Crie suas própias Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788553607150

9.5. Humanistas

MACIEL, José Fabio Rodrigues Editora Saraiva PDF Criptografado

9.4. Comentadores

A escola que sucedeu e superou amplamente a estudada no item anterior foi a dos comentadores, estudiosos que passaram a interpretar o direito romano de forma mais livre, entendendo-o como um sistema. Embasados nas detalhadas explicações levadas a cabo pelos glosadores, buscavam soluções para casos concretos alicerçados no conjunto da obra, e não apenas em partes específicas do texto romano. Fazem parte dessa escola os conselheiros dos príncipes, das comunas e dos particulares, cujos trabalhos auxiliaram na harmonização dos sistemas jurídicos que surgiram a partir dessa época na Europa continental, especialmente nos séculos XIV e XV.

Superam com folga os glosadores pelo fato de terem como preocupação principal os princípios fundantes do direito, e não apenas as regras específicas anteriormente estudadas. Fazem desde essa época uma interpretação filosófica do tema, associando o direito à ética e buscando integrá-lo a um valor fundamental: a justiça.

9.5. Humanistas

Ver todos os capítulos
Medium 9788547229184

2. Comportamento dos contratantes diante do desequilíbrio e o silêncio do legislador brasileiro

SCHREIBER, Anderson Editora Saraiva PDF Criptografado

278 |  Anderson Schreiber

Não é por outra razão que, na prática negocial, tornou-se frequente que o contratante prejudicado pelo desequilíbrio tente, antes da propositura da demanda judicial, uma solução consensuada com o outro contratante, com base em cláusulas contratuais prevendo a “renegociação de boa-fé” ou mesmo na ausência delas. A doutrina reconhece, por toda parte, que essa tentativa prévia de renegociação do contrato representa, ela sim, “a melhor alternativa” dentre aquelas disponíveis para o problema do desequilíbrio contratual ou “o remédio mais eficiente” para lidar com a alteração superveniente do equilíbrio contratual.10

Ocorre que, à falta de cláusula contratual expressa, não há nenhuma “garantia” de que o contratante favorecido responderá à tentativa de renegociação efetuada por quem sofre a excessiva onerosidade, nem o direito brasileiro se ocupa, em qualquer medida, daquilo que se passa nessa fase, mantendo um autêntico vácuo normativo em relação àquela que seria a solução mais ágil, eficiente e segura para o desequilíbrio do contrato.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547211660

Agradecimentos

KLIPPEL, Bruno Editora Saraiva PDF Criptografado

Agradecimentos

Como não poderia deixar de ser, agradeço aos meus pais, Gildazio e Telma, por todo o carinho, amor e dedicação. Vocês são exemplos de pais e amigos.

À minha segunda mãe, Mariza Quintino do Nascimento, por todo o carinho e paciência.

Ao meu irmão e amigo, Rodrigo Klippel, por tudo o que fez e faz por mim. À

Catarina, minha cunhada “preferida”, pela alegria com que contagia nossa família.

Ao sobrinho-afilhado mais lindo que Deus poderia me dar, Roberto Cavalcanti Von

Sohsten Klippel, dono do sorriso mais “sem-vergonha” do mundo! Agora também incluo o meu segundo sobrinho, Pedro Cavalcanti Von Sohsten Klippel, que igualmente traz alegrias ao tio coruja.

A todos os meus amigos, parte importantíssima da minha vida, representados por João Guilherme Souza Pelição.

À Isadora Vilaça Oliveira Klippel, minha esposa, por tudo o que representa em minha vida e, principalmente, por me dar a oportunidade de ser pai de Marina Vilaça Oliveira Klippel, que já acorda sorrindo para o papai, fazendo minha vida ainda melhor. Minha receita para a felicidade: tenham filhos, pois é bom demais!

Ver todos os capítulos
Medium 9788547213879

Capítulo 2 - FONTES DO DIREITO AGRÁRIO

OPTIZ, SILVIA Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo 2

FONTES DO DIREITO AGRÁRIO

1. Economia agrícola. Sua origem. Propriedade consorcial

“A elaboração jurídica, de algum modo, supera o tempo, fundido o passado, o presente e o futuro. Dá novo sentido ao que se dispôs no passado quando já nem mais se sabem as razões pelas quais assim se dispôs (D. 1, 3, 20). Informa o presente, ordenando-o segundo o que foi (D. 1, 3, 28) e segundo o que há de ser (C.

1, 14, 7). E, ao fim e ao cabo, reunindo, de tal arte, o passado e o futuro para afeiçoar o ­presente, o esforço do jurista não é senão um esforço em demanda da realidade, à busca da fixação, num momento dado, do desenho que se afrouxa e dissolve no perene curso do tempo” (Ruy Cirne Lima). Nenhuma passagem mais eloquente serviria para se iniciar uma obra jurídica sobre direito agrário do que essa do eminente mestre. Não é possível o exame das leis agrárias nacionais em vigor, sem antes fundir o passado com o presente, para que ambos possam iluminar a senda jurídica do futuro. É nas fontes subterrâneas dos usos e costumes dos agricultores romanos que vamos buscar a linfa de muitas instituições jurídicas ainda em vigor em muitos estatutos legais, em diversas partes do mundo rural. Sem se pretender uma indagação histórica p­ rofunda, é-se forçado a voltar as vistas, mesmo que sumariamente, sobre os usos e costumes daqueles criadores de direitos e obrigações que venceram o tempo, embora o p­ resente não saiba mais as razões pelas quais assim se dispôs.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536326061

20. Drogas Antimicrobianas

Tortora, Gerard J. Grupo A PDF Criptografado

20

Drogas Antimicrobianas

Quando as defesas normais do organismo não são capazes de impedir ou derrotar uma doença, ela frequentemente pode ser tratada por quimioterapia pelo uso de drogas antimicrobianas.

Como os desinfetantes, discutidos no Capítulo 7, as drogas antimicrobianas agem matando ou interferindo no crescimento dos micro-organismos. Diferentemente dos desinfetantes, no entanto, essas drogas precisam agir dentro do hospedeiro, sem causar dano a ele. Esse é o princípio da toxicidade seletiva.

Os antibióticos estão entre as mais importantes descobertas da medicina moderna. Ainda está na memória das pessoas um tempo em que pouco podia ser feito para tratar muitas doenças infecciosas letais. A introdução de agentes antimicrobianos, como penicilinas e sulfanilamidas, para tratar condições como um apêndice supurado ou o envenenamento do sangue (sepse) resultou em curas que pareciam quase miraculosas.

Hoje testemunhamos os avanços representados por essas drogas miraculosas ameaçados pelo desenvolvimento da resistência a antibióticos. Por exemplo, existem relatos frequentes de patógenos estafilocócicos que são resistentes a quase todos os antibióticos disponíveis. Certas populações de patógenos que causam a tuberculose são agora resistentes a quase todas as drogas anteriormente efetivas. Em alguns casos, a medicina dispõe atualmente de poucas armas efetivas para o tratamento das doenças causadas por esses patógenos, muito menos do que era disponível há um século.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos