Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788536314471

1. Taxonomia e nomenclatura de microrganismos

Höfling, José Francisco Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 1

Taxonomia e nomenclatura de microrganismos objetivos

Aprender sobre a classificação dos microrganismos.

Entender as relações filogenéticas existentes entre os microrganismos.

Conhecer os reinos desses organismos e a forma como é feita sua classificação.

Entender sobre a classificação de bactérias.

CLASSIFICAÇÃO DOS MICRORGANISMOS

A ciência da classificação, especialmente a classificação de seres vivos, é denominada taxonomia, do grego taxis (arranjo) e nomos (lei, ordem). Assim, o objetivo da taxonomia é classificar organismos vivos, ou seja, estabelecer as relações entre os grupos de organismos e diferenciá-los. Com relação aos microrganismos, devido a poucos registros fósseis, a sua classificação ainda está longe da ideal.

Um sistema taxonômico nos possibilita identificar um organismo previamente desconhecido e, então, agrupá-lo ou classificá-lo com outros organismos que possuam características similares. A taxonomia também fornece uma referência comum na identificação de organismos. Por exemplo, quando uma bactéria suspeita é isolada de um paciente, características daquele isolado são comparadas a uma lista de características de bactérias previamente classificadas para identificar a amostra. Depois de a bactéria ser identificada, drogas que a afetam podem ser selecionadas. Portanto, a taxonomia é uma ferramenta básica e necessária para os cientistas e fornece uma linguagem universal de comunicação.

Ver todos os capítulos
Medium 9788565837194

19.8 Seletores jQuery e métodos de seleção

Flanagan David Grupo A PDF Criptografado

560

Parte II

JavaScript do lado do cliente

também pode ser chamada com um objeto como seu primeiro argumento e um nome de propriedade como segundo. O valor da propriedade nomeada deve ser uma função. Chamada dessa maneira, a função jQuery.proxy(o,n) retorna o mesmo que jQuery. proxy(o[n],o). jQuery.proxy()

jQuery.proxy() se

destina a ser usada com o mecanismo de vínculo de rotina de tratamento de evento da jQuery. Se você vincular uma função que se tornou proxy, pode desvinculá-la usando a função original.

jQuery.support

Esta é uma propriedade parecida com jQuery.browser, mas destinada a teste de recurso portável (Seção 13.4.3), em vez de teste de navegador mais sensível. O valor de jQuery.support é um objeto cujas propriedades são todas valores booleanos que especificam a presença ou ausência de recursos do navegador. A maior parte dessas propriedades de jQuery.support são detalhes de baixo nível utilizados internamente pela jQuery. Elas podem ter interesse para escritores de plug-ins, mas de modo geral não são úteis para escritores de aplicativos. Uma exceção é jQuery. support.boxModel: essa propriedade é true se o navegador usa o modelo CSS padrão “context-box” e é false no IE6 e no IE7 no modo Quirks (consulte a Seção 16.2.3.1). jQuery.trim()

Ver todos os capítulos
Medium 9788527731195

31 - Alterações Gástricas

VARELLIS, Maria Lucia Zarvos Grupo Gen PDF Criptografado

31

Alterações Gástricas

Maria Lucia Zarvos Varellis

Introdução

A necessidade do conhecimento básico na área de gastrenterologia cresce a cada dia, a partir do momento em que mais e mais pessoas apresentam sintomas no sistema digestório motivados por má alimentação, falta de tempo para as refeições, estresse e excesso de preocupações à mesa.

A evolução tecnológica e cultural da humanidade produz essa necessidade de mudanças dos hábitos e de uma adaptação aos novos valores. Inúmeras vezes, o cirurgião-dentista se depara com pacientes portadores de doenças gástricas ou intestinais que não lhes são relatadas, e o uso concomitante de antibióticos e/ou anti-inflamatórios e outras substâncias farmacológicas produz malefícios e preocupações aos pacientes.

O cirurgião-dentista precisa estar atualizado em relação às diversas nuances de cada especialidade médica para poder tratar seu paciente com total segurança e também porque, uma vez que o conhecimento humano caminha exageradamente rápido, essa atualização lhe é ou será cobrada, se não pelos pacientes, por si mesmo. Este capítulo, portanto, tem como objetivo esclarecer essa questão e, de maneira didática, apresentar o conceito das doenças mais comuns nessa área, possibilitando que o cirurgião-dentista tenha sucesso e segurança na rotina do consultório.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553605170

10.2. Administração do Condomínio

LÔBO, Paulo Editora Saraiva PDF Criptografado

Ou, sobre um mesmo terreno são construídas unidades superpostas, servindo a laje de teto para o piso da superior, em comunidade de superfícies.

Gustavo Tepedino (1993, p. 82) chama a atenção para algumas figuras jurídicas que guardam simetria com o condomínio e que se têm formado com fundamento na autonomia privada, como os shopping centers, a multipropriedade­ imobiliária (tempo compartilhado, time sharing), a utilização de espaços em cemitérios e os condomínios de fato.

10.2. Administração do Condomínio

A administração do condomínio é atribuída a todos os condôminos em conjunto, mas pode ser entregue a um deles ou a terceiro, de acordo com a deci­ são majoritária deles. Os condôminos têm de se reunir para deliberar a respeito.

Não há critério de preferência para ser administrador, podendo ser, inclusive, o que detiver menor parte ideal. Os deveres do administrador são os que a lei atribui ao mandatário, com poderes para administração em geral, por analogia. Cabe-lhe, principalmente, repartir entre os condôminos os resultados econômicos da coisa

Ver todos os capítulos
Medium 9788553608430

14. Sistemas de Processo Penal

PDF Criptografado

Introdução

89

14. Sistemas de Processo Penal

14.1. Classificação

Considera-se sistema de processo penal o modelo político-jurídico adotado pelo legislador para o início e desenvolvimento da persecução penal em juízo; do oferecimento da inicial acusatória até o resultado final da prestação jurisdicional.

Ensinou Mirabete que, “segundo as formas com que se apresentam e os princípios que os informam são três os sistemas processuais utilizados na evolução histórica do direito”,96 a saber: 1) inquisitivo; 2) acusatório e, 3) misto.

14.1.1.  Sistema inquisitivo

Próprio dos regimes totalitários ou absolutistas, no sistema inquisitivo, que tem sua origem atrelada ao Direito Romano, são desconsiderados os princípios e garantias fundamentais, tão caros a toda e qualquer democracia.

É caracterizado pela concentração de poderes em mãos de um só órgão, de maneira que o próprio juiz é quem detém o poder de acusar, de defender e de julgar, em verdadeiro monopólio do actum trium personarum, o que traduz flagrante violação ao princípio da imparcialidade do juiz, dentre outros.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos