Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788530983529

5 - ATOS DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

NEVES, Daniel Amorim Assumpção; OLIVEIRA, Rafael Carvalho Rezende Grupo Gen PDF Criptografado

ATOS DE

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

Os atos de improbidade administrativa encontram-se tipificados nos arts. 9.º (enriquecimento ilícito), 10 (dano ao erário), 10-A (concessão ou aplicação indevida de benefício financeiro ou tributário) e 11 (violação aos princípios da Administração) da Lei 8.429/1992.

Além dos atos de improbidade mencionados na Lei de Improbidade

Administrativa, é relevante notar a existência de tipificação de improbidade administrativa no art. 52 da Lei 10.257/2001 (Estatuto da Cidade), direcionada exclusivamente aos Prefeitos.

5.1. CARACTERÍSTICA COMUM DOS ATOS DE IMPROBIDADE:

TIPIFICAÇÃO ABERTA E ROL EXEMPLIFICATIVO

A tipificação dos atos de improbidade administrativa é, em regra, aberta e o rol de condutas elencadas para sua configuração é exemplificativo.

Isto porque os arts. 9.º, 10 e 11 da Lei 8.429/1992, ao elencarem determinadas condutas que são tipificadas como atos de improbidade, utilizam-se da expressão “notadamente”, o que demonstra que outras condutas também podem ser enquadradas nos referidos tipos de improbidade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553131297

5.5 IMPORTÂNCIA DA DISTINÇÃO ENTRE CUSTO E DESPESA

VICECONTI, Paulo Editora Saraiva PDF Criptografado

42

Contabilidade de Custos

UTILIZAÇÃO DA EQUAÇÃO PARA O EXEMPLO

DESENVOLVIDO NESTE CAPÍTULO:

ESTOQUES INICIAIS DE PRODUTOS:

• Produtos em Elaboração ................................................... 120,00

• Produtos Acabados ........................................................... 80,00

(+) CUSTO DE PRODUÇÃO DO PERÍODO:

• Material Direto ................................................................. 150,00

• Mão de Obra Direta ......................................................... 42,00

• Gastos Gerais de Fabricação ............................................ 88,00

200,00

280,00

480,00

80,00

400,00

480,00

É IGUAL A:

ESTOQUES FINAIS DE PRODUTOS:

• Produtos em Elaboração ................................................... 50,00

• Produtos Acabados ........................................................... 30,00

(+) CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS .........................................

Ver todos os capítulos
Medium 9788580551471

Capítulo 17 - Sentidos Especiais III: Olfação e Gustação

Hershel Raff; Michael G. Levitzky Grupo A PDF Criptografado

C A P Í T U L O

Sentidos Especiais III:

Olfação e Gustação

17

Susan M. Barman

OBJETIVOS

Descrever os aspectos básicos do epitélio e do bulbo olfatório.

Explicar a transdução do estímulo nos receptores olfatórios.

Esboçar as vias pelas quais os impulsos gerados no epitélio olfatório alcançam o córtex olfatório.

Descrever a localização e a composição celular dos botões gustatórios.

Citar os cinco principais receptores gustatórios e descrever seus mecanismos de transdução dos estímulos.

Traçar as vias pelas quais os impulsos gerados nos receptores gustatórios alcançam o córtex insular.

INTRODUÇÃO

A olfação e a gustação são sentidos classificados como viscerais, por terem estreita associação com a função gastrintestinal. Eles estão fisiologicamente muito relacionados entre si; os sabores dos vários alimentos são basicamente uma combinação de seus odores e gostos. Isso explica por que o alimento pode ter sabor “diferente” se estiver gelado, pois o frio diminui a sensação do odor. Os receptores olfatórios e gustatórios são quimiorreceptores estimulados por moléculas dissolvidas no muco do nariz e na saliva da boca.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527734714

136 - Exames Complementares

PORTO, Celmo Celeno Grupo Gen PDF Criptografado

136

Exames

Complementares

Roberto Luciano Coimbra

Introdução

Dispõe‑se, atualmente, de um grande número de exames complementares para o diagnóstico das enfermidades do sis‑ tema genital masculi­no, incluindo: o exame simples de urina, a cultura de urina, o exame bacteriológico da secreção uretral, a dosagem de fosfatase ácida, do antígeno prostático específico, os marcadores tumorais, o espermograma, os exames de imagem

(linfografia), radiografia simples do abdome, urografia excretora, uretrocistografia, genitografia, ultrassonografia, tomografia computadorizada (ressonância magnética), biopsia do testículo e da próstata, punção aspirativa e a uretrocistoscopia.

Exame simples de urina

A informação correta ao paciente sobre a técnica adequada da coleta de urina é muito importante para obter uma amostra não contaminada. Oriente os pacientes a se lavarem bem antes da micção.

O exame simples de urina fornece importantes subsídios, sendo mais úteis nas afecções dos órgãos genitais masculi­nos os dados da sedimentoscopia (ver Seção 1, Sistema Urinário,

Ver todos os capítulos
Medium 9788582714850

Capítulo 28. Micronutrientes: vitaminas

Denise R. Ferrier Grupo A PDF Criptografado

28

Micronutrientes: vitaminas

I.

VISÃO GERAL

As vitaminas são compostos orgânicos não relacionados quimicamente, que não podem ser sintetizados por humanos em quantidades adequadas e, portanto, devem ser supridos pela dieta. Nove vitaminas (ácido fólico, cobalamina, ácido ascórbico, piridoxina, tiamina, niacina, riboflavina, biotina e ácido pantotênico) são classificadas como solúveis em água (hidrossolúveis).

Como são facilmente excretadas na urina, a toxicidade é rara. No entanto, as deficiências podem ocorrer rapidamente. Quatro vitaminas (A, D, K e E) são classificadas como lipossolúveis (Fig. 28.1). Elas são liberadas, absorvidas e transportadas (em quilomicra; ver pág. 227) com a gordura da dieta. Elas não são facilmente excretadas, e quantidades significativas são armazenadas no fígado e no tecido adiposo. De fato, o consumo excessivo de vitaminas A e D, acima das recomendações dietéticas de referência (ver Cap. 27), pode levar ao acúmulo de quantidades tóxicas desses compostos. As vitaminas são necessárias para executar funções celulares específicas. Por exemplo, muitas das vitaminas hidrossolúveis são precursoras de coenzimas para as enzimas do metabolismo intermediário. Ao contrário das vitaminas hidrossolúveis, somente uma vitamina lipossolúvel (a vitamina K) tem função de coenzima.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos