Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788527703567

1 Conceitos Básicos de Epidemiologia

PEREIRA, Maurício Gomes Grupo Gen ePub Criptografado

Capítulo 1

CONCEITOS BÁSICOS DE EPIDEMIOLOGIA

    I. Considerações gerais

A. Áreas temáticas

B. Definições da epidemiologia através do tempo

C. Premissas básicas

D. Métodos de investigação

E. Corpo de conhecimentos

F. Aplicações da epidemiologia

G. Especificidade da epidemiologia

H. Três aspectos da prática da epidemiologia

   II. Perspectiva histórica

A. Evolução da epidemiologia até o século XIX

B. O século XIX

C. A primeira metade do século XX

D. A segunda metade do século XX

E. Pilares da epidemiologia atual

  III. Comentário final

Questionário

Leitura complementar

Referências bibliográficas

 

 

O capítulo tem por objetivos apresentar uma visão geral da epidemiologia e familiarizar o leitor com os respectivos conceitos e temas básicos, que serão expandidos posteriormente. Parte substancial da matéria é abordada sob perspectiva histórica, realçando a evolução, a utilização atual e a posição de grande abrangência alcançada pela epidemiologia moderna.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547227845

4.2. O direito subjetivo

NUNES, Rizzatto Editora Saraiva PDF Criptografado

traga maiores implicações de ordem prática na verificação da eficácia das normas, bem assim de sua vigência. Todavia, precisa ser feita para uma completa e adequada compreensão do sistema jurídico.

4.2. O direito subjetivo

A ideia de direito subjetivo aponta para muitas alternativas de explicação, existindo mesmo uma série de teorias que disputam seu sentido.

Pode-se dizer que o direito subjetivo é a prerrogativa colocada pelo direito objetivo, à disposição do sujeito do direito.

Essa prerrogativa há de ser entendida como a possibilidade de uso e exercício efetivo do direito, posto à disposição do sujeito.

Assim, o direito subjetivo é tanto o efetivo exercício do direito objetivo quanto a potencialidade do exercício desse mesmo direito.

Por exemplo, o direito objetivado como Lei do Inquilinato, que regula o despejo do inquilino por falta de pagamento, faz nascer para o proprietário-locador o direito subjetivo de pleitear o despejo do inquilino.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582604595

Capítulo 4 - Aplicações da derivada

Jon Rogawski; Colin Adams Grupo A PDF Criptografado

4  APLICAÇÕES DA DERIVADA

N

este capítulo, colocamos a derivada a trabalhar. Usamos as derivadas primeira e segunda para analisar funções e seus gráficos e resolvemos problemas de otimização (encontrar o valor mínimo e máximo de uma função). O método de Newton, na Seção 4.8, utiliza a derivada para aproximar soluções de equações.

4.1  Aproximação linear e aplicações

Em algumas situações, estamos interessados em determinar o “efeito de uma pequena variação”. Por exemplo:

•• Como é que uma pequena variação do ângulo afeta a distância do lançamento de um jogador de basquete? (Exercício 39)

•• Como é afetada a bilheteria de um espetáculo por uma pequena variação do preço do ingresso? (Exercício 29)

•• A raiz cúbica de 27 é 3. Quanto maior é a raiz cúbica de 27,2? (Exercício 7)

Espelhos que acompanham o Sol, conhecidos como helióstatos, no deserto de Tabernas, na Espanha, utilizam o princípio da distância mínima (ver Seção 4.7) para concentrar a luz do Sol e gerar energia. (Thomas

Ver todos os capítulos
Medium 9788553609697

1 Noções gerais

AZEVEDO, Álvaro Villaça Editora Saraiva PDF Criptografado

6

ELEMENTOS CONSTITUTIVOS

DA OBRIGAÇÃO

1  Noções gerais

Após mostrar que os elementos essenciais da obrigação, no Direito romano, são os mesmos que a integram hoje – “os sujeitos ativo e passivo, o vínculo existente entre eles e o objeto da relação jurídica” –, José Carlos Moreira Alves1  informa que,

“modernamente, ao sujeito ativo denominamos credor; ao passivo, devedor. No direito romano, as palavras creditor e debitor, a princípio, se limitavam a indicar os sujeitos ativo e passivo na relação obrigacional decorrente do mútuo (empréstimo de coisa fungível); depois, passaram a designar, respectivamente, qualquer credor ou devedor”.

A obrigação constitui-se, modernamente, também, de três elementos essenciais: um subjetivo, outro espiritual e outro objetivo. Pelo quadro desenvolveremos a matéria:

1. Subjetivo (pessoal)

Elementos constitutivos da obrigação

a) sujeito ativo (credor) b) sujeito passivo (devedor)

2. Espiritual (imaterial): o vínculo jurídico

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021677

PARTE IV – ACORDOS DE SÓCIOS

MAMEDE, Gladston Grupo Gen ePub Criptografado

Visualizar todos os capítulos