Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788547208066

4. Direitos Políticos

VELLOSO, Carlos Mario da Silva; AGRA, Walber de Moura Editora Saraiva PDF Criptografado

4

Direitos Políticos

Direitos políticos são prerrogativas ligadas à cidadania, no sentido de outorgar à população o direito de participar da escolha das decisões tomadas pelos órgãos governamentais. Ele é um direito-dever de atuação do povo na determinação das políticas públicas, expressando através dessa prerrogativa livremente suas opiniões.1

Para Kelsen, os direitos políticos devem ser entendidos como a possibilidade de o cidadão participar do governo, ajudando na criação da ordem jurídica.2 Apenas quem pode exercer os direitos políticos são os cidadãos brasileiros, porque são nacionais e possuem vínculo de direitos e obrigações com o país, o que exclui os estrangeiros desse conceito, com exceção do português equiparado. Conforme a lição de

Canotilho, os direitos políticos só são atribuídos aos cidadãos ativos.3

Os direitos políticos podem ser divididos em ativos e passivos. Ativos são aqueles que consistem no direito-dever de o cidadão escolher livremente seus candidatos nos pleitos eleitorais, participar de plebiscitos e referendos e emitir sua opinião em todas as possibilidades propiciadas pelo espaço público. Passivos são aqueles que se configuram no direito de o candidato poder receber o voto de seus concidadãos. Para que essa prerrogativa possa ocorrer, ele deve preencher todos os requisitos inexoráveis ao jus bonorum, demonstrando possuir as condições necessárias de elegibilidade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527726276

3 - Traumatismo Craniofacial

BRANT, William E.; HELMS, Clyde A. Grupo Gen PDF Criptografado

GIL

O2|

OGIA

Capítulo 3    TRAUMATISMO CRANIOFACIAL

Robert M. Barr, Alisa D. Gean e Tuong H. Le

Traumatismo craniano

Estratégia de imagem

Radiografia.  A fratura de crânio, com ou sem sinais de dano neu‑ rológico, é um fator de risco independente para lesão intracraniana de relevância neurocirúrgica.1 Portanto, no caso de traumatismo cra‑ niano clinicamente oculto, o diagnóstico de fratura do crânio serve de alerta para a possibilidade de lesão intracraniana neurologica‑ mente importante imediata ou tardia. Entretanto, a radiografia con‑ vencional (em filme ou digital) por si só não apresenta sensibilidade para detectar uma patologia intracraniana2‑4 e não deve ser realizada em detrimento de uma anamnese e de um exame físico detalhados.

Pacientes considerados de baixo risco de dano intracraniano com base na anamnese e no exame físico devem ser mantidos sob observa‑

ção, e aqueles considerados de alto risco devem ser submetidos a TC.

Ver todos os capítulos
Medium 9788584932320

7.A independência do Brasil e a felicidade

Leal, Saul Tourinho Grupo Almedina PDF Criptografado

7.A independência do Brasil e a felicidade7.1. Como as revoluções norte-americana e francesa influenciaram a independência do BrasilA felicidade foi uma aspiração relevante no início da trajetória brasileira após a sua independência e, em seguida, na sua própria jornada constitucional.Presente nas manifestações da época, simbolizava um bem a ser protegido, tanto quanto o foi na Independência norte-americana e na RevoluçãoFrancesa. Temos marcos comuns nos processos políticos voltados para a exortação da felicidade como digna de amparo político e jurídico.A Independência do Brasil se deu num contexto no qual os governos absolutistas atravessavam crises. Bandeiras burguesas começaram a ser defendidas, tais como: crítica às instituições políticas e religiosas; crença na existência de direitos naturais; defesa das formas representativas de governo; enaltecimento da soberania nacional; afirmação da supremacia das leis; e defesa dos princípios da liberdade e da igualdade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582712757

Capítulo 71. Depoimento

Celso Gutfreind Artmed PDF Criptografado

71

DEPOIMENTO

A Andréa, da Secretaria de Cultura, pediu um depoimento sobre um encontro. Eu vou dar. Ele poderia vir encadeado como uma prosa, cortado como uma poesia, mas veio como uma crônica. Viria de qualquer forma, porque eu fui à Vila de Passagem, um assentamento de famílias no bairro

Rio Branco. Levou-me um acordo entre o Instituto Estadual do Livro e o município de Canoas.

A Vila de Passagem é repleta de famílias pobres. Há muitos cachorros, galinhas, passarinhos, piolhos. Contei dois carrapatos na volta, que subiam à direita do meu jeans. São detalhes ínfimos diante do essencial: as crianças. As suas famílias estão meio amontoadas enquanto os pais esperam as casas definitivas. Os filhos estudam em escolas públicas, porém,

é fevereiro e estão de férias. Faz muito calor, não há ventilador, muito menos ar-condicionado. Há um auditório feito de tapumes no meio das habitações improvisadas, tráfico de drogas no entorno, tédio, violência, falta do que fazer.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582603369

Capítulo 17 - Introdução a JavaFX

Herbert Schildt Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 17

Introdução a JavaFX

Capítulo 17

Introdução a JavaFX

567

Principais habilidades e conceitos

• Entender os conceitos de JavaFX referentes a palco, cena, nó e grafo de cena

• Conhecer os métodos JavaFX de ciclo de vida

• Conhecer a forma geral de um aplicativo JavaFX

• Saber como iniciar um aplicativo JavaFX

• Criar um Label

• Usar Button

• Tratar eventos

• Usar CheckBox

• Trabalhar com ListView

• Criar um TextField

• Adicionar efeitos

• Aplicar transformações

.....................................................................................................................................

N

o universo acelerado da computação, a mudança é constante e a arte e a ciência de programar continuam evoluindo e avançando. Logo, não deve surpreender o fato de os frameworks Java também participarem desse processo. Você deve lembrar de que o framework original de GUI era AWT. Ele foi rapidamente seguido por

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos