Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788582713761

Capítulo 66. Fraturas dos ossos da perna na criança

Sizínio K. Hebert; Tarcísio E. P. de Barros Filho; Renato Xavier; Arlindo G. Pardini Jr. Grupo A PDF Criptografado

>   Fraturas dos ossos da perna na criança

66

Fraturas dos ossos da perna na criança

Alexandre F. de Lourenço

Simone Battibugli

A tíbia é o terceiro osso longo mais fraturado na população pediátrica, ficando atrás apenas dos ossos do antebraço e do fêmur. Como característica, por conta de sua avantajada espessura cortical, a tíbia demanda força significativa para produzir a fratura. No entanto, o mecanismo associado varia com a faixa etária e será oportunamente discutido ao longo do texto.

Dos ossos da perna, a tíbia é o principal na sustentação do peso corporal, sendo 85% da carga axial transmitida distalmente ao longo desse osso. A proteção de partes moles sobre a região anterior e medial da tíbia é escassa, tornando-a suscetível a traumatismos. A fíbula é recoberta por tecido muscular em toda a sua ex­tensão, situando-se posterolateralmente à tíbia e unida a ela pelas articulações tibiofibulares proximal e distal, bem co­mo pela membrana interóssea, que é constituída de espes­so tecido fibroso. Essa relação de proximidade determina que a fratura desviada de um dos ossos produza fratura no ou­­tro. Em fraturas desviadas da tíbia, a da fíbula con­co­mitante é encontrada em

Ver todos os capítulos
Medium 9788553603473

4 - DA INTERVENÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PROCESSO CIVIL

GONÇALVES, Marcus Vinicius Rios Editora Saraiva PDF Criptografado

4

DA INTERVENÇÃO DO MINISTÉRIO

PÚBLICO DO PROCESSO CIVIL

1. INTRODUÇÃO

O Ministério Público foi incluído na CF entre as funções essenciais à justiça, incumbido da defesa da ordem pública, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis (art. 127).

O § 1º do art. 127 da CF consagra como seus princípios institucionais a:

unidade; indivisibilidade; independência funcional.

Apesar de uno e indivisível, exerce a sua função por numerosos órgãos, que abrangem o MP Federal, o MP do Trabalho, o MP militar, o MP do Distrito Federal e dos Territórios e os MPs Estaduais.

O art. 129 da CF enumera quais são as suas atribuições constitucionais. Para nós, interessa a intervenção do Ministério Público no processo civil, regulamentada pelos arts. 177 a 181 do CPC.

Os arts. 177 e 178 mostram que ele pode atuar em um processo em duas qualidades: como parte ou fiscal da ordem jurídica. Cada uma delas será examinada nos itens seguintes.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547211660

SÚMULA N. 429 TEMPO À DISPOSIÇÃO DO EMPREGADOR. ART. 4º DA CLT. PERÍODODE DESLOCAMENTO ENTRE A PORTARIA E O LOCAL DE TRABALHO

KLIPPEL, Bruno Editora Saraiva PDF Criptografado

466 Direito Sumular Esquematizado® — TST

Bruno Klippel

sobre a restrição ao direito de ir e vir, isto é, que o empregado não podia ausentar-se de sua casa, pois poderia ser chamado a trabalhar a qualquer momento. Assim, a jornada sobreaviso somente se caracteriza com a necessidade de o trabalhador permanecer em casa. Na hipótese de o telefone de emergência ser o residencial (fixo), estará caracterizada a referida jornada.

Duas situações devem ser analisadas sobre o tema: 1. Empregado que trabalha em sistema de plantão, sendo chamado a trabalhar por meio do telefone celular; 2. Empregado que utiliza telefone celular, mas que, por particularidades, necessita estar em casa para que o aparelho funcione.

A primeira situação, mais comum no cotidiano trabalhista, gera o direito à percepção da jornada sobreaviso, tendo em vista a permanência do empregado em sistema de plantão, não estando relacionada com a utilização do aparelho celular. Não é este que gera a jornada especial, e sim a permanência em sistema de plantão que impede ou dificulta o ir e vir do empregado.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527716482

Capítulo 75 - Paralisias Faciais e Síndrome de Möebius - Tratamento Clínico e Cirúrgico

MÉLEGA, José Marcos; VITERBO, Fausto; MENDES, Flávio Henrique Grupo Gen PDF Criptografado

CAPÍTULO 75    Paralisias Faciais e Síndrome de Möebius – Tratamento Clínico e Cirúrgico

75

635

Paralisias Faciais e

Síndrome de Möebius –

Tratamento Clínico e Cirúrgico

Fausto Viterbo

O comprometimento dos movimentos da face determina a impossibilidade de expressão dos sentimentos, isolando o paciente e determinando sérios prejuízos psicológicos, podendo levar algumas pessoas até mesmo ao suicídio.

A falta de oclusão palpebral causa ressecamento da conjuntiva, que pode evoluir para úlcera de córnea e, mesmo, perfuração do globo ocular.1

Quanto à boca, a paralisia facial determina impossibilidade de sorrir ou sorriso assimétrico. Além disso, pode haver incontinência para líquidos, determinando constrangimento ao paciente durante as refeições. É comum ocorrer também trauma da mucosa oral pela mordida.1

A falta de movimento do músculo frontal leva a uma posição mais baixa do supercílio no lado paralisado e assimetria nas rugas dessa região.1

Ver todos os capítulos
Medium 9788521629191

Parte II - Capítulo 12 - A Experiência de Empresas de Eletrônica de Consumo, Motocicletas e Bicicletas

FIGUEIREDO, Paulo N. Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo

12

A Experiência de Empresas de Eletrônica de Consumo, Motocicletas e Bicicletas1

12.1

Introdução

O propósito deste capítulo é o de examinar o processo de acumulação de capacidades tecnológicas (com ênfase na maneira e velocidade dessa acumulação) ao longo de diferentes modelos de industrialização no Brasil: do modelo à base de substituição de importações ao modelo à base de economia aberta. Diferentemente do capítulo anterior, neste capítulo a ênfase recai sobre um conjunto de empresas baseadas em produtos (eletrônica de consumo, motocicletas e seus fornecedores). Além de examinar a trajetória de acumulação tecnológica dessas empresas, este capítulo escrutina as principais estratégias de aprendizagem tecnológica usadas pelas empresas para construir e acumular suas capacidades tecnológicas para atividades de produção e de inovação ao longo do período de 1970 a 2006, como representado de maneira simplificada na Figura 12.1.

FIGURA 12.1

Ademais, as empresas aqui examinadas localizam-se no

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos