Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788580551082

1. Escopo da imagem diagnóstica

Chen, Michael Y. M. Grupo A PDF Criptografado

Parte I. Introdução

Escopo da imagem diagnóstica

Michael Y. M. Chen, MD

Christopher T. Whitlow, MD, PhD

Radiografia convencional

Estudos de contraste

Tomografia computadorizada

Por quase meio século após o raio X ter sido descoberto por Roentgen, em 1895, a imagem radiológica se baseava principalmente na radiografia simples e na contrastada. Essas imagens foram criadas por exposição de filme a um feixe de raios

X atenuado após a penetração no corpo. A produção dos raios X e das imagens radiográficas será descrita no próximo capítulo. Nesta última metade de século, a radiologia diagnóstica passou por grandes alterações e avanços. A medicina nuclear, a ultrassonografia, a tomografia computadorizada (TC) e a angiografia convencional foram criadas entre 1950 e 1970. A ressonância magnética

(RM), a radiologia intervencionista e a tomografia por emissão de pósitrons (PET) foram desenvolvidas posteriormente. A radiologia convencional, na qual estão incluídas a TC e a radiografia contrastada, utiliza radiação ionizante criada pelo equipamento de raio X. A medicina nuclear usa radiação ionizante emitida por substâncias radioativas ingeridas ou injetadas em diversas partes do corpo. As modalidades de ultrassonografia e RM utilizam ondas sonoras e magnetismo, respectivamente, em vez de radiação ionizante.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547227647

8. Classificação doutrinária

BITENCOURT, Cezar Roberto Editora Saraiva PDF Criptografado

vantagem indevida, em prejuízo de outrem. Deve abranger não apenas a ação como também o meio fraudulento, a vantagem indevida e o prejuízo alheio. Hungria31, a seu tempo, já chamava a atenção para esse aspecto: “Não existe o crime sem a vontade conscientemente dirigida à astucia mala que provoca ou mantém o erro alheio e à correlativa locupleta­ção ilícita em detrimento de outrem”.

O dolo, na primeira figura, “induzir em erro”, deve anteceder o emprego do meio fraudulento e a produção dos resultados “vantagem ilícita” e “prejuízo alheio”.

Na segunda figura, “manter em erro”, o dolo é conco­mitante ao referido erro: constatada a existência do erro, o dolo consiste exatamente em sua manutenção32.

É necessário que o agente tenha consciência de que obtém uma vantagem indevida, visto que, se for devida, legal ou justa não se cuidará de estelionato, mas, teo­ricamente, de exercício arbitrário das próprias razões (art. 345). O erro sobre a justiça ou legalidade da vantagem constitui erro de tipo, pois incide sobre uma elementar típica.

Ver todos os capítulos
Medium 9788565837026

A estimativa de respostas numéricas

Jerome L. Rosenberg; Lawrence M. Epstein; Peter J. Krieger Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO 1 • QUANTIDADES E UNIDADES

5

A resolução contém um fator unitário de dimensões mistas (0,765 kg/1 grosa de pregos). O fator unitário não

é composto de medidas totalmente equivalentes, porque o peso de uma grosa de pregos varia em função do tipo de prego. Os próximos capítulos apresentam muitos exemplos semelhantes de cálculo com unidades.

A ESTIMATIVA DE RESPOSTAS NUMÉRICAS

Quando solucionamos problemas, pressupomos que a calculadora esteja funcionando do modo adequado, que os números tenham todos sido inseridos na calculadora e que os digitamos corretamente. Porém, consideremos agora que uma ou mais dessas suposições não seja válida. A resposta errada é aceitável? Uma das habilidades mais importantes de um cientista consiste em determinar, por exame visual, se uma resposta está certa ou não. Além disso, tem importância especial a ordem correta de magnitude, representada pela localização da vírgula decimal (ou da potência de 10). Há vezes em que a resposta apresenta os algarismos certos, mas a vírgula decimal está no lugar errado. Um pouco de dedicação para aprender a estimar respostas e alguns segundos gastos nessa finalidade durante a solução de problemas podem aumentar em muito a precisão de um cálculo e, com isso, suas notas escolares.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547206079

5 DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL

GONÇALVES, Victor Rios Editora Saraiva PDF Criptografado

Direito Comercial — Direito

de

Empresa e Sociedades Empresárias

da Administração Pública, e até a prática de crime, nos termos da Lei de Falências, art. 168, § 1º, II.

Por fim, cumpre informar que os microempresários e as empresas de pequeno porte, bem como os empresários rurais, gozam de tratamento diferenciado, sendo, quanto a eles, atenua­das as exigências relativas à sua inscrição e efeitos daí decorrentes (art. 970), bem como quanto às obrigações decorrentes da escrituração de seus livros (art.

1.179, § 2º).

5   DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL

O estabelecimento não se confunde com a empresa, que é a atividade empresarial desenvolvida seja no estabelecimento, seja fora dele.

Pelas lições de Rubens Requião, o estabelecimento é a “base física da empresa”.

Anteriormente ao Código Civil de 2002, que expressamente trouxe essa denominação, o estabelecimento empresarial era chamado de fundo de comércio, conceito antigo abrangido pelo atual.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547223335

Art. 793‑D

MATINEZ, Luciano Editora Saraiva PDF Criptografado

Art. 793­‑D

CLT Comparada | 215

§ 1.º Quando forem dois ou mais os litigantes de má­‑fé, o juízo condenará cada um na proporção de seu respectivo interesse na causa ou solidariamente aqueles que se coligaram para lesar a parte contrária.

§ 2.º Quando o valor da causa for irrisório ou inestimável, a multa poderá ser fixada em até duas vezes o limite máximo dos benefícios do Regime

Geral de Previdência Social.

§ 3.º O valor da indenização será fixado pelo juízo ou, caso não seja possível mensurá­‑lo, liquidado por arbitramento ou pelo procedimento comum, nos próprios autos.

Art. 793­‑D. Aplica­‑se a multa prevista no art. 793­

‑C desta Consolidação à testemunha que intencionalmente alterar a verdade dos fatos ou omitir fatos essenciais ao julgamento da causa.

Parágrafo único. A execução da multa prevista neste artigo dar­‑se­‑á nos mesmos autos.

O que mudou?

Os arts. 793­‑A a 793­‑D troxeram inovações para a CLT. Não existia no corpo legislativo trabalhista nenhuma disposição normativa que tratasse sistematicamente da responsabilidade por dano processual. Essas disposições foram trazidas quase que eu sua literalidade dos arts.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos