Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788582714034

Capítulo 18 - Trocas e Transporte de Gases

Dee Unglaub Silverthorn Grupo A PDF Criptografado

18

A escalada bem-sucedida do Monte

Everest sem suprimento de oxigênio é uma das maiores sagas do século

XX.

John B. West, Climbing with

O´s, NOVA Online (www.pbs. org).

Trocas e Transporte de

Gases

TÓPICOS ABORDADOS E OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Troca de gases nos pulmões e nos tecidos 565

18.1 Citar três parâmetros do sangue arterial que influenciam a ventilação.

18.2 Fazer um gráfico das pressões parciais normais de O2 e CO2 na atmosfera, nos alvéolos, no sangue arterial, nas células em repouso e no sangue venoso.

18.3 Descrever todos os fatores que influenciam a troca gasosa entre a atmosfera e o sangue arterial.

18.4 Explicar a diferença entre a concentração de um gás em solução e a pressão parcial de um gás em solução, utilizando o O2 e o CO2 como exemplos.

Transporte de gases no sangue 571

18.5 Explicar como a equação de Fick utiliza o fluxo de massas e o equilíbrio de massas para relacionar o débito cardíaco ao consumo celular de oxigênio.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553603138

5. Tipo subjetivo: adequação típica

PDF Criptografado

e fiscalização do Estado, normalmente pelo Ministério da Saúde, através da ANVI­

SA, nos termos da Lei n. 9.782/99. Com essa delimitação inicial não solucionamos, contudo, todas as dúvidas em torno à aplicação do tipo penal em questão, porque o art. 56 da Lei n. 9.605/98, que dispõe sobre o meio ambiente, prevê como crime, justamente, “produzir, processar, embalar, importar, exportar, comercializar, fornecer, transportar, armazenar, guardar, ter em depósito ou usar produto ou substância tóxica, perigosa ou nociva à saúde humana ou ao meio ambiente, em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou nos seus regulamentos” (o grifo é nosso). À primeira vista, poderíamos afirmar que o art. 56 da Lei n. 9.605/98 abrange as condutas incriminadas no art. 278, derrogando-o tacitamente. Contudo, é possível estabelecer algumas diferenças entre esses dois tipos penais, de modo a delimitar o

âmbito de aplicação de cada um deles.

Em primeiro lugar, para a configuração do art. 56 da Lei n. 9.605/98, como norma penal em branco, é suficiente a realização das ações incriminadas em desacordo com as exigências legais em matéria sanitária. Em outros termos, aquele que comercializar substância tóxica perigosa para a saúde em desacordo com a norma­ tiva aplicável, sendo a fabricação em si da substância permitida, comete o crime do art. 56. Seria o caso, por exemplo, da comercialização de agrotóxicos e raticidas de fabricação autorizada num mercado de frutas frescas, ou num açougue, em desa­ cordo com o estabelecido no Decreto n. 4.074/2002 (ou aquele que o substituir).

Ver todos os capítulos
Medium 9788582711897

Capítulo 8 - Delineando estudos de caso-controle

Stephen B. Hulley, Steven R. Cummings, Warren S. Browner, Deborah G. Grady, Thomas B. Newman Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO

8

Delineando estudos de caso-controle

Thomas B. Newman, Warren S. Browner, Steven R. Cummings e Stephen B. Hulley

No Capítulo 7, introduzimos os estudos de coorte, em que a sequência das medições é a mesma da cronologia de causa e efeito: primeiro, mede-se a variável preditora e, depois (após um intervalo de seguimento), o desfecho. O estudo de caso-controle inverte essa sequência temporal. Ele começa com a seleção de uma amostra de pacientes com o desfecho (casos) e outra amostra sem o desfecho (controles); então, comparam-se os níveis das variáveis preditoras nas duas amostras para determinar quais estão associadas ao desfecho. Por exemplo, um estudo de caso-controle poderia reunir um conjunto de casos de melanoma ocular e uma amostra de controles hígidos. Então, buscar-se-iam dados em cada grupo sobre exposição prévia à soldagem a arco elétrico, para estimar como ela afeta o risco de desenvolver melanoma ocular. O delineamento de caso-controle tem custo relativamente baixo e é muito eficiente para estudar doenças raras.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547222918

28.3 Responsabilidade dos tabeliães e registradores sobre a fiscalização da regularidade previdenciária e da receita federal pelos atos que praticam

SERRA, Márcio Guerra Editora Saraiva PDF Criptografado

220

Registro de Imóveis I – Parte Geral

imóveis nada tem a ver com as atividades regulares da empresa; muito pelo contrário, trazem indícios de que ela está buscando liquidar seu patrimônio.

Todavia, tal regra de dispensa prevista no Decreto n. 3.048/99 foi revo‑ gada pelo Decreto n. 8.302/2014. E mais, regra semelhante contida no art. 407 da Instrução Normativa RFB n. 971/2009 foi também revogada. O que está atualmente em vigor é basicamente uma cópia da sistemática anterior e é fun‑ damentada no art. 17 da Portaria conjunta RFB/PGFN n. 1.751/2014, que dispõe:

Art. 17. Fica dispensada a apresentação de comprovação da regularidade fiscal:

I – na alienação ou oneração, a qualquer título, de bem imóvel ou direito a ele relativo, que envolva empresa que explore exclusivamente atividade de compra e venda de imóveis, locação, desmembramento ou loteamento de terrenos, incorporação imobiliária ou construção de imóveis destinados à venda, desde que o imóvel objeto da transação esteja contabilmente lançado no ativo circulante e não conste, nem tenha constado, do ativo permanente da empresa;

Ver todos os capítulos
Medium 9788521623762

CAPÍTULO 10 - A IMPORTÂNCIA DOS DESLOCAMENTOS DOS BOCAIS

FRANÇA FILHO, José Luiz de Grupo Gen PDF Criptografado

87

C A P Í T U L O 10 — A I M P O RTÂN C I A D O S D E S L O C AME N TO S D O S BO C AI S

10

III

Resumindo nossa abordagem sobre as tensões e reações de flexibilidade, isto é, aquelas que são provenientes da expansão/ contração térmica de um sistema de tubulação cujas extremidades são impedidas de se deslocar livremente, chegamos à conclusão de que todas essas figuras se constituem em formas de representar o estado de deformação de nossa “estrutura tubular”. Tudo provém, na verdade, da deformação total a que a tubulação está submetida e tanto as tensões atuantes em cada ponto do sistema, como as reações impostas nos pontos de restrição estão relacionadas diretamente ao grau de deformação localizada em cada um dos trechos que a compõe. Novamente, estamos falando que um sistema de tubulação com as extremidades impedidas de

PARTE

A IMPORTÂNCIA DOS

DESLOCAMENTOS

DOS BOCAIS

se deslocar, quando submetido à variação térmica e aos deslocamentos impostos externamente por bocais de equipamentos e restrições intermediárias, experimenta uma deformação total, que resulta da combinação da variação de comprimento de seus componentes com os deslocamentos externos que lhe foram aplicados.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos