Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788527721103

Capítulo 5 - Estrutura e função dos lipídeos e as membranas biológicas

NARDY, Mariane B. Compri; SANCHES, José A. Garcia; STELLA, Mercia Breda Grupo Gen PDF Criptografado

5

Estrutura e função dos lipídeos e as membranas biológicas eSTruTura e Função doS liPídeoS introdução

Os lipídeos (do grego lípos, ‘gordura’) englobam todas as substâncias gordurosas existentes no reino animal e no vegetal. De grande importância na alimentação e na constituição das células vivas, deles são exemplos os óleos e as gorduras vegetais e animais. insolúveis em água e solúveis nos solventes orgânicos, como éter, clorofórmio, benzeno etc., os lipídeos constituem vários grupos de substâncias pertencentes a várias funções: a maioria é de ésteres (óleos, gorduras, ceras); outros são terpenos (caroteno, óleos essenciais); outros, ainda, são ácidos carboxílicos de cadeia longa.

Do ponto de vista químico, os ésteres lipídicos são resultantes da reação de ácidos graxos superiores com alcoóis variados, cuja equação geral é:

R1–C = O + HO–R2  R1–C–O–R2 + H2O

|

||

OH

O

ácido graxo álcool

éster

água

Os ácidos graxos são ácidos carboxílicos que, por via de regra, apresentam número par de

Ver todos os capítulos
Medium 9788553172436

LIÇÃO 2 - HOMEM E SOCIEDADE. O “ANIMAL POLÍTICO”

CUNHA, Paulo Ferreira da Editora Saraiva PDF Criptografado

LIÇÃO 2

HOMEM E SOCIEDADE. O “ANIMAL POLÍTICO”

2.1.  Nominalismo, Coletivismo, Individualismo

Para um nominalista, com tendência para pensar as coisas isoladas (e isoladamente), fragmentárias, e de às coisas preferir ou antepor os nomes, o que importa é o homem e não a sociedade. Melhor, o que lhe importa são os átomos-homens, tendo até dificuldade em conceber uma realidade maior, a Humanidade (como qualidade de ser Homem, ou condição de ser Homem).

Já para um coletivista, quer ideológico, quer civilizacional, o Homem em si conta muito pouco perante o coletivo, a massa, perante as grandes obras multitudinárias ou a simples sobrevivência do todo social. O lobo solitário enfrenta a colmeia gregária. Mas entre um e outro há o próprio Homem.

Do nominalismo exacerbado derivariam o ultraliberalismo (e afins), de um lado, e o anarquismo, de outro, e do coletivismo, com maior ou menor grau e “heresia” ou “moderação”, várias correntes comunistas, sem esquecer ainda o nazismo (nacional-socialismo) e o fascismo. Com efeito, lemas como

Ver todos os capítulos
Medium 9788582710906

Capítulo 58 - Uso de hemoderivados

Rafael Barberena Moraes; Márcio Manozzo Boniatti; Paulo Ricardo C. Cardoso; Thiago Lisboa; Elvino Barros Grupo A PDF Criptografado

USO DE HEMODERIVADOS

3. Rivers E, Nguyen B, Havstad S, Ressler J, Muzzin A, Knoblich B, et al. Early goal-directed therapy in the treatment of severe sepsis and septic shock. N Engl J Med. 2001;345(19):1368-77.  

4. Sakr Y, Reinhart K, Vincent JL, Sprung CL, Moreno R, Ranieri VM, et al. Does dopamine administration in shock influence outcome? results of the Sepsis Occurrence in Acutely Ill Patients (SOAP) Study. Crit Care Med. 2006;34:589-97.

LEITURAS SUGERIDAS 

Hayden SJ, Albert TJ, Watkins TR, Swenson ER. Anemia in critical illness. Am J Respir Crit Care Med. 2012;185:1049-57.

Piagnerelli M, Vincent JL. The use of erythropoiesis-stimulating agents in the intensive care unit. Crit Care Clin.

2012;28:345-62.

Prakash D. Anemia in the ICU. Crit Care Clin. 2012;28:333-43.

Vincent JL, Hajjar LA. What’s new in transfusion policies? Int Care Med. 2013;39:1002-4.

CAPÍTULO 58

USO DE HEMODERIVADOS

RAFAEL BARBERENA MORAES

Ver todos os capítulos
Medium 9788565837989

Capítulo 7 - Revisão de literatura sobre tambor-pulmão-corda, gerenciamento de pulmões e distribuição

James F. Cox III; John G. Schleier Grupo A PDF Criptografado

7

Revisão de literatura sobre tambor-pulmão-corda, gerenciamento de pulmões e distribuição

John H. Blackstone Jr.

Introdução

Este capítulo traz o método da TOC aplicado ao planejamento e ao controle de produção e estoque. Seu principal objetivo é apresentar a literatura sobre a programação tambor-pulmão-corda (TPC) e a execução e supervisão desse cronograma por meio do gerenciamento de pulmões (GP). Atualmente, os especialistas da TOC acreditam que o GP é essencial para a eficácia do sistema TPC. Esse mecanismo de programação e supervisão foi ampliado para as cadeias de suprimentos a fim de puxar o estoque até os clientes. Essa extensão da

TOC para as cadeias de suprimentos é conhecida como reabastecimento rápido.

Neste capítulo também serão examinados artigos que abordam as características e aplicações do TPC, do GP e do método de reabastecimento da TOC.

O TOCICO Dictionary (Sullivan et al., 2007, p. 18) define TPC como “o método da TOC de programação e gerenciamento de operações. O TPC é estruturado com os seguintes elementos: (1) O tambor geralmente identifica a restrição ou recurso com restrição de capacidade (capacity constraint resource – CCR), que processa o trabalho em uma sequência específica, baseada no prazo de entrega solicitado pelo cliente, bem como na capacidade finita de recursos; (2) os pulmões de tempo protegem a programação contra as variabilidades; e (3) a corda é o mecanismo para inibir a liberação de matérias-primas e compatibilizar o consumo na restrição”. (© TOCICO 2007. Utilizada com permissão. Todos os

Ver todos os capítulos
Medium 9788547214630

Capítulo V - A TUTELA PROVISÓRIA DA EVIDÊNCIA

ALVIM, Eduardo Arruda Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo V

A TUTELA PROVISÓRIA

DA EVIDÊNCIA

5.1 GENERALIDADES

A tutela provisória, como já se afirmou, foi tratada como gênero pelo legislador de 2015, do qual são espécies a tutela provisória de urgência e a tutela provisória da evidência.

A primeira, tratada no Capítulo III deste trabalho, tem como elemento marcante a urgência para a concessão da medida, podendo ter por objeto o “simples” acautelamento da situação de fato, diante do risco de que o provimento final se torne inútil em razão da já mencionada urgência, ou também a antecipação de próprios efeitos da decisão de mérito.

Para a concessão de tutela da evidência, por outro lado, não há nenhum risco a ser tutelado: o resultado útil da decisão de mérito ou o próprio bem da vida não correm risco. Contudo, mostra-se possível, ainda assim, a an­te­ cipação dos efeitos da tutela jurisdicional em razão da injustiça consistente em subordinar aquele que demonstra a evidência do seu direito, ao decurso do tempo, natural à tramitação do processo.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos




Carregar mais