão de registro de desenho industrial.

• De desenhos industriais.

Concessão de registro de marca.

• De marca de produto ou serviço.

• De marca de certificação.

• De marca coletiva.

Repressão a falsas indicações geográficas.

Definindo as regras para a indicação de procedência ou denominação de origem.

Repressão à concorrência desleal.

Definindo os crimes contra a propriedade industrial: a) contra as patentes; b) contra os desenhos industriais; c) contra as marcas; d) por meio de marca, título de estabelecimento e sinal de propaganda; e) contra indicações geográficas e demais indicações; f) crimes de concorrência desleal.

Ver todos os capítulos
Medium 9788540701427

Capítulo 6 - Multiplicação e divisão

Raul Fernando Weber Grupo A PDF Criptografado

capítulo

6

multiplicação e divisão

Soma e subtração são operações simples de serem implementadas em qualquer computador, mas o mesmo não ocorre com a multiplicação e a divisão. Embora utilizem os mesmos algoritmos de multiplicação e divisão decimais, os equivalentes binários devem ser adaptados para a arquitetura dos computadores. Na verdade, o computador Ahmes foi projetado justamente para facilitar esta adaptação, inclusive com instruções adicionais para permitir uma programação direta destes algoritmos. Se você duvida disso, experimente codificar estes mesmos algoritmos para o Neander!

■ ■

78

6.1

Fundamentos de Arquitetura de Computadores

multiplicação binária (números inteiros positivos)

Em qualquer sistema de numeração, a multiplicação é uma forma resumida da soma repetitiva de uma parcela consigo mesma (o multiplicando) um determinado número de vezes

(dado pelo multiplicador). Assim, a multiplicação ‘a × b’ significa ‘a + a + a + ... + a’, onde a parcela ‘a’ se repete ‘b’ vezes. A soma repetitiva levaria muito tempo para ser realizada, especialmente para números grandes. Assim, desenvolveu-se (para o sistema decimal) um método que permitisse realizar a multiplicação de forma mais rápida. Cada dígito do multiplicador multiplica individualmente o multiplicando e depois as parcelas intermediárias são somadas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580555875

Parte 3: Genes, meio ambiente e doenças

Dennis L. Kasper; Stephen L. Hauser; J. Larry Jameson; Anthony S. Fauci; Dan L. Longo; Joseph Loscalzo Grupo A PDF Criptografado

Parte 3: Genes, meio ambiente e doenças

425

82

Princípios da genética humana

Princípio

J. Larry

Larry Jame

Jameson, Peter Kopp

IMPACTO DA GENÉTICA E D

DA GENÔMICA NA PRÁTICA MÉDICA

Princípios da genética humana

_Livro_Kasper_Vol1.indb 425

CAPÍTULO 82

A prev prevalência e alência das doenças ggenéticas, combinada com suas gravidade e natureza enormes custos humanos, sociais e n na tuure r za crônica, impõe à sociedade so financeiros. fi i

A expressão

ã genética humana refere-se ao estudo dos genes, seu papel e função na doença e seu modo de transmissão. O termo genômica refere-se à informação genética completa do organismo, o genoma, e à função e interação do DNA no interior do genoma, assim como com os fatores ambientais ou não genéticos, como o estilo de vida do indivíduo.

Com a caracterização do genoma humano, a genômica complementa a genética tradicional nos esforços para esclarecer a etiologia e a patogênese das doenças e para aprimorar as intervenções terapêuticas e seus resultados. Considerando a impressionante evolução havida na genética, na genômica e na tecnologia da informação em saúde, as consequências dessa riqueza de conhecimentos para a prática médica são profundas e têm papel crescentemente relevante no diagnóstico, prevenção e tratamento das doenças (Cap. 84).

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos