Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788522473403

Parte II ‑ 5 Serviços

Flávio Torres Urdan, André Torres Urdan Grupo Gen PDF Criptografado

5

Serviços

A vida não é tão curta, de modo que sempre há tempo suficiente para a cortesia.1

Ralph Waldo Emerson. Letters and social aims (1876)

Objetivos do Capítulo – apresentar, explicar e ilustrar:

1. O conceito de serviços.

2. A relevância de serviços.

3. As características de serviços.

4. A qualidade de serviços e sua gestão.

5. As classificações de serviços.

6. Os serviços adicionados a bem.

E

m 1992, o empresário Helenio Waddington decidiu reunir hotéis e pousadas que tivessem qualidade de serviços e instalações especiais, além de preocupação ecológica, sob uma marca de grife.2

Contratou um especialista para percorrer o Brasil avaliando hotéis. Após seis meses de mapeamento, cinco hotéis selecionados integraram o primeiro grupo da Associação Roteiros de Charme (). Atualmente, na rede, se encontram desde refúgios ecológicos e pequenas pousadas (atendimento pessoal e clima de casa de campo) até hotel cinco estrelas (com alto requinte e sofisticação internacionais). Além de padrões de decoração e atendimento, os associados cumprem um código de conduta ambiental e várias normas

Ver todos os capítulos
Medium 9788527723879

30 - Síntese de Proteínas

Lubert Stryer, Jeremy M. Berg, John L. Tymoczko Grupo Gen PDF Criptografado

30

Síntese de Proteí­nas

Polipeptídio

50S

E

P

A

30S

59 mRNA

39

O ribossomo, mostrado à direita, é uma fábrica de produção de polipeptídios. Os aminoá­cidos são transportados até o ribossomo, um de cada vez, conectados a moléculas de RNA transportador.

Cada aminoá­cido é unido à cadeia polipeptídica em crescimento, que só se desprende do ribossomo após o polipeptídio estar completo. Essa abordagem de linha de montagem possibilita a rápida montagem de cadeias polipeptídicas muito longas, com impressionante acurácia. [Imagem à esquerda, de Birmingham Premium/Alamy.]

A

informação genética é de suma importância pelas proteí­nas que codi­ fica, já que estas desempenham a maioria dos papéis funcionais nas células. Nos Capítulos  28 e 29, examinamos como o DNA é replicado e transcrito em RNA. Passaremos agora ao mecanismo de síntese de proteí­ nas, um processo denominado tradução, visto que o alfabeto de quatro letras dos ácidos nucleicos é traduzido no alfabeto totalmente diferente, de vinte letras, das proteí­nas. A tradução é um processo conceitualmente mais complexo do que a replicação ou a transcrição, ambos os quais ocorrem dentro da estrutura de uma linguagem comum de pareamento de bases.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553604425

Capítulo 7 - O que deve ser ortodoxo

Jeffrey Toobin Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo 7

O que deve ser ortodoxo

Durante os anos 1990, não era apenas a Sociedade Federalista a liderar a ofensiva conservadora na Suprema Corte. Os professores de direito e seus alunos podiam surgir com teorias e escrever artigos eruditos e ensaios, mas, ainda assim, o movimento precisava do equivalente jurídico dos soldados de infantaria – os advogados que iriam levar os casos à Corte. No direito, assim como na política, as melhores tropas vinham do setor mais passional e comprometido da colisão conservadora

– os cristãos evangélicos.

Os evangélicos se uniram à luta na Suprema Corte porque eles eram os que se sentiam mais ultrajados pelo estado da América (ainda mais do que os críticos acadêmicos de direita). Enquanto os scholars conservadores teciam teorias sobre o âmbito da Cláusula do Comércio, ativistas evangélicos testemunhavam o impacto real das decisões da

Suprema Corte – em frente a clínicas de aborto, em reuniões do conselho escolar, nos jogos de futebol do ensino médio. Os ativistas estavam corretos: a Corte os contrariava há muito tempo. Durante mais de uma geração, os juízes se envolveram em uma iniciativa mais ou menos explícita de secularizar a Constituição.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580554137

Locais efetores para o equilíbrio do cálcio

Douglas Eaton, John Pooler Grupo A PDF Criptografado

Regulação do cálcio, do magnésio e do fosfato   175

cálcio, fosfato e grupos hidroxila.1 As reservas de cálcio do osso constituem um enorme sistema-tampão que mantém o nível plasmático de cálcio quase constante, independentemente do equilíbrio corporal total. Por conseguinte, variações habituais na ingestão e na excreção de cálcio exercem pouco efeito sobre os níveis plasmáticos, devido a esse rigoroso tamponamento. Naturalmente, a regulação de longo prazo do cálcio total no osso é importante para o crescimento ósseo durante a infância e a integridade do osso na vida adulta. Aqui, os rins desempenham um papel significativo, porém indireto, visto que (1) excretam cálcio na urina e (2) estão envolvidos na produção da forma ativa da vitamina D, que é um importante controlador da absorção GI de cálcio.

LOCAIS EFETORES PARA O EQUILÍBRIO DO CÁLCIO

Trato gastrintestinal

A maior parte do cálcio da dieta passa simplesmente pelo trato GI e é eliminada nas fezes. A quantidade absorvida depende de numerosos fatores, em particular da quantidade de cálcio na dieta. Parte do cálcio absorvido move-se por um processo transcelular ativo e regulado no duodeno. A maioria é absorvida por difusão paracelular na parte inferior do intestino delgado, onde o conteúdo intestinal permanece por muito mais tempo do que os poucos minutos no duodeno mais curto, tendo, portanto, maior oportunidade de absorção passiva. O sistema de transporte ativo no duodeno desempenha seu papel mais importante quando o cálcio da dieta é limitado. O cálcio entra de modo passivo nas células duodenais por meio de canais seletivos para o cálcio (membros da família TRP

Ver todos os capítulos
Medium 9788565848428

Capítulo 6 | Domínio da gestão em educação a distância: foco na coordenação de cursos

Patricia A. Behar, Alexandra Lorandi Macedo, Ana Carolina Ribeiro Ribeiro, Cláudia Zank, Cristina Alba Wildt Torrezzan, Daisy Schneider, Fátima Weber Rosas, Ketia Kellen Araújo de Silva, Leticia Rocha Machado, Liane Margarida Rockenbach Tarouco Grupo A PDF Criptografado

Domínio da gestão em educação a distância foco na coordenação de cursos

6

Maira Bernardi, Sônia Dondonis Daudt, Patricia Alejandra Behar

INTRODUÇÃO

Atualmente, pode-se afirmar que a educação a distância (EAD) contribui para a difusão das tecnologias e para a constituição e ampliação de redes de convivência virtual. Nesse contexto, encontra-se inserida a instituição universitária, pública ou privada que, com suas características e complexidades particulares, passa a exigir novos processos de gestão do sistema educativo frente a essa circunstância.

Acredita-se que o uso das tecnologias na educação com ênfase na reprodução do conhecimento não responde mais às expectativas de aprendizagem no mundo atual. Percebe-se, assim, a superação da ideia de armazenamento e difusão da informação por meio de tecnologia em si. Por essa razão, a sua utilização deve estar entre as principais preocupações dos gestores, assim como a proposição de iniciativas de gestão que possibilitem uma mudança organizacional flexível, “[...] possível apenas com a interação humana, livre, criativa e variada [...]” (Sathler; Josgrilberg; Azevedo, 2008, p. 2).

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos