Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788520430941

EXERCÍCIOS ESPECÍFICOS PARA UM ESPORTE

WILLIAMS, Len; GROVES, Derek; THURGOOD, Glen Editora Manole PDF Criptografado

238

TREINAMENTO DE FORÇA

EXERCÍCIOS ESPECÍFICOS PARA UM ESPORTE

Todos os exercícios neste livro proporcionam excelentes treinamentos de força. No entanto, grande parte deles também oferece ótimos benefícios nos treinos para um determinado esporte. Quase todos os atletas, independentemente do esporte que pratiquem, passam um tempo grande na academia fazendo exercícios de fortalecimento e condicionamento que os ajudam a se destacar em suas modalidades.

GRUPO DE EXERCÍCIOS:

AGACHAMENTOS

Tipos

Agachamento com barra (p. 64–65)

Agachamento estilo “sumô” (p. 64 var.)

Agachamento com barra na frente (p. 66)

Agachamento Hack com barra (p. 67)

Agachamento com barra na frente (pesado) (p. 192–93)

Agachamento profundo (p. 194–95)

GRUPO DE EXERCÍCIOS:

AFUNDOS E AVANÇOS

Tipos

Afundo com halteres (p. 68)

Afundo com barra acima da cabeça (p. 69)

Afundo com barra (pé apoiado no banco) (p. 70)

Ver todos os capítulos
Medium 9788547203061

12 DIREITO MARÍTIMO E PORTUÁRIO

CAMPOS, Diego Araujo ; TAVORA, Fabiano Távora Editora Saraiva PDF Criptografado

12   �DIREITO MARÍTIMO E PORTUÁRIO

12.1. BREVE HISTÓRICO

No fim da Idade Média, segundo Dinh, Daillier e Pellet, e durante o Renascimento, as grandes potências marítimas almejaram exercer jurisdição “sobre algumas porções de mar em nome seja da contiguidade (Inglaterra) seja do seu controle efetivo (Gênova sobre o mar Tirreno,Veneza sobre o Adriático) seja por um título pontifical

(Espanha e Portugal – Bula Inter coetera de 1493)” (ob. cit., p. 1166).

Essas pretensões sofreram oposição de outras potências.

Nesse contexto, travou-se a famosa “batalha dos livros”, que opôs o inglês Selden ao holandês Hugo Grotius, defensor da liberdade dos mares. Esta venceu e influenciou sobremaneira o direito consuetudinário.

A partir de meados do século XIX, as regras consuetudinárias começaram a ser codificadas, como foi exemplo a Declaração de Paris de 1856 sobre a guerra marítima, com suas regras detalhadas em seguida com a segunda Conferência de Haia em 1907.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597018882

Capítulo 6 – Planejamento e Controle Financeiro

HOJI, Masakazu Grupo Gen PDF Criptografado

6

PLANEJAMENTO E

CONTROLE FINANCEIRO

6.1 INFORMAÇÕES E TECNOLOGIA

Na fase inicial de um empreendimento, o empresário consegue ter uma visão ampla do seu negócio sem maiores dificuldades. Consegue visualizar facilmente as diversas etapas da atividade empresarial que finalizam com o produto ou serviço.

À medida que o negócio vai crescendo, há necessidade de implementar um sistema de informações gerenciais e utilizar um eficaz Enterprise Resource Planning (ERP).

6.1.1 Sistema de informações gerenciais

As informações sobre o negócio são importantes para o planejamento da empresa porque norteiam as ações e decisões que precisam ser tomadas para que as metas sejam atingidas. Na medida em que a empresa vai evoluindo e sua gestão vai se tornando mais complexa, é indispensável o emprego de um bom sistema de informações gerenciais. A informação é, sem dúvida, um importante diferencial competitivo da empresa em relação a seus concorrentes.

A precária previsibilidade do cenário econômico tem exigido tomadas de decisões rápidas e seguras, para que as empresas possam se apropriar de oportunidades e neutralizar ameaças que se apresentam. O sucesso das decisões mantém estreita relação com a qualidade das informações que o gestor dispõe e de sua capacidade de interpretá-las adequadamente.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553604708

6.5. Lançamento e Decadência

CLAUDIO, Carneiro Editora Saraiva PDF Criptografado

Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de

Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS)

6.5. Lançamento e Decadência

O ICMS é lançado por homologação, conforme o disposto no art. 150 do

CTN, podendo também o Fisco utilizar-se do lançamento de ofício, nas hipóteses contidas nos incisos II e seguintes do art. 149 do CTN. Vale a pena lembrar o teor da Súmula 360 do STJ: O benefício da denúncia espontânea não se aplica aos tributos sujeitos a lançamento por homologação regularmente declarados, mas pagos a destempo.

No que se refere ao prazo de decadência, temos aplicação de dois artigos: o art. 150, § 4º, ou o art. 173, I, do CTN. Nesse sentido temos que, se houve pagamento parcial, aplica-se o primeiro artigo e, se não houve pagamento algum, aplica-se o segundo.

O STJ ratificou tal entendimento, conforme podemos notar no julgamento do AREsp 296.623/SP, cuja ementa é: “Nos casos dos tributos sujeitos ao lançamento por homologação em que o contribuinte não efetua o pagamento antecipado, o termo inicial do prazo decadencial é o primeiro dia do exercício seguinte àquele em que o lançamento de ofício poderia ter sido efetuado, revelando-se inadmissível a aplicação cumulativa/concorrente dos prazos previstos nos arts. 150, § 4º, e 173 do CTN, ante a configuração de desarrazoado prazo decadencial decenal. Nas causas de pequeno valor, nas de valor inestimável, naquelas em que não houver condenação ou for vencida a Fazenda

Ver todos os capítulos
Medium 9788553603053

2. RELEMBRANDO AS DIFERENÇAS CONCEITUAIS DE LEGITIMIDADE E CAPACIDADE

GAGLIANO, Pablo Stolze; PAMPLONA FILHO, Rodolfo Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo VII

Vocação Hereditária

Sumário: 1. Introdução. 2. Relembrando as diferenças conceituais de legitimidade e capacidade. 3. Legitimados para a sucessão hereditária em geral. 4. Legitimidade especial na sucessão testamentária. 4.1. Filhos ainda não concebidos de pessoa indicada pelo testador (prole eventual). 4.1.1. Discussão sobre o enquadramento do embrião como prole eventual. 4.1.2. Discussão sobre a possibilidade de reconhecimento de vocação hereditária autônoma ao embrião. 4.2. Pessoas jurídicas.

4.3. Fundações. 4.3.1. Relembrando as etapas para criação de uma fundação. 4.3.1.1.

Afetação de bens livres por meio do ato de dotação patrimonial. 4.3.1.2. Instituição por escritura pública ou testamento. 4.3.1.3. Elaboração dos estatutos. 4.3.1.4.

Aprovação dos estatutos.. 4.3.1.5. Realização do Registro Civil. 4.3.2. Notas conclusivas sobre a vocação hereditária de fundações. 5. Impedimentos legais sucessórios. 6. Da “vocação hereditária” de animais e coisas.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos