Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788553601967

Capítulo 20 - Tutela provisória

PINHO, Humberto Dalla Bernardina de Editora Saraiva PDF Criptografado

CAPÍTULO 20

Tutela provisória

20.1 OBSERVAÇÕES INTRODUTÓRIAS

O novo Código de Processo Civil (Lei n. 13.105/2015) oferece à tutela cautelar um tratamento bem distinto daquele adotado pelo Código de 1973. Este disciplinava, em seu Livro III, o processo cautelar, como meio de fornecer uma tutela jurisdicional mediata de natureza instrumental e caráter não satisfativo, cuja finalidade consistia “apenas, segundo a concepção clássica, em assegurar, na medida do possível, a eficácia prática de providências quer cognitivas, quer executivas”1, sendo acessório ao processo de conhecimento ou ao processo de execução2.

Já o Código de 2015 traz o que denomina tutela provisória no Livro V de sua

Parte Geral, desdobrando-se o tratamento em 3 Títulos: disposições gerais (arts.

294 a 299); tutela de urgência (arts. 300 a 310), subdividindo-se esta em Capítulos sobre disposições gerais, tutela antecipada requerida em caráter antecedente e tutela cautelar requerida em caráter antecedente; e tutela da evidência (art. 311).

Ver todos os capítulos
Medium 9788547222680

9.1. Interpretação do Contrato Paritário

LÔBO, Paulo Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo IX

Interpretação e Integração dos Contratos

Sumário: 9.1. Interpretação do contrato paritário. 9.2. Critérios legais da interpretação contratual. 9.3. Pressupostos da interpretação contratual. 9.4. Interpretação integrativa e integração. 9.5. Integração dos deveres gerais de conduta negocial e sua interpretação. 9.6. Interpretação das condições gerais do contrato de adesão. 9.7. Interpretação do contrato de adesão, regulado pelo Código

Civil. 9.8. Interpretação dos contratos de consumo.

9.1.

Interpretação do Contrato Paritário

Interpretar o contrato é revelar o significado que se deve atribuir à declaração de vontade comum, de que ele resultou. A declaração é a exteriorização expressa da vontade, realizada por sinais, gestos, palavras proferidas e escrita, e a exteriorização tácita da vontade, mediante comportamentos concludentes. Mas a interpretação do contrato não consiste apenas em revelar sentido, pois pode ir além da declaração, com a interpretação integrativa, ou com o reconhecimento da integração dos deveres gerais de conduta negocial, ou com a interpretação das normas jurídicas dispositivas não afastadas pelas partes, ou com a declaração de nulidade das cláusulas e condições colidentes com as normas jurídicas cogentes constitucionais e infraconstitucionais. Pode, ainda, restringir seu alcance, em determinadas situações, como nos contratos que têm como objeto liberalidades

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431993

18. Os novos clusters abertos de entretenimento

BENI, Mario Carlos Editora Manole PDF Criptografado

18

Os novos clusters abertos de entretenimento

LU I Z G O N Z AG A G O D O I T R I G O

Introdução

As sociedades atuais são marcadas pela fragmentação, contradição e parado‑ xos. É uma complexidade dinâmica assinalada pela permanente evolução tecnoló‑ gica, seja evolutiva ou disruptiva, e pela extrema diversidade cultural, étnica, social ou econômica. Não se considera mais apenas os segmentos, mas os nichos de mer‑ cado; não existem mais patamares de estabilidade, mas forças de mudança que al‑ teram, criam e destroem permanentemente as faces culturais e produtivas das civi‑ lizações; não há mais ciclos previsíveis, mas crises e ondas de oportunidades que assolam os mercados e as sociedades.

Os campos do lazer e do prazer foram igualmente influenciados pelos fluxos de acontecimentos que abalaram as antigas certezas e teorias pretensamente totalizan‑ tes dos metassistemas filosóficos. Se, no século XIX, personagens como Darwin,

Comte, Nietzsche e Marx chocaram o pensamento estabelecido e lançaram novos paradigmas, ao longo do século XX, nomes como Lyotard, Popper, Castells e uma série de analistas econômicos e de tendências, como Philip Kotler, Alvin Toffler,

Ver todos os capítulos
Medium 9788527732857

2 - Fundamentos para o Estudo da Dietética

DOMENE, Semíramis Martins Álvares Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo 2

Fundamentos para o

Estudo da Dietética

Objetivos de estudo, 26

Introdução, 26

Indicadores de rendimento, 27

Técnicas para pesagem de alimentos e medidas caseiras, 32

Análise sensorial de alimentos, 37

Ficha técnica de produtos alimentares industrializados, 47

Receita padrão ou ficha técnica da preparação, 50

Técnicas de preparo e conservação de alimentos, 54

Habilidade culinária e confiança para cozinhar, 56

Considerações finais, 89

Domene 02.indd 25

23/02/18 09:38

26

Técnica Dietética | Teoria e Aplicações

Objetivos de estudo

• Estudar as etapas do processo de trabalho envolvido nos ensaios com alimentos

• Exercitar técnicas de pesagem de alimentos

• Conhecer os indicadores de rendimento empregados para o planejamento de cardápios e exercitar a previsão de compras

• Conhecer as técnicas básicas para o preparo de alimentos a partir do estudo dos modos de transferência de calor

Ver todos os capítulos
Medium 9788520432686

12. Treinamento para águas abertas

MONTGOMERY, Jim; CHAMBERS, Mo Editora Manole PDF Criptografado

12

Treinamento para

águas abertas

Nadar em águas abertas é a forma mais pura da natação – apenas você e as forças da natureza.

–Steven Munatones, treinador de águas abertas do USA Swimming e ex-campeão mundial de águas abertas

A

s evidências mostram que, muito antes de o primeiro buraco ser aberto para uma piscina, os povos antigos já nadavam. Gravuras das cavernas, datadas de 4000 a.C. representam nadadores executando uma variação do nado crawl. Nadar era uma das sete destrezas obrigatórias para os cavaleiros da Idade Média. Em meados dos anos 1800, americanos nativos empregaram uma versão mais antiga do crawl para vencer um desafio contra os britânicos, que praticavam o nado peito.

As águas abertas – lagos, rios, baías e oceanos ‒ ainda nos intrigam. A pura beleza desses corpos de água induz muitos nadadores a se abandonarem à mercê das forças da natureza. Outros desfrutam do sentimento indefinido de nadar sem os limites de paredes e raias. Muitos são atraídos pela dificuldade de atravessar a nado uma certa distância, tal como cruzar um rio, um lago ou um canal. Mais de 1000 nadadores já cruzaram o Canal da Mancha desde que Matthew Webb nadou da Inglaterra até a França em 1875. Para aqueles que têm tal inclinação, as competições em águas abertas oferecem uma variedade de distâncias em locais com diferentes condições, desde os lagos mais calmos até as águas turbulentas dos oceanos.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos