Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788582714034

Capítulo 13 - Fisiologia Integrativa I: controle do movimento corporal

Dee Unglaub Silverthorn Grupo A PDF Criptografado

13

Extrair sinais do encéfalo para controlar diretamente dispositivos robóticos tem sido um tema de ficção científica que parece destinado a se tornar realidade.

Dr. Eberhard E. Fetz, “Ratos

Operam Braço Robótico Via

Atividade Cerebral”, Science

News 156: 142, 8/28/1999.

Fisiologia Integrativa I: controle do movimento corporal

TÓPICOS ABORDADOS E OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Reflexos neurais 418

13.1 Listar quatro maneiras de classificar as vias neurais reflexas.

Reflexos autonômicos 420

13.2 Listar alguns exemplos de reflexos autonômicos.

Reflexos musculares esqueléticos 420

13.3 Fazer um esquema das etapas de um reflexo muscular esquelético, incluindo os seguintes termos: neurônio motor alfa, proprioceptor, fibras extrafusais, tônus muscular.

13.4 Fazer um esquema de um reflexo de estiramento com a coativação alfa-gama no fuso muscular.

13.5 Usar os seguintes termos para explicar o reflexo patelar: reflexo de estiramento monossináptico, inibição recíproca, unidade miotática.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597013610

7 - Custeio baseado em atividades – ABC

CREPALDI, Silvio Aparecido; CREPALDI, Guilherme Simões Grupo Gen PDF Criptografado

Custeio baseado em atividades – ABC

7

�� Objetivos

»» Identificar o conjunto de custos de cada transação ou evento na organização e como age um direcionador de custos.

»» Conhecer e justificar como o custeio baseado em atividades (Activity-Based Costing – ABC) permite minimizar as distorções ocorridas no método de custeio por absorção.

»» Conhecer quais são as atividades que estão consumindo de forma mais significativa os recursos da produção.

»» Propiciar uma avaliação mais precisa dos custos das atividades e dos processos, favorecendo a sua redução por meio de aprimoramentos contínuos e descontínuos.

7.1 Introdução

O mundo evolui e a economia tem que acompanhar essa evolução. Num mercado cada vez mais globalizado, a concorrência passa a ter escala mundial e favorece a oferta de bens e serviços de alta qualidade e de baixo custo. Melhorar a eficiência e reestruturar a empresa, voltando-a para eficácia, tornaram-se metas comuns no atual ambiente de negócios e com isso as informações de custos passaram a ser cada vez mais relevantes

Ver todos os capítulos
Medium 9788547229481

14.5. QUESTÕES

CAPARROZ, Roberto Editora Saraiva PDF Criptografado

14

JJ

Cláusulas Abusivas no CDC

763

14.4.12. �

Cláusulas que possibilitem a renúncia do direito de indenização por benfeitorias necessárias como exemplos de cláusulas abusivas no CDC

Por fim, prevê o art. 51, inciso XVI, do Código de Defesa do Consumidor que são exemplos de cláusulas abusivas aquelas que “possibilitem a renúncia do direito de indenização por benfeitorias necessárias”.

Sobre o tema, vale destacar o disposto no art. 96 do Código Civil, que classifica as benfeitorias em voluptuárias, úteis ou necessárias. Definem os parágrafos do citado dispositivo legal o significado de cada uma das espécies de benfeitorias, nos seguintes termos:

São voluptuárias as de mero deleite ou recreio, que não aumentam o uso habitual do bem, ainda que o tornem mais agradável ou sejam de elevado valor.

JJ São úteis as que aumentam ou facilitam o uso do bem.

JJ São necessárias as que têm por fim conservar o bem ou evitar que se deteriore.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547229849

CAPÍTULO I - SALÁRIO E REMUNERAÇÃO

BASILE, César Reinaldo Offa Editora Saraiva PDF Criptografado

Título I

DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO

Capítulo I

SALÁRIO E REMUNERAÇÃO

A remuneração é gênero do qual salário é espécie. Dessa forma, todo salário é remuneração, porém, nem toda remuneração é salário.

1 DEFINIÇÃO E COMPOSIÇÃO

1.1. SALÁRIO

Salário representa a contraprestação em dinheiro ou utilidade, oferecida diretamente pelo empregador ao empregado, em função do contrato de trabalho, para satisfazer suas necessidades vitais e de sua família.

O salário detém natureza forfetária, posto que, independentemente do sucesso do empreendimento, será sempre devido ao trabalhador. Também é dotado do que o Ministro Maurício Godinho Delgado denomina efeito expansionista circular, ou seja, aptidão para produzir repercussão econômica (reflexos) em diversas verbas de natureza salarial.

O salário pode ser estipulado: a) por unidade de tempo (sem levar em consideração a produção, mas tão somente a duração do trabalho); b) por unidade de obra (sem levar em consideração a duração do trabalho, mas tão somente a produção); ou c) por tarefa (que leva em consideração tanto a produção como a duração do trabalho, ou seja, determinado valor para completar uma determinada tarefa em um determinado lapso temporal).

Ver todos os capítulos
Medium 9788553603633

CAPÍTULO II-A - DOS CRIMES PRATICADOS POR PARTICULAR CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ESTRANGEIRA

GONÇALVES, Victor Eduardo Rios Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo II-A

DOS CRIMES PRATICADOS POR PARTICULAR CONTRA

A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ESTRANGEIRA

A globalização e o aumento das transações comerciais internacio‑ nais motivaram a aprovação da Lei n. 10.467/2002, que acrescentou este Capítulo no Código Penal, criando os novos ilícitos penais de corrupção ativa e tráfico de influência em transação comercial inter‑ nacional, bem como estabelecendo a definição de funcionário públi‑ co estrangeiro.

Os crimes desse Capítulo são de ação pública incondicionada.

1. Corrupção ativa. Está prevista no art. 337-B, e pune com reclu‑ são, de um a oito anos, e multa, quem promete, oferece ou dá, direta ou indiretamente, vantagem indevida a funcionário público estran‑ geiro, ou a terceira pessoa, para determiná-lo a praticar, omitir ou retardar ato de ofício relacionado a transação comercial internacional.

Na realidade as condutas típicas, momento consumativo e sujeito ati‑ vo seguem as mesmas regras da corrupção ativa comum (art. 333), à exceção da conduta “dar”, que foi acrescentada. O que diferencia esta modalidade de corrupção ativa do delito comum é o fato de que, nes‑ te, a corrupção ativa visa a funcionário público brasileiro (no âmbito federal, estadual ou municipal), enquanto, na nova legislação, a con‑ duta visa a funcionário estrangeiro e pressupõe que o agente tenha a intenção de obter daquele, com a vantagem indevida, benefício rela‑ cionado a alguma transação comercial internacional.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos