Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788541203562

1 Regras Gerais de Elaboração de Cardápios

Chemin Martinez Grupo Gen PDF Criptografado

1

Regras Gerais de Elaboração de Cardápios

Sílvia Martinez

Rosana Benez Martins Freire

Silvia de Fatima Barreto Nogueira

Chemin 01.indd 1

07/05/14 15:41

Funções dos alimentos, 3

Regras de elaboração de cardápios, 6

Chemin 01.indd 2

07/05/14 15:41

1  |  Regras Gerais de Elaboração de Cardápios 

3

O alimento tem o grande potencial de modificação e transformação que poderia contribuir para um exercício profissional do nutricionista eficiente e abrangente, seja com relação à criação de novas preparações ou ao desenvolvimento de cardápios e dietas menos repetitivos, com maior variação de alimentos e técnicas de preparo.

Para tanto, faz‑se necessária uma análise dos conceitos de hábitos alimentares e funções dos alimentos, que serão propostos a seguir.

CC

Funções dos alimentos

■■

Veículo de nutrientes

Os alimentos fornecem nutrientes, substâncias que terão funções específicas no organismo e atuarão no metabolismo de diferentes maneiras. Estes nutrientes podem ser classificados em macronu‑ trientes (glicídios, gorduras e proteínas), micronutrientes (vitaminas e minerais), fibras dietéticas e água.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547224745

1.1 Conceito

RIBEIRO, Osni Moura Editora Saraiva PDF Criptografado

CAPÍTULO 1

A auditoria

Objetivos do Capítulo

Após ler este capítulo, você estará apto a:

 Entender o que é, para que serve e onde se aplica a auditoria.

 Conhecer a origem e saber como evoluiu a auditoria até hoje.

 Conhecer a auditoria contemporânea e sua evolução no Brasil.

 Saber qual é o objeto e a finalidade da auditoria.

 Conhecer os tipos de auditoria.

 Saber o que são normas de auditoria e de onde se originam.

 Saber distinguir auditoria contábil de perícia contábil.

 Discutir sobre as vantagens ou benefícios da auditoria.

 Saber por que as organizações são auditadas.

1.1 Conceito

Auditoria é uma técnica contábil que surgiu da necessidade de se garantir a veracidade das informações derivadas dos registros contábeis.

Sempre que falamos em auditoria, logo nos vem à mente seu conceito tradicional, ou seja, aquele que a contempla tendo como objeto as demonstrações contábeis.

Assim, o conceito tradicional de auditoria é: auditoria é uma técnica contábil que consiste na verificação da exatidão e fidedignidade dos dados contidos nas demonstrações contábeis, por meio do exame minucioso dos registros de contabilidade e dos documentos que deram origem a eles.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582712641

Capítulo 14. Matemática: distúrbios específicos e dificuldades

Newra Tellechea Rotta; Lygia Ohlweiler; Rudimar dos Santos Riesgo Grupo A PDF Criptografado

14

MATEMÁTICA: DISTÚRBIOS

ESPECÍFICOS E

DIFICULDADES

JOSÉ ALEXANDRE BASTOS

A

discalculia é definida como uma alteração específica em aritmética, não atribuível exclusivamente a um retardo mental global ou à escolarização inadequada.

O déficit concerne ao domínio de habilidades computacionais básicas de adição, subtração, multiplicação e divisão mais do que às habilidades matemáticas abstratas envolvidas em

álgebra, trigonometria ou cálculo (CID 10).1

Shalev define a discalculia do desenvolvimento como um transtorno específico que afeta a aquisição normal das habilidades aritméticas. As evidências genéticas, neurobiológicas e epidemiológicas indicam que a discalculia, como outros distúrbios de aprendizado, tem bases cerebrais; entretanto, o ensino inadequado e as privações ambientais podem estar envolvidos na sua etiologia.2,3

Apesar de ser uma entidade nosológica reconhecida e sua prevalência ser tão alta quanto a da dislexia, há poucos estudos sobre o assunto, principalmente no nosso meio. Entretanto, as pessoas que têm esse transtorno terão sérios comprometimentos no seu futuro.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527732550

7 - Controle da Estabilidade Térmica

TAMEZ, Raquel Nascimento Grupo Gen PDF Criptografado

7

Controle da

Estabilidade Térmica

Introdução, 72

��

Ambiente térmico neutro, 72

��

Aferição da temperatura, 73

��

Mecanismos e prevenção de perda de calor, 74

��

Alterações da estabilidade térmica, 75

��

Bibliografia, 80

��

Tamez - 07.indd 71

29/06/2017 11:36:05

72

Enfermagem na UTI Neonatal

Introdução

A regulação térmica é um dos fatores cruciais para a sobrevivência e estabilidade do recém-nascido. Em 1907,

Budin observou uma diminuição de 98 para 23% na taxa de mortalidade neonatal quando os recém-nascidos prematuros ou de baixo peso eram colocados em incubadora, mantendo-se a temperatura corporal estável. Em outro estudo, Silverman (1958) observou, em condições semelhantes, que, nos recém-nascidos que pesavam menos de 1 kg, a taxa de mortalidade neonatal caiu de 80 para 50%.

O avanço tecnológico e um melhor conhecimento do mecanismo termorregulador do recém-nascido têm contribuído para um controle térmico mais eficiente nessa população tão vulnerável. A dificuldade de manutenção térmica do neonato deve-se a fatores como: superfície corporal relativamente grande em comparação ao peso; capacidade metabólica limitada para produzir calor; e isolamento térmico inadequado. Termorregulação é a capacidade do corpo de promover equilíbrio entre a produção e a perda de calor, mantendo assim a temperatura corporal em conformidade com os valores normais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597007305

Capítulo X – Responsabilidade Contratual

CAVALIERI FILHO, Sergio Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo X

RESPONSABILIDADE

CONTRATUAL

81 ORIGEM

Vimos que a responsabilidade civil, tradicionalmente, tem sido bipartida em extracontratual e contratual. Examinamos até aqui a responsabilidade extracontratual nos seus variados aspectos: com culpa provada, com culpa presumida e sem culpa, ou objetiva; por fato próprio, por fato de terceiro e pelo fato da coisa. Passaremos, agora, ao exame da responsabilidade contratual: sua origem, características e principais hipóteses em que ela tem lugar.

Alguns autores, por entenderem que a expressão responsabilidade contratual não

é inteiramente rigorosa, na medida em que a obrigação de reparação do dano por ela abrangida nem sempre resulta da violação de um contrato, sugerem outras designações, como responsabilidade negocial, para abranger a violação das obrigações provenientes de negócio unilateral, ou, ainda, responsabilidade obrigacional, para compreender o não cumprimento das obrigações em sentido técnico, que não provenham de um negócio jurídico, mas da lei. Tais expressões, todavia, além de serem também equívocas em alguns pontos e sem nenhuma tradição, não conseguiram suplantar a expressão responsabilidade contratual, que, não obstante a sua eventual falta de rigor, está de há muito consagrada pela doutrina e pela jurisprudência.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos