Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788527725040

9 Relação Personal Trainer-Cliente: Parceria para o Crescimento

ACSM Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo

9

Relação Personal Trainer–

Cliente: Parceria para o

Crescimento

OBJETIVOS

• Compreender que uma relação Personal Trainer–Cliente aprobativa

estabelece o contexto para uma mudança bem-sucedida e duradoura

Aprender como estabelecer uma poderosa relação baseada na confiança, em excelentes habilidades de comunicação e em uma abordagem imparcial

Aprender a importância de estar plenamente engajado com um cliente durante uma sessão de treinamento através do controle de sua energia e de seu enfoque

190

009acsm1.indd 190

16.03.11 16:05:42

Relação Personal Trainer–Cliente: Parceria para o Crescimento

191

A

capacidade de construir relações de qualidade com seus clientes é essencial para uma carreira excepcionalmente gratificante como Personal Trainer. Você terá de balancear delicadamente a orientação de seus clientes e a capacidade de mantê-los responsáveis, o que constitui uma tarefa desafiadora. Na condição de Personal Trainer, você terá que erigir tendo como base as qualidades de seus clientes e promover uma ação positiva capaz de fomentar uma mudança duradoura.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553602957

7. COMUNICAÇÃO DOS ATOS PROCESSUAIS

Cassio Scarpinella Bueno Editora Saraiva PDF Criptografado

acentuando a necessidade de o contraditório ser observado (e nem poderia ser diverso) com o próprio magistrado, e das consequências a serem aplicáveis. Na preservação da inércia, os autos serão enviados para o substituto legal do magistrado para a deliberação cabível.

7.

COMUNICAÇÃO DOS ATOS PROCESSUAIS

O Título II do Livro IV da Parte Geral cuida da “comunicação dos atos processuais”.

Os atos processuais são cumpridos por ordem judicial (art. 236, caput), sendo certo que os incisos do art. 237 preveem, consoante o caso, a necessidade de serem expedidas cartas para a comunicação dos atos processuais.

A carta será de ordem quando o Tribunal determinar, aos juízes a ele vinculados, a prática de ato fora de seus limites territoriais do local de sua sede (art. 237, I, e art. 236,

§ 2o).

Quando se tratar de comunicação entre órgãos jurisdicionais brasileiros e estrangeiros, será expedida carta rogatória (art. 237, II), que deve ser dispensada – e isso é uma novidade do CPC de 2015 – nos casos em que for viável o auxílio direto entre o órgão jurisdicional brasileiro e o estrangeiro (art. 28).

Ver todos os capítulos
Medium 9788547229672

CAPÍTULO - MOEDA FALSA

BITENCOURT, Cezar Roberto Editora Saraiva PDF Criptografado

MOEDA FALSA

LXXII

Sumário: 1. Considerações preliminares. 2. Bem jurídico tutelado. 3. Sujeitos do crime. 4. Tipo objetivo: adequação típica. 4.1. Objeto material: moeda metálica ou papel-moeda de curso legal. 5. Tipo subjetivo: adequação típica. 6. Classificação doutrinária. 7. Consumação e tentativa. 8. Crime subsequente à falsificação (§ 1º): circulação de moeda falsa. 8.1. Sujeito ativo da circulação de moeda falsa. 9. Figura privilegiada: restituir à circulação moeda falsa recebida de boa-fé. 10. Figura qualificada (§

3º): fabricação ou emissão irregular de moeda. 10.1. Sujeitos do crime. 11. Desvio e circulação antecipada de moeda. 12. Pena e ação penal.

TÍTULO X

DOS CRIMES CONTRA A FÉ PÚBLICA

Capítulo I

DA MOEDA FALSA

Moeda falsa

Art. 289. Falsificar, fabricando-a ou alterando-a, moeda metálica ou papel-moeda de curso legal no país ou no estrangeiro:

Pena – reclusão, de 3 (três) a 12 (doze) anos, e multa.

§ 1º Nas mesmas penas incorre quem, por conta própria ou alheia, importa ou exporta, adquire, vende, troca, cede, empresta, guarda ou introduz na circulação moeda falsa.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520461280

12 • Critérios de retirada do dreno torácico

Bruno José da Costa Medeiros, Fernando Luiz Westphal, Luiz Carlos de Lima Editora Manole ePub Criptografado

Após passar por todas as fases da drenagem pleural, como apresentado nos capítulos anteriores, sucede-se o momento da retirada do dreno. Os critérios para a retirada do dreno torácico são bem definidos e baseiam-se na melhora clínica e radiológica do paciente (Paydar et al., 2015):

•drenagem menor que 200 mL nas últimas 24 horas: o débito do dreno das últimas 24 horas é um dos parâmetros que mais varia entre os autores, com valores aceitos de 200 a 500 mL (Novoa et al., 2017); nos casos de trauma, a recomendação dos autores deste livro é de uma drenagem menor que 200 mL nas últimas 24 horas;

•parada de escape aéreo representada pela ausência de borbulhamento no frasco coletor;

•radiografia de tórax de controle apresentando pulmão expandido;

•melhora clínica do paciente: ausculta pulmonar recuperada, presente em todos os campos pulmonares; melhora na expansibilidade pulmonar, à inspeção; paciente eupneico e com boa saturação de O2 em ar ambiente.

Os materiais usados na retirada do dreno torácico são:

Ver todos os capítulos
Medium 9788521632009

19 - Energia Potencial Elétrica e Potencial Elétrico

John D. Cutnell, Kenneth W. Johnson Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo

19

Energia Potencial Elétrica e

Potencial Elétrico

19.1 Energia Potencial

No Capítulo 18, discutimos a força eletrostática que duas cargas pontuais exercem uma na outra, cujo módulo é F 5 kq1q2/r2. A forma desta equação é semelhante à da força gravitacional que duas partículas exercem uma sobre a outra, que é F 5 Gm1m2/r2, de acordo com a lei da gravitação universal de Newton (veja a Seção 4.7). Estas duas forças são conservativas e, como explicado na Seção 6.4, uma energia potencial pode ser associada com a força conservativa. Dessa forma, existe uma energia potencial elétrica que é análoga à energia potencial gravitacional. Para preparar o terreno para uma discussão da energia potencial elétrica, vamos rever alguns dos aspectos importantes do análogo gravitacional.

A Figura 19.1, que é essencialmente a Figura 6.10, representa uma bola de basquete de massa m caindo do ponto A até o ponto B. A força gravitacional, m é a única força atuando sobre a bola, em que g é o módulo da aceleração decorrente da gravidade. Como discutido na

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos