Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788582713532

Capítulo 4 - Anatomia funcional de células procarióticas e eucarióticas

Gerard J. Tortora; Christine L. Case; Berdell R. Funke Grupo A PDF Criptografado

Na clínica

Como enfermeira(o) pediátrica(o), você atende uma paciente de 8 anos, Sophia, que acabou de ser diagnosticada com infecção do trato urinário

(ITU). Você orienta a mãe de Sophia que ITUs são bastante comuns em crianças, sobretudo em meninas. Ao entregar à mãe uma prescrição para estreptomicina, ela questiona por que Sophia simplesmente não pode ser tratada de novo com penicilina – este foi o fármaco que ela recebeu no último inverno para tratar uma infecção no tórax.

Dica: leia sobre a parede celular nas páginas 80 a 85.

4

Anatomia funcional de células procarióticas e eucarióticas

A

pesar de sua complexidade e variedade, todas as células vivas podem ser classificadas em dois grupos, procarióticas e eucarióticas, com base em certas características funcionais e estruturais. Em geral, os procariotos são estruturalmente mais simples e menores que os eucariotos. O DNA (material genético) dos procariotos é arranjado em um cromossomo simples e circular, não sendo circundado por uma membrana; o DNA dos eucariotos é encontrado em cromossomos múltiplos em um núcleo circundado por uma membrana. Procariotos não têm organelas revestidas por membranas, as quais são estruturas celulares especializadas com funções específicas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527732352

12 - Avaliação e Intervenção na Família no Contexto da Saúde Coletiva | Pressupostos Teóricos e Metodológicos

SOUZA, Marina Celly Martins Ribeiro de; HORTA, Natália de Cássia Grupo Gen PDF Criptografado

12

Avaliação e Intervenção na Família no Contexto da Saúde Coletiva |

Pressupostos Teóricos e

Metodológicos

Gisele Fráguas, Shirley Pereira de Almeida e Sônia Maria Soares

Resumo

A Estratégia Saúde da Família tem como propósito atender a família integralmente em seu espaço social desenvolvendo ações de promoção, prevenção, tratamento e recuperação da saúde, aumentando sua capacidade resolutiva a partir da atenção e do cuidado da unidade familiar. Para atender à família, é necessário que os profissionais compreendam seu conceito, sua dinâmica e seu papel com cada um de seus membros, conhecendo os determinantes envolvidos no processo saúde-doença e sua influência na interação entre as famílias.

O objetivo deste capítulo consiste em descrever algumas concepções acerca do conceito das diversas modalidades de família, bem como delinear seu contexto histórico e os instrumentos de avaliação e intervenção acessíveis aos profissionais nas unidades de saúde.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597013733

5 - 13º Salário – Gratificação Natalina

OLIVEIRA, Aristeu de Grupo Gen PDF Criptografado

5

13o Salário – Gratificação Natalina

O art. 7º, inciso VIII, da Constituição Federal estabeleceu a expressão “décimo terceiro salário’’, para a gratificação natalina. É importante ressaltar que a Constituição determina que seja pago com base na remuneração integral.

A gratificação natalina foi instituída pela Lei nº 4.090, de 13-7-1962, com alterações introduzidas pela Lei nº 4.749, de 12-8-1965.

1 Esclarecimentos

Integram o 13º salário, de acordo com as Súmulas nos 45 e 253, as horas extras prestadas habitualmente e a gratificação semestral, pelo seu duodécimo.

O percentual relativo ao FGTS incide sobre o pagamento das duas parcelas.

O 13º salário deve ser pago em duas parcelas. A primeira será paga entre os meses de fevereiro e novembro de cada ano e a segunda até o dia 20 de dezembro. Seu valor corresponderá a 1/12 da remuneração devida em dezembro, por mês de serviço, do ano correspondente, sendo que a fração igual ou superior a 15 dias de trabalho será havida como mês integral.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547222680

21.2. Procuração: Instrumento do Mandato

LÔBO, Paulo Editora Saraiva PDF Criptografado

temente são atribuídas ao mandante, por exemplo, a de reembolsar o mandatário dos gastos ou de ressarci-lo dos danos, não constituem contrapartida das obrigações assumidas pelo mandatário. Por outro lado, a bilateralidade do mandato é relativa, pois é da natureza desse contrato a possibilidade de revogação unilateral, por parte do mandante. O mandato judicial, outorgado a advogado, é oneroso e bilateral, sendo devidos os honorários advocatícios ajustados ou arbitrados pelo juiz, salvo se tiver atuado voluntariamente por motivos éticos em assistência judiciária gratuita. Em qualquer espécie, está sujeito o mandatário a prestação de contas ao mandante, exceto se tiver havido prévia dispensa desta.

Considerando que o mandato é um contrato consensual, perfazendo-se com o mero acordo de vontades, justifica-se a liberdade de forma para a sua validade ou para sua prova. O mandato pode ser verbal ou escrito, porém seu instrumento de outorga dos poderes, a procuração, será sempre escrito. O mandato constituído oralmente é verbal, provando-se por meio de testemunhas ou outros meios hábeis.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553603114

4. Tipo objetivo: adequação típica

BITENCOURT, Cezar Roberto Editora Saraiva PDF Criptografado

poderá ser, de acordo com as circunstâncias, não este, mas qualquer outro, como, por exemplo, arts. 322 e 350 do CP, art. 3º da Lei n. 4.898/65 etc.

Sujeito passivo pode ser qualquer pessoa, desde que capaz de sentir a violência e motivar-se com ela; em outros termos, é necessária a capacidade de autodeterminação, ou seja, a capacidade de conhecer e se autode­terminar de acordo com esse conhecimento. Assim, estão excluídos os enfermos mentais, as crianças, os loucos de todo o gênero etc. Se, no entanto, o constrangimento for praticado contra seus re­ presentantes, com a finalidade de permitirem que se faça algo com eles, desautoriza­ do em lei, os incapazes serão, nesse caso, objeto do crime, e seus responsáveis serão os sujeitos passivos3. A incapacidade física, isto é, a incapacidade operacional (alei­ jados, paralíticos etc.) do sujeito passivo, não afasta a possibilidade de ser sujeito passivo do crime de constrangimento ilegal; aliás, poderá configurar uma agravante

(art. 61, III, h (enfermo) ou j (desgraça particular do ofendido), conforme o caso).

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos




Carregar mais